Apostilas Concursos Públicos - - CON­TA­BI­LI­DA­DE GE­RAL -

Con­ta­bi­li­da­de não é ape­nas uma ci­ên­cia que tra­ta de va­lo­res, de con­tas de re­cei­tas e des­pe­sas, é sim uma fer­ra­men­ta es­sen­ci­al pa­ra o con­tro­le da vi­da fi­nan­cei­ra da em­pre­sa, pois por meio des­sa fer­ra­men­ta po­de-se ava­li­ar o de­sem­pe­nho de sua ad­mi­nis­tra­ção e ori­en­tar sua pres­ta­ção de con­tas.

Tal as­sun­to pos­sui mui­ta im­por­tân­cia pa­ra os ci­da­dãos, pois por meio da con­ta­bi­li­da­de ocor­rem os re­gis­tros de da­dos fi­nan­cei­ros das ins­ti­tui­ções, da­dos os quais são re­su­mi­dos em De­mons­tra­ti­vos Con­tá­beis ao fi­nal do exer­cí­cio so­ci­al e pu­bli­ca­dos pa­ra que os usuá­ri­os da in­for­ma­ção contábil (ci­da­dãos) pos­sam to­mar de­ci­sões econô­mi­cas, tais co­mo in­ves­tir na em­pre­sa, em­pres­tar di­nhei­ro, ven­der ações, etc. Des­ta­cam-se co­mo usuá­ri­os ex­ter­nos os in­ves­ti­do­res, fi­nan­ci­a­do­res, ou­tros cre­do­res, e go­ver­no.

Sa­li­en­ta-se que o as­sun­to “Con­ta­bi­li­da­de” é re­gu­la­men­ta­do pe­la Lei 6.404/1976, que dis­põe so­bre as So­ci­e­da­des por Ações (S/A), e por di­ver­sas Re­so­lu­ções do Con­se­lho Fe­de­ral de Con­ta­bi­li­da­de (CFC).

As­sim, tal es­tu­do for­ne­ce o en­ten­di­men­to do con­teú­do e da ma­nei­ra que a in­for­ma­ção contábil é pu­bli­ca­da pe­las di­ver­sas ins­ti­tui­ções, in­clu­si­ve o go­ver­no, mu­ni­ci­an­do a so­ci­e­da­de de co­nhe­ci­men­to pa­ra con­tro­lar a ad­mi­nis­tra­ção de em­pre­sas.

Con­cei­to da Con­ta­bi­li­da­de: a ci­ên­cia que es­tu­da e pra­ti­ca as fun­ções de ori­en­ta­ção, de con­tro­le e de re­gis­tro dos atos e fa­tos de uma ad­mi­nis­tra­ção econô­mi­ca (Con­cei­to de­fi­ni­do em 1924, no 1° Con­gres­so Bra­si­lei­ro de Con­ta­bi­li­da­de).

Ob­je­ti­vo da Con­ta­bi­li­da­de: for­ne­cer informaçõe­s so­bre o pa­trimô­nio de uma de­ter­mi­na­da ins­ti­tui­ção ou pes­soa, por is­so a con­ta­bi­li­da­de é ti­da co­mo um sis­te­ma de informaçõe­s, as quais são des­ti­na­das aos usuá­ri­os in­te­res­sa­dos no pa­trimô­nio.

Ques­tão 1 - (Ces­pe/FUB – Se­cre­tá­rio Exe­cu­ti­vo) A fi­na­li­da­de da con­ta­bi­li­da­de é as­se­gu­rar o con­tro­le do pa­trimô­nio ad­mi­nis­tra­ti­vo, de­ven­do o ad­mi­nis­tra­dor apoi­ar-se nos da­dos por meio de­la ob­ti­dos pa­ra to­mar de­ci­sões que en­vol­vam bens, di­rei­tos e obri­ga­ções da em­pre­sa, bem co­mo pa­ra apu­rar os re­sul­ta­dos po­si­ti­vos (lu­cros) ou ne­ga­ti­vos (pre­juí­zos).

Co­men­tá­rio: o ob­je­ti­vo ou a fi­na­li­da­de da con­ta­bi­li­da­de é as­se­gu­rar o con­tro­le do pa­trimô­nio por meio do for­ne­ci­men­to de informaçõe­s a seu res­pei­to, tais co­mo va­lo­res de bens (por exem­plo, veí­cu­los), di­rei­tos (por

exem­plo, con­tas a re­ce­ber), e obri­ga­ções (por exem­plo, con­tas a pa­gar). Res­pos­ta: ques­tão cor­re­ta.

