CO­MO EVI­TAR ES­SA ROU­BA­DA

O be­auty ar­tist, vi­sa­gis­ta e hair sty­list Max We­ber dá di­cas pa­ra evi­tar o pro­ble­ma:

Ana Maria - - BELEZA -

An­tes de se sub­me­ter a qual­quer pro­ce­di­men­to, con­sul­te um es­pe­ci­a­lis­ta de con­fi­an­ça pa­ra acon­se­lhar-se e – o mais im­por­tan­te – acei­tar o di­ag­nós­ti­co. Afi­nal, nem sem­pre o re­sul­ta­do que vo­cê de­se­ja é pos­sí­vel. Um ca­be­lo já fra­gi­li­za­do por des­co­lo­ran­tes di­fi­cil­men­te res­pon­de­rá bem a um ali­sa­men­to, por exem­plo.

Mes­mo sa­ben­do que fez “ar­te” na ca­be­ça – des­co­lo­ra­ção ca­sei­ra, uso de pro­du­tos não in­di­ca­dos... –, con­te a ver­da­de ao ca­be­lei­rei­ro. O pro­fis­si­o­nal pre­ci­sa sa­ber do his­tó­ri­co ca­pi­lar pa­ra ava­li­ar a vi­a­bi­li­da­de de uma no­va in­ter­ven­ção quí­mi­ca.

Ime­di­a­tis­mos não são bem-vin­dos: pri­mei­ro, for­ta­le­ça a saú­de dos fi­os e só en­tão os sub­me­ta a pro­ces­sos mais agres­si­vos.

A téc­ni­ca que deu cer­to com uma co­le­ga po­de não fun­ci­o­nar pa­ra vo­cê: ca­da ca­be­lo tem ca­rac­te­rís­ti­cas pró­pri­as. En­tão, na­da de re­pe­tir o pro­ces­so sem con­sul­tar um es­pe­ci­a­lis­ta.

Na se­ma­na em que pre­ten­de fa­zer mu­dan­ças que en­vol­vam quí­mi­ca, po­ten­ci­a­li­ze os cui­da­dos: hi­dra­te com pro­du­tos in­di­ca­dos pa­ra o seu ti­po de ca­be­lo e evi­te a cha­pi­nha.

Fa­ça o tes­te da me­cha (ve­ja bo­xe) an­tes de qual­quer pro­ce­di­men­to ca­pi­lar.

Cui­de da saú­de: a ali­men­ta­ção ri­ca em pro­teí­nas e de­mais nu­tri­en­tes tam­bém me­lho­ra a qua­li­da­de dos fi­os.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.