O JOGO ALÉM DA FANTASIA

CONHEÇA A GUERRA DAS DU­AS ROSAS, OS MASSACRES ESCOCESES E OU­TROS EPISÓDIOS DE VIOLÊNCIA E LOUCURA QUE INSPIRARAM GA­ME OF TH­RO­NES

Aventuras na Historia - - CAPA - POR CAR­LO CAU­TI

In­ces­to, trai­ções em fa­mí­lia, reis lou­cos, guer­ras en­tre clãs e mui­to, mas mui­to san­gue der­ra­ma­do. As­sim são os ca­pí­tu­los re­ple­tos de sur­pre­sas e violência des­me­di­da de Ga­me of Th­ro­nes,a pre­mi­a­dís­si­ma sé­rie da HBO, que es­treia sua aguar­da­da úl­ti­ma tem­po­ra­da nes­te 14 de abril. Ba­se­a­do na sequên­cia de li­vros As Crônicas de Gelo e Fo­go, o pro­gra­ma de TV tem co­mo fon­te de seu mag­ne­tis­mo a ima­gi­na­ção sem li­mi­tes de um sep­tu­a­ge­ná­rio de No­va Jer­sey, es­cri­tor que ao lon­go da car­rei­ra se es­pe­ci­a­li­zou em histórias de fantasia, ter­ror e fic­ção ci­en­tí­fi­ca: Ge­or­ge R.R. Mar­tin.

Mas mes­mo a men­te pro­di­gi­o­sa do au­tor pre­ci­sou de uma mão­zi­nha pa­ra ela­bo­rar o com­ple­xo la­bi­rin­to de tra­mas pa­ra­le­las de GOT

– um uni­ver­so com cla­ra ins­pi­ra­ção me­di­e­val, tan­to vi­su­al­men­te qu­an­to em seus ri­tu­ais de com­ba­te, de re­li­gião ou ma­gia. Foi nos li­vros de História que Mar­tin en­con­trou idei­as pa­ra seu gi­gan­tes­co en­re­do, com re­fe­rên­ci­as mai­o­res ou me­no­res em episódios im­por­tan­tes do pas­sa­do, prin­ci­pal­men­te eu­ro­peu.

“To­dos os au­to­res de fic­ção usa­ram a Ida­de Mé­dia pa­ra re­pre­sen­tar uma me­tá­fo­ra da mo­der­ni­da­de”, ex­pli­ca Ro­bert Rou­se, pro­fes­sor do cur­so “Our Mo­dern Me­di­e­val: The Ga­me of Th­ro­nes as Me­di­e­va­lism”, na Uni­ver­si­da­de da Co­lúm­bia Bri­tâ­ni­ca, no Ca­na­dá. “Tol­ki­en usou o Se­nhor dos Anéis pa­ra re­pre­sen­tar a Se­gun­da Guerra Mundial, na qual tu­do era pre­to ou bran­co: ou vo­cê es­ta­va do la­do de Sau­ron (com os na­zis­tas), ou do la­do de Fro­do (com as

de­mo­cra­ci­as). Mas Mar­tin tam­bém re­pre­sen­ta a mo­der­ni­da­de, que é mui­to mais com­ple­xa do que aque­le mo­men­to. A fic­ção de GOT mos­tra um mun­do mui­to mais cin­za.”

Se­gun­do Rou­se, as pes­so­as gos­tam de GOT tam­bém por­que con­se­guem ver além da Ida­de Mé­dia. En­xer­gam even­tos con­tem­po­râ­ne­os nas en­tre­li­nhas da tra­ma. Por exem­plo, ca­sos de violência bru­tal em guer­ras co­mo a da Bós­nia ou do Ira­que. “To­dos são even­tos mo­der­nos nos quais fac­ções se con­fron­tam de for­ma tru­cu­len­ta pa­ra con­quis­tar o po­der. E a al­ma de GOT é is­so: a lu­ta pe­la to­ma­da do po­der”, diz o es­tu­di­o­so.

Violência, aliás, é o que não fal­ta nas múl­ti­plas tra­mas da sé­rie. Mas ce­nas com ca­be­ças de­go­la­das, sa­dis­mo, es­tu­pro e ou­tras cru­el­da­des se­ri­am tam­bém uma re­pre­sen­ta­ção fi­el do con­tex­to his­tó­ri­co da Ida­de Mé­dia. Em vá­ri­as oca­siões, o pró­prio Ge­or­ge R.R. Mar­tin res­pon­deu a crí­ti­cas so­bre o ex­ces­so de sel­va­ge­ria com fra­ses que po­de­ri­am ser re­su­mi­das em “a História era as­sim, ami­gos!”.

“Os hor­ro­res da hu­ma­ni­da­de não de­ri­vam de ogros ou de al­gum Obs­cu­ro Se­nhor. Mas de nós mes­mos. So­mos nós os mons­tros, e tam­bém os he­róis. Ca­da um de nós tem o po­ten­ci­al de co­me­ter gran­des ma­les e tam­bém gran­des coi­sas”, de­cla­rou o au­tor em uma en­tre­vis­ta pa­ra o jor­nal bri­tâ­ni­co The Gu­ar­di­an.

