Ini­mi­go Meu

CAR­TA­GO VS RO­MA

Aventuras na Historia - - ANTIGUIDAD­E -

al­mi­ran­te car­ta­gi­nês Aní­bal Gis­co não acre­di­ta­va no que via. Sua po­de­ro­sa es­qua­dra de 130 trir­re­mes, o or­gu­lho da ci­da­de de Car­ta­go, aca­ba­ra de ser fra­go­ro­sa­men­te der­ro­ta­da pe­lo que ele con­si­de­ra­va o mais rús­ti­co dos po­vos: os ro­ma­nos. De seus 130 na­vi­os, 31 tinham si­do cap­tu­ra­dos, 13 afun­da­dos e pou­cos ho­mens con­se­gui­ram fu­gir, in­cluin­do ele, o al­mi­ran­te, que es­ca­pa­ra num pe­que­no bo­te. Seus ma­ri­nhei­ros, co­nhe­ci­dos pe­la ex­tre­ma ha­bi­li­da­de no mar, ha­vi­am si­do ba­ti­dos por um po­vo de agri­cul­to­res. De­sa­jei­ta­dos na água, os ro­ma­nos tinham cons­truí­do sua fro­ta a par­tir de um bar­co car­ta­gi­nês que ha­via nau­fra­ga­do em sua cos­ta. Pa­ra tornarem as coi­sas mais pró­xi­mas de uma lu­ta em ter­ra, tinham in­ven­ta­do uma es­pé­cie de pon­te de as­sal­to, cha­ma­da cor­vus, que era fin­ca­da no con­vés ad­ver­sá­rio e per­mi­tia que a lu­ta no mar se tor­nas­se uma abor­da­gem, na qual o que con­ta­va não era mais a ha­bi­li­da­de na­val, mas a pe­rí­cia com a es­pa­da. A de­ci­si­va ba­ta­lha, ocor­ri­da em 260 a.c. em My­lae, ha­via si­do o pri­mei­ro tes­te da en­ge­nho­ca, pa­ra in­for­tú­nio do al­mi­ran­te car­ta­gi­nês, que de­pois foi li­te­ral­men­te cru­ci­fi­ca­do pe­la derrota. Co­me­ça­va o pri­mei­ro round de uma lu­ta de mor­te, que cul­mi­na­ria no fim da ci­da­de-es­ta­do de Car­ta­go e na as­cen­são de um dos mai­o­res im­pé­ri­os de to­dos os tem­pos: Ro­ma.

Na épo­ca des­se even­to, Car­ta­go era uma po­de­ro­sa ci­da­de-es­ta­do lo­ca­li­za­da no li­to­ral da atu­al Tu­ní­sia, na África do Nor­te. Fun­da­da por fe­ní­ci­os em 804 a.c., tor­na­ra-se atra­vés dos sé­cu­los um im­por­tan­te en­tre­pos­to co­mer­ci­al. Pos­suía colô­ni­as na Sar­de­nha, Cór­se­ga, Mal­ta, Es

pa­nha e Si­cí­lia. Seus na­vi­os sin­gra­vam por to­do o Me­di­ter­râ­neo, au­men­tan­do ca­da vez mais a ri­que­za de seus co­mer­ci­an­tes. Já Ro­ma era um rei­no obs­cu­ro, que mal ha­via uni­fi­ca­do a pe­nín­su­la ita­li­a­na.

As­sim, foi com sur­pre­sa que os car­ta­gi­ne­ses vi­ram, em 264 a.c., a Si­cí­lia, seu pre­ci­o­so ce­lei­ro, ser in­va­di­da pe­los ro­ma­nos em sua pri­mei­ra aventura fo­ra de ca­sa. E os ro­ma­nos não se in­ti­mi­da­vam. Em pou­co tem­po, tan­to car­ta­gi­ne­ses qu­an­to gre­gos (que tam­bém pos­suíam colô­ni­as na ilha) fi­ca­ram em si­tu­a­ção di­fí­cil. A lu­ta, co­nhe­ci­da co­mo Pri­mei­ra Guerra Pú­ni­ca (os car­ta­gi­ne­ses eram tam­bém co­nhe­ci­dos co­mo pú­ni­cos), pro­lon­gou-se por quase du­as dé­ca­das. Ro­ma ti­nha su­pe­ri­o­ri­da­de na lu­ta em ter­ra. Car­ta­go rei­na­va no mar, pe­lo me­nos até an­tes des­sa de­ci­si­va ba­ta­lha na­val.

