ANOS DE REVOLUÇÃO

A ESCOLA ALEMÃ DE ARQUITETUR­A E DESIGN SUR­GIU PA­RA REAPROXIMA­R ARTE, ARTESANATO E PRO­DU­ÇÃO IN­DUS­TRI­AL. DUROU APE­NAS 14 ANOS, MAS DEI­XOU MAR­CAS VISÍVEIS AIN­DA HO­JE, DOS MÓVEIS AUTORAIS AOS EDIFÍCIOS DE BRASÍLIA

Aventuras na Historia - - CENTENÁRIO - POR TIAGO CORDEIRO

are­cia um sim­ples pan­fle­to de di­vul­ga­ção de um even­to de no­me cu­ri­o­so, a ser re­a­li­za­do em abril de 1919, na ci­da­de alemã de Wei­mar: Exi­bi­ção pa­ra Ar­qui­te­tos Des­co­nhe­ci­dos. Es­cri­to por Wal­ter Gro­pius, ar­qui­te­to ale­mão com 35 anos à épo­ca, o tex­to afir­ma­va: “Ho­je as ar­tes exis­tem em iso­la­men­to, do qual só po­dem ser sal­vas com o es­for­ço cons­ci­en­te e co­o­pe­ra­ti­vo de to­dos os ar­te­sãos”. E en­tão pro­cla­ma­va: “Ar­qui­te­tos, es­cul­to­res, pin­to­res, nós pre­ci­sa­mos re­tor­nar ao artesanato! Por­que não exis­te ne­nhu­ma di­fe­ren­ça es­sen­ci­al en­tre o ar­tis­ta e o ar­te­são”.

Com a ex­po­si­ção, tinham iní­cio os tra­ba­lhos da Bauhaus, a escola que dei­xou mar­cas de­fi­ni­ti­vas na arquitetur­a e no design. “A in­fluên­cia da Bauhaus é mai­or do que nun­ca”, diz Kath­le­en Ja­mes-cha­kra­borty, pro­fes­so­ra de história da arte e da arquitetur­a da Uni­ver­sity Col­le­ge Du­blin, na Ir­lan­da. “O es­ti­lo, que pa­re­cia ra­di­cal um sé­cu­lo atrás, ago­ra se mos­tra no­vo e em­pol­gan­te.”

Mas Wal­ter Gro­pius era ape­nas o ex­po­en­te de uma no­va ge­ra­ção de de­sig­ners e ar­qui­te­tos in­te­res­sa­dos em cons­truir edifícios e cô­mo­dos de li­nhas re­tas, sem or­na­men­tos re­bus­ca­dos e inú­teis. “A apli­ca­ção de vi­dros e dos con­cre­tos já era fei­ta ao lon­go do sé­cu­lo 19, mas a li­de­ran­ça de Gro­pius vai am­pli­ar a am­bi­ção des­sas apli­ca­ções, no sen­ti­do de cri­ar uma arquitetur­a no­va, fran­ca­men­te apoi­a­da nos mé­to­dos e ma­te­ri­ais da in­dús­tria, que tam­bém pro­du­zia mo­to­res, tur­bi­nas, aviões, au­to­mó­veis, lo­co­mo­ti­vas, ca­nhões e na­vi­os”, afir­ma o ar­qui­te­to Fre­de­ri­co Flós­cu­lo, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de de Brasília.

An­tes de Gro­pius, ain­da na vi­ra­da do sé­cu­lo, o ar­qui­te­to bel­ga Henry van de Vel­de de­fen­dia me­tas se­me­lhan­tes. Pa­ra ele, era pre­ci­so vol­tar à Era Me­di­e­val, uma épo­ca em que a arte e o artesanato atu­a­vam la­do a la­do.

CI­DA­DE CEN­TRAL

Rom­per com a au­ra de ar­ro­gân­cia que cer­ca­va pin­to­res e es­cul­to­res, em de­tri­men­to dos me­ta­lúr­gi­cos e mar­ce­nei­ros, era a prin­ci­pal me­ta da Escola de Ar­tes e Ofí­ci­os, que Van de Vel­de fun­dou em 1902. Não por aca­so, a ins­ti­tui­ção fi­ca­va em Wei­mar, que tam­bém se­di­a­va a Escola de Be­las Ar­tes, vol­ta­da, des­de 1860, pa­ra for­mar ar­tis­tas pre­o­cu­pa­dos em se co­mu­ni­car me­lhor com sua au­di­ên­cia. As du­as es­co­las se­ri­am fun­di­das pa­ra dar ori­gem à Bauhaus, em abril de 1919. Mes­mo ano em que, tam­bém em Wei­mar, se­ria ela­bo­ra­da a no­va Cons­ti­tui­ção do país, que as­sim dei­xa­va de ser um im­pé­rio pa­ra se tor­nar uma re­pú­bli­ca.

