Vá com cal­ma, de­sa­ce­le­re

Ana Maria - - MENSAGEM DA KARLINHA - KAR­LA PRE­CI­O­SO

‘Uma das gran­des des­van­ta­gens de ter­mos pres­sa é o tem­po que nos faz per­der’

Não co­nhe­ço nin­guém que não te­nha a sen­sa­ção de que o tem­po es­tá pas­san­do rá­pi­do de­mais. Tam­bém não co­nhe­ço qu­em não se re­fi­ra a is­so co­mo al­go as­sus­ta­dor. Até aí, tu­do bem. O que me in­tri­ga é a in­co­e­rên­cia do ser hu­ma­no. Se, por um la­do, qua­se to­do mun­do se as­sus­ta com a “ur­gên­cia” do tem­po, por ou­tro, no­to que o sol nem bem des­pon­ta e es­sas pes­so­as vi­vem a ân­sia de o dia aca­bar lo­go. Ho­je mes­mo, che­gan­do ao tra­ba­lho, du­as pes­so­as me de­ram bom dia di­zen­do lo­go em se­gui­da “e que che­gue lo­go a noi­te”. Di­fí­cil en­ten­der... Não se­ria mais pro­vei­to­so vi­ver mi­nu­to a mi­nu­to? Na pres­sa de ir pa­ra ca­sa ou che­gar o fim de se­ma­na, por exem­plo, mui­ta gen­te fe­cha os olhos pa­ra a dá­di­va de des­per­tar e ter um dia in­tei­ro pe­la fren­te... As­sim, os mi­nu­tos pas­sam, o dia ter­mi­na e a vi­da se abre­via. Vá com cal­ma. Co­mo es­cre­veu o po­e­ta Gil­bert Keith Ches­ter­ton (1874-1936): “Uma das gran­des des­van­ta­gens de ter­mos pres­sa é o tem­po que nos faz per­der”. Boa se­ma­na e fi­que com Deus.

Con­ver­sa en­tre ami­gas “Te­nho uma li­ga­ção for­te com mi­nha pri­ma, tan­to que saio sem­pre com ela e o seu na­mo­ra­do. En­ciu­ma­da, ago­ra ela diz que es­tou in­te­res­sa­da ne­le e quer que o mo­ço pa­re de fa­lar co­mi­go...” R. F., por e-mail

O fa­to é: a mai­o­ria das mu­lhe­res sen­te, sim, um cer­to ciú­me da ‘ami­ga’ do na­mo­ra­do. Po­rém, se sua pri­ma a co­nhe­ce bem co­mo pa­re­ce, não há mo­ti­vo pa­ra des­con­fi­an­ças. Ou­tra coi­sa: se ela es­tá se­gu­ra de seu na­mo­ro, en­tão pre­ci­sa ter ma­tu­ri­da­de pa­ra acei­tar sua ami­za­de com ele. Não é o ca­so de cri­ar uma ini­mi­za­de, mas re­lem­bre-a o quão cúm­pli­ces vo­cês sem­pre fo­ram. Se­rá que to­da a his­tó­ria de com­pa­nhei­ris­mo en­tre vo­cês per­de a im­por­tân­cia com uma des­con­fi­an­ça des­ca­bi­da? Ou ela con­fia em vo­cê (e no com­pa­nhei­ro) ou, en­tão, vi­ve­rá sem­pre na cor­da bam­ba, des­con­fi­an­do de tu­do e de to­dos. Con­ver­sem a res­pei­to e tu­do fi­ca­rá bem.

Sua ami­ga, Kar­li­nha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.