CHA­VES

ELAS NAS­CE­RAM PA­RA MAN­TER PATRIMÔNIO­S SEGUROS. MAS, POR MUI­TO TEM­PO, SÓ GARANTIAM STA­TUS

Aventuras na Historia - - RETROTECH - POR MARIANA RIBAS

No prin­cí­pio, era o nó. Por­tas de ca­sa­rões, tem­plos, baús... tu­do era fe­cha­do por amar­ra­ção – o que, cla­ro, não era um sis­te­ma que dei­xas­se al­guém mui­to tran­qui­lo. Por mais com­pli­ca­do que fos­se o nó, sem­pre ha­ve­ria um jei­to de des­fa­zê-lo – se fal­tas­se pa­ci­ên­cia, po­dia até ser com uma ada­ga, co­mo fez Alexandre, o Gran­de.

A bus­ca por uma tec­no­lo­gia mais se­gu­ra levou à in­ven­ção, cer­ca de 4 mil anos atrás, dos pri­mei­ros mo­de­los de cha­ve. Mas não era bem o ti­po que vo­cê le­va no bol­so. O ob­je­to era de ma­dei­ra, gran­de e pe­sa­do, e ti­nha apoio pa­ra as mãos. Mas es­sa cha­ve egíp­cia ti­nha um pro­ble­ma bá­si­co: a ma­té­ria-pri­ma. Is­so por­que a ma­dei­ra é in­flu­en­ci­a­da pe­lo meio. Na pre­sen­ça de umi­da­de, ela in­cha. E aí, num dia chu­vo­so, um in­fe­liz qual­quer não con­se­gui­ria in­se­ri-la na fe­cha­du­ra. E aca­ba­ria mo­lha­do fo­ra de ca­sa.

O la­do bom de ser gran­de – pe­lo me­nos pa­ra quem era ri­co – ti­nha a ver com sta­tus. Co­mo a pro­du­ção de cha­ves era com­ple­xa, ape­nas os en­di­nhei­ra­dos eram ca­pa­zes de ter uma. Já que eram enor­mes, as pes­so­as as car­re­ga­vam nas cos­tas. Ho­je, cla­ro, is­so pa­re­ce um es­tor­vo. Só que na épo­ca era uma opor­tu­ni­da­de de os­ten­tar.

Mas foi só no Im­pé­rio Ro­ma­no – qu­an­do já ha­via ri­que­zas num vo­lu­me tal que re­al­men­te me­re­ces­sem um sis­te­ma de se­gu­ran­ça mais ri­go­ro­so – que co­me­ça­ram a sur­gir cha­ves mais

efi­ci­en­tes: pe­ças fei­tas de me­tal. No co­me­ço eram pre­gos me­ta­li­za­dos, e a fe­cha­du­ra era fei­ta sob me­di­da pa­ra ca­da pre­go-cha­ve. Ain­da as­sim, a no­vi­da­de ti­nha de­fei­tos. Co­mo os pre­gos tinham for­ma­to parecido, não era tão di­fí­cil achar um que com­bi­nas­se com a fe­cha­du­ra do vi­zi­nho. Pa­ra pi­o­rar, eles que­bra­vam fa­cil­men­te. En­tão era me­lhor ga­ran­tir: qual­quer pa­trimô­nio que va­les­se o in­ves­ti­men­to ti­nha, além das cha­ves, guar­das ar­ma­dos di­an­te das por­tas.

Uma evo­lu­ção im­por­tan­te se deu com a cha­ve gor­ja, que sur­giu pou­co de­pois. Fei­ta de bron­ze e fer­ro, era me­nor e mais prá­ti­ca, e ti­nha se­gre­dos, di­fi­cul­tan­do uma in­va­são. Mes­mo me­nor­zi­nha, ain­da era pen­du­ra­da em lu­ga­res visíveis – pois ter uma cha­ve con­ti­nu­a­va evi­dên­cia de uma con­di­ção fi­nan­cei­ra pri­vi­le­gi­a­da.

Já no sé­cu­lo 9, os ro­ma­nos che­ga­ram a uma gran­de ino­va­ção, um mo­de­lo que per­ma­ne­ceu na ati­va ao lon­go de mais de no­ve sé­cu­los: uma cha­ve in­tei­ra­men­te de fer­ro. Além de mais re­sis­ten­te, ela ti­nha um segredo mais com­ple­xo. Os ro­ma­nos de pos­ses cos­tu­ma­vam ter, na épo­ca, co­fres ins­ta­la­dos den­tro de co­fres, e com uma cha­ve pa­ra ca­da um.

Até que, no sé­cu­lo 18, com a Revolução In­dus­tri­al, fi­cou mais sim­ples pro­du­zir uma cha­ve de boa qua­li­da­de – e em gran­de es­ca­la. A cha­ve dei­xa­va de ser coi­sa de ri­co. E se aco­mo­da­va, en­fim, no bol­so de to­do mun­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.