Ne­go­ci­ar as fé­ri­as com a che­fia é pri­mor­di­al

Ana Maria - - DIREITO DO CONSUMIDOR -

Ha­via acer­ta­do mi­nhas fé­ri­as no tra­ba­lho pa­ra vi­a­jar com mi­nha fi­lha em su­as fé­ri­as es­co­la­res. Mas a em­pre­sa mu­dou a da­ta: is­so é per­mi­ti­do?”

Z. S., por e-mail

“Se a em­pre­sa já ti­ver

fi­xa­do a da­ta com o em­pre­ga­do, não po­de­rá re­a­li­zar a al­te­ra­ção ca­so a mo­di­fi­ca­ção traga pre­juí­zo ao em­pre­ga­do. Por­tan­to, se a em­pre­sa já ha­via fi­xa­do a da­ta com a co­la­bo­ra­do­ra, não po­de­rá pro­mo­ver

a al­te­ra­ção”

Con­ci­li­ar as fé­ri­as com a fa­mí­lia é o me­lhor re­mé­dio pa­ra quem pre­ten­de apro­vei­tar o pe­río­do de des­can­so e vi­a­jar com os en­tes que­ri­dos. Aliás, de acor­do com a nos­sa Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral, a fa­mí­lia é a ba­se da so­ci­e­da­de e tem es­pe­ci­al pro­te­ção do go­ver­no.

As fé­ri­as são di­rei­to do tra­ba­lha­dor que com­ple­ta o pe­río­do de 12 me­ses de tra­ba­lho e se­rão con­ce­di­das de acor­do com a mé­dia en­tre a quan­ti­da­de de di­as efe­ti­va­men­te tra­ba­lha­dos e as fal­tas in­jus­ti­fi­ca­das.

Pa­ra se ter uma ideia da pro­por­ção de di­as das fé­ri­as, se uma pes­soa ti­ver até cin­co fal­tas in­jus­ti­fi­ca­das du­ran­te o ano, ain­da as­sim, ela po­de­rá go­zar de 30 di­as de des­can­so. Atu­al­men­te, a re­for­ma tra­ba­lhis­ta per­mi­tiu ao em­pre­ga­do usu­fruir su­as fé­ri­as em até três pe­río­dos, de mo­do que ele po­de­rá di­vi­dir o pe­río­do de des­can­so du­ran­te o ano e apro­vei­tar as me­lho­res épo­cas e si­tu­a­ções fes­ti­vas do país (Car­na­val, fes­ta ju­ni­na, fé­ri­as es­co­la­res etc.).

Ape­sar des­sa al­te­ra­ção, foi man­ti­da a pre­vi­são de que a épo­ca da con­ces­são das fé­ri­as é a que me­lhor aten­da aos in­te­res­ses da em­pre­sa, de mo­do que o pe­río­do de in­te­res­se do em­pre­ga­do de­ve aten­der ao pe­río­do de in­te­res­se do em­pre­ga­dor. Res­pon­den­do mais di­re­ta­men­te à sua per­gun­ta, sim, a em­pre­sa po­de­rá mo­di­fi­car a da­ta de con­ces­são das fé­ri­as, des­de que tal mo­di­fi­ca­ção não traga pre­juí­zos ao em­pre­ga­do. Ex­pli­can­do me­lhor: se a em­pre­sa já ti­ver fi­xa­do a da­ta com o em­pre­ga­do, não po­de­rá re­a­li­zar a al­te­ra­ção ca­so a mo­di­fi­ca­ção traga pre­juí­zo ao em­pre­ga­do. Por­tan­to, se a em­pre­sa já ha­via fi­xa­do a da­ta com a co­la­bo­ra­do­ra, não po­de­rá pro­mo­ver a al­te­ra­ção, por­que tal mo­di­fi­ca­ção po­de pre­ju­di­car a vi­a­gem com a sua fi­lha.

FÁ­BIO VASQUES GON­ÇAL­VES DI­AS Ad­vo­ga­do atu­an­te em São Pau­lo. Ins­cri­to na OAB/SP 273.321. Pós-gra­du­a­do em Di­rei­to Ci­vil pe­la Es­co­la Su­pe­ri­or de Ad­vo­ca­cia, e Pro­ces­so Ci­vil pe­la Es­co­la Pau­lis­ta de Ma­gis­tra­tu­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.