De­pres­são X in­ter­na­ção psi­quiá­tri­ca

Ana Maria - - SAÚDE -

Qu­an­do a in­ter­na­ção psi­quiá­tri­ca é fun­da­men­tal pa­ra o tra­ta­men­to de de­pres­são se­ve­ra? Ela de­ve ser o úl­ti­mo re­cur­so sem­pre, pois o pa­ci­en­te fi­ca me­lhor em ca­sa, com a fa­mí­lia e vi­ven­do em so­ci­e­da­de. Mas, em al­guns ca­sos, é ne­ces­sá­ria. To­do tra­ta­men­to psi­quiá­tri­co pre­ci­sa ser efe­ti­vo. Não ape­nas tra­tar o pa­ci­en­te, co­mo tam­bém pro­te­gê-lo e rein­te­grá-lo ao con­ví­vio so­ci­al e fa­mi­li­ar.

Pa­ra tan­to, cri­ou-se uma mo­da­li­da­de de tra­ta­men­to cha­ma­do de hos­pi­tal-dia. A pes­soa vai à clí­ni­ca e ao hos­pi­tal psi­quiá­tri­cos pa­ra re­ce­ber o tra­ta­men­to e, ao fi­nal do dia, re­tor­na pa­ra ca­sa. Mas há si­tu­a­ções que re­que­rem a in­ter­na­ção clás­si­ca, por pe­río­dos mai­o­res. A re­gra mais im­por­tan­te é pro­te­ger o in­di­ví­duo que per­deu sua au­to­no­mia, o con­ta­to com a re­a­li­da­de e po­de re­pre­sen­tar ris­cos pa­ra si ou pa­ra as pes­so­as pró­xi­mas em fun­ção do trans­tor­no men­tal (aqui, o ris­co de sui­cí­dio é gran­de e, por­tan­to, in­di­ca-se a in­ter­na­ção clás­si­ca). Ca­sos de de­pres­são com sur­to psi­có­ti­co, qua­dros de mui­ta agi­ta­ção, eu­fo­ria de­ma­si­a­da, ace­le­ra­ção de pen­sa­men­tos e ina­de­qua­ção so­ci­al tam­bém cos­tu­mam re­que­rer a in­ter­na­ção psi­quiá­tri­ca. O tra­ta­men­to da­do no hos­pi­tal ou clí­ni­ca po­de ser o mes­mo que o pa­ci­en­te te­rá ao sair, mas nes­se ca­so ha­ve­rá o aco­lhi­men­to de uma equi­pe mul­ti­pro­fis­si­o­nal ali­nha­da e de um am­bi­en­te mais pro­te­gi­do pa­ra con­tro­lar sua con­di­ção. Qu­an­do o pa­ci­en­te não con­se­gue con­tro­lar o uso de ál­co­ol e dro­gas, a in­ter­na­ção tam­bém é in­di­ca­da, com tra­ta­men­to in­cluin­do o uso de me­di­ca­men­tos até que os ob­je­ti­vos da de­sin­to­xi­ca­ção e pre­ven­ção dos ma­les da abs­ti­nên­cia se­jam atin­gi­dos. A lu­ta con­tra a de­pen­dên­cia des­sas subs­tân­ci­as con­ti­nu­a­rá sem­pre, po­rém a in­ter­na­ção de du­as a qua­tro se­ma­nas já te­rá aju­da­do a sair des­se pe­río­do tão pe­ri­go­so pa­ra o in­di­ví­duo. De­pres­são tem cu­ra. Pre­ci­sa­mos aca­bar com o pre­con­cei­to e não te­mer bus­ca por aju­da. O es­tig­ma so­mos nós, se­res hu­ma­nos, que cri­a­mos. Ca­be a nós aca­bar­mos com ele.

“Ca­sos de de­pres­são com sur­to psi­có­ti­co, qua­dros de mui­ta agi­ta­ção, eu­fo­ria de­ma­si­a­da, ace­le­ra­ção de pen­sa­men­tos e ina­de­qua­ção so­ci­al tam­bém cos­tu­mam re­que­rer a in­ter­na­ção

psi­quiá­tri­ca”

LUIZ SCOCCA É psi­qui­a­tra com mais de 20 anos de aten­di­men­to em con­sul­tó­rio pró­prio, além da par­ti­ci­pa­ção em gru­pos de es­tu­do, con­gres­sos e pro­je­tos so­ci­ais. For­ma­do pe­la USP e mem­bro das as­so­ci­a­ções bra­si­lei­ra e ame­ri­ca­na de psi­qui­a­tria: ABP e APA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.