DA SENZALA AO FRONT DE BA­TA­LHA

Aventuras na Historia - - COLUNA - M.R. TERCI

Na his­tó­ria do mun­do sem­pre exis­ti­ram guer­ras. Fos­se por ter­ri­tó­ri­os, ide­ais ou di­fe­ren­ças in­te­lec­tu­ais, o ho­mem cons­tan­te­men­te lan­çou mão de re­cur­sos bé­li­cos pa­ra fa­zer va­ler su­as am­bi­ções. Di­zem que guer­ra é in­fer­no. Não sei es­pe­cu­lar so­bre o in­fer­no, mas, sem dú­vi­da, a guer­ra é o que mais nos apro­xi­ma de­le.

Pa­ra o ser hu­ma­no, ne­nhum ou­tro an­seio é mai­or do que o de­se­jo pe­la li­ber­da­de. Nin­guém nas­ce pa­ra o gri­lhão ou o con­fi­na­men­to. Ser li­vre é de­se­jo co­mum de to­dos e, tal­vez por is­so, o di­rei­to de ex­pres­sar qual­quer opi­nião, agir, se re­la­ci­o­nar, ter in­de­pen­dên­cia ou li­cen­ça pa­ra ir e vir, per­ma­ne­cer ou fi­car, se­ja uma das mai­o­res mo­ti­va­ções pa­ra ca­lar fun­do a bai­o­ne­ta no cam­po de ba­ta­lha.

Eis en­tão o pro­ble­ma. Não se faz guer­ra sem o mais pre­ci­o­so dos re­cur­sos: vi­das hu­ma­nas. Não se pe­le­ja, ja­mais se ga­nha ter­ri­tó­rio, não se es­cla­re­ce a di­fe­ren­ça, nem se che­ga ao prê­mio sem sol­da­dos.

Em 1866, du­ran­te a Guer­ra do Pa­ra­guai, es­se era o di­le­ma do Im­pé­rio do Bra­sil.

Fo­ra um ano par­ti­cu­lar­men­te di­fí­cil pa­ra os sol­da­dos no front. Qua­se dois anos ha­vi­am se pas­sa­do, a si­tu­a­ção das for­ças mi­li­ta­res bra­si­lei­ras era caó­ti­ca. A in­va­são do des­co­nhe­ci­do ter­ri­tó­rio pa­ra­guaio expôs nos­sas fra­que­zas. Ter­re­nos pan­ta­no­sos, to­cai­as cons­tan­tes e ala­ga­men­tos sú­bi­tos. Des­lo­car tro­pas era de­mo­ra­do, aci­ma de tu­do, cus­to­so. Per­de­ram-se mi­lha­res de vi­das e o Exér­ci­to bra­si­lei­ro es­ta­va des­fal­ca­do e ter­ri­vel­men­te de­sar­ti­cu­la­do.

As­sim, pa­ra dar con­ta das bai­xas e for­ta­le­cer as li­nhas que ame­a­ça­vam des­mo­ro­nar, o im­pe­ra­dor

propôs uma au­da­ci­o­sa, po­rém po­lê­mi­ca so­lu­ção, que to­ca­va no ner­vo mais vul­ne­rá­vel e sen­sí­vel da épo­ca: a es­cra­vi­dão. Dom Pe­dro II su­ge­riu, en­tão, uma lei que per­mi­tia a al­for­ria de es­cra­vos em tro­ca de ser­vi­ço mi­li­tar.

Ape­sar do gran­de re­ceio dos con­se­lhei­ros re­ais, que di­zi­am ao im­pe­ra­dor que as al­for­ri­as in­cen­ti­va­ri­am a mo­vi­men­ta­ção de es­cra­vos pe­lo país, fo­men­tan­do fu­gas e su­ble­va­ções pe­la abo­li­ção, e de to­dos os obs­tá­cu­los co­lo­ca­dos pe­los se­nho­res de es­cra­vos e fa­zen­dei­ros, que ar­gu­men­ta­vam que tal li­ber­ta­ção tra­ria sé­ri­os trans­tor­nos pa­ra a agri­cul­tu­ra na­ci­o­nal, o de­cre­to nú­me­ro 3725/1866 foi apro­va­do em ca­rá­ter emer­gen­ci­al, com a res­sal­va de se pa­gar in­de­ni­za­ção aos pro­pri­e­tá­ri­os. Tro­can­do em miú­dos, os se­nho­res ven­di­am seus es­cra­vos pa­ra o go­ver­no fa­zer guer­ra.

Nas sen­za­las e nas la­vou­ras, car­tas de al­for­ria e uni­for­mes co­me­ça­ram a che­gar en­de­re­ça­dos a ho­mens que, re­pen­ti­na­men­te, se vi­ram no de­ver de de­fen­der a pá­tria que até en­tão lhes ne­ga­va con­di­ção de gen­te. Em ja­nei­ro de 1867, os pri­mei­ros li­ber­tos da guer­ra fo­ram en­ca­mi­nha­dos pa­ra o Exér­ci­to e a Ma­ri­nha do Bra­sil. For­ros e en­ga­ja­dos co­mo sol­da­dos, eles lu­ta­ram em pe­lo me­nos três dos qua­tro exér­ci­tos dos paí­ses en­vol­vi­dos. O Cor­po dos Zu­a­vos da Bahia era um dos mui­tos ba­ta­lhões for­ma­dos ex­clu­si­va­men­te por ne­gros. O con­sen­so en­tre mui­tos dos co­man­dan­tes dos Ali­a­dos era de que aque­les ho­mens de mãos ca­le­ja­das e cos­tas mar­ca­das lu­ta­vam mais bra­va­men­te e com mai­or en­tu­si­as­mo que os sol­da­dos bran­cos, por­que lu­ta­vam por li­ber­da­de.

De­cre­to apro­va­do em ca­rá­ter emer­gen­ci­al per­mi­tia se­nho­res ven­de­rem seus es­cra­vos pa­ra o go­ver­no fa­zer guer­ra

É ES­CRI­TOR, FI­NA­LIS­TA NO PRÊ­MIO CUBO DE OU­RO, AU­TOR DE IM­PE­RI­AIS DE GRAN ABUELO (2018), OBRA AMBIENTADA NO PÓS-GUER­RA DO PA­RA­GUAI, E BAIR­RO DA CRIP­TA (2019), NA BELLE ÉPOQUE BRA­SI­LEI­RA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.