Pra­to na mi­ra

Tu­do o que vo­cê pre­ci­sa sa­ber pa­ra não per­der o con­tro­le so­bre a ali­men­ta­ção das cri­an­ças quan­do não es­ti­ver por per­to

Ana Maria - - FILHOS - Lí­gia Me­ne­zes

Se­gun­do a Fe­de­ra­ção Mun­di­al de Obe­si­da­de, o nú­me­ro de cri­an­ças e ado­les­cen­tes aci­ma do pe­so de­ve sal­tar dos atu­ais 220 mi­lhões pa­ra 268 mi­lhões até 2025. Cerca de 28 mi­lhões de­las te­rão hi­per­ten­são e 39 mi­lhões es­ta­rão com gor­du­ra no fí­ga­do. Sa­be o di­a­be­tes ti­po 2, pro­ble­ma co­nhe­ci­do por aco­me­ter os mais ve­lhos? Es­ti­ma-se que 4 mi­lhões de cri­an­ças so­fre­rão com a do­en­ça nes­te fu­tu­ro tão pró­xi­mo! Os da­dos alar­man­tes cha­mam a aten­ção pa­ra a im­por­tân­cia de con­tro­lar a ali­men­ta­ção in­fan­til. Po­rém, quan­do a cri­an­ça ga­nha um pou­co mais de in­de­pen­dên­cia, não con­se­gui­mos acom­pa­nhar a ro­ti­na ali­men­tar de­las tão de per­to qu­an­to gos­ta­ría­mos. Mas há dicas que po­dem nos aju­dar a fis­ca­li­zar mes­mo de lon­ge o que os nos­sos fi­lhos le­vam ao pra­to. Quem vai aju­dar nes­sa mis­são é a pe­di­a­tra Ali­ne Me­ne­zes (@dra.ali­ne­me­ne­zes­pe­di­a­tra), de São Pau­lo.

BEBÊS COM HO­RÁ­RI­OS FLEXÍVEIS

Na ama­men­ta­ção, li­vre de­man­da. Após a in­tro­du­ção ali­men­tar, fle­xi­bi­li­da­de de ho­rá­ri­os. Ou se­ja, o al­mo­ço não pre­ci­sa ser ao meio-dia em pon­to (nem to­dos os di­as no mes­mo ho­rá­rio). “Ho­je não se pres­cre­ve mais um mo­de­lo ali­men­tar cer­ti­nho, com o nú­me­ro de re­fei­ções que a cri­an­ça pre­ci­sa fa­zer. Tu­do de­pen­de da acei­ta­ção in­di­vi­du­al, até que ela se­ja ca­paz de se adap­tar a al­mo­çar, jan­tar e co­mer fru­tas ao lon­go do dia”, ex­pli­ca Ali­ne. Co­me­çar uma ro­ti­na no­va, co­mo ir à es­co­la, vai in­flu­en­ci­ar na ho­ra de dor­mir, no ape­ti­te e na dis­po­si­ção. Uma cri­an­ça com so­no, por exem­plo, não vai que­rer co­mer. Por is­so, a vo­vó ou a cui­da­do­ra de­ve ser bem ori­en­ta­da. “É pre­ci­so ter sen­si­bi­li­da­de e fle­xi­bi­li­da­de, além de não bri­gar se a cri­an­ça não ras­par o pra­to”, ori­en­ta Ali­ne.

MUI­TA CON­VER­SA – E TEC­NO­LO­GIA!

De­fi­na as re­gras ali­men­ta­res com o pe­di­a­tra e pas­se-as pa­ra a pes­soa res­pon­sá­vel por dar co­mi­da à cri­an­ça. Sem is­so, ela não tem co­mo adi­vi­nhar o que vo­cê de­se­ja. “Pre­ci­sa ha­ver diá­lo­go en­tre a cui­da­do­ra e os pais”, ex­pli­ca. Va­le usar a tec­no­lo­gia a seu fa­vor. Pe­ça, por exem­plo, pa­ra en­vi­a­rem ví­de­os da cri­an­ça co­men­do, per­gun­te o que tem acha­do, se es­tá di­fí­cil. Es­sa ati­tu­de aju­da a en­xer­gar me­lhor a ro­ti­na.