Lo­ca­li­za­da no es­ta­do da Tu­rín­gia, na par­te cen­tral da Ale­ma­nha, Wei­mar era um im­por­tan­te cen­tro po­lí­ti­co e ar­tís­ti­co des­de o sé­cu­lo 18, qu­an­do viu flo­res­ce­rem os ta­len­tos dos es­cri­to­res Johann Wolf­gang von Go­ethe e Fri­e­dri­ch Schil­ler. Dé­ca­das de­pois, a ci­da­de se tor­nou cen­tro mundial de pro­du­ção de mú­si­ca, gra­ças a mo­ra­do­res co­mo o com­po­si­tor Franz Liszt. Era na­tu­ral, en­tão, que uma revolução na arquitetur­a ga­nhas­se im­pul­so tam­bém em Wei­mar.

FI­GU­RA IN­FLU­EN­TE

Em 1919, Wal­ter Gro­pius era um pro­fis­si­o­nal res­pei­ta­do. Nas­ci­do em Ber­lim, ne­to do po­lí­ti­co prus­si­a­no Ge­org Schwarnwe­ber e so­bri­nho do ar­qui­te­to Mar­tin Gro­pius, ele ha­via se ca­sa­do, em 1915, com Al­ma Mah­ler, viú­va do com­po­si­tor Gus­tav Mah­ler.

Des­de a dé­ca­da an­te­ri­or, o ar­qui­te­to vi­nha de­sen­vol­ven­do pro­je­tos que bus­ca­vam mu­dar o es­ti­lo tra­di­ci­o­nal do sé­cu­lo 19. Tra­ba­lhou co­mo apren­diz do ar­qui­te­to ale­mão Pe­ter Beh­rens, que de­sen­vol­veu, pa­ra a com­pa­nhia elé­tri­ca alemã AEG, des­de uma plan­ta in­dus­tri­al até uma

sé­rie de uten­sí­li­os com design mo­der­no, in­cluin­do me­sas e re­ló­gi­os. Beh­rens, aliás, tam­bém em­pre­gou o ar­qui­te­to ale­mão Ludwig Mi­es van der Rohe, que se­ria o ter­cei­ro e úl­ti­mo di­re­tor da Bauhaus, e o ar­qui­te­to suí­ço Le Cor­bu­si­er.

En­tre 1910 e 1914, Gro­pius pro­je­tou a fa­cha­da da fá­bri­ca de sa­pa­tos Fa­gus, uma lo­co­mo­ti­va de design mo­der­no e uma fá­bri­ca pa­ra a Exi­bi­ção Werk­bund, em Colô­nia. Era co­ta­do pa­ra as­su­mir a Escola de Ar­tes e Ofí­ci­os qu­an­do a Pri­mei­ra Guerra in­ter­rom­peu qual­quer ini­ci­a­ti­va que não fos­se li­ga­da ao es­for­ço mi­li­tar.

An­tes de re­to­mar os tra­ba­lhos com arquitetur­a, Gro­pius com­ba­teu du­ran­te qua­tro anos. Ser­viu co­mo ma­jor da ca­va­la­ria no Front Oci­den­tal e foi con­de­co­ra­do com a Cruz de Fer­ro du­as ve­zes. Fe­ri­do em ba­ta­lha, ain­da se re­cu­pe­ra­va, no iní­cio de 1919, qu­an­do as­su­miu a di­re­ção de uma no­va escola de arquitetur­a e design. Foi ele quem es­co­lheu o no­me Bauhaus – um ne­o­lo­gis­mo que fun­dia as pa­la­vras bau­en (“pa­ra cons­truir”) e haus (“ca­sa”).

