SO­PA PA­RA­GUAIA

AS ORI­GENS DES­SE PRA­TO TÍ­PI­CO – QUE NÃO É SO­PA

Aventuras na Historia - - À MESA - POR MARIANA RIBAS

Fa­ke news? Não che­ga a tan­to, mas a história da so­pa pa­ra­guaia tem di­fe­ren­tes ver­sões po­pu­la­res e uma be­la li­cen­ça poé­ti­ca que aca­bou ba­ti­zan­do es­sa tor­ta sal­ga­da – que de so­pa, ago­ra, só tem o no­me.

O pra­to é uma re­cei­ta cri­a­da pe­los ín­di­os gua­ra­nis, um cal­do de mi­lho ra­la­do ou de­bu­lha­do, ri­co em tem­pe­ros e sa­bo­res. Mas co­mo es­sa so­pa virou tor­ta, com tex­tu­ra den­sa?

A trans­for­ma­ção gas­tronô­mi­ca, se­gun­do uma das ver­sões, é mé­ri­to do pri­mei­ro presidente cons­ti­tu­ci­o­nal do Paraguai. Car­los Antô­nio Ló­pez ado­ra­va a so­pa dos ín­di­os e pe­diu a seu co­zi­nhei­ro, um gua­ra­ni cha­ma­do Ma­chú, que pas­sas­se a pre­pa­rar o cal­do pa­ra ele. Só que o chef do presidente aca­bou pe­san­do a mão na ho­ra de adi­ci­o­nar o mi­lho. Co­mo o pa­trão es­ta­va fa­min­to e não que­ria sa­ber de es­pe­rar, o gua­ra­ni ser­viu a “so­pa” as­sim mes­mo, bem en­gros­sa­da, mais só­li­da que lí­qui­da. Mas, pa­ra a sua sur­pre­sa, o presidente apro­vou a no­va

tex­tu­ra. E co­me­çou a cha­mar o pra­to de “so­pa pa­ra­guaia”. As­sim nas­cia um clás­si­co da co­zi­nha dos nos­sos vi­zi­nhos de fron­tei­ra.

Ou­tra ver­são pa­ra ex­pli­car a tex­tu­ra do ex­cal­do re­me­te à Guerra do Paraguai. Os sol­da­dos pa­ra­guai­os cos­tu­ma­vam car­re­gar sua so­pa pre­fe­ri­da nos des­lo­ca­men­tos en­tre os com­ba­tes. Mas le­var so­pa pa­ra a guerra não pa­re­cia a coi­sa mais prá­ti­ca do mun­do. O lí­qui­do vi­via cain­do du­ran­te o trans­por­te e pra­ti­ca­men­te aca­ba­va an­tes de che­gar ao des­ti­no. Por is­so, os militares ti­ve­ram a ideia de acres­cen­tar mais mi­lho. For­ta­le­cen­do a con­sis­tên­cia, a re­fei­ção cor­ria me­nos risco de va­zar – li­te­ral­men­te.

En­tre as di­fe­ren­tes ver­sões do pra­to ser­vi­das nos res­tau­ran­tes do Paraguai e do Ma­to Gros­so do Sul, há op­ções que in­clu­em o fu­bá pa­ra trans­for­mar a so­pa em tor­ta. Mas não se en­ga­ne: com ou sem fu­bá, só é uma le­gí­ti­ma so­pa pa­ra­guaia se ti­ver o mi­lho co­mo in­gre­di­en­te prin­ci­pal. O res­to é imi­ta­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.