NINJA

MESTRES DA CAMUFLAGEM E DO ATA­QUE-SUR­PRE­SA, CA­PA­ZES DE “DESAPARECE­R” NU­MA NU­VEM DE FU­MA­ÇA, ES­SES GUER­REI­ROS FO­RAM ES­PIÕES, IN­FOR­MAN­TES E AS­SAS­SI­NOS. E SUB­VER­TE­RAM OS MÉ­TO­DOS DE COM­BA­TE DOS SAMURAIS

Aventuras na Historia - - JAPÃO - POR EDU­AR­DO RI­BEI­RO

Pou­cas or­ga­ni­za­ções militares na História são tão po­pu­la­res e ao mes­mo tem­po in­com­pre­en­di­das co­mo os ninjas ja­po­ne­ses. Ape­sar das con­tes­ta­ções a res­pei­to de sua exis­tên­cia, his­to­ri­a­do­res afir­mam que, sim, eles exis­ti­ram. A ques­tão é que há mui­tos mitos e exa­ge­ros em tor­no de sua tra­je­tó­ria, em boa par­te sus­ten­ta­dos pe­la li­ber­da­de nar­ra­ti­va da cul­tu­ra pop. De qual­quer mo­do, a arte da guerra ninja es­tá en­tre as mais fas­ci­nan­tes de to­dos os tem­pos. Sub­pro­du­tos da tra­di­ção sa­mu­rai, os ninjas, em es­sên­cia, eram guer­rei­ros ex­perts em lu­tas mar­ci­ais que atu­a­vam den­tro do ser­vi­ço de in­te­li­gên­cia do po­der ja­po­nês. Em­bo­ra di­ver­sas mortes te­nham si­do opor­tu­na­men­te atri­buí­das a eles nos conflitos do país, é im­pos­sí­vel ter cer­te­za de quais re­al­men­te

me­re­ce­ram ir pa­ra a con­ta dos ninjas, por se tratar de ações si­gi­lo­sas. Gran­de nú­me­ro des­ses lu­ta­do­res vi­nha de clas­ses so­ci­ais des­fa­vo­re­ci­das, en­tão seus mo­dos de agir, ne­bu­lo­sos e fur­ti­vos, eram o exa­to opos­to dos ide­ais de no­bre­za cul­ti­va­dos pe­los samurais, aves­sos ao ata­que “pe­las cos­tas”.

O mi­to de que os ninjas go­za­vam de su­per­po­de­res, co­mo flu­tu­ar ou desaparece­r, nas­ceu jun­to às prá­ti­cas de ata­que-sur­pre­sa e sa­bo­ta­gem, fos­se por bom­ba ou armadilha. Tais lendas co­me­ça­ram a se es­pa­lhar com mais for­ça no iní­cio do sé­cu­lo 17, qu­an­do uma sé­rie de fa­tos pas­sou a se mis­tu­rar com a fantasia po­pu­lar. Ope­ra­ções se­cre­tas, guer­ri­lhas e as­sas­si­na­tos de lí­de­res ri­vais já vi­nham, no en­tan­to, sen­do atri­buí­dos a in­di­ví­du­os es­pe­ci­al­men­te trei­na­dos des­de me­a­dos do sé­cu­lo 15. A mai­or par­te des­sas ações foi re­gis­tra­da nas re­giões de Iga e Ko­ga, mais ao cen­tro do Ja­pão.