TRÊS DIRETORES

Nos pri­mei­ros anos da Bauhaus, o go­ver­no de Wei­mar apoi­ou fi­nan­cei­ra­men­te a ini­ci­a­ti­va. Mas, des­de o iní­cio, o gru­po po­lí­ti­co opo­si­ci­o­nis­ta da re­gião cri­ti­ca­va a escola, que con­si­de­ra­va in­flu­en­ci­a­da por con­cei­tos co­mu­nis­tas. Não era ver­da­de, mas ha­via um pre­tex­to forte pa­ra os crí­ti­cos: o fa­to de exis­tir, em Mos­cou, uma escola bas­tan­te se­me­lhan­te à Bauhaus, a Vkhu­te­mas (leia mais no qua­dro). Ao fim de 1924, a opo­si­ção con­se­guiu que o or­ça­men­to fos­se re­du­zi­do pe­la me­ta­de. A di­re­ção en­tão op­tou por bus­car um no­vo en­de­re­ço: a ci­da­de de Des­sau, lo­ca­li­za­da 170 quilô­me­tros ao nor­te. A es­sa al­tu­ra, já eram pro­fes­so­res os pin­to­res Was­sily Kan­dinsky, rus­so, e Paul Klee, suí­ço, que le­ci­o­na­vam te­o­ria cro­má­ti­ca e de­se­nho ana­lí­ti­co. A ci­da­de co­nhe­ceu o au­ge da escola e re­ce­beu de­ze­nas de pro­je­tos, ide­a­li­za­dos por no­mes do por­te de Fri­e­dri­ch Karl En­ge­mann, Carl Fi­e­ger, Han­nes Meyer e Mi­es van der Rohe.

Meyer, aliás, as­su­miu a di­re­ção da Bauhaus em 1928, qu­an­do Gro­pius se afas­tou. Sob sua di­re­ção, a ins­ti­tui­ção bus­cou no­vos par­cei­ros e cli­en­tes, e com is­so al­can­çou um ba­lan­ço fi­nan­cei­ro po­si­ti­vo pe­la pri­mei­ra vez. Mas o di­re­tor per­ma­ne­ce­ria ape­nas dois anos no pos­to, an­tes de ser de­mi­ti­do pe­lo pre­fei­to da ci­da­de. Mi­es van der Rohe as­su­mi­ria a escola até o en­cer­ra­men­to das ati­vi­da­des, em 1933.

DIÁSPORA PRODUTIVA

Em 1931, os go­ver­nan­tes de Des­sau, já pres­si­o­na­dos pe­la as­cen­são do Par­ti­do Na­zis­ta, de­cre­ta­ram a ex­tin­ção da escola. Van der Rohe ain­da ten­tou uma úl­ti­ma so­lu­ção: a trans­fe­rên­cia pa­ra Ber­lim, em 1932. O gru­po ad­qui­riu uma fá­bri­ca de te­le­fo­nes aban­do­na­da e re­to­mou as ati­vi­da­des. Mas não ha­via mais cli­ma. Em 11 de abril de 1933, po­li­ci­ais fe­cha­ram a escola, cer­ca­ram o lo­cal e pren­de­ram 32 es­tu­dan­tes.

O go­ver­no ofe­re­ceu a pos­si­bi­li­da­de de que a escola fos­se re­a­ber­ta, des­de que a pro­du­ção se­guis­se os di­ta­mes es­té­ti­cos na­zis­tas. A ne­go­ci­a­ção durou pou­cos me­ses, até que, a 20 de ju­lho de 1933, ape­nas 14 anos e três me­ses de­pois da exi­bi­ção de fun­da­ção, o cor­po de pro­fes­so­res dis­sol­veu a Bauhaus em de­fi­ni­ti­vo.

Na mes­ma épo­ca em que a escola de arquitetur­a e design sur­gi­da em Wei­mar ago­ni­za­va, tam­bém a re­pú­bli­ca de­mo­crá­ti­ca fun­da­da na ci­da­de ti­nha seu fim. Ra­pi­da­men­te o na­zis­mo inau­gu­ra­ria um re­gi­me de par­ti­do úni­co.

Ape­sar dos dra­mas dos pro­fes­so­res que fo­ram per­se­gui­dos e for­ça­dos a dei­xar a Ale­ma­nha na­zis­ta, a fu­ga per­mi­tiu que os con­cei­tos da Bauhaus se es­pa­lhas­sem pe­lo pla­ne­ta. Gro­pius se­guiu pa­ra a In­gla­ter­ra em 1934, on­de se uniu a um gru­po de de­sig­ners de móveis e ca­sas. Em 1937, mu­dou­se pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos, pa­ra se tor­nar pro­fes­sor de Har­vard. Che­gou a se tor­nar che­fe do De­par­ta­men­to de Arquitetur­a até se apo­sen­tar, em 1953. Tam­bém fun­dou o co­le­ti­vo The Ar­chi­tects Col­la­bo­ra­ti­ve (TAC), mui­to in­flu­en­te na dé­ca­da de 1950. Fa­le­ce­ria nos EUA, em 1969.

