A li­ber­da­de de um ga­to!

Na obra Agir e Pen­sar co­mo Um Ga­to, a au­to­ra Stépha­ne Gar­ni­er re­ve­la que a ro­ti­na de um ga­to é mais sau­dá­vel do que a do hu­ma­no

Ana Maria - - NA SUA CABECEIRA - Ra­quel Bor­ges

Tem cer­tos di­as em que não es­ta­mos nem um pou­co a fim de tra­ba­lhar, de sa­ber o que es­tá acon­te­cen­do no mun­do, e mui­to me­nos nos pre­o­cu­par­mos com o que vem pe­la fren­te... Não es­ta­mos a fim de dis­cu­tir so­bre po­lí­ti­ca pa­ra não ter que ros­nar pa­ra quem pen­sa di­fe­ren­te, nem fi­car an­gus­ti­a­dos por cau­sa do tra­ba­lho, co­gi­tan­do se va­mos con­se­guir nos apo­sen­tar...

Não es­ta­mos nem aí pa­ra os pro­ble­mas pes­so­ais e mui­to me­nos pa­ra os fa­mi­li­a­res, não que­re­mos nos sen­tir cul­pa­dos por­que to­ma­mos um ba­nho de­mo­ra­do em “de­tri­men­to” do pla­ne­ta, nem fi­car com a cons­ci­ên­cia pe­sa­da por­que co­me­mos bes­tei­ras de­mais.

Só que­re­mos des­li­gar, dar uma boa des­co­nec­ta­da e ape­nas por um ins­tan­te... res­pi­rar. Quan­do me vi­ro, ve­jo meu ga­to, Ziggy, en­tran­do no es­cri­tó­rio sem fa­zer qual­quer ruí­do. Ele me ob­ser­va, pu­la na mi­nha me­sa de tra­ba­lho e se dei­ta so­bre o te­cla­do do com­pu­ta­dor. Pe­que­no ri­tu­al de mui­tos anos, des­de o tem­po em que eu ain­da es­cre­via em ca­der­nos e ele não pa­ra­va de mor­dis­car a tam­pa da mi­nha ca­ne­ta. Sor­rio, pois é uma brin­ca­dei­ra nos­sa.

Ziggy age co­mo se ado­ras­se me ver es­cre­ven­do, mas faz tu­do pa­ra me im­pe­dir. Con­fes­so que até ho­je, além das su­a­ves pa­ta­das, das idas e vin­das en­tre os meus jo­e­lhos e o te­cla­do, eu não via nes­sa ma­no­bra na­da além de ca­ri­nho e tra­ves­su­ra...

Mas é bem pro­vá­vel que ele es­te­ja que­ren­do me di­zer al­gu­ma coi­sa de­pois de to­dos es­ses anos, ou sim­ples­men­te me pro­pon­do: “Ei! Que tal des­li­gar um pou­co?”

Des­li­gar... Nes­se exa­to mo­men­to em que es­tá es­fre­gan­do o na­riz no meu pes­co­ço, eu não es­tou a fim... Não es­tou na­da a fim de sa­ber se vou con­se­guir pa­gar as mi­nhas con­tas, nem de me pre­o­cu­par com o so­be e des­ce da Bol­sa... Por aca­so ele se pre­o­cu­pa com is­so? Tal­vez se­ja exa­ta­men­te es­se o se­gre­do que ele es­tá que­ren­do me con­tar há tan­to tem­po: lar­gar de mão, me en­tre­gar ao es­sen­ci­al, pen­sar no meu bem-es­tar, fa­zer co­mo ele... Vi­ver co­mo um ga­to!

Ao que tu­do in­di­ca, o ga­to vi­ve mui­to me­lhor do que nós! Por que não apren­der com ele? Foi o que de­ci­di fa­zer ao de­co­di­fi­car seu dia a dia, su­as as­pi­ra­ções e seu es­ti­lo de vi­da. Es­ta­va tu­do ali na mi­nha fren­te, sem que eu re­al­men­te me des­se con­ta es­ses anos to­dos.

Tan­to na nos­sa vi­da pes­so­al qu­an­to na pro­fis­si­o­nal, te­mos mui­to a apren­der com o ga­to! Por is­so, con­vi­do vo­cê a des­co­brir nes­te li­vro: co­mo se dis­tan­ci­ar da ro­ti­na, re­cu­pe­rar o bem-es­tar e sor­rir mais! Ele tem ra­zão em quê? Em que de­ve­re­mos nos ins­pi­rar ne­le? A par­tir de ago­ra, pa­ra con­si­de­rar uma no­va ma­nei­ra de ver a vi­da, va­mos pen­sar e agir co­mo um ga­to! [...]

Li­ber­da­de, do­ce li­ber­da­de! Quem não so­nha com ela co­mo o mo­tor que mo­vi­men­ta a pró­pria vi­da? Li­vre pa­ra ir e vir, li­vre pa­ra fa­zer so­men­te o que dá pra­zer, li­vre nas ações, nos de­se­jos, nos ca­pri­chos... Pen­sa­men­tos e mo­vi­men­tos li­vres! Li­vre! Pa­ra­do­xal­men­te, to­dos nós te­mos uma for­te pro­pen­são a acu­mu­lar obs­tá­cu­los e, com frequên­cia, nos apri­si­o­nar­mos, se­ja a em­prés­ti­mos ban­cá­ri­os que só nos obri­gam a tra­ba­lhar ca­da vez mais, se­ja a ob­je­tos fú­teis, mas pre­ci­o­sos aos nos­sos olhos, se­ja a há­bi­tos que se tor­nam obri­ga­ções que nem mes­mo per­ce­be­mos, se­ja a pes­so­as no­ci­vas que ain­da nos obri­ga­mos a su­por­tar... Tal­vez se­ja es­se o mo­men­to pa­ra fa­zer uma boa fa­xi­na na vi­da. Por que não ten­tar con­ser­var o que vo­cê ama, pre­ser­var as ami­za­des que lhe fa­zem bem, pra­ti­car as ati­vi­da­des que lhe dão pra­zer e es­co­lher a pro­fis­são que o apai­xo­na? Só fa­zer o que dá na ca­be­ça, ir atrás ex­clu­si­va­men­te dos de­se­jos... tal­vez vo­cê pen­se que se tra­ta de um so­nho qua­se im­pos­sí­vel... Mas não pa­ra o ga­to, que de­ci­diu ser li­vre, li­vre de ter, li­vre pa­ra ser, li­vre pa­ra vi­ver co­mo me­lhor lhe pa­re­cer em to­dos os mo­men­tos da vi­da.

“Pa­ra man­ter a cal­ma e a paz in­te­ri­or, fa­ça co­mo o ga­to: iden­ti­fi­que a ori­gem do seu es­tres­se, re­sol­va o pro­ble­ma de uma vez por to­das, vá in­can­sa­vel­men­te até o fim e se li­vre de­le! Não fi­que re­mo­en­do”

Agir e Pen­sar co­mo um Ga­to, de Stépha­ne Gar­ni­er Edi­to­ra: Va­len­ti­na – Pre­ço: R$ 29,90

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.