Com es­se re­vés, pres­si­o­na­dos em ter­ra e ago­ra iso­la­dos pe­la via ma­rí­ti­ma, os sol­da­dos car­ta­gi­ne­ses na Si­cí­lia, co­man­da­dos pe­lo ex­cep­ci­o­nal ge­ne­ral Amíl­car Bar­ca, não ti­ve­ram ou­tra saí­da se­não a ren­di­ção, em 241 a.c. A derrota cus­tou ca­ro. Ro­ma exi­giu uma pe­sa­da in­de­ni­za­ção, além da pos­se da Si­cí­lia. Pa­ra pi­o­rar, Car­ta­go pro­te­lou o pa­ga­men­to de seus mer­ce­ná­ri­os, que se re­be­la­ram e du­ran­te três anos pi­lha­ram as pro­vín­ci­as car­ta­gi­ne­sas, até se­rem eli­mi­na­dos por Amíl­car Bar­ca.

Nes­se meio-tem­po, ven­do a fra­que­za de seu ini­mi­go, Ro­ma abo­ca­nhou a Sar­de­nha, Cór­se­ga e Mal­ta. A trai­ção ro­ma­na pou­pa­ra ape­nas a des­co­nhe­ci­da pro­vín­cia da Es­pa­nha, re­ple­ta de tri­bos bár­ba­ras.

O CA­MI­NHO DA GUERRA

Amíl­car sabia que a paz com os ro­ma­nos era pre­cá­ria e que a guerra pe­la su­pre­ma­cia no Me­di­ter­râ­neo oci­den­tal só se ex­tin­gui­ria com a ani­qui­la­ção to­tal de um dos la­dos. As­sim, a úni­ca chan­ce de Car­ta­go se re­er­guer se­ria ex­pan­din­do seus do­mí­ni­os Es­pa­nha aden­tro e to­man­do con­tro­le so­bre as pre­ci­o­sas mi­nas de prata lá exis­ten­tes.

Jun­tan­do o pou­co que ha­via so­bra­do de seu exér­ci­to, Amíl­car con­du­ziu uma ex­pe­di­ção até a Es­pa­nha, em 237 a.c. Jun­to, levou seu fi­lho mais ve­lho, Aní­bal, um ga­ro­to de ape­nas 9 anos que, an­tes de par­tir de Car­ta­go, foi le­va­do por seu pai ao al­tar da deu­sa Ba­al Mel­kart, on­de fez o voto so­le­ne de de­di­car sua vi­da à des­trui­ção de Ro­ma, se­gun­do afir­ma o his­to­ri­a­dor ro­ma­no Ti­to Lí­vio.

“Du­ran­te seus anos na Es­pa­nha, Amíl­car de­di­cou-se a du­as ta­re­fas. Pri­mei­ro, uni­fi­car sob seu co­man­do as indô­mi­tas tri­bos es­pa­nho­las do in­te­ri­or. Se­gun­do, pre­pa­rar seu exér­ci­to pa­ra uma fu­tu­ra guerra con­tra Ro­ma. Fun­ci­o­nan­do quase co­mo um Es­ta­do in­de­pen­den­te, a Es­pa­nha tor­nou-se na prá­ti­ca uma pro­pri­e­da­de da fa­mí­lia Bar­ca”, afir­ma o pro­fes­sor Da­ni­el Murphy, es­pe­ci­a­lis­ta em História Mi­li­tar do Ha­no­ver Col­le­ge, EUA. A ro­ta da prata foi re­a­ber­ta e o ex­ce­den­te de grãos afluía pa­ra Car­ta­go.

Qu­an­do Amíl­car mor­reu em ba­ta­lha, em 229 a.c., o im­pé­rio car­ta­gi­nês na Es­pa­nha ha­via do­bra­do de ex­ten­são. Seu fi­lho, Aní­bal, as­su­miu o con­tro­le do exér­ci­to em 221 a.c. “Os sol­da­dos ima­gi­na­vam”, es­cre­veu Ti­to Lí­vio, “que Amíl­car re­tor­na­ra a eles co­mo era em sua ju­ven­tu­de. Eles vi­am a mes­ma ex­pres­são forte e olhar pe­ne­tran­te, as mes­mas ca­rac­te­rís­ti­cas e ti­po fi­si­onô­mi­co. Não ha­via lí­der que ins­pi­ras­se a seus ho­mens mais con­fi­an­ça e co­ra­gem”. Aní­bal que­ria a guerra com Ro­ma e ata­cou no mes­mo ano a ci­da­de de Sa­gun­to.

Ro­ma, que tam­bém que­ria uma des­cul­pa pa­ra rei­ni­ci­ar o con­fli­to, or­de­nou que o car­ta­gi­nês se re­ti­ras­se, ale­gan­do haver um tra­ta­do de pro­te­ção mú­tua en­tre es­sa ci­da­de es­pa­nho­la e os ro­ma­nos. Aní­bal ig

Qu­an­do era ape­nas um me­ni­no de 9 anos, o fu­tu­ro ge­ne­ral Aní­bal fez um voto sa­gra­do:

de­di­ca­ria sua vi­da à des­trui­ção de Ro­ma

no­rou os emis­sá­ri­os ro­ma­nos e to­mou a ci­da­de. Ro­ma so­ou os tam­bo­res do con­fli­to. Co­me­ça­va, em 218 a.c., a Se­gun­da Guerra Pú­ni­ca.