Ob­je­to da Con­ta­bi­li­da­de: o Pa­trimô­nio, con­for­me dis­põe o art. 4º da Re­so­lu­ção CFC 750/93. O Pa­trimô­nio é com­pos­to de bens e di­rei­tos, os quais com­põem o ati­vo (a par­te po­si­ti­va do pa­trimô­nio); e de obri­ga­ções, as quais com­põem o pas­si­vo (a par­te ne­ga­ti­va).

Ques­tão 2 - (Ces­pe/STM – Contábil) O ob­je­to da con­ta­bi­li­da­de é o pa­trimô­nio, cons­ti­tuí­do pe­lo con­jun­to de bens, di­rei­tos e obri­ga­ções pró­pri­os de de­ter­mi­na­do en­te.

Co­men­tá­rio: a con­ta­bi­li­da­de pos­sui co­mo ob­je­to o pa­trimô­nio, o qual é com­pos­to de bens e di­rei­tos (ati­vos), e de obri­ga­ções (pas­si­vos). Res­pos­ta: ques­tão cor­re­ta.

O con­fron­to des­sas par­tes po­de re­sul­tar em um ex­ce­den­te pa­tri­mo­ni­al, co­nhe­ci­do co­mo Pa­trimô­nio Lí­qui­do (PL).

Si­tu­a­ções Lí­qui­das Pa­tri­mo­ni­ais: a com­po­si­ção en­tre ati­vos e pas­si­vos po­de re­sul­tar em si­tu­a­ções lí­qui­das pa­tri­mo­ni­ais dis­tin­tas, exis­tin­do três ti­pos des­sas si­tu­a­ções:

a) Si­tu­a­ção lí­qui­da nu­la: Ati­vo = Pas­si­vo Exi­gí­vel

Nes­se ca­so, o PL é igual à ze­ro, re­pre­sen­tan­do que to­da apli­ca­ção da em­pre­sa (Ati­vo) é fi­nan­ci­a­da por ca­pi­tais de ter­cei­ros (Pas­si­vo Exi­gí­vel), re­cur­sos os quais de­vem ser res­ti­tuí­dos, pois fo­ram ob­ti­dos me­di­an­te em­prés­ti­mos. Des­se mo­do, se a en­ti­da­de for li­qui­da­da, não res­ta­rá acer­vo a ser dis­tri­buí­do aos só­ci­os, ou se­ja, não há so­bre pa­tri­mo­ni­al po­si­ti­va.

Re­pre­sen­ta­ção grá­fi­ca: b) Si­tu­a­ção lí­qui­da PO­SI­TI­VA: Ati­vo > Pas­si­vo Exi­gí­vel

Nes­se ca­so, o PL é po­si­ti­vo, re­pre­sen­tan­do que a em­pre­sa é ca­paz de pa­gar su­as dí­vi­das, ou se­ja, pos­sui si­tu­a­ção fa­vo­rá­vel de sol­vên­cia.

Re­pre­sen­ta­ção grá­fi­ca: c) Si­tu­a­ção lí­qui­da Ne­ga­ti­va: Ati­vo < Pas­si­vo Exi­gí­vel

Nes­se ca­so, o PL é ne­ga­ti­vo, re­pre­sen­tan­do que a em­pre­sa é in­ca­paz de pa­gar su­as dí­vi­das, ou se­ja, é in­sol­ven­te. Es­sa si­tu­a­ção é de­no­mi­na­da de pas­si­vo a des­co­ber­to.

Re­pre­sen­ta­ção grá­fi­ca:

Ques­tão 3 - (CONSULPLAN/Pre­fei­tu­ra de Ita­bai­a­na – Téc­ni­co Contábil) Uma em­pre­sa apre­sen­ta um pas­si­vo a des­co­ber­to qu­an­do: (A = Ati­vo; P = Pas­si­vo e PL = Pa­trimô­nio Lí­qui­do)

Co­men­tá­rio: a si­tu­a­ção de pas­si­vo a des­co­ber­to ocor­re qu­an­do o PL é me­nor que ze­ro (PL < 0), nes­te ca­so o Pas­si­vo é mai­or que o Ati­vo, re­sul­tan­do na se­guin­te equa­ção: P = A + PL. Es­ta fór­mu­la tam­bém po­de ser ex­pres­sa do se­guin­te mo­do: A = P – PL. Res­pos­ta: al­ter­na­ti­va B.