FA­TOR SUR­PRE­SA

“As téc­ni­cas do nin­jut­su pro­vêm do shi­no­bi no jut­su e shi­no­bi jut­su, prá­ti­cas as quais im­pli­cam que o opo­nen­te des­co­nhe­ça a exis­tên­cia do ata­can­te, e pa­ra tan­to ofe­re­cem trei­na­men­to es­pe­cí­fi­co. Du­ran­te o Pe­río­do Sen­go­ku (1467-1568), es­sas téc­ni­cas eram usa­das nas cam­pa­nhas, e in­cluíam as apli­ca­ções do sek­ko (ob­ser­var) e kan­cho (es­pi­o­nar)”, ex­pli­ca o his­to­ri­a­dor ja­po­nês Kiyoshi Wa­ta­ta­ni em sua en­ci­clo­pé­dia das ar­tes mar­ci­ais nipô­ni­cas, de 1972. O ter­mo shi­no­bi, na ver­são ori­gi­nal shi­no­bi no mo­no, se­gun­do ele, é me­ra­men­te um

sinô­ni­mo da pa­la­vra “ninja”. Es­ta aca­bou sen­do mais dis­se­mi­na­da por es­ta­be­le­cer referência fo­né­ti­ca às téc­ni­cas “no jut­su” e se ade­quar me­lhor às lín­guas oci­den­tais.

Du­ran­te o sé­cu­lo 14, uma guerra eclo­diu qu­an­do o im­pe­ra­dor Go­dai­go ten­tou re­to­mar o po­der que lhe fo­ra ti­ra­do pe­lo Xo­gu­na­to Ka­ma­ku­ra (pri­mei­ro re­gi­me mi­li­tar feu­dal ja­po­nês, 1185-1333). Co­mo re­sul­ta­do, o Ja­pão pas­sou a con­tar com dois go­ver­nos ri­vais. Em The Taihei­ki, épi­co so­bre a guerra en­tre a Cor­te do Nor­te, de Ashi­ka­ga Ta­kau­ji, em Kyo­to, e a Cor­te do Sul, de Go-dai­go, em Yoshi­no, con­ta-se co­mo os ninjas es­ti­ve­ram en­vol­vi­dos no in­cên­dio de uma for­ta­le­za: “A qu­e­da do cas­te­lo be­ne­fi­ci­a­ria os opo­nen­tes da Cor­te Sul. Cer­ta noi­te, sob chu­va e ven­ta­nia, Ha­chi­manya­ma [o no­me da for­ta­le­za] foi in­cen­di­a­da por shi­no­bis mui­to bem trei­na­dos”. Es­tá con­ti­do no Taihei­ki tam­bém o pri­mei­ro re­gis­tro de um as­sas­si­na­to ninja. O criminoso foi o jo­vem Hi­no Ku­mawa­ka, de 13 anos, fi­lho de Hi­no Su­ke­to­mo, que ha­via si­do man­da­do ao exí­lio por fa­zer uma cons­pi­ra­ção con­tra Go-dai­go. Su­ke­to­mo, pos­to sob custódia do mon­ge Hom­ma Sa­bu­ro, foi con­de­na­do por es­te à exe­cu­ção. Seu fi­lho, in­con­for­ma­do, ju­rou vin­gan­ça con­tra o mon­ge.

Ele se fez de do­en­te de mo­do a não ser en­vi­a­do de vol­ta a Kyo­to jun­to com os res­tos mor­tais de seu pai, e o fin­gi­men­to lhe ga­ran­tiu um lugar pa­ra se hos­pe­dar na ca­sa de Sa­bu­ro. O ado­les­cen­te, en­tão, aguar­dou pe­lo mo­men­to ide­al pa­ra o ata­que. Foi du­ran­te uma noi­te de tem­pes­ta­de, ao en­con­trar os guar­das dor­min­do em ser­vi­ço em su­as ca­bi­nes com vis­ta pa­ra o pá­tio. O mon­ge ti­nha até tro­ca­do de apo­sen­tos, mas Ku­mawa­ka o des­co­briu, de­ci­di­do a ma­tá-lo com sua pró­pria es­pa­da. O que lhe ren­deu o cré­di­to de ninja foi a ma­nei­ra co­mo im­pe­diu que a ví­ti­ma per­ce­bes­se sua pre­sen­ça no quar­to:

“... em vol­ta da lu­mi­ná­ria que tra­zia con­si­go, uma nu­vem de mos­qui­tos se for­ma­va, já que era ve­rão. Ele abriu a por­ta, dei­xan­do um fei­xe pa­ra que os in­se­tos en­tras­sem e fos­sem em en­xa­me em di­re­ção à lâm­pa­da do quar­to. As­sim que se fez som­bra, ele apa­gou a lâm­pa­da ra­pi­da­men­te. Ku­mawa­ka en­tão pu­xou cui­da­do­sa­men­te a es­pa­da de Sa­bu­ro, co­lo­cou a pon­ta ao peito da ví­ti­ma e a afun­dou.”