Se a sa­ga dos Stark, Lan­nis­ter, Tar­garyen e

ou­tros é um con­tí­nuo fler­te com a História, tam­bém é sua com­bi­na­ção com a fantasia que apai­xo­na o pú­bli­co, com a in­clu­são de dra­gões, mor­tos-vi­vos e ho­mens de gelo. Ele­men­tos fan­tás­ti­cos que, afi­nal, tam­bém ti­ve­ram cor­res­pon­den­tes na ima­gi­na­ção dos po­vos ao lon­go dos tem­pos – e o pe­río­do me­di­e­val foi fértil na cons­tru­ção de he­róis so­bre-humanos e lendas ex­tra­or­di­ná­ri­as. Ain­da as­sim, a fantasia é co­ad­ju­van­te de lu­xo de uma nar­ra­ti­va mui­to mais re­co­nhe­cí­vel pe­las gran­de­zas e mi­sé­ri­as que bro­tam da ma­té­ria-pri­ma de nos­sa hu­ma­ni­da­de. É aí, na referência à História que cri­a­mos ao lon­go dos sé­cu­los, que es­tá o mai­or trun­fo des­sa sé­rie – pa­ra­do­xal­men­te, tão ori­gi­nal.

“O so­bre­na­tu­ral per­ma­ne­ce co­mo pa­no de fun­do, ape­nas pro­nun­ci­a­do. Sua for­ça nar­ra­ti­va é, ao con­trá­rio, li­ga­da à história re­al, apre­sen­tan­do ce­ná­ri­os pro­fun­da­men­te fa­mi­li­a­res pa­ra o pú­bli­co”, ex­pli­ca Tom­ma­so di Car­peg­na Fal­co­ni­e­ri, pro­fes­sor de história me­di­e­val na Uni­ver­si­da­de de Ur­bi­no, na Itá­lia.

Mas quais são es­ses even­tos e per­so­na­gens his­tó­ri­cos que tan­to inspiraram Ge­or­ge R.R. Mar­tin em sua mai­or cri­a­ção? É o que vo­cê vai des­co­brir ago­ra. (Mas aten­ção: se vo­cê não viu to­das as tem­po­ra­das, pre­pa­re-se. Tem um cam­po mi­na­do de spoi­lers aqui.)

STARK X LAN­NIS­TER: GUERRA DAS DU­AS ROSAS

Os Lan­nis­ter co­mo os Lan­cas­ter. Os Stark co­mo os York. São mui­tas as se­me­lhan­ças en­tre Ga­me of Th­ro­nes e a dis­pu­ta pe­lo po­der en­tre es­sas fa­mí­li­as da In­gla­ter­ra me­di­e­val – um con­fli­to his­tó­ri­co en­tre os dois ra­mos da di­nas­tia dos Plan­ta­ge­ne­tas, que dis­pu­ta­ram o tro­no da In­gla­ter­ra no sé­cu­lo 15. Uma guerra que, 400 anos de­pois, no sé­cu­lo 19, a fantasia do es­cri­tor Wal­ter Scott re­ba­ti­zou co­mo “A Guerra das Du­as Rosas” (1455-1485). A ro­sa ver­me­lha, sím­bo­lo dos Lan­cas­ter, e a ro­sa bran­ca, sím­bo­lo dos York. Uma alu­são aos sím­bo­los das du­as ca­sas. Foi des­se epi­só­dio vi­o­len­to da história bri­tâ­ni­ca que Ge­or­ge R.R. Mar­tin ti­rou ins­pi­ra­ção pa­ra des­cre­ver a ri­va­li­da­de mor­tal que opõe as du­as gran­des fa­mí­li­as de Wes­te­ros.

Por 30 anos, os mem­bros des­sas fa­mí­li­as, am­bas des­cen­den­tes dos fi­lhos me­no­res do rei Edu­ar­do III, lu­ta­ram pa­ra ver quem fi­ca­va com o tro­no in­glês. Os Lan­cas­ter eram no­bres do sul da ilha, mui­to ri­cos, exa­ta­men­te co­mo os Lan­nis­ter da fic­ção. Já os York eram no­bres do Nor­te, co­mo os Stark. A par­tir de 1455, as pre­ten­sões de Ri­car­do, Du­que de York, co­me­ça­ram a se con­tra­por ao rei da In­gla­ter­ra, Hen­ri­que VI, um Lan­cas­ter, ho­mem fra­co e men­tal­men­te ins­tá­vel, e à sua es­po­sa, Mar­ga­ri­da de An­jou. Após uma lon­ga sé­rie de in­tri­gas, ali­an­ças e ba­ta­lhas, o fi­lho de Ri­car­do se tor­na­ria fi­nal­men­te so­be­ra­no com o no­me de Edu­ar­do IV.

En­tre­tan­to, após a mor­te des­se rei, em 1483, seu ir­mão, um ou­tro Ri­car­do (o Du­que de Glou­ces­ter) de­ci­diu to­mar o po­der à for­ça. O mor­to ha­via dei­xa­do co­mo her­dei­ros do tro­no du­as cri­an­ças, Edu­ar­do V e Ri­car­do de Sh­rews­bury, res­pec­ti­va­men­te de 12 e 9 anos. Mas, ob­ce­ca­do pe­la se­de de po­der, seu ir­mão não he­si­tou: de­cla­rou ile­gí­ti­mos os dois so­bri­nhos e man­dou pren­dê-los na ter­rí­vel pri­são da Tor­re de Lon­dres. E os me­ni­nos nun­ca mais fo­ram vis­tos. Foi as­sim que ele pró­prio se tor­nou Ri­car­do III.

Mas se en­ga­na quem achou que a dis­pu­ta en­tre os York e os Lan­cas­ter ter­mi­nas­se aí. Afi­nal, era o tro­no da In­gla­ter­ra que es­ta­va em jogo.