Das três si­tu­a­ções pa­tri­mo­ni­ais ci­ta­das aci­ma é pos­sí­vel ob­ser­var que seu re­sul­ta­do lí­qui­do de­cor­re da di­fe­ren­ça en­tre o Ati­vo (A) e o Pas­si­vo (P):

Tal equa­ção é ti­da co­mo equa­ção fun­da­men­tal do Pa­trimô­nio:

(con­for­me Re­so­lu­ção CFC 1.282/2010)

Os Prin­cí­pi­os de Con­ta­bi­li­da­de se di­vi­dem em seis: a) da en­ti­da­de; b) da con­ti­nui­da­de; c) da opor­tu­ni­da­de; d) do re­gis­tro pe­lo va­lor ori­gi­nal; e) da com­pe­tên­cia; f) da pru­dên­cia.

O Prin­cí­pio da EN­TI­DA­DE re­co­nhe­ce o pa­trimô­nio co­mo ob­je­to da con­ta­bi­li­da­de e afir­ma a au­to­no­mia pa­tri­mo­ni­al, a ne­ces­si­da­de da di­fe­ren­ci­a­ção de um pa­trimô­nio par­ti­cu­lar (por exem­plo, o de uma pes­soa fí­si­ca), no uni­ver­so dos pa­trimô­ni­os exis­ten­tes (por exem­plo, o de uma pes­soa ju­rí­di­ca), in­de­pen­den­te­men­te de per­ten­cer a uma pes­soa, um con­jun­to de pes­so­as, uma so­ci­e­da­de ou ins­ti­tui­ção de qual­quer na­tu­re­za ou fi­na­li­da­de, com ou sem fins lu­cra­ti­vos. Por con­sequên­cia, nes­ta acep­ção, o Pa­trimô­nio não se con­fun­de com aque­les dos seus só­ci­os ou pro­pri­e­tá­ri­os, no ca­so de so­ci­e­da­de ou ins­ti­tui­ção. O PA­TRIMÔ­NIO per­ten­ce à EN­TI­DA­DE, mas a re­cí­pro­ca não é ver­da­dei­ra. A so­ma ou agre­ga­ção contábil de pa­trimô­ni­os autô­no­mos não re­sul­ta em no­va EN­TI­DA­DE, mas nu­ma uni­da­de de na­tu­re­za econô­mi­co-contábil, ti­da por gru­po econô­mi­co.

O Prin­cí­pio da Con­ti­nui­da­de pres­su­põe que a En­ti­da­de con­ti­nu­a­rá em ope­ra­ção no fu­tu­ro e, por­tan­to, a men­su­ra­ção e a apre­sen­ta­ção dos com­po­nen­tes do pa­trimô­nio le­vam em con­ta es­ta cir­cuns­tân­cia.

O Prin­cí­pio da Opor­tu­ni­da­de re­fe­re-se ao pro­ces­so de men­su­ra­ção e apre­sen­ta­ção dos com­po­nen­tes pa­tri­mo­ni­ais pa­ra pro­du­zir informaçõe­s ín­te­gras e tem­pes­ti­vas. A fal­ta de in­te­gri­da­de e tem­pes­ti­vi­da­de na pro­du­ção e na di­vul­ga­ção da in­for­ma­ção contábil po­de oca­si­o­nar a per­da de sua re­le­vân­cia, por is­so é ne­ces­sá­rio pon­de­rar a re­la­ção en­tre a opor­tu­ni­da­de e a con­fi­a­bi­li­da­de da in­for­ma­ção.

Ques­tão 4 - (FCC/TRT-3ª – Téc­ni­co Ju­di­ciá­rio/Con­ta­bi­li­da­de) O Prin­cí­pio da Opor­tu­ni­da­de re­fe­re-se a du­as ca­rac­te­rís­ti­cas pa­ra o re­gis­tro do pa­trimô­nio e das su­as mu­ta­ções. São elas:

a) tem­pes­ti­vi­da­de e in­te­gri­da­de. b) con­fi­a­bi­li­da­de e ob­je­ti­vi­da­de. c) com­pe­tên­cia e pru­dên­cia. d) re­le­vân­cia e con­fi­a­bi­li­da­de. e) ma­te­ri­a­li­da­de e con­sis­tên­cia.

Co­men­tá­rio: o Prin­cí­pio da Opor­tu­ni­da­de vi­sa a pro­du­zir informaçõe­s ín­te­gras e tem­pes­ti­vas, ado­tan­do es­ses atri­bu­tos (in­te­gri­da­de e tem­pes­ti­vi­da­de) co­mo ca­rac­te­rís­ti­ca. Es­se prin­cí­pio de­ter­mi­na que as va­ri­a­ções

pa­tri­mo­ni­ais de­vem ser re­gis­tra­das de ime­di­a­to (tem­pes­ti­vi­da­de) e com a ex­ten­são cor­re­ta (in­te­gri­da­de). Res­pos­ta: al­ter­na­ti­va A.

