TES­TE DE ME­CHA

Ana Maria - - BELEZA -

Se­gun­do Max We­ber, o pro­ces­so obri­ga­tó­rio é fun­da­men­tal pa­ra evi­tar o cor­te quí­mi­co e de­ve ser re­a­li­za­do por um pro­fis­si­o­nal. O tes­te ve­ri­fi­ca a re­a­ção de de­ter­mi­na­do pro­du­to quí­mi­co em uma pe­que­na por­ção de fi­os an­tes da apli­ca­ção mais abran­gen­te. Con­fi­ra o pas­so a pas­so:

1Pas­se o pro­du­to em uma pe­que­na me­cha, de pre­fe­rên­cia de um dos la­dos da ca­be­ça, on­de os fi­os cos­tu­mam ser mais frá­geis, a 1 cm do cou­ro ca­be­lu­do.

2A me­cha-tes­te de­ve ser ve­ri­fi­ca­da a ca­da cin­co mi­nu­tos, após a apli­ca­ção. Con­fi­ra a ma­le­a­bi­li­da­de, o grau de re­la­xa­men­to e se hou­ve alterações in­de­se­ja­das. Ca­da pro­fis­si­o­nal es­ta­be­le­ce um pra­zo má­xi­mo pa­ra o pro­ces­so em tor­no de 60 mi­nu­tos.

3Qu­an­do o tes­te for pa­ra es­co­vas pro­gres­si­vas e (ou) de­fi­ni­ti­vas, to­das as eta­pas de es­co­va­ção e pran­cha de­vem ser cum­pri­das.

4A fi­na­li­za­ção do tes­te não ocor­re ne­ces­sa­ri­a­men­te após a re­ti­ra­da do pro­du­to e se­ca­gem, ain­da no sa­lão, mas dois ou três di­as de­pois, quan­do se­rá pos­sí­vel, com se­gu­ran­ça, sa­ber co­mo o ca­be­lo re­a­giu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.