Lo­go o nobre ga­lês Hen­ri­que Tu­dor, des­cen­den­te dos Lan­cas­ter, de­ci­diu de­sa­fi­ar aber­ta­men­te Ri­car­do. Ele se re­be­lou con­tra o rei, jun­tou um exér­ci­to, mas aca­bou der­ro­ta­do. Só que não de­sis­tiu. Fu­giu pa­ra o nor­te da

O PE­RÍO­DO ME­DI­E­VAL

FOI FÉRTIL NA CONS­TRU­ÇÃO DE LENDAS E HE­RÓIS SO­BRE-HUMANOS

Fran­ça, ganhou apoio dos no­bres lo­cais, reu­niu ou­tro exér­ci­to e de­sem­bar­cou na In­gla­ter­ra pa­ra lu­tar no­va­men­te. E des­sa vez ganhou, der­ro­tan­do as for­ças do so­be­ra­no na Ba­ta­lha de Bosworth, de 1485 (gra­ças tam­bém à trai­ção de al­guns no­bres ali­a­dos do rei).

Ri­car­do aca­bou mor­to e o nobre re­bel­de, ago­ra sem ri­vais, pro­cla­mou-se rei com o no­me de Hen­ri­que VII. Pa­ra ga­nhar ain­da mais le­gi­ti­mi­da­de no tro­no, ele não per­deu tem­po e se ca­sou com a pri­mei­ra fi­lha de Edu­ar­do IV, Isa­bel de York, inau­gu­ran­do uma no­va era de paz na In­gla­ter­ra.

“Ga­me of Th­ro­nes tem to­do o seu en­re­do de fun­do inspirado nes­se epi­só­dio his­tó­ri­co, cheio de bru­ta­li­da­de, trai­ções, guer­ras e in­tri­gas”, ex­pli­ca o pro­fes­sor Rou­se. “E, sen­do tão li­ga­da à re­a­li­da­de, a sa­ga con­se­gue des­per­tar os arqué­ti­pos mais pro­fun­dos e os sen­ti­men­tos pri­má­ri­os das pes­so­as, co­mo rai­va, ódio, pai­xão, amor. Is­so tu­do tem um efei­to ex­tre­ma­men­te se­du­tor no pú­bli­co.”

Mas há di­fe­ren­ças, cla­ro, en­tre a história re­al e a sé­rie pro­du­zi­da pe­la HBO. Na fic­ção, os Stark não pa­re­cem tão in­te­res­sa­dos as­sim no tro­no, ra­zo­a­vel­men­te sa­tis­fei­tos com seu an­ti­go e tra­di­ci­o­nal pa­pel de Pro­te­to­res do Nor­te. Ed­dard “Ned” Stark acei­ta com re­lu­tân­cia a pro­mo­ção pa­ra o pa­pel de “Mão do Rei” – uma es­pé­cie de pri­mei­ro ca­va­lei­ro –, que o ina­de­qua­do so­be­ra­no Ro­bert Ba­rathe­on lhe im­põe. So­men­te com o as­sas­si­na­to trai­ço­ei­ro de Ned, o pos­te­ri­or mas­sa­cre dos Stark e a diáspora dos so­bre­vi­ven­tes é que os mem­bros da fa­mí­lia são, en­fim, for­ça­dos a en­trar no “jogo dos tronos” con­tra os Lan­nis­ter e seus mui­tos ali­a­dos.

Na história re­al, Ri­car­do de York só se tor­nou Lor­de Pro­te­tor do Rei­no após a loucura de Hen­ri­que IV fi­car mais que evi­den­te. E co­me­çou jus­ta­men­te as­sim sua ten­ta­ti­va de con­quis­tar o tro­no in­glês. Mas exis­te um la­ço bas­tan­te con­vin­cen­te en­tre Ned e Ri­car­do: am­bos são guer­rei­ros ex­pe­ri­en­tes e ho­mens de hon­ra. E os dois aca­bam perdendo o tro­no, sen­do de­ca­pi­ta­dos e ten­do su­as ca­be­ças has­te­a­das em lan­ças.

E não pa­ra por aí: a Guerra das Du­as Rosas pa­re­ce ter for­ne­ci­do ou­tras ins­pi­ra­ções pa­ra a sé­rie, além da ri­va­li­da­de en­tre as ca­sas dos Stark e dos Lan­nis­ter. O rei ado­les­cen­te e mal­va­do da sa­ga, Jof­frey Ba­rathe­on, tem pon­tos em co­mum com Edu­ar­do de Lan­cas­ter, Prín­ci­pe de Ga­les e Du­que da Cor­nu­a­lha, fi­lho de Hen­ri­que VI. Am­bos nas­ce­ram co­mo fi­lhos ile­gí­ti­mos. Am­bos ma­ni­fes­ta­ram uma loucura la­ten­te e tinham uma ten­dên­cia ao sa­dis­mo. Já na fren­te fe­mi­ni­na, exis­te pa­ra­le­lis­mo en­tre a rai­nha Cer­sei Lan­nis­ter e a aguer­ri­da Mar­ga­ri­da de An­jou, mu­lher de Hen­ri­que VI e de­fen­so­ra das cau­sas dos Lan­cas­ter.

Já Da­e­nerys, úl­ti­ma so­bre­vi­ven­te da antiga li­nha­gem dos Tar­garyen, tem pon­tos de con­ta­to com a história aven­tu­rei­ra de Hen­ri­que Tu­dor. Am­bos fo­ram for­ça­dos a um lon­go exi­lio além-mar. Am­bos têm uma antiga e ter­rí­vel vin­gan­ça pa­ra ser hon­ra­da. Am­bos têm um tro­no a re­con­quis­tar... Em­bo­ra não se te­nha no­tí­cia de que es­se rei da In­gla­ter­ra pos­suís­se dra­gões in­cen­diá­ri­os.

Vol­tan­do aos Stark ver­sus Lan­nis­ter, o pró­prio Mar­tin ad­mi­tiu ter se inspirado tam­bém em ou­tros episódios da História. Es­pe­ci­al­men­te a Guerra Ci­vil dos Ar­mag­nacs e Bor­gui­nhões (1407-1435), a lu­ta en­tre dois ra­mos da fa­mí­lia re­al fran­ce­sa, a Ca­sa de Or­léans (fac­ção dos Ar­mag­nacs) e a Ca­sa de Bor­go­nha (dos Bor­gui­nhões).

