Escravos DA BER­BÉ­RIA

A ÉPO­CA EM QUE EU­RO­PEUS CRISTÃOS ERAM SEQUESTRAD­OS POR PIRATAS DO NOR­TE DA ÁFRICA E LE­VA­DOS CO­MO CA­TI­VOS A PAÍ­SES ISLÂMICOS

Aventuras na Historia - - IDADE MÉDIA - POR OTÁVIO URBINATTI

Do al­to da tor­re, o vi­gia gri­ta­va: “Há mou­ro na cos­ta!”. O si­nal eco­a­va pe­los po­vo­a­dos cos­tei­ros à me­di­da que a sus­pei­ta em­bar­ca­ção sur­gia no ho­ri­zon­te. O cla­mor an­te­ci­pa­va o de­ses­pe­ro de inú­me­ras fa­mí­li­as. Nes­sa ho­ra, era re­sis­tir ou cor­rer. O de­sem­bar­que dos mou­ros em ter­ras por­tu­gue­sas cau­sa­va re­bu­li­ço na po­pu­la­ção. Fu­gir pa­ra o in­te­ri­or ou cri­ar bar­rei­ras que im­pe­dis­sem a sua che­ga­da ao con­ti­nen­te eram as únicas al­ter­na­ti­vas de de­fe­sa. O fra­cas­so, no en­tan­to, da­va aos mo­ra­do­res do li­to­ral anos lon­gos de pe­nú­ria e sub­mis­são.

En­tre os sé­cu­los 15 e 18, es­sa prá­ti­ca se tor­nou tão re­cor­ren­te que não só Por­tu­gal mas re­giões que bei­ra­vam o Me­di­ter­râ­neo e o Atlân­ti­co te­mi­am a pre­sen­ça de na­vi­os car­re­ga­dos de muçulmanos. Em ter­ra e em mar, piratas do Nor­te da África co­lo­ca­vam em risco a li­ber­da­de de inú­me­ros eu­ro­peus cristãos, que eram sequestrad­os

e le­va­dos à for­ça pa­ra ter­ras is­lâ­mi­cas na con­di­ção de escravos.

Até ho­je, qu­an­do se diz a um por­tu­guês que há um mou­ro na cos­ta, algo pa­re­ce não es­tar bem ou ser mo­ti­vo de sus­pei­ta. A ex­pres­são idi­o­má­ti­ca revela a me­mó­ria de­pre­ci­a­ti­va da­que­le pe­río­do e mos­tra que a es­cra­vi­dão foi uma re­a­li­da­de mui­to pró­xi­ma dos po­vos eu­ro­peus.

PRÁ­TI­CA LUCRATIVA

A es­cra­vi­dão é quase sem­pre re­la­ci­o­na­da a de­si­gual­da­de ra­ci­al en­tre os po­vos. Con­tu­do, e mais do que is­so, a História revela que, além de ca­rac­te­rís­ti­cas fí­si­cas, ela tam­bém é re­fle­ti­da por as­pec­tos cul­tu­rais.

A es­cra­vi­dão dos eu­ro­peus es­te­ve li­ga­da so­bre­tu­do a uma dis­pu­ta pe­la su­pre­ma­cia re­li­gi­o­sa. En­quan­to ne­gros afri­ca­nos eram le­va­dos às Amé­ri­cas com a jus­ti­fi­ca­ti­va de sal­va­ção da al­ma pe­la con­ver­são ao ca­to­li­cis­mo, pa­ra os

cristãos, o ca­ti­vei­ro no Nor­te da África e nas de­mais re­giões mu­çul­ma­nas re­pre­sen­ta­va um pe­ri­go de or­dem es­pi­ri­tu­al e re­li­gi­o­sa.

