TA­BU­LEI­RO OUI­JA

WHATSAPP COM OS MOR­TOS? HÁ QUASE MIL ANOS, ES­TA PE­ÇA GANHOU FAMA DE FA­ZER CONEXÕES SOBRENATUR­AIS

Aventuras na Historia - - SURREAL - POR ALANA SOUSA

Uma su­per­fí­cie pla­na com le­tras, nú­me­ros e al­guns sím­bo­los. Pa­ra os me­nos cré­du­los, um me­ro ins­tru­men­to pa­ra brin­ca­dei­ra de cri­an­ça. Mas não fal­ta quem atri­bua ao ta­bu­lei­ro Oui­ja po­de­res sobrenatur­ais. Se­ria uma fer­ra­men­ta de ne­cro­man­cia: a arte de se co­mu­ni­car com os mor­tos. No ca­so, uma arte que não é des­tes tem­pos.

A pri­mei­ra evi­dên­cia de uma va­ri­an­te do ta­bu­lei­ro foi en­con­tra­da na Chi­na: do­cu­men­tos da Di­nas­tia Song, de algo em tor­no do ano 1100, men­ci­o­nam a pe­ça mís­ti­ca. Mas usá-la não era pa­ra qual­quer um. A co­mu­ni­ca­ção com os mor­tos, co­nhe­ci­da co­mo fu­ji (“es­cri­ta es­pi­ri­tu­al”), era usada em ri­tu­ais ape­nas sob su­per­vi­são de mem­bros au­to­ri­za­dos.

Mas a prá­ti­ca só foi se po­pu­la­ri­zar sé­cu­los de­pois, nos anos 1800. A ex­pec­ta­ti­va de vi­da, en­tão, era in­fe­ri­or a 50 anos, e as pes­so­as eram atraí­das pe­la pro­mes­sa de tro­car men­sa­gens com seus fan­tas­mas que­ri­dos.

Con­tri­buiu pa­ra is­so o fa­to de, na Eu­ro­pa e nos Es­ta­dos Uni­dos, no meio do sé­cu­lo 19, o es­pi­ri­tu­a­lis­mo es­tar de­co­lan­do em gran­de es­ca­la. Uma no­va re­li­gião, o es­pi­ri­tis­mo, afir­ma­ria

que a mor­te do cor­po fí­si­co não sig­ni­fi­ca o fim tam­bém do es­pí­ri­to. Com is­so, mui­ta gen­te sé­ria se de­di­cou a es­tu­dar e pra­ti­car es­sa fé. Mas a ideia de que os mor­tos es­ta­ri­am acei­tan­do li­ga­ções em ou­tra di­men­são foi um pra­to cheio tam­bém pa­ra char­la­tões – ou em­pre­en­de­do­res com bom olho pa­ra no­vas opor­tu­ni­da­des.

Per­ce­ben­do o seg­men­to que se for­ma­ra, o em­pre­sá­rio Char­les Ken­nard in­ven­tou uma for­ma prá­ti­ca de re­ce­ber as men­sa­gens do pla­no es­pi­ri­tu­al: uma “mesa fa­lan­te”, ver­são ain­da rús­ti­ca da Oui­ja atu­al. Du­ran­te a di­vul­ga­ção do pro­du­to, Ken­nard ale­gou que, ao per­gun­tar aos es­pí­ri­tos co­mo sua in­ven­ção de­ve­ria ser cha­ma­da, a pran­che­ta te­ria so­le­tra­do a pa­la­vra “Oui­ja”. E ain­da ex­pli­cou o sig­ni­fi­ca­do: “boa sor­te”.

Em 1891, o ame­ri­ca­no Eli­jah J. Bond con­se­guiu a pa­ten­te do Oui­ja, e en­tão o ta­bu­lei­ro fez su­ces­so co­mer­ci­al, sen­do ven­di­do co­mo brin­que­do. Não tem co­mo com­prar? Sem pro­ble­ma. Um pla­no B é co­me­çar o ba­te-pa­po en­tre vi­vos e mor­tos com a tra­di­ci­o­na­lís­si­ma “brin­ca­dei­ra do co­po” – ou­tra op­ção so­bre­na­tu­ral res­pon­sá­vel por dei­xar cri­an­ças e ado­les­cen­tes dor­min­do de luz ace­sa por noi­tes e noi­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.