Es­ses dois clãs po­de­ro­sos en­tra­ram em con­fli­to num mo­men­to de en­fra­que­ci­men­to da Co­roa, com a che­ga­da do “rei lou­co” Car­los VI de Va­lois. Em Ga­me of Th­ro­nes, a guerra co­me­ça com a mor­te do rei Ro­bert e a co­ro­a­ção

GA­ME OF TH­RO­NES TEM TO­DO O SEU EN­RE­DO DE FUN­DO INSPIRADO NA GUERRA DAS DU­AS ROSAS, DO SÉ­CU­LO 15

de uma cri­an­ça. Na Fran­ça, di­fe­ren­te­men­te, a lu­ta co­me­çou ain­da du­ran­te o pe­río­do de loucura do rei. Em am­bos os ca­sos, en­tre­tan­to, o que no co­me­ço da­va a im­pres­são de não pas­sar de uma ri­va­li­da­de po­lí­ti­ca aca­bou se tor­nan­do uma lu­ta bru­tal pe­lo po­der – e ter­mi­nou em uma san­gren­ta guerra ci­vil.

É in­te­res­san­te no­tar ain­da co­mo os sím­bo­los das ca­sas dos Lan­nis­ter e dos Stark, o leão e o lo­bo, são exa­ta­men­te os dos Bor­gui­nhões e dos Ar­mag­nacs, res­pec­ti­va­men­te. Em uma fa­mo­sa pin­tu­ra do sé­cu­lo 15, um lo­bo, sim­bo­li­zan­do o du­que Louis I d´or­le­ans, aca­ba mor­to com a pa­ta­da de um leão, que re­pre­sen­ta Je­an de Bour­gog­ne.

AERYS II TAR­GARYEN: CAR­LOS VI DA FRAN­ÇA

O úl­ti­mo so­be­ra­no da di­nas­tia Tar­garyen em Ga­me of Th­ro­nes, Aerys II, é cha­ma­do de “o rei lou­co” – mes­mo ape­li­do da­do pa­ra a fi­gu­ra trá­gi­ca do rei Car­los VI de Va­lois. E não foi por aca­so, já que as se­me­lhan­ças en­tre es­se so­be­ra­no me­di­e­val e o personagem da sa­ga de Ge­or­ge R.R. Mar­tin são mui­tas. Em am­bos, a loucura se ma­ni­fes­ta so­men­te após anos de go­ver­no que fo­ram, no fi­nal das con­tas, po­si­ti­vos. Tan­to que, no co­me­ço de seu rei­na­do, Car­los VI ganhou o ape­li­do de “bem-ama­do”. Exa­ta­men­te co­mo Aerys II.

A in­sa­ni­da­de do fran­cês se ma­ni­fes­ta­ria aos seus 24 anos de ida­de. Em uma quen­te ma­nhã

de agos­to de 1392, en­quan­to atra­ves­sa­va uma flo­res­ta, o rei co­me­çou a de­li­rar e a acu­sar seus ca­va­lei­ros de trai­ção. Gri­tan­do, ata­cou-os com sua es­pa­da, ma­tan­do mui­tos an­tes de ser imo­bi­li­za­do. A si­tu­a­ção pi­o­rou no ano se­guin­te, du­ran­te o Bai­le dos Ar­den­tes, uma fes­ta de más­ca­ras or­ga­ni­za­da na cor­te. Hou­ve um aci­den­te em meio à ce­le­bra­ção, e al­guns dan­ça­ri­nos aca­ba­ram quei­ma­dos vi­vos. O pró­prio rei quase mor­reu no fo­go. E es­se epi­só­dio foi o fim de­fi­ni­ti­vo de sua lu­ci­dez.

As­sim, sua mu­lher, Isa­bel da Ba­vi­e­ra, e seu tio, Fi­li­pe III de Bor­go­nha, ga­nha­ram es­pa­ço de ma­no­bra pa­ra su­as in­tri­gas. E os jo­gos de po­der se acen­tu­a­ram.

A in­sa­ni­da­de do rei Car­los de­sen­ca­de­ou uma lu­ta fe­roz pe­lo tro­no. De um la­do, Luís de Or­leães, ir­mão do rei, e do ou­tro, João sem Me­do, Du­que da Bor­go­nha. Foi jus­ta­men­te qu­an­do João tra­mou o as­sas­si­na­to de Luís, em no­vem­bro de 1407, que o con­fli­to de­ge­ne­rou na guerra ci­vil en­tre os Ar­mag­nacs e os Bor­gui­nhões.

Ou­tro ele­men­to co­mum en­tre Car­los VI e Aerys II é a he­re­di­ta­ri­e­da­de des­sa loucura. O so­bri­nho de Car­los VI foi Hen­ri­que VI da In­gla­ter­ra, cu­ja de­mên­cia aca­bou fa­vo­re­cen­do o co­me­ço da Guerra das Du­as Rosas. Mes­mo pa­ra­le­lis­mo com Aerys, ne­to de Ae­ri­on Tar­garyen, personagem tão bi­ru­ta que es­ta­va con­ven­ci­do de ser um dra­gão dis­far­ça­do de hu­ma­no.

RO­BERT BA­RATHE­ON: EDU­AR­DO IV OU HEN­RI­QUE VIII?