A história do es­cra­vis­mo em ter­ras is­lâ­mi­cas se ini­cia a par­tir do sin­cre­tis­mo que a re­li­gião re­pre­sen­tou aos po­vos ára­bes. A atra­ção pe­lo sa­que e pe­la Guerra Santa con­tra aque­les que não se­guis­sem o li­vro sa­gra­do de Ma­o­mé fa­zia par­te das di­re­tri­zes da cren­ça.

Após seu sur­gi­men­to, por vol­ta do ano 630, o is­la­mis­mo se tor­nou uma re­li­gião prós­pe­ra em cur­to pe­río­do de tem­po. A fra­gi­li­da­de dos Im­pé­ri­os da épo­ca (so­bre­tu­do, o Bi­zan­ti­no) e dos Es­ta­dos Bár­ba­ros foi um dos mo­ti­vos de­ter­mi­nan­tes pa­ra que ela se ex­pan­dis­se ra­pi­da­men­te pa­ra re­giões da Ásia, África e Eu­ro­pa.

Em um ce­ná­rio es­pe­ci­al­men­te de dis­pu­ta re­li­gi­o­sa en­tre cristãos e islâmicos, o se­ques­tro de ca­ti­vos se tor­nou, en­tão, uma prá­ti­ca fre­quen­te e lucrativa pa­ra am­bos os la­dos. O con­fli­to en­tre os dois po­vos tem seu iní­cio no con­tex­to das Cru­za­das, qu­an­do eu­ro­peus en­vi­a­dos à Ter­ra Santa eram cap­tu­ra­dos pe­los ini­mi­gos. Do ou­tro la­do, po­rém, os mo­vi­men­tos de re­con­quis­ta da Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca, em­pre­en­di­dos por mo­nar­cas eu­ro­peus, tam­bém re­sul­ta­ram em apre­en­sões mu­çul­ma­nas.

Mas foi com a as­cen­são do Im­pé­rio Oto­ma­no na re­gião de Ana­tó­lia (atu­al Tur­quia) que os islâmicos pas­sa­ram a con­tro­lar im­por­tan­tes ter­ri­tó­ri­os de in­te­res­ses co­mer­ci­ais, in­cluin­do a na­ve­ga­ção no Me­di­ter­râ­neo Ori­en­tal e Cen­tral. Um de­les era o por­to de Ar­gel, no Nor­te da África, re­gião de­no­mi­na­da Ber­bé­ria, que pos­suía uma lo­ca­li­za­ção ex­tre­ma­men­te es­tra­té­gi­ca e um po­de­rio na­val mui­to gran­de. O do­mí­nio de opor­tu­nas ro­tas co­mer­ci­ais nas mãos dos se­gui­do­res de Ma­o­mé, des­se mo­do, ame­a­ça­va di­re­ta­men­te os in­te­res­ses das na­ções cris­tãs.

No sé­cu­lo 16, a ci­da­de de Ar­gel, sob do­mí­nio oto­ma­no, cres­ceu e en­ri­que­ceu em vir­tu­de das in­cur­sões piratas às em­bar­ca­ções cris­tãs e às re­giões cos­tei­ras de Por­tu­gal, Es­pa­nha, Fran­ça, Itá­lia, Is­lân­dia e Rei­no Uni­do. A prá­ti­ca se tor­nou du­pla­men­te ren­tá­vel, pois, além de di­fi­cul­tar as ati­vi­da­des co­mer­ci­ais, po­de­ria obter elevadas so­mas de di­nhei­ro com a ven­da de tí­tu­los de res­ga­tes pa­ra en­tre­ga dos cristãos.

Qu­an­do cap­tu­ra­dos, os eu­ro­peus eram le­va­dos pa­ra o po­vo­a­do do Nor­te da África. “Na im­pos­si­bi­li­da­de de man­ter to­dos os ca­ti­vos, o go­ver­na­dor do lo­cal ven­dia-os pa­ra os seus ci­da­dãos. Tra­ba­lhan­do co­mo escravos, aguar­da­vam a opor­tu­ni­da­de de res­ga­te, feito pe­los seus paí­ses de ori­gem”, ex­pli­ca Edi­te Alberto, in­ves­ti­ga­do­ra do Cen­tro de Hu­ma­ni­da­des da Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as So­ci­ais e Hu­ma­nas da Uni­ver­si­da­de No­va de Lisboa.