O Prin­cí­pio do Re­gis­tro pe­lo Va­lor Ori­gi­nal de­ter­mi­na que os com­po­nen­tes do pa­trimô­nio de­vem ser ini­ci­al­men­te re­gis­tra­dos pe­los va­lo­res ori­gi­nais (VA­LO­RES CONS­TAN­TES) das tran­sa­ções, ex­pres­sos em mo­e­da na­ci­o­nal. Es­se Prin­cí­pio pau­ta-se nas se­guin­tes ba­ses de men­su­ra­ção, as quais de­vem ser uti­li­za­das em graus dis­tin­tos e com­bi­na­das, ao lon­go do tem­po, de di­fe­ren­tes for­mas:

I – Cus­to his­tó­ri­co: Os ati­vos são re­gis­tra­dos pe­los va­lo­res pa­gos ou a se­rem pa­gos em cai­xa ou equi­va­len­tes de cai­xa ou pe­lo va­lor jus­to dos re­cur­sos que são en­tre­gues pa­ra ad­qui­ri-los na da­ta da aqui­si­ção. Os pas­si­vos são re­gis­tra­dos pe­los va­lo­res dos re­cur­sos que fo­ram re­ce­bi­dos em tro­ca da obri­ga­ção ou, em al­gu­mas cir­cuns­tân­ci­as, pe­los va­lo­res em cai­xa ou equi­va­len­tes de cai­xa, os quais se­rão ne­ces­sá­ri­os pa­ra li­qui­dar o pas­si­vo no cur­so nor­mal das ope­ra­ções; e

II – Va­ri­a­ção do cus­to his­tó­ri­co: Uma vez in­te­gra­do ao pa­trimô­nio, os com­po­nen­tes pa­tri­mo­ni­ais, ati­vos e pas­si­vos, po­dem so­frer va­ri­a­ções de­cor­ren­tes dos se­guin­tes fa­to­res: cus­to cor­ren­te(1); va­lor re­a­li­zá­vel(2); va­lor pre­sen­te(3); va­lor jus­to(4); e atu­a­li­za­ção mo­ne­tá­ria(5). Os efei­tos da al­te­ra­ção do po­der aqui­si­ti­vo da mo­e­da na­ci­o­nal - In­fla­ção - de­vem ser re­co­nhe­ci­dos nos re­gis­tros con­tá­beis me­di­an­te o ajus­ta­men­to da EX­PRES­SÃO FOR­MAL dos va­lo­res dos com­po­nen­tes pa­tri­mo­ni­ais. A atu­a­li­za­ção mo­ne­tá­ria não re­pre­sen­ta no­va ava­li­a­ção, mas tão so­men­te o ajus­ta­men­to dos va­lo­res ori­gi­nais pa­ra de­ter­mi­na­da da­ta, me­di­an­te a apli­ca­ção de in­de­xa­do­res, tais co­mo ín­di­ces de pre­ços, ou ou­tros ele­men­tos ap­tos a tra­du­zir a va­ri­a­ção do po­der aqui­si­ti­vo da mo­e­da na­ci­o­nal em um da­do pe­río­do.

(1) Cus­to cor­ren­te - os ati­vos são re­co­nhe­ci­dos pe­los va­lo­res em cai­xa ou equi­va­len­tes de cai­xa, os quais te­ri­am de ser pa­gos se es­ses ati­vos ou ati­vos equi­va­len­tes fos­sem ad­qui­ri­dos na da­ta ou no pe­río­do das de­mons­tra­ções con­tá­beis. Os pas­si­vos são re­co­nhe­ci­dos pe­los va­lo­res em cai­xa ou equi­va­len­tes de cai­xa, não des­con­ta­dos, que se­ri­am ne­ces­sá­ri­os pa­ra li­qui­dar a obri­ga­ção na da­ta ou no pe­río­do das de­mons­tra­ções con­tá­beis (INDICE DE PRE­ÇO).

(2) Va­lor re­a­li­zá­vel - os ati­vos são man­ti­dos pe­los va­lo­res em cai­xa ou equi­va­len­tes de cai­xa, os quais po­de­ri­am ser ob­ti­dos pe­la ven­da em uma for­ma or­de­na­da. Os pas­si­vos são man­ti­dos pe­los va­lo­res em cai­xa e equi­va­len­tes de cai­xa, não des­con­ta­dos, que se es­pe­ra se­ri­am pa­gos pa­ra li­qui­dar as cor­res­pon­den­tes obri­ga­ções no cur­so nor­mal das ope­ra­ções da En­ti­da­de.

