“NA­DA DE USAR SÓ O QUE SER­VE”

A mo­de­lo Dé­bo­ra Fer­nan­des ava­lia a mu­dan­ça do mer­ca­do de rou­pas plus size e de­fen­de: to­das as mu­lhe­res, in­de­pen­den­te­men­te da si­lhu­e­ta, têm o di­rei­to de po­der es­co­lher o que ves­tir

Ana Maria - - MODA - Por: Tai­ná Gou­lart Fo­tos: Lu­kas San

Atra­je­tó­ria de mais de dez anos da mo­de­lo e in­flu­en­ci­a­do­ra di­gi­tal Dé­bo­ra Fer­nan­des pas­sou por al­tos, médios e bai­xos, es­pe­ci­al­men­te quan­do se tra­ta da pai­xão pe­la mo­da plus size, sua atu­al fon­te de ren­da. O prin­ci­pal mo­ti­vo des­sa mon­ta­nha-rus­sa pro­fis­si­o­nal: faz pou­co tem­po que pes­so­as fo­ra do pa­drão pos­su­em pe­ças com in­for­ma­ção fashi­on de qua­li­da­de dis­po­ní­veis nas lo­jas. “Em uma dé­ca­da de car­rei­ra, ve­jo uma mu­dan­ça gran­de nes­se mer­ca­do. Sim, foi de for­ma len­ta, mas não po­de­mos dei­xar de co­me­mo­rar a mu­dan­ça de com­por­ta­men­to da mu­lher, que es­tá mais aber­ta pa­ra con­su­mir mo­da, mais co­nec­ta­da, mo­der­na e exi­gen­te”, re­ve­la ela.

ROU­PAS QUE VA­LO­RI­ZAM AS CUR­VAS

A atu­a­ção in­ten­sa nas re­des so­ci­ais, aliás, é uma de su­as ‘ban­dei­ras’ de amor-pró­prio e au­to­cui­da­do. Em sua con­ta no Ins­ta­gram @ de­bo­ra­fer­nan­des­plus, com 115 mil se­gui­do­res, ela com­par­ti­lha co­nhe­ci­men­to. “As re­des aju­da­ram mui­to nes­se cres­ci­men­to do plus size, pois as mu­lhe­res se sen­tem aco­lhi­das por um mer­ca­do que nun­ca ti­nha olha­do pa­ra elas an­tes. Sur­gi­ram mui­tas mar­cas pa­ra aten­der es­sa no­va con­su­mi­do­ra, que é jo­vem, em­po­de­ra­da e quer va­lo­ri­zar su­as cur­vas sem se pre­o­cu­par com as re­gras im­pos­tas”, ava­lia. E, pa­ra quem pen­sa que pos­tar lo­oks e/ ou fo­to­gra­far cam­pa­nhas de mo­da se­ja al­go fú­til ou sem im­por­tân­cia, a in­flu­en­cer pon­de­ra: “Por trás de um lo­ok do dia tem mui­to mais do que mo­da. Tem re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de, con­fi­an­ça e au­to­es­ti­ma. Re­ce­bo men­sa­gem to­dos os di­as das mi­nhas se­gui­do­ras, que co­men­tam so­bre co­mo a mo­da plus size tem im­pac­ta­do a vi­da de­las”, con­ta.

ES­TI­LOS DI­FE­REN­TES

No Ins­ta­gram, as se­gui­do­ras par­ti­ci­pam do dia a dia de Dé­bo­ra e acom­pa­nham o seu tra­ba­lho. Pa­ra a in­flu­en­ci­a­do­ra, é in­crí­vel ver que a re­la­ção que cul­ti­va com o pró­prio cor­po e com a mo­da ins­pi­ra ou­tras mu­lhe­res. “O ter­mo plus size é pa­ra seg­men­tar o mer­ca­do fashi­on, não exis­te co­no­ta­ção ne­ga­ti­va. E, mes­mo com tan­tos avan­ços, pre­ci­sa­mos pro­fis­si­o­na­li­zar mais es­se uni­ver­so, a pro­du­ção”, con­fron­ta. E ela con­ti­nua: “An­tes, a mo­da pa­ra es­se seg­men­to era fei­ta pa­ra um úni­co per­fil de pú­bli­co e, ago­ra, nós te­mos di­fe­ren­tes es­ti­los. A mu­lher já se co­nhe­ce mais e sa­be o que quer usar ou não. En­tão, é im­por­tan­te pa­ra as mar­cas co­nhe­ce­rem seu es­ti­lo, in­ves­ti­rem em pes­qui­sa de ten­dên­cia, de con­su­mo e, prin­ci­pal­men­te, con­ver­sa­rem com seu pú­bli­co por meio das re­des so­ci­ais. Tra­ba­lhar com mo­da plus size é mui­to mais do que fa­lar de mo­da, é dar aces­so à mu­lher que só usa­va o que ser­via”.

NA­DA DE COM­PA­RA­ÇÃO

Um man­tra pa­ra Dé­bo­ra? Se olhar mais no es­pe­lho com ca­ri­nho e va­lo­ri­zar a his­tó­ria que es­tá na­que­la ima­gem.

Com is­so, o tal do amor-pró­prio re­co­nhe­ce que o seu va­lor e be­le­za es­tão além da es­té­ti­ca. “Não se com­pa­re com ou­tras pes­so­as, ca­da uma tem sua par­ti­cu­la­ri­da­de, seu tem­po.

Olhe pa­ra vo­cê e se ame o su­fi­ci­en­te pa­ra se blin­dar dos olha­res alhei­os. Não é uma ta­re­fa fá­cil, é um exer­cí­cio diá­rio de se res­pei­tar mais, re­a­li­zar mais coi­sas que te fa­zem bem e re­co­nhe­cer que vo­cê po­de ser e usar o que re­al­men­te qui­ser”, fi­na­li­za Dé­bo­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.