A SE­GUN­DA GUERRA PÚ­NI­CA

En­quan­to os ro­ma­nos se pre­pa­ra­vam pa­ra in­va­dir a Es­pa­nha, Aní­bal se mo­vi­men­tou com seu exér­ci­to e, num pla­no ou­sa­do, atravessou os Al­pes (veja bo­xe) com seus ele­fan­tes. Os ro­ma­nos fi­ca­ram cho­ca­dos qu­an­do sou­be­ram que os car­ta­gi­ne­ses es­ta­vam com um pé na Itá­lia. Ra­pi­da­men­te, os dois côn­su­les ro­ma­nos, ca­da qual com su­as du­as le­giões, acor­re­ram pa­ra a Pla­ní­cie do Pó, dis­pos­tos a ani­qui­lar o in­va­sor. O pri­mei­ro a en­con­trar Aní­bal foi Pú­blio Cor­né­lio Ci­pião. Nu­ma ba­ta­lha no Rio Ti­ci­no, en­tre­tan­to, a bem trei­na­da ca­va­la­ria nú­mi­da de Aní­bal der­ro­tou a ro­ma­na. O côn­sul Pú­blio Cor­né­lio foi gra­ve­men­te fe­ri­do e só foi sal­vo gra­ças à co­ra­gem de seu fi­lho, o jo­vem que mais tar­de se­ria o úni­co ho­mem a der­ro­tar Aní­bal: Ci­pião, o Africano.

No mes­mo ano, Aní­bal ba­teu os ro­ma­nos no Rio Treb­bia. No ano se­guin­te, 217 a.c, mas­sa­crou ou­tras qua­tro le­giões na ba­ta­lha do La­go Tra­si­me­no. De­ses­pe­ra­dos, os ro­ma­nos reu­ni­ram tu­do o que tinham. Ar­re­gi­men­ta­ram um exér­ci­to com 80 mil sol­da­dos de in­fan­ta­ria e 6 mil de ca­va­la­ria e, no ano se­guin­te, em 216 a.c., en­con­tra­ram-se com Aní­bal em Ca­nas. Ou­tro de­sas­tre. Mais de 70 mil ro­ma­nos fo­ram mor­tos na ba­ta­lha. Em pâ­ni­co, os ha­bi­tan­tes de Ro­ma ima­gi­na­vam a qual­quer mo­men­to o exér­ci­to car­ta­gi­nês às por­tas da ci­da­de e gri­ta­vam “Ani­bal ad Por­tas!”.

Mas o car­ta­gi­nês ti­nha um pon­to fra­co. Mes­mo com as brilhantes e su­ces­si­vas vi­tó­ri­as, seu exér­ci­to não era su­fi­ci­en­te­men­te forte pa­ra ata­car a ca­pi­tal ro­ma­na. Ele pre­ci­sa­va de máquinas de guerra, que

te­ri­am de ser tra­zi­das por mar. Mas não pos­suía por­to e a es­qua­dra ro­ma­na es­ta­va vi­gi­lan­te. As­sim, Aní­bal rei­na­va no cam­po de ba­ta­lha, mas não con­se­guia li­qui­dar o ad­ver­sá­rio. Aos pou­cos, os ro­ma­nos fo­ram se dan­do con­ta des­se fa­to. Em vez de ofe­re­ce­rem uma gran­de ba­ta­lha, de­di­ca­ram-se a fus­ti­gar con­ti­nu­a­men­te o exér­ci­to car­ta­gi­nês. Acu­a­do, Aní­bal re­co­lheu-se en­tão ao sul da bo­ta ita­li­a­na, na atu­al Ca­lá­bria, on­de du­ran­te uma dé­ca­da sus­ten­tou uma guerra de pe­que­nas ações.