Em ter­ras is­lâ­mi­cas, os eu­ro­peus, en­tão, eram uti­li­za­dos em ta­re­fas ur­ba­nas pa­ra exe­cu­tar tra­ba­lhos nas pe­drei­ras, ex­tra­ção de mi­nas, cons­tru­ção de edifícios e de in­fra­es­tru­tu­ras, ta­re­fas do­més­ti­cas (no ca­so das mulheres), além dos ser­vi­ços nas ga­lés.

Por anos, os piratas da Ber­bé­ria oca­si­o­na­ram im­pac­tos tão vi­o­len­tos no li­to­ral eu­ro­peu que ci­da­des in­tei­ras aca­ba­ram de­so­cu­pa­das. Ho­mens, mulheres e cri­an­ças: to­dos vi­vi­am cons­tan­te­men­te ame­a­ça­dos.

MÃO DE OBRA EM EX­CES­SO

A es­cas­sez de re­gis­tros his­tó­ri­cos ge­ra, até ho­je, dú­vi­das e ques­ti­o­na­men­tos en­tre os es­pe­ci­a­lis­tas em re­la­ção à quan­ti­da­de de ca­ti­vos cap­tu­ra­dos pe­las em­bar­ca­ções ber­be­res nes­se pe­río­do. Um dos es­tu­dos mais re­cen­tes foi de­sen­vol­vi­do pe­lo pro­fes­sor de História da Uni­ver­si­da­de de Ohio, Ro­bert Da­vis, nos Es­ta­dos Uni­dos. O aca­dê­mi­co cri­ou uma me­to­do­lo­gia ino­va­do­ra pa­ra che­gar a nú­me­ros mui­to mai­o­res do que, até en­tão, ha­vi­am si­do re­gis­tra­dos.

Pa­ra Da­vis, en­tre 1 e 1,25 milhão de eu­ro­peus, bran­cos e cristãos, fo­ram es­cra­vi­za­dos

Por anos, os piratas da Ber­bé­ria oca­si­o­na­ram im­pac­tos tão vi­o­len­tos no li­to­ral eu­ro­peu que ci­da­des

in­tei­ras fo­ram de­so­cu­pa­das

pe­los muçulmanos do Nor­te da África en­tre os anos de 1530 e 1780. O es­tu­do do pro­fes­sor de História foi ba­se­a­do em re­gis­tros que in­di­ca­ram qu­an­tos escravos es­ta­vam em de­ter­mi­na­do lo­cal em de­ter­mi­na­da épo­ca.

“Nin­guém ja­mais ten­tou des­co­brir is­so sis­te­ma­ti­ca­men­te. Quase nin­guém se­quer ofe­re­ceu um pal­pi­te. O pro­ble­ma era que, mes­mo com a es­ti­ma­ti­va mais louca, era im­pos­sí­vel de­ci­dir se es­sa era uma ques­tão his­tó­ri­ca re­al ou ape­nas uma cu­ri­o­si­da­de ir­re­le­van­te”, afir­ma Da­vis.

Em su­as pes­qui­sas, cons­ta­tou que o nú­me­ro de ca­ti­vos se manteve es­tá­vel no sé­cu­lo que mar­ca o pon­to mais al­to da es­cra­vi­dão, en­tre 1580 e 1680. Sen­do as­sim, ele con­ta que a me­lhor for­ma pa­ra che­gar à quan­tia era in­ver­ten­do o pro­ble­ma. “Imaginei que eu po­de­ria cal­cu­lar a quan­ti­da­de de escravos se sou­bes­se qu­an­tos de­les pre­ci­sa­vam ser cap­tu­ra­dos pa­ra man­ter es­ses ní­veis es­tá­veis”, co­men­ta.