(3) Va­lor pre­sen­te os ati­vos são man­ti­dos pe­lo va­lor pre­sen­te, des­con­ta­do do flu­xo fu­tu­ro de en­tra­da lí­qui­da de cai­xa que se es­pe­ra se­ja ge­ra­do pe­lo item no cur­so nor­mal das ope­ra­ções da En­ti­da­de. Os pas­si­vos são man­ti­dos pe­lo va­lor pre­sen­te, des­con­ta­do do flu­xo fu­tu­ro de saí­da lí­qui­da de cai­xa que se es­pe­ra se­ja ne­ces­sá­rio pa­ra li­qui­dar o pas­si­vo no cur­so nor­mal das ope­ra­ções da En­ti­da­de.

(4) Va­lor jus­to - é o va­lor pe­lo qual um ati­vo po­de ser tro­ca­do, ou um pas­si­vo li­qui­da­do, en­tre par­tes co­nhe­ce­do­ras, dis­pos­tas a is­so, em uma tran­sa­ção sem fa­vo­re­ci­men­tos.

(5) Atu­a­li­za­ção mo­ne­tá­ria. os efei­tos da al­te­ra­ção do po­der aqui­si­ti­vo da mo­e­da na­ci­o­nal de­vem ser re­co­nhe­ci­dos nos re­gis­tros con­tá­beis me­di­an­te o ajus­ta­men­to da EX­PRES­SÃO FOR­MAL dos va­lo­res dos com­po­nen­tes pa­tri­mo­ni­ais. A atu­a­li­za­ção mo­ne­tá­ria não re­pre­sen­ta no­va ava­li­a­ção, mas tão so­men­te o ajus­ta­men­to dos va­lo­res ori­gi­nais pa­ra de­ter­mi­na­da da­ta, me­di­an­te a apli­ca­ção de in­de­xa­do­res ou ou­tros ele­men­tos ap­tos a tra­du­zir a va­ri­a­ção do po­der aqui­si­ti­vo da mo­e­da na­ci­o­nal em um da­do pe­río­do.

Ques­tão 5 - (Ces­pe/TJ-RR – Contábil) O prin­cí­pio do re­gis­tro pe­lo va­lor ori­gi­nal de­ter­mi­na que os efei­tos da al­te­ra­ção do po­der aqui­si­ti­vo da mo­e­da na­ci­o­nal não se­jam re­co­nhe­ci­dos nos re­gis­tros con­tá­beis.

Co­men­tá­rio: pe­lo con­trá­rio, pois o prin­cí­pio do re­gis­tro pe­lo va­lor ori­gi­nal de­ter­mi­na que os efei­tos da in­fla­ção se­jam re­co­nhe­ci­dos na es­cri­tu­ra­ção contábil. Res­pos­ta: ques­tão er­ra­da.

O Prin­cí­pio da Com­pe­tên­cia de­ter­mi­na que os efei­tos das tran­sa­ções e ou­tros even­tos se­jam re­co­nhe­ci­dos nos pe­río­dos a que se re­fe­rem, in­de­pen­den­te­men­te do re­ce­bi­men­to ou pa­ga­men­to, ou se­ja, o fa­to contábil de­ve ser re­gis­tra­do qu­an­do da ocor­rên­cia do Fa­to Ge­ra­dor (FG), o que não quer di­zer que os re­gis­tros ocor­ram de ime­di­a­to (tem­pes­ti­vi­da­de). O Prin­cí­pio da Com­pe­tên­cia pres­su­põe a si­mul­ta­nei­da­de da con­fron­ta­ção de re­cei­tas e de des­pe­sas cor­re­la­tas.

Ques­tão 6 - (Ces­pe/TER-RJ – Contábil) Em re­la­ção aos prin­cí­pi­os de con­ta­bi­li­da­de, jul­gue os pró­xi­mos itens.

Em con­for­mi­da­de com o prin­cí­pio contábil da com­pe­tên­cia, qu­an­do de­ter­mi­na­da en­ti­da­de re­co­nhe­ce um ati­vo cir­cu­lan­te em con­sequên­cia de uma ven­da a pra­zo, su­põe-se o re­co­nhe­ci­men­to das des­pe­sas cor­re­la­tas.

Co­men­tá­rio: o Prin­cí­pio da Com­pe­tên­cia pres­su­põe a si­mul­ta­nei­da­de da con­fron­ta­ção da re­cei­ta com ven­da e das des­pe­sas com es­sa ven­da, tal co­mo a co­mis­são de ven­da. Sa­li­en­ta-se que ati­vo cir­cu­lan­te são os bens e di­rei­tos de cur­to pra­zo. Res­pos­ta: ques­tão cor­re­ta.