Sua es­tra­té­gia de fu­ga tam­bém foi dig­na de um ninja. O me­ni­no es­ca­lou o to­po de uma ár­vo­re de bam­bu so­bre a água, o cau­le se do­brou até a su­per­fí­cie do la­go e ele o uti­li­zou co­mo se fos­se uma pon­te pa­ra che­gar do ou­tro la­do. Es­sa prá­ti­ca con­ta com du­as téc­ni­cas nin­jut­su de ata­que e fu­ga. A mo­ku­ton, que sig­ni­fi­ca “uso da ár­vo­re”, co­mo qu­an­do o guer­rei­ro se es­con­de atrás de tron­cos ou agi­ta ga­lhos pa­ra con­fun­dir o opo­nen­te, e a sui­ton,

“uso da água”, ato que po­de exi­gir que o guer­rei­ro pas­se vá­ri­as ho­ras sub­mer­so, res­pi­ran­do por tu­bos de bam­bu, ou que ti­re a aten­ção do ini­mi­go com ba­ru­lhos aquá­ti­cos. O mais fa­mo­so tru­que, no en­tan­to, é o ka­ton,

“uso do fo­go”, téc­ni­ca de en­ga­nar o al­vo com ex­plo­sões pi­ro­téc­ni­cas de fu­ma­ça de pól­vo­ra.

Co­mo o nin­jut­su era um co­nhe­ci­men­to ocul­to, trans­mi­ti­do ex­clu­si­va­men­te de pes­soa a pes­soa, his­to­ri­a­do­res cre­em, sem exa­ti­dão, que te­nha co­me­ça­do na épo­ca do im­pe­ra­dor Sho­to­ku (718-770), di­fun­din­do-se ao lon­go do Pe­río­do Sen­go­ku. Na­que­le tem­po, o Ja­pão en­fren­tou uma sé­rie de guer­ras ci­vis, e a cul­tu­ra ninja foi ado­ta­da pe­las co­mu­ni­da­des que vi­vi­am nas mon­ta­nhas da ilha de Honshu, pe­la ne­ces­si­da­de que as fa­mí­li­as tinham de se pro­te­ger dos in­va­so­res. Os mais ce­le­bra­dos ninjas pro­fis­si­o­nais fo­ram os mer­ce­ná­ri­os de Iga e Ko­ga, con­tra­ta­dos pe­los ri­vais dos daimyo

(se­nho­res feu­dais) de 1485 a 1581, qu­an­do um ata­que fe­roz in­ci­diu so­bre a pro­vín­cia. A in­va­são de Iga foi en­ca­be­ça­da pe­lo daimyo Oda No­bu­na­ga, o pri­mei­ro dos três “su­per­daimyos”, que mais tar­de re­con­ci­li­a­ri­am o país.

