APA­RE­LHO OR­TODÔN­TI­CO

O ACESSÓRIO JÁ FOI PARECIDO COM INS­TRU­MEN­TO DE TORTURA. MAS GANHOU SUAVIDADE INSPIRADO NOS PI­A­NOS

Aventuras na Historia - - RETROTECH - POR MARIANA RIBAS

Co­mo man­ter um sor­ri­so ali­nha­do, sau­dá­vel e lin­dão, da­que­les de co­mer­ci­al de pas­ta de den­tes? Es­sa pre­o­cu­pa­ção não nas­ceu an­te­on­tem. A ques­tão é tão im­por­tan­te que os gre­gos da Antiguidad­e já usa­vam um mo­de­lo pri­mi­ti­vo de apa­re­lho or­todôn­ti­co: uma es­pá­tu­la de ma­dei­ra pres­si­o­na­da con­tra os den­tes.

Nes­se mes­mo in­tui­to de ar­ru­mar o sor­ri­so, os an­ti­gos egíp­ci­os en­con­tra­ram uma so­lu­ção pa­re­ci­da: em vez de exer­cer pres­são, co­mo os gre­gos, eles fi­xa­vam a ma­dei­ra nos den­tes, amar­ran­do-a na bo­ca. Hum... de­via do­er.

O pri­mei­ro apa­re­lho or­todôn­ti­co de ver­da­de sur­gi­ria mu­u­u­ui­to tem­po de­pois des­sas ten­ta­ti­vas lan­ci­nan­tes. Foi já na Ida­de Mo­der­na, em 1728, que um den­tis­ta fran­cês de no­me Pi­er­re Fau­chard in­ven­tou o ban­de­au (bandô). Mas o pa­ci­en­te con­ti­nu­ou so­fren­do: a ge­rin­gon­ça pa­re­cia um ins­tru­men­to de tortura me­di­e­val. Era uma ti­ra de cou­ro du­ro que en­vol­via os den­tes por meio de cor­das amar­ra­das com for­ça, pa­ra mo­de­lar a ar­ca­da den­tá­ria.

Os apa­re­lhos de me­tal só apa­re­ce­ram em 1841 e, já que o as­sun­to é tortura, fun­ci­o­na­vam co­mo pre­gos. As ban­das de me­tal eram in­se­ri­das, ou me­lhor, “pa­ra­fu­sa­das” nos den­tes. Até que sor­ri­sos tor­tos do mun­do in­tei­ro pu­de­ram res­pi­rar mais ali­vi­a­dos 18 anos de­pois, qu­an­do o ar­tis­ta e den­tis­ta ame­ri­ca­no Nor­man Wil­li­am Kings­ley se tor­nou o pai dos apa­re­lhos que co­nhe­ce­mos ho­je. Ele in­ven­tou uma pla­ca que en­vol­via o céu da bo­ca, acessório que se­ria apri­mo­ra­do pos­te­ri­or­men­te pa­ra o que ho­je cha­ma­mos de apa­re­lho mó­vel – uma pe­ça ca­paz de me­lho­rar o efei­to so­bre a mor­di­da pro­fun­da.

En­tão, há exa­ta­men­te 70 anos, o in­glês Char­les Reu­el Cof­fin de­sen­vol­veu o fio do apa­re­lho que é usa­do até ho­je. E a ins­pi­ra­ção veio da mú­si­ca. Ele ana­li­sou a fle­xi­bi­li­da­de das cor­das dos pi­a­nos e de­ci­diu fa­zer igual com os fi­os dos apa­re­lhos. Voilà: o mun­do ga­nha­va apa­re­lhos mais fle­xí­veis e con­for­tá­veis. Fi­ca­mos com es­sa mes­ma tec­no­lo­gia ba­si­ca­men­te até os anos 1980, qu­an­do os apa­re­lhos co­me­ça­ram a di­mi­nuir de ta­ma­nho e até ga­nhar co­res cha­ma­ti­vas. Ho­je, mui­tos jo­vens usam pe­ças im­pro­vi­sa­das e per­so­na­li­za­das nos den­tes, sem ne­ces­si­da­de (o que é con­train­di­ca­do pe­los odon­to­lo­gis­tas). E não é por ma­so­quis­mo. Por mais sur­pre­en­den­te que pa­re­ça, o apa­re­lho que já fez tan­ta gen­te so­frer aca­bou vi­ran­do mo­da. Há quem ache que dá des­ta­que ao sor­ri­so. En­fim...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.