O do­cen­te pu­bli­cou as in­for­ma­ções em 2003 e, des­de en­tão, his­to­ri­a­do­res e es­pe­ci­a­lis­tas têm con­tes­ta­do os nú­me­ros di­vul­ga­dos. “Em 15 anos, en­tre­tan­to, nun­ca me apre­sen­ta­ram ne­nhum mo­do de cál­cu­lo al­ter­na­ti­vo”, revela.

Sem dis­cor­dar de Da­vis, a his­to­ri­a­do­ra por­tu­gue­sa e pro­fes­so­ra da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Ala­go­as (Ufal) Ana Santos Pe­rei­ra co­men­ta que o efe­ti­vo to­tal po­de­ria mes­mo ter si­do ele­va­do. Con­tu­do, ela cha­ma aten­ção pa­ra a ne­ces­si­da­de de en­ca­rar es­ti­ma­ti­vas co­mo es­sa com cer­ta reserva de­vi­do à fal­ta de re­gis­tros.

Se­gun­do a do­cen­te, nem to­dos os in­di­ví­du­os cap­tu­ra­dos no mar ou nas in­cur­sões às or­las ma­rí­ti­mas se en­cai­xa­vam ne­ces­sa­ri­a­men­te nes­se perfil. Em pes­qui­sas a ar­qui­vos na­ci­o­nais de Por­tu­gal, por exem­plo, iden­ti­fi­cou o re­gis­tro de res­ga­te de 77 ne­gros ou par­dos/mu­la­tos en­tre 1579 e 1729. “Uns eram na­tu­rais de Por­tu­gal, ou­tros da Es­pa­nha, ou­tros ain­da de di­ver­sos

lu­ga­res do con­ti­nen­te africano e, pe­lo me­nos, no­ve tinham nas­ci­do no Brasil”, de­cla­ra Pe­rei­ra.

Além dis­so, “os ataques em ter­ra ou em mar não eram fon­tes exclusivas de escravos pa­ra os ha­bi­tan­tes do Nor­te da África”, com­ple­ta. Re­giões sub­sa­a­ri­a­nas (ao sul do Sa­a­ra) tam­bém su­pri­ram as ne­ces­si­da­des dos “se­nho­res” muçulmanos da Ber­bé­ria. Es­ti­ma-se que, do sé­cu­lo 9 ao iní­cio do 17, as ca­ra­va­nas que cir­cu­la­vam pe­lo de­ser­to te­ri­am trans­por­ta­do de 5 mil a 10 mil ca­ti­vos por ano. So­ma­do a is­so, os oto­ma­nos con­ti­nu­a­vam cap­tu­ran­do e es­cra­vi­zan­do es­la­vos (po­vos do nor­des­te eu­ro­peu), que eram tra­fi­ca­dos pa­ra di­fe­ren­tes re­giões do Im­pé­rio.

NE­GÓ­CIO PE­LA LI­BER­DA­DE

Ao cair nas mãos dos muçulmanos, os cristãos te­mi­am que o con­ta­to com o is­la­mis­mo co­lo­cas­se em risco a sal­va­ção de sua al­ma. Qu­an­do con­se­gui­am vol­tar à Eu­ro­pa, mui­tos de­les eram al­vo de sus­pei­ta por par­te da In­qui­si­ção. Acre­di­ta­va-se que os ca­ti­vos ti­ves­sem ade­ri­do à re­li­gião do in­fi­el e que, ao re­gres­sa­rem, pro­cu­ras­sem dis­se­mi­ná-la en­tre os cristãos.