A exe­cu­ção de Oda No­bu­na­ga pe­los re­bel­des ninjas foi vin­ga­da pe­lo se­gun­do dos uni­fi­ca­do­res, Toyo­to­mi Hi­deyoshi, que mar­chou com seu exér­ci­to con­tra Kyo­to e der­ro­tou o ex-sa­mu­rai e ge­ne­ral re­be­la­do Ake­chi Mit­suhi­de, a quem se atri­bui a mor­te de No­bu­na­ga, na ba­ta­lha de Ya­ma­za­ki. De ba­ta­lha em ba­ta­lha, ao lon­go de 20 anos, Hi­deyoshi aca­bou con­quis­tan­do to­do o Ja­pão. Com a derrota do clã Ho­jo em 1590, ele deu ao sa­mu­rai en­car­re­ga­do To­ku­gawa Ieya­su os ter­ri­tó­ri­os co­mo re­com­pen­sa. Ieya­su, o ter­cei­ro gran­de uni­fi­ca­dor, pre­fe­riu não se ins­ta­lar na for­ta­le­za prin­ci­pal dos Ho­jo, em Odawa­ra, mas nu­ma pe­que­na ci­da­de do les­te cha­ma­da Edo. O lugar aca­bou vi­ran­do Tó­quio em 1868, qu­an­do tor­nou-se ca­pi­tal do Im­pé­rio, e o que co­nhe­ce­mos ho­je co­mo o Pa­lá­cio Im­pe­ri­al foi, no pas­sa­do, o cas­te­lo de Ieya­su.

ELES FI­ZE­RAM HISTÓRIA

O des­ta­ca­men­to de Iga em Edo fi­ca­va sob o co­man­do de nin­guém me­nos do que o mais cé­le­bre dos ninjas, Hattori Hanzo Ma­sashi­ge, aque­le a quem Qu­en­tin Ta­ran­ti­no faz referência nu­ma pas­sa­gem de Kill Bill Vol. 1. Hanzo, an­tes de ser um guer­rei­ro, tra­ba­lhou co­mo guia em Iga. Nas­ceu em 1541, fi­lho do sa­mu­rai Hattori Ya­su­na­ga, e en­fren­tou sua pri­mei­ra ba­ta­lha aos 16 anos, num ata­que no­tí­va­go ao cas­te­lo de Udo. Ser­viu ain­da com dis­tin­ção nas ba­ta­lhas de Ane­gawa (1570) e Mi­ka­ta­ga Ha­ra (1572). Por con­ta da per­for­man­ce san­gui­ná­ria em tais em­ba­tes, ganhou o ape­li­do de “Di­a­bo Hanzo”. Mor­reu em 1596, aos 55, e foi su­ce­di­do pe­lo fi­lho, Hattori Ma­sa­na­ri.

Ou­tro guer­rei­ro ilus­tre foi Ka­to Dan­zo, o gran­de res­pon­sá­vel por po­pu­la­ri­zar o mi­to dos po­de­res pa­ra­nor­mais dos ninjas. Exí­mio na prá­ti­ca do ilu­si­o­nis­mo, Dan­zo em­pre­en­dia tru­ques de de­sa­pa­re­ci­men­to, não só de si mes­mo mas tam­bém de ob­je­tos. Ele era um mes­tre na arte da hip­no­se, o que con­tri­buiu pa­ra au­men­tar as lendas de sur­re­a­li­da­de.

Já Ishi­kawa Go­e­mon, nas­ci­do em 1558, foi o Ro­bin Ho­od ja­po­nês. Após fu­gir da escola de San­dayu Mo­chi­zu­ki, ele pas­sou a rou­bar dos ri­cos pa­ra dar aos cam­po­ne­ses.

Em Mi­kawa Go-fu­do­ki, es­cri­to clás­si­co ja­po­nês em 45 vo­lu­mes, so­bre o clã To­ku­gawa, To­mo Su­ke­sa­da é ci­ta­do co­mo lí­der de um ata­que ninja con­tra o cas­te­lo de Ima­gawa. Na ação, 200 mer­ce­ná­ri­os en­fren­ta­ram os guar­das, in­va­di­ram o lo­cal, ate­a­ram fo­go nas torres e ar­ra­sa­ram com to­da a tropa do clã ini­mi­go.

