Vai­da­de na ado­les­cên­cia: cui­da­dos na me­di­da cer­ta

Co­mo li­dar com a che­ga­da da vai­da­de ali­a­da às bus­cas por pro­du­tos na ado­les­cên­cia?” E. C., por e-mail

Ana Maria - - VOCÊ E A GAROTADA -

“Os pais pre­ci­sam es­tar aten­tos pa­ra aju­dar os fi­lhos a se re­la­ci­o­na­rem bem com o cor­po, man­ter

a au­to­es­ti­ma ele­va­da e apren­der a não ul­tra­pas­sar

os li­mi­tes pa­ra atin­gir aque­le ide­al de per­fei­ção apre­sen­ta­do nas

re­des so­ci­ais”

A ado­les­cên­cia en­vol­ve trans­for­ma­ções fi­si­o­ló­gi­cas em me­ni­nos e me­ni­nas, pois é na pu­ber­da­de que o or­ga­nis­mo é im­pac­ta­do com as al­te­ra­ções hor­mo­nais e pre­pa­ro do cor­po pa­ra a vi­da adul­ta. Po­de­mos no­tar nos ado­les­cen­tes o sur­gi­men­to de ac­ne no ros­to, pei­to­ral e cos­tas. Nas me­ni­nas tam­bém é co­mum que as te­mi­das es­tri­as co­me­cem a dar as ca­ras em re­giões de ma­mas e, prin­ci­pal­men­te, no bum­bum e cu­lo­tes, por con­ta do re­pen­ti­no e rá­pi­do au­men­to do cor­po. Os cui­da­dos com a be­le­za na ado­les­cên­cia é um ta­bu pa­ra mui­tas mães, que têm a sen­sa­ção de que ain­da é ce­do de­mais pa­ra is­so ou te­mem ex­por o fi­lho às co­bran­ças com a be­le­za e os pa­drões da vi­da adul­ta. En­tre­tan­to, é ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te que os cui­da­dos co­me­cem nes­sa fa­se, de for­ma con­tro­la­da, sob o áli­bi e mo­ni­to­ra­men­to dos pais e em am­bi­en­te se­gu­ro. Os pais pre­ci­sam es­tar aten­tos pa­ra aju­dar os fi­lhos a se re­la­ci­o­na­rem bem com o cor­po, man­ter a au­to­es­ti­ma ele­va­da e apren­der a não ul­tra­pas­sar os li­mi­tes pa­ra atin­gir aque­le ide­al de per­fei­ção apre­sen­ta­do nas re­des so­ci­ais. Ago­ra, se em ca­sa vo­cê tem uma cri­an­ça mui­to vai­do­sa, é pre­ci­so cau­te­la e con­du­zir es­sa vai­da­de de for­ma mais lú­di­ca. A aten­ção de­ve ser gran­de na es­co­lha dos pro­du­tos, já que a pe­le ain­da é mui­to sen­sí­vel. Va­le abu­sar das más­ca­ras e cre­mes com im­por­tân­cia sen­so­ri­al, em que os chei­ri­nhos de chi­cle­tes e cho­co­la­te vão aju­dar a com­por o ce­ná­rio de brin­ca­dei­ra pa­ra os pe­que­nos.

No pú­bli­co jo­vem, a vai­da­de se tor­na no­tó­ria e is­so é um si­nal po­si­ti­vo pa­ra a so­ci­e­da­de, que pas­sa a entender me­lhor so­bre a im­por­tân­cia dos cui­da­dos des­de ce­do.

Mas re­for­ço: os pais pre­ci­sam sa­ber do­sar o que é sau­dá­vel e bus­car aju­da pro­fis­si­o­nal qu­an­do ne­ces­sá­rio.

PAULA CA­RO­LI­NE GAR­CIA @pau­la­ca­ro­li­neg, res­pon­sá­vel pe­la Cli­nic Bi­o­me­di­ci­na Es­te­ti­ca (@cli­nic­bi­o­es­te­ti­ca), em SP. Pos­sui gra­du­a­ção em Es­té­ti­ca e Bi­o­me­di­ci­na pe­la Uni­ver­si­da­de Anhem­bi Mo­rum­bi. Si­te: https:// www.cli­nics­pa.com.br/

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.