Van der Rohe con­se­guiu ci­da­da­nia ame­ri­ca­na em 1944 e se tor­na­ria di­re­tor do fu­tu­ro Ins­ti­tu­to de Tec­no­lo­gia de Il­li­nois, em Chi­ca­go – a ci­da­de, aliás, se tor­nou o mai­or cen­tro da Bauhaus fo­ra da Ale­ma­nha, en­tre as dé­ca­das de 1940 e 1960. Até mor­rer, em 1969, Van der Rohe dei­xou sua

1

VER­SÃO SOVIÉTICA

4

O go­ver­no rus­so cri­ou uma escola pa­re­ci­da em Mos­cou. E ela tam­bém durou pou­co. Em 1920, por or­dem de Vla­di­mir Le­nin, du­as ins­ti­tui­ções de en­si­no fo­ram fun­di­das: a Escola de Pin­tu­ra, Es­cul­tu­ra e Arquitetur­a de Mos­co­vo e a Escola Stro­ga­nov de Ar­tes Apli­ca­das se trans­for­ma­ram na Vkhu­te­mas, acrô­ni­mo pa­ra Escola Su­pe­ri­or de Arte e Téc­ni­ca. O ob­je­ti­vo era bas­tan­te se­me­lhan­te ao da Bauhaus: con­ci­li­ar arte, artesanato e in­dús­tria em uma prá­ti­ca ob­je­ti­va e útil, sem per­der a ca­pa­ci­da­de de ino­var. Os mais de 2 500 alu­nos fre­quen­ta­vam au­las de es­cul­tu­ra, arquitetur­a, ar­tes grá­fi­cas, mar­ce­na­ria, ce­râ­mi­ca, im­pres­são e tra­ba­lho com te­ci­dos. Ins­ta­la­da em Mos­cou, a escola exis­tiu por uma dé­ca­da, até que, em 1930, já sob o re­gi­me de Jo­sef Sta­lin, su­as ati­vi­da­des fo­ram en­cer­ra­das.

2

mar­ca em uma sé­rie de edifícios lo­cais, co­mo o Chi­ca­go Fe­de­ral Pla­za e a Ca­sa Farnsworth. Seu es­ti­lo mi­ni­ma­lis­ta fez de­le um dos pa­tri­ar­cas da arquitetur­a mo­der­na, ao la­do de no­mes co­mo Le Cor­bu­si­er e Frank Lloyd Wright.

Já o se­gun­do di­re­tor da escola, Han­nes Meyer, se­guiu com um gru­po de alu­nos pa­ra a União Soviética, on­de atu­ou en­tre 1930 e 1937. Al­guns de­les aca­ba­ri­am presos e en­vi­a­dos a gu­lags, os cam­pos de con­cen­tra­ção de Jo­sef Sta­lin. Mas Meyer atu­a­ria na cons­tru­ção dos prin­ci­pais edifícios da colô­nia ju­dai­ca de Bi­ro­bid­jan, na fron­tei­ra da Rús­sia com a Chi­na. Se­gui­ria en­tão pa­ra o Mé­xi­co nos anos 1940, on­de di­ri­giu o Ins­ti­tu­to de Ur­ba­nis­mo e Pla­ne­ja­men­to an­tes de vol­tar pa­ra sua ter­ra, a Suí­ça, e mor­rer em 1954.

“Va­le ima­gi­nar o qu­an­to a abor­da­gem uni­ver­sa­lis­ta, con­ci­li­a­do­ra e ex­pe­ri­men­tal da Bauhaus te­ria con­tri­buí­do pa­ra a crítica de to­das as for­mas con­tro­la­do­ras de fa­zer arte e ci­ên­cia, se per­ma­ne­ces­se aber­ta e sem cen­su­ra ao lon­go da dé­ca­da de 1930”, afir­ma o pro­fes­sor Fre­de­ri­co Flós­cu­lo.

HERANÇA ELEMENTAR

Um dos prin­ci­pais le­ga­dos foi a in­ven­ção de uma ma­nei­ra no­va de for­mar pro­fis­si­o­nais. “Sem­pre foi fun­da­men­tal pa­ra a Bauhaus a in­ven­ção de no­vas pe­da­go­gi­as que pu­des­sem trans­for­mar o en­si­no de arte, artesanato, design e arquitetur­a”, diz a pro­fes­so­ra Kath­le­en Ja­mes-cha­kra­borty.