Ki­do Ya­za­e­mon, por sua vez, en­trou pa­ra a História co­mo o mes­tre dos ex­plo­si­vos. O epi­só­dio que lhe ren­deu ca­dei­ra ca­ti­va en­tre os guer­rei­ros len­dá­ri­os foi a ten­ta­ti­va de exe­cu­ção do lí­der Oda No­bu­na­ga, em 1579, usan­do uma ta­ne­gashi­ma, um ti­po de ar­ma de ar­ca­buz (ri­fle me­di­e­val). Ape­sar de não ter con­se­gui­do ma­tar o nobre, o ata­que aca­bou com a vi­da de se­te pes­so­as que o acom­pa­nha­vam. A ousadia da mis­são foi re­gis­tra­da no tex­to his­tó­ri­co Iran­ki.

HATTORI HANZO,

DE KILL BILL, EXIS­TIU MES­MO. SAN­GUI­NÁ­RIO, ERA CO­NHE­CI­DO CO­MO “DI­A­BO”

CA­ÇA AO NINJA

Du­ran­te o Pe­río­do Edo (1603-1868), os ninjas su­mi­ram um pou­co de ce­na, com o ces­sar das guer­ras in­ter­nas, ain­da que não com­ple­ta­men­te. As

HO­MENS DE PRE­TO – MAS NEM SEM­PRE

O tra­di­ci­o­nal uni­for­me ninja, to­do em pre­to, não era obri­ga­tó­rio. Mui­tos se dis­far­ça­vam de monges, guar­das, co­mer­ci­an­tes e gen­te co­mum. “A pri­mei­ra referência a um ninja ves­ti­do de pre­to apa­re­ceu so­men­te em 1801”, des­cre­ve o es­pe­ci­a­lis­ta Stephen Turn­bull. “A ilus­tra­ção mos­tra­va um ninja es­ca­lan­do um cas­te­lo com a in­du­men­tá­ria na cor que per­me­ou o ima­gi­ná­rio pop. Mas não há in­dí­ci­os de que os ninjas se ves­tis­sem sem­pre as­sim. As cal­ças eram as mes­mas que os samurais usa­vam pa­ra andar a ca­va­lo, lar­gas na co­xa e pre­sas abai­xo do jo­e­lho. Nos pés, usa­vam ta­bi pre­tas, as clás­si­cas mei­as ja­po­ne­sas, com o de­dão se­pa­ra­do dos ou­tros de­dos pe­la cos­tu­ra. O cal­ça­do era o wa­ra­ji, es­pé­cie de san­dá­lia de pa­lha. A blu­sa de man­ga lon­ga, jus­ta nos bra­ços e fe­cha­da nos pu­nhos, com­ple­ta­va a in­du­men­tá­ria, pre­sa ao cor­po por uma lar­ga faixa en­vol­ta na cin­tu­ra. O ca­puz com os olhos de fo­ra, de fa­to, apa­re­ce na mai­o­ria dos re­gis­tros.” Os mu­seus ja­po­ne­ses, co­mo o Mu­seu Ninja de Igaryu, exi­bem exem­plos de ar­ma­du­ras le­ves usa­das pe­los ninjas por ci­ma ou de­bai­xo da rou­pa. As tra­di­ci­o­nais ar­ma­du­ras com man­ga, cha­ma­das ko­te, e as kyahan, ca­ne­lei­ras, eram al­guns dos re­cur­sos de pro­te­ção ex­tra. Ninja pre­ve­ni­do vi­via mais.

FER­RA­MEN­TAS DO OFÍ­CIO

NINJA-T

A ninja-tô é uma es­pa­da pa­re­ci­da com a dos samurais, po­rém de lâ­mi­na mais cur­ta, em­pu­nha­du­ra mais lon­ga e fio cor­tan­te de ape­nas um la­do. Es­se ti­po de ar­ma foi cri­a­do a par­tir da cus­to­mi­za­ção de ou­tras es­pa­das co­le­ta­das pe­los ninjas, co­mo a ka­ta­na e a wa­ki­zashi. Não era usada so­men­te pa­ra com­ba­te, mas tam­bém pa­ra es­ca­la­da, es­ca­va­ção e, em sua bai­nha, pa­ra trans­por­tar do­cu­men­tos secretos, além de pós ex­plo­si­vos e ce­gan­tes. KUSARIGAMA