Ques­tão 7 - (Ces­pe/TER-RJ – Contábil) De acor­do com o prin­cí­pio da com­pe­tên­cia, to­das as va­ri­a­ções pa­tri­mo­ni­ais de­vem ser re­gis­tra­das de ime­di­a­to e com a ex­ten­são cor­re­ta, in­de­pen­den­te­men­te das cau­sas que as ori­gi­na­ram.

Co­men­tá­rio: con­for­me o Prin­cí­pio da Opor­tu­ni­da­de, as va­ri­a­ções pa­tri­mo­ni­ais de­vem ser re­gis­tra­das de ime­di­a­to (tem­pes­ti­vi­da­de) e com a ex­ten­são cor­re­ta (in­te­gri­da­de). O Prin­cí­pio da Com­pe­tên­cia de­ter­mi­na que os efei­tos das tran­sa­ções e ou­tros even­tos se­jam re­co­nhe­ci­dos nos pe­río­dos a que se re­fe­rem, in­de­pen­den­te­men­te do re­ce­bi­men­to ou pa­ga­men­to. Es­se man­da­men­to re­fe­re-se ao fa­to ge­ra­dor da tran­sa­ção, por exem­plo, a ope­ra­ção de ven­da de­ve ser re­gis­tra­da qu­an­do da en­tre­ga dos pro­du­tos aos cli­en­tes, cor­re­la­ci­o­nan­do a re­cei­ta de ven­da com a res­pec­ti­va des­pe­sa. Já no ca­so de uma en­co­men­da, pa­ra ser en­tre­gue em mo­men­to fu­tu­ro, com re­ce­bi­men­to de di­nhei­ro do cli­en­te, não se po­de re­gis­trar es­sa ope­ra­ção co­mo ven­da, pois ain­da não hou­ve a en­tre­ga. En­tre­tan­to, de­ve-se ser re­gis­tra­do o adi­an­ta­men­to de cli­en­te de­vi­do ao di­nhei­ro já en­tre­gue. Lo­go, nem to­das as va­ri­a­ções pa­tri­mo­ni­ais

de­vem ser re­gis­tra­das de ime­di­a­to. Res­pos­ta: ques­tão er­ra­da.

O Prin­cí­pio da Pru­dên­cia pres­su­põe o em­pre­go de cer­to grau de pre­cau­ção no exer­cí­cio dos jul­ga­men­tos ne­ces­sá­ri­os às ES­TI­MA­TI­VAS em cer­tas con­di­ções de in­cer­te­za, no sen­ti­do de que ati­vos e re­cei­tas não se­jam su­pe­res­ti­ma­dos e que pas­si­vos e des­pe­sas não se­jam su­bes­ti­ma­dos, atri­buin­do mai­or con­fi­a­bi­li­da­de ao pro­ces­so de men­su­ra­ção e apre­sen­ta­ção dos com­po­nen­tes pa­tri­mo­ni­ais. Des­se mo­do, atri­bui o me­nor va­lor pa­ra os Ati­vos e Re­cei­tas, o mai­or va­lor pa­ra os Pas­si­vos e Des­pe­sas, re­sul­tan­do no me­nor va­lor pa­ra o PL.

Ques­tão 8 - (FCC/TRE-PI – Téc­ni­co Ju­di­ciá­rio/Con­ta­bi­li­da­de) De acor­do com o Prin­cí­pio da Pru­dên­cia, a con­ta­bi­li­da­de de­ve ado­tar, den­tre os critérios vá­li­dos, aque­le que re­sul­ta no:

a) me­nor va­lor pa­ra os Pas­si­vos. b) me­nor va­lor pa­ra os Ati­vos. c) me­nor va­lor pa­ra as per­das. d) mai­or va­lor pa­ra o Pa­trimô­nio Lí­qui­do. e) mai­or va­lor pa­ra as Re­cei­tas.

Co­men­tá­rio: o Prin­cí­pio da Pru­dên­cia ado­ta co­mo cri­té­rio a su­bes­ti­ma­ção de ati­vos e de re­cei­tas em si­tu­a­ções vá­li­das. Des­se mo­do, re­sul­ta em me­nor va­lor pa­ra os Ati­vos. Res­pos­ta: al­ter­na­ti­va B.

Des­se mo­do, o dis­po­si­ti­vo em co­men­to apre­sen­ta atu­al­men­te a se­guin­te re­da­ção:

“Art. 3º São Prin­cí­pi­os de Con­ta­bi­li­da­de:

I) o da EN­TI­DA­DE;

II) o da CON­TI­NUI­DA­DE;

III) o da OPOR­TU­NI­DA­DE;

IV) o do RE­GIS­TRO PE­LO VA­LOR ORI­GI­NAL; V) o da ATU­A­LI­ZA­ÇÃO MO­NE­TÁ­RIA; (Re­vo­ga­do pe­la Re­so­lu­ção CFC 1.282/10)

VI) o da COM­PE­TÊN­CIA; e

VII) o da PRU­DÊN­CIA”.