A for­ma­ção na Bauhaus co­me­ça­va com um cur­so bá­si­co de seis me­ses, co­mum a to­das as es­pe­ci­a­li­da­des, que for­ne­cia in­for­ma­ções so­bre es­ca­la, pro­por­ção, som­bra, luz e cor. Da­li, o alu­no se­guia pa­ra uma ofi­ci­na, on­de fa­zia es­tá­gio em pa­ra­le­lo com as au­las. Du­ran­te es­se pe­río­do, era es­ti­mu­la­do a vi­si­tar can­tei­ros de fá­bri­cas e ofi­ci­nas de pro­du­ção de móveis. Ao fim de três anos de for­ma­ção, che­ga­va o mo­men­to de apre­sen­tar um tra­ba­lho di­an­te de uma ban­ca.

À me­di­da que se ex­pan­di­ram, os con­cei­tos bá­si­cos da Bauhaus fo­ram le­va­dos a ci­da­des in­tei­ras. Du­as, em es­pe­ci­al, abri­gam mar­cas ca­rac­te­rís­ti­cas da escola alemã. Em Tel Aviv exis­te um bair­ro in­tei­ro, co­nhe­ci­do co­mo Ci­da­de Bran­ca, que reú­ne 4 mil edifícios no es­ti­lo Bauhaus, cons­truí­dos por ar­qui­te­tos ju­deus que dei­xa­ram a Ale­ma­nha. São pré­di­os sem tra­ços des­ne­ces­sá­ri­os e que va­lo­ri­zam a cir­cu­la­ção de ar.

E há o ca­so de Brasília.

Edifícios ge­o­mé­tri­cos, pa­re­ci­dos, sem or­na­men­tos e com gran­de fun­ci­o­na­li­da­de: os con­jun­tos de edifícios re­si­den­ci­ais e os pré­di­os iguais da Es­pla­na­da dos Mi­nis­té­ri­os são re­sul­ta­do da in­fluên­cia da Bauhaus. “Brasília e Tel Aviv são ci­da­des cu­ja arquitetur­a, sem or­na­men­tos, se cons­truiu com ba­se em ma­te­ri­ais mo­der­nos que se­ri­am im­pen­sá­veis sem o cli­ma de ex­pe­ri­men­ta­ção dos anos 1920, do qual a Bauhaus foi par­te”, diz Kath­le­en Ja­mes-cha­kra­borty.

No Brasil, aliás, a escola in­flu­en­ci­ou a cri­a­ção do Ins­ti­tu­to de Arte Con­tem­po­râ­nea (IAC), uma escola de design in­dus­tri­al cri­a­da por Li­na Bo Bar­di e por Pi­e­tro Ma­ria Bar­di, que fun­ci­o­nou en­tre 1951 e 1953 den­tro do Mu­seu de Arte de São Pau­lo (Masp). O ob­je­ti­vo do lugar, anun­ci­a­do na épo­ca da inau­gu­ra­ção, dei­xa­va cla­ra a in­fluên­cia da Bauhaus: “For­mar jo­vens que se de­di­quem à arte in­dus­tri­al e se mos­trem ca­pa­zes de de­se­nhar ob­je­tos nos quais o gos­to e a ra­ci­o­na­li­da­de das for­mas cor­res­pon­dam ao pro­gres­so e à men­ta­li­da­de atu­a­li­za­da”.

O pro­fes­sor Fre­de­ri­co Flós­cu­lo iden­ti­fi­ca a in­fluên­cia da Bauhaus na for­ma­ção de ar­qui­te­tos co­mo Lú­cio Cos­ta e Os­car Ni­e­meyer. O cur­so de arquitetur­a e ur­ba­nis­mo da Uni­ver­si­da­de de Brasília, diz ele, tam­bém pre­ser­va mar­cas da escola alemã. “É no­tá­vel a cri­a­ção do cur­so, em 1962, co­mo par­te do gi­gan­tes­co Ins­ti­tu­to Cen­tral de Ci­ên­ci­as, em que um ex­tra­or­di­ná­rio ex­pe­ri­men­to de arquitetur­a in­dus­tri­a­li­za­da vai abri­gar uma gran­de ex­pe­ri­ên­cia de en­si­no, di­ri­gi­da pe­lo pró­prio Ni­e­meyer.”