Foi­ce com uma cor­ren­te pre­sa ao ca­bo e um pe­que­no pe­so de me­tal na ou­tra ex­tre­mi­da­de da cor­ren­te. Qu­an­do em com­ba­te, os ninjas gi­ra­vam o pe­so so­bre a ca­be­ça e o lan­ça­vam em di­re­ção ao ini­mi­go, fos­se pa­ra de­sar­má-lo ou imo­bi­li­zá-lo. Feito is­so, o guer­rei­ro po­dia se apro­xi­mar e gol­peá-lo com a foi­ce. A gran­de van­ta­gem des­te ar­ma­men­to era jus­ta­men­te po­der ser lan­ça­do e re­cu­pe­ra­do. KUSARI-FUN­DO Cor­ren­te com pequenos pe­sos em am­bas as ex­tre­mi­da­des. Ha­via cor­ren­tes de vá­ri­os ta­ma­nhos, ge­ral­men­te en­tre 12 e 48 po­le­ga­das, e pe­sos de for­ma­tos di­ver­sos: oval, es­fé­ri­co, cir­cu­lar, re­tan­gu­lar, he­xa­go­nal etc. Es­te ar­ma­men­to era usa­do ge­ral­men­te pa­ra de­sar­mar o ini­mi­go ou imo­bi­li­zá-lo pe­las mãos, pés ou per­nas, mas tam­bém pa­ra en­for­ca­men­to e chi­co­ta­das pe­lo cor­po to­do. SHURIKEN

As icônicas es­tre­las de me­tal pon­ti­a­gu­das, de tan­to su­ces­so nos fil­mes. É uma ar­ma de arremesso com nú­me­ro va­ri­a­do de pon­tas, en­tre du­as e 14, e for­ma­tos: meia-lua, lo­san­go, qua­dra­do, qua­tro pon­tas com bor­das côn­ca­vas, cruz, gar­ra e do­brá­vel em for­ma­to de cruz qu­an­do aber­ta. Os ninjas as uti­li­za­vam pa­ra atin­gir, a uma dis­tân­cia que fos­se se­gu­ra, pon­tos vi­tais dos ini­mi­gos. KYOKETSU-SHOGE Cor­ren­te ou en­cor­do­a­men­to com um pu­nhal de lâ­mi­na du­pla nu­ma pon­ta (uma re­ta e uma cur­va­da) e uma ar­go­la na ou­tra. Po­dia ser usa­do pa­ra ata­que a dis­tân­cia, imo­bi­li­za­ção pe­las mãos e pés e de­sar­ma­men­to do ini­mi­go. A par­te cur­va­da do pu­nhal, es­pé­cie de se­mi­an­zol, era um óti­mo ar­te­fa­to pa­ra es­ca­la­da, qu­an­do lan­ça­do em bor­das de mu­ros, ja­ne­las ou no en­tor­no de ár­vo­res e torres. SHUKO

Mu­nhe­quei­ra com gar­ras afi­a­das, pa­ra a de­fe­sa em lu­tas de es­pa­da e es­ca­la­das. Os me­tais pon­ti­a­gu­dos fi­ca­vam na pal­ma, imi­tan­do as gar­ras de um fe­li­no. Qu­an­do os gan­chos são dis­pos­tos no dor­so das mãos, pas­sa a se cha­mar tekkô ka­gi.e há ain­da ou­tra va­ri­a­ção, o sokkô, que são os gan­chos usa­dos nas so­las dos pés, pa­ra fa­ci­li­tar a subida

em ár­vo­res.

