CO­MO LI­DAR COM cri­an­ças PROVOCADOR­AS

Co­nhe­ça o Trans­tor­no Opo­si­ti­vo-de­sa­fi­a­dor (TOD): a sín­dro­me que faz jo­vens e cri­an­ças se opo­rem a to­das as au­to­ri­da­des, in­clu­si­ve a dos pais

Ana Maria - - FILHOS - Por Ra­quel Bor­gess

Con­ven­cer seu fi­lho so­bre al­go é sem­pre mui­to di­fí­cil mes­mo quan­do ele es­tá evi­den­te­men­te er­ra­do? Faz par­te do com­por­ta­men­to do pe­que­no se opor a tu­do que di­zem? Ele ba­te bo­ca por qual­quer coi­sa? Se vo­cê res­pon­deu afir­ma­ti­va­men­te pa­ra es­sas três per­gun­tas, po­de ser que a cri­an­ça em ques­tão so­fra de Trans­tor­no Opo­si­ti­vo-de­sa­fi­a­dor, o cha­ma­do TOD. Em ge­ral, os pais con­fun­dem o pro­ble­ma com bir­ra ou uma su­pos­ta fal­ta de li­mi­tes. Al­go, aliás, com­pre­en­sí­vel, pois tra­ta-se de um di­ag­nós­ti­co pou­co po­pu­lar. Tan­to que o neu­ro­lo­gis­ta infantil Clay Bri­tes e a psi­co­pe­da­go­ga Luciana Bri­tes lan­ça­ram o li­vro Cri­an­ças De­sa­fi­a­do­ras (Edi­to­ra Gen­te, R$ 33,16). Na obra, além de ex­pli­car a di­fe­ren­ça en­tre TOD e pir­ra­ça, os es­pe­ci­a­lis­tas apon­tam os sin­to­mas mais co­muns do dis­túr­bio e as me­lho­res es­tra­té­gi­as, além de tra­ta­men­tos, pa­ra li­dar com o fi­lho que apre­sen­ta es­se per­fil.

CO­MO PER­CE­BER QUE A CRI­AN­ÇA TEM TOD

“Quan­do ati­tu­des dis­rup­ti­vas (con­du­ta em que o pe­que­no in­ter­rom­pe to­dos o tem­po to­do) co­me­çam a se ma­ni­fes­tar de for­ma agres­si­va com au­to­ri­da­des de ca­sa e da es­co­la”, ex­pli­ca o mé­di­co. O es­pe­ci­a­lis­ta avi­sa que cri­an­ças den­tro des­se di­ag­nós­ti­co não acei­tam im­po­si­ções na­tu­rais de re­gras e ro­ti­nas, per­dem ami­gos por cri­ar con­fli­tos re­cor­ren­tes, agem uti­li­zan­do discursos de ví­ti­ma, afron­tam ou fa­zem chan­ta­gens e, por fim, ten­dem a ser vin­ga­ti­vas. Além dis­so, po­dem ter si­nais de Trans­tor­no do Dé­fi­cit de Aten­ção com Hi­pe­ra­ti­vi­da­de (TDAH) e/ou de au­tis­mo. “O com­por­ta­men­to do fi­lho com TOD pro­vo­ca so­fri­men­to nos pais, pois eles não con­se­guem en­ten­der o que mo­ti­va tais ati­tu­des por par­te da cri­an­ça e não sa­bem que o trans­tor­no es­tá além do con­tro­le da pes­soa que so­fre de­le”, ex­pli­ca o mé­di­co. Aos fa­mi­li­a­res, ca­be ob­ser­var as ati­tu­des do pe­que­no no dia a dia, co­mo: de­so­be­di­ên­cia, ca­pa­ci­da­de de se en­vol­ver em cons­tan­tes con­fu­sões, agres­si­vi­da­de, ca­rá­ter vi­o­len­to, jei­to rís­pi­do de li­dar com as pes­so­as e di­fi­cul­da­de na in­te­ra­ção so­ci­al. “Es­ses fa­to­res tam­bém são in­dí­ci­os de que o fi­lho se­ja por­ta­dor do Trans­tor­no Opo­si­ti­vo-de­sa­fi­a­dor”, ana­li­sa Clay.

DI­FE­REN­ÇA EN­TRE A BIR­RA E O TRANS­TOR­NO

Pir­ra­ça é um com­por­ta­men­to na­tu­ral de cri­an­ças que têm en­tre 8 me­ses e 4 anos de ida­de. Nes­sa fai­xa etá­ria, quan­do se frus­tra, ela cho­ra e se jo­ga no chão pa­ra ten­tar con­ven­cer seus cui­da­do­res a lhe da­rem o que de­se­ja. “Já no ca­so do Trans­tor­no Opo­si­ti­vo-de­sa­fi­a­dor con­si­de­ra-se anor­mal, in­de­pen­den­te­men­te da ida­de, uma re­a­ção de rai­va e agres­si­vi­da­de des­pro­por­ci­o­nal quan­do con­tra­ri­a­da. Além dis­so, a cri­an­ça não ad­mi­te ser sub­ju­ga­da por au­to­ri­da­des, co­mo os pró­pri­os pais, por exem­plo. Em si­tu­a­ções as­sim, é co­mum o fi­lho que­brar ob­je­tos, ar­mar ce­nas al­ta­men­te cons­tran­ge­do­ras ou agre­dir al­guém fi­si­ca­men­te. E tu­do is­so po­de vir as­so­ci­a­do a si­tu­a­ções mais ex­tre­mas e sen­ti­men­tos de vin­gan­ça”, ana­li­sa o neu­ro­lo­gis­ta.

AJU­DA DA ES­CO­LA

Se­gun­do o mé­di­co, é im­por­tan­te in­for­mar ao co­lé­gio o di­ag­nós­ti­co do alu­no. A par­tir dis­so, o pri­mei­ro pas­so: res­sal­tar que tan­to a ins­ti­tui­ção quan­to os pais pre­ci­sam agir jun­tos. “De­ve-se man­ter sem­pre um dis­cur­so fir­me e ob­je­ti­vo com o es­tu­dan­te TOD. Ou se­ja, não po­de dar es­pa­ço ao alu­no pa­ra dis­cus­sões nem tam­pou­co pas­sar a im­pres­são de que ele vai ga­nhar mui­to mais por co­me­çar a agir de ma­nei­ra obe­di­en­te. Além dis­so, pre­ci­sa fi­car cla­ro que as re­gras são ne­ces­sá­ri­as e to­dos, sem ex­ce­ção, de­vem se­gui-las. Os pro­fes­so­res po­dem co­nhe­cer mais es­te alu­no e res­sal­tar ou va­lo­ri­zar os pon­tos po­si­ti­vos de­le”, ex­pli­ca o mé­di­co. E se acon­te­cer uma cri­se de rai­va na es­co­la? A di­ca do mé­di­co vai pa­ra os edu­ca­do­res: “O pro­fes­sor de­ve dar um tem­po até que a cri­an­ça ou jo­vem se acal­me e re­tor­ne à or­dem ori­gi­nal do am­bi­en­te sem que os pais se­jam ou o es­tu­dan­te se­ja dis­pen­sa­do pa­ra ca­sa”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.