Pai de Da­e­nerys, Ro­bert Ba­rathe­on pa­re­ce ser uma fi­gu­ra ins­pi­ra­da em Edu­ar­do IV da In­gla­ter­ra. Am­bos con­quis­ta­ram o tro­no lu­tan­do, mas após is­so caí­ram nu­ma vi­da des­re­gra­da, no ál­co­ol e nos prazeres car­nais. Os dois tam­bém sur­pre­en­de­ram seus pa­ren­tes mu­dan­do su­as úl­ti­mas von­ta­des (seus tes­ta­men­tos) pou­co an­tes de mor­rer, no­me­an­do um re­gen­te. Em am­bos os ca­sos, es­sa ideia deu iní­cio a uma cri­se di­nás­ti­ca. Na sé­rie, Ro­bert mor­re du­ran­te um aci­den­te de ca­ça, en­quan­to Edu­ar­do IV mor­reu após uma do­en­ça con­traí­da du­ran­te uma pes­ca­ria.

Mas há ou­tro rei que tam­bém po­de­ria ter inspirado a fi­gu­ra de Ro­bert Ba­rathe­on: Hen­ri­que VIII. Não so­men­te no as­pec­to fí­si­co, re­chon­chu­do, mas tam­bém por sua di­fi­cul­da­de de ge­rar fi­lhos ade­qua­dos pa­ra a su­ces­são ao tro­no. Em Ga­me of Th­ro­nes, os fi­lhos de Ro­bert e de sua mu­lher, a rai­nha Cer­sei Lan­nis­ter, são fru­to, na ver­da­de, do re­la­ci­o­na­men­to in­ces­tu­o­so de­la com seu ir­mão Jai­me – uma das sub­tra­mas cho­can­tes da sé­rie.

Ou­tra coin­ci­dên­cia: na fic­ção, um dos mi­nis­tros mais in­flu­en­tes de Ba­rathe­on, Petyr Ba­e­lish, tem se­me­lhan­ças com Tho­mas Cromwell, pri­mei­ro-mi­nis­tro de Hen­ri­que VIII. Ne­nhum de­les veio de fa­mí­li­as no­bres, mas os dois con­quis­ta­ram po­der gra­ças à sua cul­tu­ra e ao co­nhe­ci­men­to da bu­ro­cra­cia da cor­te – qua­li­da­des mis­tu­ra­das à fal­ta de es­crú­pu­los e à ha­bi­li­da­de em se es­qui­var das in­tri­gas pa­la­ci­a­nas. Cromwell aca­bou exe­cu­ta­do por or­dem do pró­prio Hen­ri­que VIII após o fra­cas­so do ca­sa­men­to com Ana de Cle­ves – união pa­tro­ci­na­da por Cromwell. Lor­de Ba­e­lish tem o pes­co­ço cor­ta­do por Arya Stark na tem­po­ra­da 7 – igual­men­te mor­to por al­guém da fa­mí­lia que ele ju­rou pro­te­ger.

CER­SEI LAN­NIS­TER: RAI­NHA ISA­BEL DA FRAN­ÇA

Es­po­sa de Ro­bert Ba­rathe­on e mãe do in­fa­me su­ces­sor Je­of­frey, Cer­sei Lan­nis­ter lem­bra a lin­da so­be­ra­na Isa­bel de Fran­ça (1295-1358), mu­lher de Edu­ar­do II da In­gla­ter­ra. Além de sua be­le­za, a rai­nha pas­sou pa­ra a História por cau­sa do pou­co sim­pá­ti­co ape­li­do de “Lo­ba da Fran­ça”. As­sim co­mo Cer­sei, Isa­bel era uma ob­ce­ca­da pe­lo po­der. Em 1326, ela aban­do­nou Lon­dres, foi pa­ra a Fran­ça, tor­nou-se aman­te de um nobre e as­sim jun­tou um exér­ci­to. Em se­tem­bro des­se mes­mo ano, de­sem­bar­cou no­va­men­te na In­gla­ter­ra, der­ro­tou os no­bres que se opu­nham a ela e man­dou pren­der o ma­ri­do. E as­sim o Par­la­men­to obri­gou o rei a ab­di­car em prol do fi­lho de Isa­bel, Edu­ar­do III, que ti­nha ape­nas 14 anos. Co­mo ele ain­da era me­nor de ida­de, Isa­bel foi no­me­a­da re­gen­te.

A es­can­da­lo­sa ce­na fi­nal da quin­ta tem­po­ra­da, qu­an­do a rai­nha de Ga­me of Th­ro­nes é hu­mi­lha­da pu­bli­ca­men­te, for­ça­da a per­cor­rer nua e com os ca­be­los cor­ta­dos uma rua en­tre uma mul­ti­dão ulu­lan­te, tam­bém tem ba­se his­tó­ri­ca. Em 1483, Jane Shore, uma das fa­vo­ri­tas do rei Edu­ar­do IV, foi for­ça­da a per­cor­rer se­mi­nua as ru­as de Lon­dres após ter si­do acu­sa­da pe­lo ir­mão do rei, Ri­car­do III, de complô e pros­ti­tui­ção.

OS SE­TE REINOS: A HEPTARQUIA

A ge­o­gra­fia de Wes­te­ros, con­ti­nen­te on­de se pas­sa a mai­or par­te de Ga­me of Th­ro­nes, pa­re­ce ins­pi­ra­da na si­lhu­e­ta das ilhas bri­tâ­ni­cas. Jun­tan­do a Grã-bre­ta­nha e a Ir­lan­da e vi­ran­do o ma­pa ao con­trá­rio, a se­me­lhan­ça é evi­den­te. Além dis­so, a di­vi­são dos do­mí­ni­os do Con­ti­nen­te Oci­den­tal, em GOT, é uma referência a um mo­men­to his­tó­ri­co re­al: a Heptarquia. Uma pa­la­vra que sig­ni­fi­ca “as se­te so­be­ra­ni­as”,

ACU­SA­DA DE COMPLÔ, JANE SHORE, AMAN­TE DE EDU­AR­DO IV, TE­VE DE ANDAR NUA NAS RU­AS – CO­MO CER­SEI

ter­mo uti­li­za­do pe­los his­to­ri­a­do­res pa­ra de­fi­nir os an­ti­gos se­te reinos (Nor­túm­bria, An­glia Ori­en­tal, Mér­cia, Es­sex, Sus­sex, Wes­sex, Kent) que di­vi­di­am a In­gla­ter­ra no pe­río­do da con­quis­ta por par­te dos an­glos, sa­xões e ju­tos, de­pois da re­ti­ra­da das le­giões ro­ma­nas (500 d.c.).