As­sim, pro­cu­ran­do evi­tar si­tu­a­ções co­mo es­sa, os reinos cristãos cri­a­ram or­ga­ni­za­ções pa­ra re­co­lher fun­dos des­ti­na­dos pa­ra com­pra da li­ber­da­de dos escravos no Nor­te da África. A Bu­la da Cru­za­da, que, ini­ci­al­men­te, se des­ti­na­va a fi­nan­ci­ar as ex­pe­di­ções à Ter­ra Santa, ga­ran­tia a con­ces­são de in­dul­gên­ci­as a to­dos os que con­tri­buís­sem fi­nan­cei­ra­men­te pa­ra o res­ga­te de ca­ti­vos. As ope­ra­ções con­ta­vam com o tra­ba­lho de di­fe­ren­tes en­ti­da­des re­li­gi­o­sas.

“Uma das or­dens que se es­pe­ci­a­li­za­ram nes­se tra­to co­mer­ci­al, des­de o sé­cu­lo 12, foi a Or­dem da San­tís­si­ma Trin­da­de (fun­da­da na Fran­ça), tam­bém co­nhe­ci­da co­mo Or­dem dos Fra­des Tri­ni­tá­ri­os. Tais fra­des pe­di­am es­mo­las e do­a­ções pa­ra, com es­se di­nhei­ro, ir com­prar ca­ti­vos

cristãos nas pra­ças on­de eles eram ven­di­dos”, ex­pli­ca o pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Le­tras da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra Saul António Go­mes. Em Barcelona, na Es­pa­nha, tam­bém fo­ra cri­a­da ou­tra en­ti­da­de ca­pa­ci­ta­da, a Or­dem de Nos­sa Se­nho­ra das Mer­cês.

O go­ver­no por­tu­guês, nes­te ca­so, che­gou a or­ga­ni­zar ar­ma­das pa­ra pa­tru­lhar a cos­ta e pro­te­ger as em­bar­ca­ções do país. Mas a me­di­da ado­ta­da foi em vão e nem as­sim os ataques cor­sá­ri­os ces­sa­ram. Ca­be­ria, en­tão, aos tri­ni­tá­ri­os e de­mais or­dens re­li­gi­o­sas ne­go­ci­ar a com­pra dos ca­ti­vos em so­lo ber­be­re.

Pa­ra is­so, os fra­des fre­ta­vam na­vi­os e che­ga­vam a le­var pre­sen­tes va­li­o­sos aos go­ver­nan­tes e no­bres da Ber­bé­ria pa­ra que es­tes fos­sem in­flu­en­ci­a­dos po­si­ti­va­men­te na ven­da e na li­ber­da­de dos ca­ti­vos. Ca­da re­al de ou­ro por­tu­guês equi­va­lia a se­te pa­ta­cas ar­ge­li­nas e, en­tão, era fi­xa­do um pre­ço de com­pra. Ini­ci­al­men­te, du­ran­te o rei­na­do por­tu­guês de D. João V (17061750), fo­ram fei­tas qua­tro gran­des re­mi­ções pe­los fra­des tri­ni­tá­ri­os, que se de­ram en­tre 1720 e 1739. Nes­ses res­ga­tes, tam­bém há re­gis­tro his­tó­ri­co de li­ber­ta­ção de escravos em ou­tras re­giões oto­ma­nas, co­mo as fron­tei­ras do Im­pé­rio Aus­tro-hún­ga­ro e no Ori­en­te.

Em so­lo eu­ro­peu, os ca­ti­vos re­con­quis­ta­vam sua li­ber­da­de e, em pou­cos di­as, já eram en­vi­a­dos pa­ra as su­as ter­ras de ori­gem.

