GU­ER­RA DOS FARRAPOS: BRIO DE BRA­SI­LEI­ROS

Aventuras na Historia - - COLUNA -

ARe­vo­lu­ção Far­rou­pi­lha ou a Gu­er­ra dos Farrapos ir­rom­peu no Rio Gran­de do Sul em se­tem­bro de 1835 e du­rou até o ano de 1845. De ca­rá­ter re­pu­bli­ca­no, por­tan­to, con­trá­rio ao go­ver­no im­pe­ri­al brasileiro, os re­vol­to­sos bus­ca­vam maior au­to­no­mia pa­ra as pro­vín­ci­as, me­nos im­pos­tos e iguais van­ta­gens em re­la­ção aos pro­du­tos de ou­tros paí­ses, es­pe­ci­al­men­te em re­la­ção ao co­mér­cio de cou­ro e char­que, im­por­tan­tes pro­du­tos da economia do Rio Gran­de do Sul.

Con­tu­do, en­quan­to ar­di­am fe­ro­zes as cha­mas do con­fli­to, um pe­ri­go ex­ter­no ame­a­ça­va a fron­tei­ra do país ao Sul. O di­ta­dor ar­gen­ti­no Ju­an Ma­nu­el de Ro­sas, que so­nha­va com a res­tau­ra­ção ter­ri­to­ri­al do an­ti­go Vi­ce-rei­no do Rio da Pra­ta, es­ta­va in­te­res­sa­do na ma­nu­ten­ção da pe­le­ja su­lis­ta que ame­a­ça­va o Im­pé­rio do Brasil e, com to­da cer­te­za, pro­vo­ca­ria a se­pa­ra­ção da pro­vín­cia ri­o­gran­den­se.

Nes­se sen­ti­do, o ma­qui­a­vé­li­co cau­di­lho en­vi­ou emis­sá­ri­os a Ca­na­bar­ro, lí­der dos farrapos, ofe­re­cen­do ali­an­ça e dis­po­ni­bi­li­zan­do tro­pas e ar­ma­men­to pe­sa­do pa­ra com­ba­ter as for­ças im­pe­ri­ais de Dom Pe­dro II. A res­pos­ta de Ca­na­bar­ro en­trou pa­ra a História como a mais pa­trió­ti­ca de­cla­ra­ção de bra­si­li­da­de que se viu:

“Se­nhor,” – res­pon­deu Ca­na­bar­ro ao emis­sá­rio – “o pri­mei­ro de vos­sos sol­da­dos que trans­pu­ser a fron­tei­ra for­ne­ce­rá o san­gue com que as­si­na­re­mos a paz com os Im­pe­ri­ais. Aci­ma de nos­so amor à Re­pú­bli­ca está nos­so brio de bra­si­lei­ros. Qui­se­mos on­tem a se­pa­ra­ção de nossa pá­tria; hoje, al­me­ja­mos a sua in­te­gri­da­de. Vos­sos homens, se ou­sa­rem in­va­dir

nos­so país, en­con­tra­rão, om­bro a om­bro, os re­pu­bli­ca­nos de Pi­ra­ti­ni e os Im­pe­ri­ais do Se­nhor Dom Pe­dro II.”

Na­da mais foi pre­ci­so. O perdão e a anis­tia ple­na aos re­vol­to­sos se pro­ces­sou por in­ter­mé­dio dos co­man­dan­tes le­ga­lis­tas Ca­xi­as, Osó­rio e Por­to Ale­gre, que, di­an­te da res­pos­ta de Ca­na­bar­ro a Ro­sas, so­li­ci­ta­ram a sua Ma­jes­ta­de Im­pe­ri­al a ob­ten­ção do in­dul­to, le­van­do em con­ta a im­por­tân­cia dos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os e sua uti­li­da­de pa­ra o país. Até por­que a gu­er­ra na fron­tei­ra já se pre­nun­ci­a­va e o uso da ca­va­la­ria far­rou­pi­lha, ali­a­do ao pro­fun­do co­nhe­ci­men­to da re­gião, se­ria in­dis­pen­sá­vel na Gu­er­ra do Pra­ta. Che­ga­ra ao fim a mais importante das guerras ci­vis sul-ame­ri­ca­nas, epo­peia de sa­cri­fí­ci­os inau­di­tos, de atos de bra­vu­ra ini­gua­lá­veis, pe­le­ja no­tó­ria pe­la lon­ga du­ra­ção, pe­la be­le­za de seus ide­ais e pe­lo va­lor de seus cam­peões.

Giu­sep­pe Ga­ri­bal­di, co­nhe­ci­do como “he­rói de dois mun­dos”, de­vi­do a sua par­ti­ci­pa­ção em con­fli­tos na Eu­ro­pa e na Amé­ri­ca do Sul, ge­ne­ral cu­ja li­de­ran­ça pos­si­bi­li­tou a uni­fi­ca­ção da Itá­lia e que tam­bém atu­ou como co­man­dan­te da ma­ri­nha far­rou­pi­lha, con­tou, cer­ta vez, a seu ami­go e bió­gra­fo Alexandre Du­mas:

“Eu vi cor­pos de tro­pas mais nu­me­ro­sas, ba­ta­lhas mais dis­pu­ta­das, mas nun­ca vi, em ne­nhu­ma par­te, homens mais va­len­tes, nem ca­va­lei­ros mais bri­lhan­tes que os da be­la ca­va­la­ria rio-gran­den­se, em cu­jas fi­lei­ras apren­di a des­pre­zar o pe­ri­go e com­ba­ter dig­na­men­te pe­la cau­sa sa­gra­da das na­ções.”

Na imi­nên­cia da Gu­er­ra con­tra Ro­sas, o Rio Gran­de do Sul era a linha de fren­te.

A res­pos­ta do lí­der far­ra­po

Ca­na­bar­ro ao di­ta­dor ar­gen­ti­no é ti­da como a mais

pa­trió­ti­ca do Brasil

M.R. TERCI É ES­CRI­TOR E ES­TE­VE NA LEGIÃO ES­TRAN­GEI­RA. EXPOENTE NO GÊNERO FANTASIA SOMBRIA E HORROR,

SEUS LI­VROS MESCLAM HISTÓRIA E O FOL­CLO­RE NA­CI­O­NAL A TRAMAS AUTÊNTICAS E DE GRAN­DE CRI­A­TI­VI­DA­DE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.