Era uma épo­ca com fron­tei­ras in­cer­tas e mar­ca­da por guer­ras san­gren­tas, com­ba­ti­das em vol­ta de cas­te­los por ca­va­lei­ros, ar­quei­ros e ho­mens com es­pa­das e es­cu­dos. Exa­ta­men­te o pe­río­do no qual se con­cen­tra­ram as ten­ta­ti­vas de dar con­sis­tên­cia his­tó­ri­ca ao personagem do Rei Arthur.

Du­ran­te aque­le pe­río­do, as mo­nar­qui­as não eram he­re­di­tá­ri­as, mas sim ele­ti­vas, uma tra­di­ção tri­bal ger­mâ­ni­ca que se per­pe­tu­ou nos sé­cu­los se­guin­tes. As­sim, as ge­ne­a­lo­gi­as dos go­ver­nan­tes se su­ce­di­am na ba­se das va­ri­a­ções nos equi­lí­bri­os dos po­de­res en­tre clãs fa­mi­li­a­res. Por is­so, pa­ra de­ci­dir quem se­ria o no­vo rei, não era in­co­mum ini­ci­ar uma no­va guerra. Por­tan­to, ter um mo­nar­ca en­tre seus an­te­pas­sa­dos aju­da­va a ga­nhar vá­ri­os pon­tos nes­sa cor­ri­da pa­ra o tro­no – uma tra­di­ção bri­tâ­ni­ca que aca­bou sen­do ins­pi­ra­ção pa­ra a fic­ção con­ce­bi­da por Mar­tin.

Co­mo os Se­te Reinos da epo­peia de Ga­me of Th­ro­nes, os se­te da In­gla­ter­ra lu­ta­vam en­tre si de for­ma cons­tan­te, al­ter­nan­do-se na su­pre­ma­cia so­bre a par­te me­ri­di­o­nal da ilha. Até que, a par­tir do ano 831, os reinos fo­ram uni­dos sob Eg­ber­to, o Gran­de, rei de Wes­sex (769-839). Exa­ta­men­te co­mo Ae­gon, o Con­quis­ta­dor, pri­mei­ro e úni­co rei de Wes­te­ros e fun­da­dor da di­nas­tia re­al dos Tar­garyen.

AS NÚPCIAS VERMELHAS: OS MASSACRES ESCOCESES

Nu­ma sé­rie com tan­to san­gue der­ra­ma­do, ca­be­ças cor­ta­das e até mem­bro vi­ril ar­ran­ca­do, o epi­só­dio do mas­sa­cre das núpcias vermelhas se des­ta­ca por sua bru­ta­li­da­de in­com­pa­rá­vel. Pa­ra ima­gi­nar es­se epi­só­dio cru­el, em que Robb Stark é as­sas­si­na­do jun­to com a noi­va, sua mãe e gran­de par­te de seus sol­da­dos, o es­cri­tor Ge­or­ge R.R. Mar­tin ad­mi­tiu ter se inspirado em dois even­tos das an­ti­gas crônicas es­co­ce­sas. O pri­mei­ro é de 1440 e fi­cou co­nhe­ci­do co­mo o Black Din­ner, a “Jan­ta Ne­gra”. As ví­ti­mas des­se mas­sa­cre fo­ram os des­cen­den­tes do po­de­ro­so clã dos Dou­glas: o con­de Wil­li­am e seu ir­mão Da­vid. Es­ses no­bres, am­bos ado­les­cen­tes, fo­ram re­ce­bi­dos no Cas­te­lo de Edim­bur­go pe­lo rei Jai­me II, da Escócia, que na­da mais era do que uma cri­an­ça. Na re­a­li­da­de, o con­vi­te vi­nha de Sir Wil­li­am Cri­ch­ton. O lor­de te­mia a in­fluên­cia cres­cen­te dos Dou­glas na po­lí­ti­ca es­co­ce­sa e or­ga­ni­zou a eli­mi­na­ção dos her­dei­ros do clã de for­ma es­pe­ta­cu­lar. Du­ran­te o jan­tar, foi ser­vi­da pa­ra Wil­li­am a ca­be­ça cor­ta­da de um tou­ro ne­gro, sím­bo­lo de mor­te na tra­di­ção do lugar. Es­se era o si­nal pa­ra os cons­pi­ra­do­res. Ime­di­a­ta­men­te, os dois jo­vens fo­ram le­va­dos ao pá­tio do cas­te­lo e de­go­la­dos sem pi­e­da­de.