Ca­be des­ta­car que a atu­a­li­za­ção mo­ne­tá­ria pas­sou a ser um as­pec­to da ba­se de men­su­ra­ção da Va­ri­a­ção do cus­to his­tó­ri­co, ou se­ja, pas­sou a ser par­te de um dos as­pec­tos do Prin­cí­pio do Re­gis­tro pe­lo Va­lor Ori­gi­nal, con­for­me dis­põe o art. 7º, § 1º, II, “e”, da Re­so­lu­ção CFC 750/93.

O qua­dro a se­guir sin­te­ti­za os Prin­cí­pi­os de Con­ta­bi­li­da­de e su­as ca­rac­te­rís­ti­cas prin­ci­pais:

Ques­tão 9 - (Ces­pe/TJ-RO – Contábil) A ob­ser­vân­cia dos prin­cí­pi­os de con­ta­bi­li­da­de é obrigatóri­a no exer­cí­cio da pro­fis­são e cons­ti­tui con­di­ção de le­gi­ti­mi­da­de das nor­mas bra­si­lei­ras de con­ta­bi­li­da­de. Nes­se sen­ti­do, é cor­re­to afir­mar que o prin­cí­pio da opor­tu­ni­da­de:

a) de­ter­mi­na que os efei­tos das tran­sa­ções e ou­tros even­tos se­jam re­co­nhe­ci­dos nos pe­río­dos a que se re­fe­rem, in­de­pen­den­te­men­te do re­ce­bi­men­to ou pa­ga­men­to.

b) es­ta­be­le­ce a ado­ção do me­nor va­lor pa­ra os com­po­nen­tes do ati­vo e do mai­or pa­ra os do pas­si­vo, sem­pre que se apre­sen­tem al­ter­na­ti­vas igual­men­te vá­li­das pa­ra a quan­ti­fi­ca­ção das mu­ta­ções pa­tri­mo­ni­ais que al­te­rem o pa­trimô­nio lí­qui­do.

c) re­co­nhe­ce o pa­trimô­nio co­mo ob­je­to da con­ta­bi­li­da­de e afir­ma a au­to­no­mia pa­tri­mo­ni­al, a ne­ces­si­da­de de di­fe­ren­ci­ar um pa­trimô­nio par­ti­cu­lar no uni­ver­so dos pa­trimô­ni­os exis­ten­tes, in­de­pen­den­te­men­te de per­ten­cer a uma pes­soa, a um con­jun­to de pes­so­as, a uma so­ci­e­da­de ou ins­ti­tui­ção de qual­quer na­tu­re­za ou fi­na­li­da­de, com ou sem fins lu­cra­ti­vos.

d) re­fe­re-se ao pro­ces­so de men­su­ra­ção e apre­sen­ta­ção dos com­po­nen­tes pa­tri­mo­ni­ais pa­ra pro­du­zir informaçõe­s ín­te­gras e tem­pes­ti­vas.

e) pres­su­põe que a en­ti­da­de con­ti­nu­a­rá em ope­ra­ção no fu­tu­ro e, por­tan­to, a men­su­ra­ção e a apre­sen­ta­ção dos com­po­nen­tes do pa­trimô­nio con­si­de­ram es­sa cir­cuns­tân­cia.

Co­men­tá­rio: o Prin­cí­pio da Opor­tu­ni­da­de re­fe­re-se ao pro­ces­so de men­su­ra­ção, que tra­ta da de­fi­ni­ção de va­lor contábil das con­tas pa­tri­mo­ni­ais, e da apre­sen­ta­ção dos com­po­nen­tes pa­tri­mo­ni­ais a fim de pro­du­zir informaçõe­s ín­te­gras e tem­pes­ti­vas. Res­pos­ta: al­ter­na­ti­va D. A al­ter­na­ti­va “A” re­fe­re-se ao prin­cí­pio da com­pe­tên­cia, a “B” ao prin­cí­pio da pru­dên­cia, a “C” ao prin­cí­pio da en­ti­da­de, e por fim, a “E” ao prin­cí­pio da con­ti­nui­da­de.

