Di­a­be­tes in­fan­til: co­mo de­tec­tar e tra­tar

Ana Maria - - VOCÊ E A GAROTADA -

“É pre­ci­so en­ten­der que o di­a­be­tes nas cri­an­ças e nos adul­tos são tra­ta­dos de ma­nei­ra di­fe­ren­te. Por is­so, a bus­ca por um pro­fis­si­o­nal que en­ten­da a si­tu­a­ção dos pe­que­nos é es­sen­ci­al – um en­do­cri­no­lo­gis­ta pe­diá­tri­co, por exem­plo”

Te­nho um fi­lho de 10 anos e gos­ta­ria de sa­ber a par­tir de que ida­de a cri­an­ça po­de ter di­a­be­tes?”

M. D., por e-mail

In­fe­liz­men­te, as cri­an­ças es­tão ten­do que li­dar ca­da vez mais ce­do com a do­en­ça. O ti­po de di­a­be­tes que mais as aco­me­te é o ti­po 1, em­bo­ra, com a epi­de­mia de obe­si­da­de, o ti­po 2 ve­nha apa­re­cen­do mais fre­quen­te­men­te tam­bém. É pre­ci­so en­ten­der que o di­a­be­tes nas cri­an­ças e nos adul­tos são tra­ta­dos de ma­nei­ra di­fe­ren­te. Por is­so, a bus­ca por um pro­fis­si­o­nal que en­ten­da a si­tu­a­ção do pe­que­no é es­sen­ci­al – um en­do­cri­no­lo­gis­ta pe­diá­tri­co, por exem­plo. Os sin­to­mas que exi­gem aten­ção são ema­gre­ci­men­to, ir vá­ri­as ve­zes ao ba­nhei­ro fa­zer xi­xi, be­ber mui­ta água e can­sa­ço. No di­a­be­tes ti­po 1 o or­ga­nis­mo não con­se­gue pro­du­zir um hormô­nio cha­ma­do in­su­li­na, que é im­por­tan­te pa­ra ti­rar o açú­car do san­gue e co­lo­car den­tro das cé­lu­las do cor­po pa­ra que a gen­te te­nha ener­gia. O ex­ces­so de açú­car no san­gue é o que cau­sa a do­en­ça. Pa­ra con­tro­lar o ní­vel de açú­car, as cri­an­ças pre­ci­sam me­dir a gli­ce­mia vá­ri­as ve­zes ao dia e fa­zer re­po­si­ção de in­su­li­na in­je­tá­vel. O tes­te é re­a­li­za­do com a co­le­ta de uma go­ti­nha de san­gue ti­ra­da da pon­ta do de­do. De acor­do com o re­sul­ta­do, o pa­ci­en­te vai apli­car in­su­li­na pa­ra baixar a gli­ce­mia ou dar açú­car se es­ti­ver com gli­ce­mia bai­xa. Ape­sar de os cui­da­dos de­man­da­rem pi­ca­das no de­do e apli­ca­ções de in­je­ções, mui­to tem se avan­ça­do no tra­ta­men­to. Ho­je, as se­rin­gas têm agu­lhas bem cur­tas, há tam­bém ca­ne­tas de apli­ca­ção de in­su­li­na que fa­ci­li­tam a ad­mi­nis­tra­ção... Mui­tas op­ções que cau­sam pou­co ou ne­nhum des­con­for­to. Na par­te nu­tri­ci­o­nal, exis­te uma téc­ni­ca cha­ma­da con­ta­gem de car­boi­dra­tos, em que a nu­tri­ci­o­nis­ta en­si­na a cri­an­ça quan­to de in­su­li­na ela faz pa­ra quan­to de car­boi­dra­to ela co­me. Is­so vem per­mi­tin­do a quem tem a do­en­ça co­mer pra­ti­ca­men­te tu­do.

FER­NAN­DA AN­DRÉ En­do­cri­no­lo­gis­ta pe­diá­tri­ca. Mes­tre em en­do­cri­no­lo­gia e es­pe­ci­a­li­za­ção em en­do­cri­no­lo­gia pe­diá­tri­ca pe­la UFRJ. Tí­tu­lo de es­pe­ci­a­lis­ta em en­do­cri­no­lo­gia pe­diá­tri­ca pe­la As­so­ci­a­ção Mé­di­ca Bra­si­lei­ra (AMB).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.