MAL DA HU­MA­NI­DA­DE

A mu­dan­ça das es­tru­tu­ras econô­mi­cas e da so­ci­e­da­de de an­ti­go re­gi­me por uma ou­tra so­ci­e­da­de li­be­ral e as­sen­ta­da no res­pei­to dos direitos humanos foi de­ci­si­va pa­ra es­tag­nar o fenômeno de es­cra­vi­dão em ter­ras oto­ma­nas. “O ne­o­co­lo­ni­a­lis­mo oci­den­tal, so­bre­tu­do após 1780, im­pac­tan­te no Nor­te da África e no Ori­en­te Médio, fez re­trair os mer­ca­dos da es­cra­va­tu­ra de cristãos. A lon­ga du­ra­ção des­se fenômeno tra­duz tan­to in­te­res­ses fi­nan­cei­ros e co­mer­ci­ais qu­an­to de­mo­grá­fi­cos (mão de obra a ser­vi­ço dos ‘se­nho­res’ muçulmanos), cul­tu­rais e re­li­gi­o­sos”, de­cla­ra Go­mes.

Tra­ta­dos de paz, des­sa for­ma, sur­gi­ram so­men­te no fi­nal do sé­cu­lo 18 e iní­cio do 19. Em 1813 ain­da fo­ram res­ga­ta­dos cer­ca de 600 portuguese­s que es­ta­vam pri­si­o­nei­ros em Ar­gel. Além dis­so, re­gis­tros mos­tra­ram que o co­mér­cio de ca­ti­vos no mun­do is­lâ­mi­co tam­bém es­te­ve pre­sen­te no co­me­ço do sé­cu­lo 20. Is­so fez com que, em 1904, em Pa­ris, fos­se as­si­na­do um acor­do com al­guns Es­ta­dos eu­ro­peus pa­ra su­pres­são do trá­fi­co de escravos da re­gião.

No en­tan­to, os pes­qui­sa­do­res portuguese­s aler­tam pa­ra o fa­to de ain­da haver apre­en­sões de in­di­ví­du­os até os di­as de ho­je com ba­se em fun­da­men­ta­lis­mos re­li­gi­o­sos. Con­for­me Edi­te Alberto ex­pli­ca, a es­cra­vi­dão tem acom­pa­nha­do to­da a história da Hu­ma­ni­da­de, qual­quer que

se­ja a cor da pe­le dos seus pro­ta­go­nis­tas. “Os he­breus fo­ram escravos dos ba­bilô­ni­cos, os gre­gos fo­ram escravos dos ro­ma­nos e, até na atu­a­li­da­de, re­gi­mes to­ta­li­tá­ri­os ‘es­cra­vi­zam’ po­pu­la­ções pe­la sua ide­o­lo­gia ou et­nia. Ho­je, por exem­plo, os ya­zi­dis (co­mu­ni­da­des es­ta­be­le­ci­das em re­giões do Ira­que, Sí­ria, Tur­quia e Irã) são es­cra­vi­za­dos pe­lo au­to­de­no­mi­na­do Es­ta­do Is­lâ­mi­co nos ter­ri­tó­ri­os da Sí­ria. E es­ta­mos sem­pre a fa­lar de ‘es­cra­va­tu­ra bran­ca’”, ter­mi­na.

Em ter­ras is­lâ­mi­cas, os ca­ti­vei­ros nun­ca fo­ram in­tei­ra­men­te ex­tin­tos. Bas­ta lem­brar­mos da con­quis­ta do Mon­te Sin­jar, no Ira­que, em agos­to de 2014, pe­lo Es­ta­do Is­lâ­mi­co (EI), co­lo­can­do em risco a vi­da de 500 mil ya­zi­dis que vi­vi­am na re­gião. Com a ocu­pa­ção, o gru­po re­a­li­zou ataques vi­o­len­tos à co­mu­ni­da­de. Os que não con­se­gui­ram es­ca­par con­ti­nu­am co­mo reféns em ter­ri­tó­ri­os ira­qui­a­nos e sí­ri­os – as mulheres ya­zi­dis são até ho­je ven­di­das ou re­du­zi­das à con­di­ção de es­cra­vas se­xu­ais. Des­de 2018, a ONU re­co­lhe pro­vas de massacres e de­mais atro­ci­da­des pro­vo­ca­das pe­lo EI na re­gião.