E as­sim, em di­fe­ren­tes pon­tos do pla­ne­ta, a escola que sur­giu pa­ra mu­dar tu­do na arquitetur­a e no design, do es­ti­lo à for­ma­ção dos pro­fis­si­o­nais, al­can­çou pre­ci­sa­men­te o ob­je­ti­vo anun­ci­a­do em abril de 1919 no pan­fle­to de Gro­pius: “De­se­je­mos, in­ven­te­mos, cri­e­mos jun­tos a no­va cons­tru­ção do fu­tu­ro, que en­fei­xa­rá tu­do nu­ma úni­ca for­ma: arquitetur­a, es­cul­tu­ra e pin­tu­ra que, fei­ta por mi­lhões de mãos de ar­te­sãos, se al­ça­rá um dia aos céus, co­mo sím­bo­lo cris­ta­li­no de uma no­va fé vin­dou­ra”.

1) Vis­ta atu­al da escola Bauhaus em Des­sau; 2) O design da ca­sa pe­lo ar­tis­ta Carl Fi­e­ger se ba­se­a­va em li­nhas ra­ci­o­nais e uma es­tru­tu­ra em for­ma de cu­bo, acen­tu­a­do por uma es­ca­da se­mi­cir­cu­lar e um ter­ra­ço (1927); 3) O fo­to­gra­ma de Moholy-nagy foi feito sem câ­me­ra, so­bre­pon­do ob­je­tos (e sua mão) nu­ma fo­lha de pa­pel fo­tos­sen­sí­vel, ex­plo­ran­do as pro­pri­e­da­des ex­pres­si­vas da luz (1926); 4) Fa­cha­da da fá­bri­ca de sa­pa­tos Fa­gus, por Wal­ter Gro­pius; 5) Ca­dei­ra B3, por Mar­cel Breu­er, mo­der­na até ho­je (1926); 6) de­ta­lhe de Jau­ne, Rou­ge, Bleu, de Vas­sily Kan­dinsky (1925): qua­dra­dos, cír­cu­los e tri­ân­gu­los em co­res pri­má­ri­as; 7) Ma­que­te da Vil­la Sa­voye, por Le Cor­bu­si­er (1928): pa­ra­dig­ma da arquitetur­a mo­der­na; 8) O his­tó­ri­co pôs­ter de Jo­ost Sch­midt pa­ra a exi­bi­ção da Bauhaus em Wei­mar (1923)

1) Es­ta capa de li­vro an­to­ló­gi­ca (1927) é a pu­bli­ca­ção mais fa­mo­sa da escola soviética Vkhu­te­mas obra do rus­so El Lis­sitzky, que à épo­ca era pro­fes­sor de arquitetur­a na ins­ti­tui­ção. Sua fo­to­mon­ta­gem de uma mão com um trans­fe­ri­dor é uma ima­gem icô­ni­ca, que ex­pres­sa as as­pi­ra­ções cons­tru­ti­vis­tas da escola. 2) Telly. Mäd­chen­por­trät (Telly. Re­tra­to de uma Ga­ro­ta), de Wal­ter Pe­terhans, mos­tra que o in­te­res­se do ar­tis­ta a res­pei­to do pa­pel de luz e som­bra so­bre as vá­ri­as su­per­fí­ci­es da ima­gem so­bre­põe-se à pre­o­cu­pa­ção com a iden­ti­da­de da fo­to­gra­fa­da; 3) Edi­fí­cio Bauhaus na Pra­ça Di­zen­goff, em Tel Aviv, Is­ra­el; 4) O Con­gres­so Na­ci­o­nal (1968), evi­dên­cia da in­fluên­cia da Bauhaus so­bre a obra de Os­car Ni­e­meyer; 5) De­se­nho pa­ra um te­a­tro to­tal, de Wal­ter Gro­pius (1926); 6) In­fu­sor e co­a­dor de chá, de Ma­ri­an­ne Brandt: um ob­je­to do dia a dia rein­ven­ta­do com uma com­bi­na­ção de for­mas abs­tra­tas. Pe­ça Bauhaus por ex­ce­lên­cia, de­mons­tra que, mes­mo com uma eco­no­mia de or­na­men­tos, os ob­je­tos mais sim­ples po­dem ter im­pac­to vi­su­al (e ar­tís­ti­co) sem abrir mão da fun­ci­o­na­li­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.