Ques­tão 10 - (Esaf/SUSEP - Ana­lis­ta Téc­ni­co) A le­gis­la­ção vi­gen­te so­bre as so­ci­e­da­des anô­ni­mas es­ta­be­le­ce o que de­ve ser com­pu­ta­do na de­ter­mi­na­ção do re­sul­ta­do do exer­cí­cio. Diz a lei que de­vem ser in­cluí­das as re­cei­tas e os ren­di­men­tos ga­nhos no pe­río­do, in­de­pen­den­te­men­te de sua re­a­li­za­ção em mo­e­da, bem co­mo os cus­tos, des­pe­sas, en­car­gos e per­das, pa­gos ou in­cor­ri­dos, cor­res­pon­den­tes a es­sas re­cei­tas e ren­di­men­tos.

Ao ana­li­sar es­sa de­ter­mi­na­ção, po­de-se di­zer que, com ela, a lei es­tá con­sa­gran­do o prin­cí­pio contábil:

a) da Opor­tu­ni­da­de. b) da Re­a­li­za­ção da Re­cei­ta. c) da Pru­dên­cia. d) da Igual­da­de Contábil. e) da Com­pe­tên­cia.

Co­men­tá­rio: o enun­ci­a­do re­fe­re-se ao art. 187, § 1º, da Lei 6.404/1976, o qual ex­pres­sa que na de­ter­mi­na­ção do re­sul­ta­do do exer­cí­cio as re­cei­tas e as des­pe­sas se­rão com­pu­ta­das in­de­pen­den­te­men­te das su­as re­a­li­za­ções em mo­e­da.

Na al­ter­na­ti­va A, o Prin­cí­pio da Opor­tu­ni­da­de re­fe­re-se ao pro­ces­so de men­su­ra­ção e apre­sen­ta­ção dos com­po­nen­tes pa­tri­mo­ni­ais a fim de pro­du­zir informaçõe­s ín­te­gras e tem­pes­ti­vas.

Na al­ter­na­ti­va B, a Re­a­li­za­ção da Re­cei­ta de­pen­de do re­gi­me de re­co­nhe­ci­men­to uti­li­za­do, ou se­ja, se for ado­ta­do o re­gi­me da com­pe­tên­cia, a re­cei­ta se­rá con­ta­bi­li­za­da no mo­men­to do seu fa­to ge­ra­dor; por ou­tro la­do, se for ado­ta­do o re­gi­me de cai­xa, a re­cei­ta se­rá con­ta­bi­li­za­da no mo­men­to de seu re­ce­bi­men­to (en­tra­da no cai­xa).

Na al­ter­na­ti­va C, o Prin­cí­pio da Pru­dên­cia de­ter­mi­na a ado­ção do me­nor va­lor pa­ra os com­po­nen­tes do Ati­vo e do mai­or pa­ra os do Pas­si­vo sem­pre que se apre­sen­tem al­ter­na­ti­vas igual­men­te vá­li­das pa­ra a quan­ti­fi­ca­ção das mu­ta­ções pa­tri­mo­ni­ais que al­te­rem o pa­trimô­nio lí­qui­do. Em sín­te­se, es­se prin­cí­pio de­ter­mi­na a ado­ção do me­nor va­lor pa­ra o Pa­trimô­nio Lí­qui­do.

Na al­ter­na­ti­va D, a igual­da­de contábil é re­pre­sen­ta­da pe­lo atri­bu­to quan­ti­ta­ti­vo, ou se­ja, re­fe­re-se à ex­pres­são dos com­po­nen­tes pa­tri­mo­ni­ais em va­lo­res, sen­do evi­den­ci­a­da pe­la se­guin­te fór­mu­la:

ATI­VO = PAS­SI­VO + PL

Es­sa igual­da­de ex­pres­sa que o va­lor do Ati­vo equi­va­le à so­ma do va­lor do Pas­si­vo com o va­lor do Pa­trimô­nio Lí­qui­do.

Na al­ter­na­ti­va E, o Prin­cí­pio da Com­pe­tên­cia de­ter­mi­na que os efei­tos das tran­sa­ções e ou­tros even­tos se­jam re­co­nhe­ci­dos nos pe­río­dos a que se re­fe­rem, in­de­pen­den­te­men­te do re­ce­bi­men­to ou pa­ga­men­to, ou se­ja, ex­pres­sa o mo­men­to (qu­an­do) em que de­vem ser re­co­nhe­ci­das as re­cei­tas e as des­pe­sas. De acor­do com o Prin­cí­pio da Com­pe­tên­cia, es­se mo­men­to é o da ocor­rên­cia do fa­to ge­ra­dor das re­cei­tas e das des­pe­sas in­de­pen­den­te­men­te do seu pa­ga­men­to (re­a­li­za­ção em mo­e­da).

Des­ta­cam-se os dis­po­si­ti­vos da Lei das So­ci­e­da­des por Ações (Lei nº 6.404/1976) mais exi­gi­dos em concursos pú­bli­cos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.