NA­DA DE LANCHES EN­TRE AS RE­FEI­ÇÕES

Pa­ra co­mer, a cri­an­ça pre­ci­sa es­tar com fo­me. Se be­lis­car to­da ho­ra, a ro­ti­na ali­men­tar po­de não acon­te­cer co­mo vo­cê de­se­ja. “Lanches no meio da ma­nhã e tar­de po­dem atra­pa­lhar na acei­ta­ção do al­mo­ço e jan­tar”, avi­sa a pe­di­a­tra. Es­sa ori­en­ta­ção pre­ci­sa ser pas­sa­da à cui­da­do­ra.

SÓ COMPRE O QUE APRO­VA

Pa­ra os mai­o­res não caí­rem em ten­ta­ção, evi­te ter do­ces, bis­coi­tos ou in­dus­tri­a­li­za­dos em casa. Pa­ra Ali­ne, a men­sa­gem é cla­ra: se vo­cê tem dis­po­ní­vel e a cri­an­ça tem au­to­no­mia pa­ra pe­gar, ela vai pe­gar. A saí­da: te­nha fru­tas pi­ca­das na ge­la­dei­ra, cas­ta­nhas e até mes­mo um bo­lo in­te­gral. “Fru­tas fá­ceis de car­re­gar, co­mo ma­çã e ba­na­na, tam­bém são uma boa pe­di­da, me­lhor do que bar­ra de ce­re­ais, por exem­plo”, diz.

CO­NHE­ÇA O CAR­DÁ­PIO DA CRECHE OU ES­CO­LA

Con­ver­se com os pro­fes­so­res pa­ra sa­ber se seu fi­lho co­meu em to­das as re­fei­ções, o que ele re­jei­tou e porquê. “É fun­da­men­tal co­nhe­cer co­mo acon­te­cem as re­fei­ções pa­ra ver se a equi­pe es­tá bem am­pa­ra­da pa­ra ofe­re­cer o me­lhor, co­mo é o car­dá­pio, a pre­pa­ra­ção e co­mo os tu­to­res li­dam com a não acei­ta­ção”, ex­pli­ca.

PROGRAME COMPRAS SE­MA­NAIS

Vo­cê pre­ci­sa sa­ber o que tem em sua ge­la­dei­ra, pois é is­so que a cui­da­do­ra vai pre­pa­rar. Me­lhor ain­da se vo­cê fi­zer uma pro­gra­ma­ção se­ma­nal, já com o car­dá­pio a ser ofe­re­ci­do. “No co­me­ço, de­man­da tem­po, mas uma vez que é or­ga­ni­za­do, vi­ra ro­ti­na”, con­ta Ali­ne. Pa­ra bebês, es­sa pro­gra­ma­ção po­de in­cluir tam­bém co­mo a co­mi­da se­rá ofe­re­ci­da: amas­sa­da, em pe­da­ço, com a mão, ta­lher e o que dar (ou não!) nos in­ter­va­los das re­fei­ções.

RO­TI­NA GOS­TO­SA ÀS RE­FEI­ÇÕES

A ho­ra de co­mer pre­ci­sa ser as­so­ci­a­da a um mo­men­to so­ci­al, agra­dá­vel, de pre­fe­rên­cia com con­ver­sa en­tre a fa­mí­lia. Os fi­lhos mai­o­res po­dem aju­dar no preparo e a ar­ru­mar a me­sa. Se não pu­der sen­tar à me­sa sem­pre com a cri­an­ça, pe­ça pa­ra o cui­da­dor fa­zer is­so e até se ali­men­tar com ela.

EXEM­PLO É TU­DO!

A cri­an­ça apren­de­rá com o exem­plo. Por is­so, ali­nhe tu­do com a avó, ba­bá ou tu­to­res da es­co­li­nha: se há ve­ge­tais no pra­to dos pe­que­nos, eles tam­bém devem apa­re­cer no pra­to da cui­da­do­ra. O mes­mo va­le pa­ra os do­ces: a So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Pe­di­a­tria su­ge­re que as cri­an­ças não pro­vem açú­car até os 2 anos de vi­da. Após es­sa ida­de, va­le a re­gra de não dei­xar dis­po­ní­vel ou per­mi­tir ape­nas al­gu­mas ve­zes na se­ma­na. A re­gra pre­ci­sa va­ler tam­bém pa­ra os pais e cui­da­do­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.