fa­mí­li­as adep­tas do nin­jut­su, in­clu­si­ve, fo­ram mui­to per­se­gui­das pe­la so­ci­e­da­de feu­dal no po­der, que lhes co­bra­va im­pos­tos bem aci­ma de sua ren­da. Is­so só con­tri­buiu pa­ra que o nin­jut­su se tor­nas­se ain­da mais se­cre­to, acir­ran­do os conflitos en­tre ninjas, que eram o exér­ci­to po­pu­lar, con­tra os samurais, guar­diões a ser­vi­ço do po­der feu­dal. “Foi nes­se pe­río­do de su­pos­ta paz que o mi­to dos ninjas co­mo os co­nhe­ce­mos ho­je co­me­çou a se so­li­di­fi­car, com to­da a mis­tu­ra de ver­da­de his­tó­ri­ca acres­ci­da de con­tos fan­ta­si­o­sos e lendas que aca­ba­ram pro­du­zin­do uma es­pé­cie de ninja super-ho­mem, que po­dia vo­ar pe­los ares e fi­car in­vi­sí­vel”, ex­pli­ca o his­to­ri­a­dor bri­tâ­ni­co Stephen Turn­bull, au­to­ri­da­de no as­sun­to e au­tor de mais de 50 li­vros so­bre ninjas e samurais. Já no pe­río­do se­guin­te, o do im­pé­rio Mei­ji, a par­tir de 1868, tan­to os ninjas qu­an­to os samurais fo­ram proi­bi­dos de usar ar­mas, co­mo es­tra­té­gia po­lí­ti­ca de mo­der­ni­zar o Ja­pão e es­trei­tar re­la­ções com ou­tros paí­ses do mun­do. Po­rém, du­ran­te a ocu­pa­ção da Man­chú­ria, na Chi­na, pe­lo Ja­pão, em 1931, os ninjas fo­ram re­cru­ta­dos no­va­men­te. Ago­ra co­mo es­piões.

MI­TO­LO­GIA PRÓ­PRIA

A mais fa­mo­sa len­da de as­sas­si­na­to ninja é a de co­mo Ue­su­gi Kenshin, que go­ver­nou a pro­vín­cia de Echi­go, te­ria si­do mor­to em seu la­va­tó­rio por um ninja que se es­con­deu no poço de es­go­to e lhe en­fi­ou uma es­pa­da direto no ânus qu­an­do o daimyo se aga­chou pa­ra de­fe­car. Kenshin mor­re­ria di­as após o aten­ta­do, e es­pa­lhou-se que Oda No­bu­na­ga te­ria en­co­men­da­do seu as­sas­si­na­to. “As reais cir­cuns­tân­ci­as da mor­te de Kenshin são bem do­cu­men­ta­das”, es­cla­re­ce Turn­bull, “ele pa­re­ce ter so­fri­do al­gum ti­po de cri­se, pro­va­vel­men­te uma pa­ra­da car­día­ca, no la­va­tó­rio. Em Kenshin Gun­ki afir­ma-se que, no no­no dia do ter­cei­ro mês após o in­far­to, ele sen­tiu uma forte dor de estô­ma­go. A cri­se per­sis­tiu até o 13º dia, qu­an­do veio a mor­rer”.

