O MU­SEU E OS NA­ZIS­TAS

Aventuras na Historia - - COLUNA - ALE­XAN­DRE CAR­VA­LHO

Pa­ris, ci­da­de aber­ta. A ex­pres­são de­fi­ne o cen­tro ur­ba­no que, em tem­pos de guer­ra, se ren­de ao ini­mi­go pa­ra evi­tar per­das hu­ma­nas e ma­te­ri­ais – e pas­sa a ser ocu­pa­do pa­ci­fi­ca­men­te. Do­mi­na­do tam­bém. Foi o que acon­te­ceu quan­do par­te da Fran­ça foi sub­ju­ga­da pe­la Ale­ma­nha du­ran­te a Se­gun­da Guer­ra. Em­bo­ra os co­la­bo­ra­ci­o­nis­tas, li­de­ra­dos des­de ju­lho de 1940 pe­lo Ma­re­chal Pé­tain, ti­ves­sem trans­fe­ri­do a ca­pi­tal pa­ra Vi­chy, a ci­da­de-luz per­ma­ne­cia um sím­bo­lo do que os fran­ce­ses ti­nham de mais be­lo – to­da uma de­li­ca­de­za ex­pos­ta aos co­tur­nos ale­mães. “Co­mo o ven­ce­dor iria se com­por­tar ao as­su­mir o co­man­do do cen­tro da cul­tu­ra mun­di­al?”, per­gun­ta o nar­ra­dor de Fran­co­fo­nia. Ele fa­la de Pa­ris, mas es­pe­ci­al­men­te do Mu­seu do Lou­vre. Re­sis­ti­ria es­se tem­plo da ar­te à ocu­pa­ção na­zis­ta?

A res­pos­ta é uma li­ção de his­tó­ria de Alek­san­dr So­ku­rov – que já ha­via mi­ra­do sua câ­me­ra pa­ra ou­tro mu­seu, o Her­mi­ta­ge, no be­lís­si­mo Ar­ca Rus­sa. Aqui ele dis­cor­re a res­pei­to da Fran­ça sob o na­zis­mo, da mag­ni­tu­de do Lou­vre e da ori­gem de su­as obras. Uma au­la em­ba­la­da em ci­ne­ma au­to­ral, que re­fle­te so­bre a na­tu­re­za da cul­tu­ra e dos ho­mens, en­quan­to com­bi­na ima­gens de ar­qui­vo com

a re­cons­ti­tui­ção dra­ma­ti­za­da da con­vi­vên­cia en­tre dois per­so­na­gens-cha­ve: o di­re­tor do mu­seu na épo­ca e o ofi­ci­al na­zis­ta res­pon­sá­vel por ad­mi­nis­trar as co­le­ções de ar­te fran­ce­sas.

O pri­mei­ro, Jac­ques Jau­jard, agin­do em con­tra­ri­e­da­de à po­lí­ti­ca de co­la­bo­ra­ção com o ini­mi­go, ha­via co­or­de­na­do uma eva­cu­a­ção em mas­sa: 6 mil obras fo­ram re­ti­ra­das do Lou­vre e es­con­di­das an­tes que os sol­da­dos do Füh­rer che­gas­sem. O se­gun­do, con­de Wolff-met­ter­ni­ch, não ig­no­ra­va es­sa ação sub­ver­si­va. Mas agiu de acor­do com seus pró­pri­os va­lo­res – não os de Hi­tler. Em vez de pu­nir Jau­jard, o ofi­ci­al – ele pró­prio um his­to­ri­a­dor da ar­te – fez vis­ta gros­sa. Sa­bia que, ape­sar do prin­cí­pio ale­mão Kunsts­chutz, de pre­ser­var a he­ran­ça cul­tu­ral dos paí­ses do­mi­na­dos, não tar­da­ria a ho­ra em que os na­zis­tas sa­que­a­ri­am os te­sou­ros do mu­seu mais im­por­tan­te do mun­do. E es­se aris­to­cra­ta – de tí­tu­lo e de co­ra­ção – não se­ria cúm­pli­ce des­se cri­me. Por sua “ine­fi­ci­ên­cia” em re­cu­pe­rar as obras su­mi­das, Wolff-met­ter­ni­ch re­ce­beu a Le­gião de Hon­ra quan­do a guer­ra aca­bou – a mais al­ta con­de­co­ra­ção fran­ce­sa por mé­ri­tos mi­li­ta­res. Foi um mau na­zis­ta, mas um he­rói da hu­ma­ni­da­de.

É JOR­NA­LIS­TA E CRI­OU, EM 2005, A RE­VIS­TA DE CI­NE­MA PAISÀ. É AU­TOR DOS LI­VROS IN­VE­JA – CO­MO ELA MU­DOU A HIS­TÓ­RIA DO MUN­DO (2015) E FREUD – PA­RA EN­TEN­DER DE UMA VEZ (2017)

Fran­co­fo­nia – Lou­vre sob Ocu­pa­ção Fran­ça / Ale­ma­nha / Ho­lan­da, 2015 Di­re­ção: Alek­san­dr So­ku­rov

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.