“Em­bo­ra se­jam um gru­po fe­cha­do, eles sem­pre fo­ram res­pei­ta­dos pe­los muçulmanos. No en­tan­to, qu­an­do o EI ata­cou as co­mu­ni­da­des, os seus direitos fo­ram to­ma­dos e, a par­tir de en­tão, pas­sa­ram a en­fren­tar mui­tas di­fi­cul­da­des”, es­cla­re­ce o pro­fes­sor de te­o­lo­gia ira­ni­a­no Hos­sein Kha­li­loo. “Não va­mos ver uma me­lho­ra tão ce­do, ten­do em vis­ta que ain­da há mui­tos conflitos e bom­bar­dei­os na­que­la re­gião en­vol­ven­do gran­des na­ções”, fi­na­li­za ele.

O pre­sen­te ain­da con­ser­va em sua me­mó­ria ves­tí­gi­os his­tó­ri­cos e cul­tu­rais des­ses e de ou­tros sis­te­mas es­cra­vis­tas. Há de se re­co­nhe­cer que a história dos po­vos guar­da múl­ti­plas fa­ces de ra­cis­mo e de di­ver­gên­ci­as ide­o­ló­gi­cas. E, em­bo­ra ha­ja mui­to o que pes­qui­sar e es­tu­dar so­bre o as­sun­to, o fa­to é que ain­da exis­tem, en­tre nós, di­ver­sas re­la­ções a se­rem re­sol­vi­das.

Em ter­ras is­lâ­mi­cas, os ca­ti­vei­ros

nun­ca fo­ram in­tei­ra­men­te ex­tin­tos. Bas­ta lem­brar­mos da con­quis­ta do Mon­te Sin­jar, no

Ira­que, em 2014, pe­lo EI

BRASILEIRO­S NO AL­VO DA PIRATARIA BER­BE­RE

Em Por­tu­gal, há re­gis­tros de brasileiro­s res­ga­ta­dos de ca­ti­vei­ros muçulmanos ao lon­go do sé­cu­lo 18 pe­los tri­ni­tá­ri­os. Na pri­mei­ra ex­pe­di­ção de D. João V, em 1720, fo­ram li­ber­ta­dos 365 cristãos, dos quais eram brasileiro­s: Ro­mão Fur­ta­do de Men­don­ça, 27 anos, do Rio de Ja­nei­ro; Mi­guel de Sequeira, ho­mem ne­gro, de 57 anos, do Pa­rá; Es­pe­ran­ça, mu­lher ne­gra, de 25 anos, do Ma­ra­nhão; Manuel Ta­puia, de 14 anos, do Pa­rá; Ma­ria, mu­lher ne­gra, de Per­nam­bu­co, acom­pa­nha­da de sua fi­lha, Jo­se­fa, de 2 anos, nas­ci­da em Ar­gel.

Já no úl­ti­mo res­ga­te de seu rei­na­do, em 1739, foi re­gis­tra­da a li­ber­ta­ção de 178 ca­ti­vos, que tam­bém cons­ta­tou a pre­sen­ça de brasileiro­s. En­tre eles, Luí­sa Ma­ria, ne­gra, da Bahia, com 21 anos de ida­de, sen­do dois de ca­ti­vei­ro; e Antô­nio Fernandes da Sil­va, de 27 anos, na­tu­ral de Per­nam­bu­co, vi­ven­do qua­tro anos co­mo es­cra­vo. Nos anos se­guin­tes, por sua vez, os tri­ni­tá­ri­os con­ti­nu­a­ram a cap­tu­rar brasileiro­s em ter­ras is­lâ­mi­cas. Em 1754 fo­ram res­ga­ta­dos Jo­sé Lo­pes Fer­rei­ra da Ro­cha, de Sal­va­dor; e Hen­ri­que Brás, de Per­nam­bu­co, cap­tu­ra­do pe­los cor­sá­ri­os com ape­nas 6 anos de ida­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.