Ou­tra referência que ins­pi­rou o epi­só­dio vem do tru­cu­len­to pas­sa­do das High­lands: o Mas­sa­cre de Glen­coe, de 1692. Des­sa vez, as ví­ti­mas fo­ram os mem­bros do clã Mac­do­nald, que eram re­lu­tan­tes a se sub­me­te­rem à au­to­ri­da­de do no­vo rei, Gui­lher­me III da In­gla­ter­ra. O clã ri­val dos Camp­bell, vi­zi­nho dos Mac­do­nald, or­ga­ni­zou a em­bos­ca­da. Um gru­po dos Camp­bell pe­diu pa­ra ser hos­pe­da­do em pos­ses dos Mac­do­nald, em no­me da antiga tra­di­ção da hos­pi­ta­li­da­de es­co­ce­sa. Após um gran­de jan­tar, os cons­pi­ra­do­res ma­ta­ram no so­no o che­fe do clã, Alas­dair Ma­clain, jun­to com cer­ca de 40 ou­tros mem­bros de sua fa­mí­lia. O mas­sa­cre co­me­çou após um si­nal que che­gou do ou­tro la­do de uma ro­cha – ain­da ho­je co­nhe­ci­da co­mo Sig­nal Rock (“ro­cha do si­nal”).

MASSACRES SUPERELABO­RADOS NA ESCÓCIA INSPIRARAM O EPI­SÓ­DIO DA MOR­TE

DE ROBB STARK

BRAAVOS: VENEZA

A ci­da­de co­mer­ci­al de Braavos, uma re­pú­bli­ca de GOT cons­truí­da em ci­ma de ca­nais e se­de do po­de­ro­so Ban­co de Fer­ro – que fi­nan­cia as ca­sas en­vol­vi­das na guerra ci­vil, in­cli­nan­do-se pa­ra uma ou ou­tra de­pen­den­do dos in­te­res­ses en­vol­vi­dos –, te­ria si­do ins­pi­ra­da na Veneza me­di­e­val.

A ci­da­de ita­li­a­na, tam­bém uma re­pú­bli­ca, era cha­ma­da de “Se­re­nís­si­ma”. E, as­sim co­mo Braavos, Veneza foi cons­truí­da so­bre ca­nais de água e ti­nha forte vo­ca­ção co­mer­ci­al. Além dis­so, o Pa­lá­cio do Se­nhor do Mar de Braavos é inspirado no Pa­lá­cio Du­cal de Veneza, se­de dos do­ges, os lí­de­res da re­pú­bli­ca.

OS DOTHRAKI: AS HORDAS MONGÓIS

Eles são o fla­ge­lo das ci­da­des ci­vi­li­za­das. Os in­va­so­res que vêm do Les­te co­ber­tos de cou­ro. “Os se­nho­res dos ca­va­los”, com a pe­le es­cu­ra e lon­gos ca­be­los, que des­tro­em tu­do por on­de ca­val­gam. Com uma ima­gem co­mo es­sa, o pen­sa­men­to lo­go cor­re pa­ra as hordas mongóis e hu­nas. Po­vos cu­jas mi­gra­ções du­ran­te o quin­to sé­cu­lo d.c. ace­le­ra­ram o co­lap­so do Im­pé­rio Ro­ma­no. No uni­ver­so de Ga­me of Th­ro­nes, cha­mam-se Dothraki – os te­mi­dos nô­ma­des guer­rei­ros do Con­ti­nen­te Ori­en­tal.

Exa­ta­men­te co­mo pa­ra os hu­nos e pa­ra os mongóis, os ca­va­los se tor­na­ram o cen­tro des­sa ci­vi­li­za­ção bar­ba­da de GOT. Não por aca­so,

a di­vin­da­de dos Dothraki é o Gran­de Ga­ra­nhão. Nas tra­di­ções des­se po­vo fan­tás­ti­co, quem não con­se­gue ca­val­gar per­de qual­quer pres­tí­gio so­ci­al. E, qu­an­do um Dothraki mor­re, seu ca­va­lo tem de quei­mar com ele na pi­ra fu­ne­rá­ria.

E mais: os Dothraki são go­ver­na­dos por um so­be­ra­no elei­to, o khal. Uma referência evi­den­te ao khan, an­ti­go no­me dos reis mongóis, co­mo Gen­gis Khan.

OS HO­MENS DE FER­RO: OS VIKINGS

Tam­bém cha­ma a aten­ção a se­me­lhan­ça en­tre os vikings e os trai­ço­ei­ros ha­bi­tan­tes das Ilhas de Fer­ro. As­sim co­mo seus ins­pi­ra­do­res his­tó­ri­cos, os Iron­born fo­ram for­ça­dos a na­ve­gar, nu­ma vi­da de sa­que­a­do­res, por cau­sa de sua ter­ra na­tal inós­pi­ta. Tam­bém a re­a­ção do rei dos Ho­mens de Fer­ro, Ba­lon Grey­joy, de ex­cluir de sua su­ces­são seu fi­lho Tehon, após sua emas­cu­la­ção por par­te do psi­có­ti­co Ram­say Bol­ton, faz sen­ti­do sob a len­te da cul­tu­ra vi­king. Os guer­rei­ros nór­di­cos co­lo­ca­vam em di­re­ta cor­re­la­ção a po­tên­cia se­xu­al mas­cu­li­na e a le­gi­ti­mi­da­de do po­der. E con­si­de­ra­vam a cas­tra­ção de seus ini­mi­gos uma for­ma pe­cu­li­ar e ex­tre­ma de in­sul­to.

ÂNDALOS: VÂNDALOS

“O rei dos Ândalos e dos Pri­mei­ros Ho­mens.” Em Ga­me of Th­ro­nes, é es­se o pom­po­so tí­tu­lo com o qual os so­be­ra­nos dos Se­te Reinos são

anun­ci­a­dos nas oca­siões ofi­ci­ais. Na len­dá­ria Ida­de da Au­ro­ra (um pe­río­do an­te­ri­or ao exi­bi­do na TV), o con­ti­nen­te era po­vo­a­do ape­nas pe­los Fi­lhos da Flo­res­ta. Con­tra eles, os Pri­mei­ros Ho­mens, que che­ga­ram do Les­te, co­me­ça­ram uma lon­ga guerra, que cu­ri­o­sa­men­te aca­bou se tor­nan­do con­vi­vên­cia pa­cí­fi­ca com o tem­po. Uma fu­são de po­vos que levou os in­va­so­res a abra­çar o cul­to in­dí­ge­na dos An­ti­gos Deu­ses.

