SAU­DA­DE éo te­le­fo­ne que não to­ca

Ana Maria - - SINTA & LIGA -

De to­dos os sen­ti­men­tos que ex­pe­ri­men­ta­mos no de­cor­rer da vi­da, tal­vez sau­da­de se­ja o mais di­fí­cil de lidar. Sau­da­de é co­mo aque­la rou­pa jus­ta, que a gen­te ves­te por­que não tem ou­tra op­ção, mas que vai pas­sar o dia aper­tan­do, fa­zen­do com que nos­so sor­ri­so vi­re um meio-sor­ri­so, que tu­do fi­que um pou­co sem cor e na­da pa­re­ça com­ple­to.

Sau­da­de é o te­le­fo­ne que não to­ca e a mú­si­ca que in­sis­te em to­car. Sau­da­de é a fo­to­gra­fia que a gen­te não tem co­ra­gem de apa­gar da me­mó­ria do ce­lu­lar por­que, mes­mo sa­ben­do que vai do­er, bus­ca­mos com frequên­cia. Sau­da­de é um pas­sa­do que não se con­for­ma. É uma ilha on­de nos­sos bar­cos não con­se­guem mais atra­car. É a me­mó­ria de al­go que pa­re­ce dis­tan­te no tem­po, mes­mo que te­nha acon­te­ci­do on­tem. Sau­da­de é a mais amar­ga tra­du­ção de nun­ca mais. Sau­da­de é o que so­bra de­pois do fim.

A sau­da­de – e te­nho que re­pe­tir a mes­ma pa­la­vra uma vez que não exis­tem sinô­ni­mos que a re­pre­sen­tem com fi­de­li­da­de – traz a sen­sa­ção de ter­mos per­di­do o bom com­ba­te. Por­que se exis­te sau­da­de, exis­te a fal­ta da­qui­lo ou da­que­le que não pô­de ou não quis fi­car. Por­tan­to, sau­da­de é, an­tes de mais na­da, per­da.

É di­fí­cil en­con­trar den­tro da gen­te um lu­gar con­for­tá­vel pa­ra aco­mo­dar a sau­da­de. Por mais que se­ja ins­ta­la­da em um can­ti­nho si­len­ci­o­so, ela não dor­me fá­cil ou tem o so­no le­ve.

Um per­fu­me, um sa­bor, um fil­me, uma men­sa­gem an­ti­ga no te­le­fo­ne, uma ano­ta­ção em uma agen­da do ano an­te­ri­or: tu­do vai fa­zer a sau­da­de des­per­tar pa­ra nos dei­xar um pou­co tris­tes, um pou­co me­lan­có­li­cos por aqui­lo que já não é mais pos­sí­vel. Al­gu­mas ve­zes, a sau­da­de acor­da tão as­sus­ta­da que gri­ta al­to e aca­ba trans­bor­dan­do pe­los olhos.

Pa­ra di­fi­cul­tar ain­da mais, a sau­da­de vem com fil­tro, com len­tes cor-de-rosa, e se ali­men­ta ape­nas da par­te boa das nos­sas re­cor­da­ções, tor­nan­do des­le­al uma com­pe­ti­ção en­tre o que te­mos ago­ra, no pre­sen­te, com to­das as su­as im­per­fei­ções, e as lem­bran­ças do que não es­tá mais ao al­can­ce das vis­tas ou aces­sí­vel pa­ra um abra­ço.

Sau­da­de é a fo­to­gra­fia que a gen­te não tem co­ra­gem de apa­gar da me­mó­ria do ce­lu­lar por­que, mes­mo sa­ben­do que vai do­er, bus­ca­mos com frequên­cia

WAL REIS é jor­na­lis­ta e pro­fis­si­o­nal de co­mu­ni­ca­ção cor­po­ra­ti­va. Es­cre­ve so­bre com­por­ta­men­to e coi­sas da vi­da: www. wal­rei­se­mou­tras­pa­la­vras. com.br/blog/

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.