Se­gun­do Stephen Turn­bull, “a tra­di­ção de trans­for­mar ninjas em fi­gu­ras sobrenatur­ais es­tá no fa­to de que eles re­al­men­te le­va­vam uma vi­da mis­te­ri­o­sa e fu­gi­ti­va. Os dois gran­des he­róis Mi­na­mo­to Yoshit­su­ne (11591189) e Ku­su­no­ki Ma­sashi­ge (12941336) estão en­tre os mais men­ci­o­na­dos, a tal pon­to que de­ram ori­gem às du­as es­co­las nin­jut­su dis­tin­tas Yoshit­su­ne-ryu e Ku­su­no­ki-ryu. Mas não há evi­dên­ci­as his­tó­ri­cas de que eles te­nham pes­so­al­men­te cri­a­do es­sas ver­ten­tes”. Ou­tra razão da mi­to­lo­gia vem da li­ga­ção com os se­gui­do­res da re­li­gião shu­gen­do, os ya­ma­bushis, ere­mi­tas as­cé­ti­cos que, de acor­do com o mis­ti­cis­mo tra­di­ci­o­nal ja­po­nês, te­ri­am po­de­res sobrenatur­ais. Ninjas e ya­ma­bushis na ver­da­de têm pou­ca coi­sa em co­mum, a não ser seu ine­ren­te mis­té­rio, co­mo ava­lia Turn­bull. “Tal­vez is­so se­ja por­que o dis­far­ce de um ya­ma­bushi era per­fei­to pa­ra um ninja en­vol­vi­do em mis­são de vi­a­gens e es­pi­o­na­gem. É pos­sí­vel que os pró­pri­os ya­ma­bushis te­nham agi­do co­mo es­piões a ser­vi­ço dos daimyo, lan­çan­do mão de seu di­rei­to de vi­a­jar li­vre­men­te. A ver­da­de é que, co­mo al­guns as­sas­si­na­tos ninjas eram difíceis de ex­pli­car, o uso da má­gi­ca ou da in­vi­si­bi­li­da­de pa­re­cia ser a úni­ca conclusão ra­zoá­vel.”

NINJA EM FOR­MA­ÇÃO

Os ninjas de Iga e Ko­ga re­ce­bi­am trei­na­men­to de su­as fa­mí­li­as des­de a in­fân­cia. Co­mo em mui­tas tra­di­ções mar­ci­ais ja­po­ne­sas, aqui o co­nhe­ci­men­to tam­bém era pas­sa­do de pai pa­ra fi­lho ou por um sen­sei (mes­tre) a seus pu­pi­los, es­co­lhi­dos a de­do. Nes­se ca­so, o pu­pi­lo nem sem­pre era um pa­ren­te. O sen­sei pre­ci­sa­va en­xer­gar no apren­diz o es­pí­ri­to de ninja. Em ou­tras pa­la­vras, nin­guém vi­ra­va ninja, ape­nas des­co­bria-se ninja. Nas fa­mí­li­as pro­pri­e­tá­ri­as de pe­que­nas ter­ras nes­sas re­giões, era cos­tu­mei­ro que os me­ni­nos fos­sem trei­na­dos pa­ra ser guer­rei­ros lo­go aos pri­mei­ros pas­sos. Eles eram en­si­na­dos a ma­ni­pu­lar a es­pa­da sa­mu­rai, a lan­ça, o ar­co e fle­cha. Tam­bém apren­di­am a ca­val­gar, cor­rer e na­dar. Con­for­me o trei­na­men­to evo­luís­se, o es­tá­gio se­guin­te tra­zia en­si­na­men­tos so­bre ex­plo­si­vos, venenos, camuflagem e so­bre­vi­vên­cia. De­pois, vi­nham as téc­ni­cas de co­mo pu­ri­fi­car a água e co­zi­nhar ar­roz em meio à sel­va, en­vol­ven­do o ali­men­to em pa­no úmi­do e aque­cen­do-o en­ter­ra­do na ter­ra, sob uma fogueira. No as­pec­to psi­co­ló­gi­co, o jo­vem apren­diz era en­si­na­do a su­pe­rar o me­do da mor­te. Em si­tu­a­ções de derrota, ha­via a in­cor­po­ra­ção da tra­di­ção sa­mu­rai do ri­tu­al de sui­cí­dio (sep­pu­ku), num ato em que se re­a­li­za­va o cor­te do ven­tre se­gui­do de de­ca­pi­ta­ção. Pa­ra um ninja, me­lhor mor­rer que ser hu­mi­lha­do.

USO DE EX­PLO­SI­VOS, VENENOS E CAMUFLAGEM FA­ZIA PAR­TE DO TREI­NA­MEN­TO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.