Mas o equi­lí­brio ge­o­po­lí­ti­co de Wes­te­ros foi mais uma vez que­bra­do por uma mi­gra­ção ar­ma­da, des­sa vez dos guer­rei­ros Ândalos. Os re­cém-che­ga­dos mas­sa­cra­ram os rei­na­dos dos Pri­mei­ros Ho­mens, im­pon­do em to­dos os lu­ga­res, me­nos no Nor­te e nas ter­ras dos sel­va­gens, sua cul­tu­ra feu­dal.

Es­sa con­quis­ta tem um cor­res­pon­den­te his­tó­ri­co no con­fron­to en­tre o Im­pé­rio Ro­ma­no e as tri­bos ger­mâ­ni­cas: em par­ti­cu­lar aque­la dos vândalos, com os quais os Ândalos se pa­re­cem até no no­me. Ini­ci­al­men­te der­ro­ta­dos ao lon­go do Rio Da­nú­bio pe­lo im­pe­ra­dor Mar­co Au­ré­lio, es­ses guer­rei­ros aca­ba­ram sen­do aco­lhi­dos na pro­vín­cia da Panô­nia (atu­al Hun­gria) pe­lo im­pe­ra­dor Cons­tan­ti­no, o Gran­de. En­tre­tan­to, os vândalos aca­ba­ram em­pur­ra­dos mais pa­ra o Oci­den­te pe­la in­va­são dos hu­nos. Es­se po­vo mi­grou pa­ra a pro­vín­cia da Gá­lia e de­pois pa­ra a Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca, on­de seu rei, Gen­se­ri­co, fun­dou um rei­no. De lá fo­ram con­quis­tan­do a África.

Exa­ta­men­te co­mo os Ândalos de Wes­te­ros, os vândalos eram loi­ros e ini­mi­gos de qual­quer for­ma de in­te­gra­ção ou as­si­mi­la­ção.

A MURALHA DE GELO: E AS DE ADRIANO E ANTONINO

Em As Crônicas de Gelo e Fo­go, a Muralha é con­si­de­ra­da uma das no­ve ma­ra­vi­lhas cri­a­das pe­lo ho­mem. O paredão de gelo no nor­te de Wes­te­ros cor­ta o con­ti­nen­te de uma pon­ta a ou­tra, in­do da Baía das Fo­cas, no Les­te, até a ca­deia mon­ta­nho­sa das Pre­sas de Gelo, a Oes­te. Com mais de 8 mil anos, foi cons­truí­da gra­ças à ma­gia e à aju­da de gi­gan­tes e de ou­tras cri­a­tu­ras não hu­ma­nas, tor­nan­do-se o ba­lu­ar­te ti­tâ­ni­co que pro­te­ge as ter­ras de Wes­te­ros. De quem? Dos ha­bi­tan­tes das es­cu­ras e de­so­la­das Ter­ras de Sem­pre In­ver­no. É um po­vo li­vre, uma tri­bo de ca­ça­do­res pri­mi­ti­vos que os ho­mens ci­vi­li­za­dos dos Se­te Reinos cha­mam com des­pre­zo de “os sel­va­gens”. Mas a Muralha tam­bém é a es­pe­ran­ça de con­ten­ção de uma ame­a­ça mai­or: os Ou­tros, cri­a­tu­ras de pro­fun­dos olhos azuis do­ta­das da ca­pa­ci­da­de de res­sus­ci­tar os mor­tos e alis­tá-los co­mo zum­bis em su­as fi­lei­ras. Pa­ra vi­gi­ar es­sa úl­ti­ma fron­tei­ra, há a ir­man­da­de da Patrulha da Noi­te, cu­jos mem­bros re­nun­ci­am a ter uma fa­mí­lia e de­di­cam sua vi­da à lu­ta con­tra as ame­a­ças do Nor­te. Tam­bém nes­se ca­so, Mar­tin te­ve on­de se ins­pi­rar nos li­vros de História.

O pró­prio au­tor afir­mou que a ideia da Muralha veio no Rei­no Uni­do, vi­si­tan­do co­mo tu­ris­ta a Muralha de Adriano. Ela é uma im­po­nen­te for­ti­fi­ca­ção de pe­dra do sé­cu­lo 2, que cor­ta a ilha em du­as par­tes por cer­ca de 120 quilô­me­tros, se­pa­ran­do a pro­vín­cia ro­ma­na da Bri­tâ­nia da Ca­ledô­nia (an­ti­go no­me da Escócia).

Os for­tes que pon­ti­lham a muralha são 19, exa­ta­men­te o nú­me­ro de for­tes cons­truí­dos ao lon­go do tra­ça­do de ou­tra muralha ro­ma­na, a de Antonino Pio, eri­gi­da 160 quilô­me­tros mais pa­ra o nor­te, co­mo ex­tre­mo re­cur­so do sis­te­ma de­fen­si­vo.

Mais uma pro­va de que, pa­ra a fic­ção oceâ­ni­ca des­se ir­re­sis­tí­vel jogo dos tronos, o es­cri­tor Ge­or­ge R.R. Mar­tin ain­da po­vo­ou seus ce­ná­ri­os com uma im­po­nên­cia que não saiu das lendas nem dos mitos dos an­ti­gos, mas da in­crí­vel ca­pa­ci­da­de de re­a­li­za­ção do ho­mem atra­vés da História.

O PAREDÃO DE GELO DA PATRULHA DO NOR­TE NAS­CEU DE UMA VISITA DE MAR­TIN À MURALHA

DE ADRIANO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.