A ma­ré ha­via vi­ra­do pa­ra os ro­ma­nos. Em 206 a.c., as le­giões ro­ma­nas con­quis­ta­ram a Es­pa­nha. Em 202 a.c., Ci­pião, o Africano, de­sem­bar­cou nas por­tas de Car­ta­go. A guerra ha­via che­ga­do à África. Aní­bal foi cha­ma­do às pres­sas. O car­ta­gi­nês en­con­trou o exér­ci­to de Ci­pião nas pla­ní­ci­es de Za­ma. Des­ta vez, os ro­ma­nos con­ta­vam com me­lhor ca­va­la­ria, com ho­mens mais ex­pe­ri­en­tes e com um ge­ne­ral bri­lhan­te. Aní­bal, por sua vez, li­de­ra­va um exér­ci­to for­ma­do por criminosos li­ber­tos, por sol­da­dos pou­co dis­ci­pli­na­dos, ele­fan­tes e ca­va­la­ria mal trei­na­dos. Aní­bal so­freu uma derrota, e Car­ta­go assinou um tra­ta­do de paz em 201 a.c., no qual en­tre­ga­va os ter­ri­tó­ri­os na Es­pa­nha e se pro­pu­nha a pa­gar uma in­de­ni­za­ção as­tronô­mi­ca de 10 mil ta­len­tos de ou­ro. Ter­mi­na­va a Se­gun­da Guerra Pú­ni­ca.

A TER­CEI­RA GUERRA PÚ­NI­CA

Ro­ma saiu da guerra co­mo uma das gran­des po­tên­ci­as do Me­di­ter­râ­neo e, cla­ro, não que­ria dar à sua ar­quir­ri­val a chan­ce de se re­er­guer. As­sim, impôs, além des­sas cláu­su­las, uma re­gra es­pe­ci­al: Car­ta­go não po­de­ria

mais de­cla­rar guerra a nin­guém, a não ser com a apro­va­ção do Se­na­do ro­ma­no. Mais que is­so, con­fis­cou boa par­te das ter­ras dos car­ta­gi­ne­ses e as en­tre­gou ao seu pi­or vi­zi­nho, o rei Mas­sis­si­na, da Nu­mí­dia.

Du­ran­te as dé­ca­das se­guin­tes, Ro­ma es­te­ve ocu­pa­da con­so­li­dan­do sua pre­sen­ça no Me­di­ter­râ­neo. Con­quis­tou a Gré­cia e a Sí­ria, ba­teu os gau­le­ses ao nor­te e to­mou a Dal­má­cia (atu­ais Es­lo­vê­nia, Croá­cia, Bós­nia, Iu­gos­lá­via e Mon­te­ne­gro). Mas o que pa­re­cia im­pos­sí­vel aconteceu. Car­ta­go, uma vez mais, gra­ças à sua vo­ca­ção co­mer­ci­al, er­gueu-se das cin­zas e pros­pe­ra­va no­va­men­te. Os ro­ma­nos se agi­ta­ram. Ca­tão, um fa­mo­so se­na­dor, pas­sou a en­cer­rar sem­pre seus dis­cur­sos com a fra­se “Des­tru­am Car­ta­go”.

Se­cre­ta­men­te, o Se­na­do ro­ma­no deu or­dens pa­ra que Mas­sis­si­na in­va­dis­se o ter­ri­tó­rio car­ta­gi­nês. “Du­ran­te dois anos, seus ca­va­lei­ros pi­lha­ram os car­ta­gi­ne­ses, que im­plo­ra­vam pa­ra Ro­ma o di­rei­to de de­fe­sa. Qu­an­do eles fi­nal­men­te re­a­gi­ram con­tra os nú­mi­das, em 150 a.c., Ro­ma ti­nha a des­cul­pa ide­al”, re­la­ta Da­ni­el Murphy.

Sob o pre­tex­to de que Car­ta­go in­frin­gi­ra o acor­do de paz, os ro­ma­nos exi­gi­ram que os car­ta­gi­ne­ses en­tre­gas­sem to­das as su­as ar­mas. Is­so feito, o Se­na­do ro­ma­no or­de­nou a des­trui­ção da ci­da­de. Após um cer­co de mais de 70 di­as, a mais te­mí­vel ad­ver­sá­ria de Ro­ma caiu. Dos 700 mil ha­bi­tan­tes, ape­nas 50 mil es­ca­pa­ram do mas­sa­cre e fo­ram ven­di­dos co­mo escravos. Ter­mi­na­va a Ter­cei­ra Guerra Pú­ni­ca. Re­za a len­da que os sol­da­dos ro­ma­nos jo­ga­ram sal na ci­da­de ar­ra­sa­da – pa­ra que na­da mais flo­res­ces­se na­que­le lugar.

A TRA­VES­SIA DOS AL­PES

Qu­an­do de­cla­ra­ram guerra, os ro­ma­nos ima­gi­na­vam que ela se­ria tra­va­da na Es­pa­nha ou em fren­te aos mu­ros de Car­ta­go. Mas Aní­bal levou o con­fron­to di­re­ta­men­te ao co­ra­ção do ini­mi­go. Im­pos­si­bi­li­ta­do de cru­zar os ma­res de­vi­do à pre­sen­ça da fro­ta mi­li­tar ro­ma­na, Aní­bal de­ci­diu se­guir por ter­ra, nu­ma ro­ta que os ro­ma­nos nem ima­gi­na­vam co­mo pos­sí­vel. Nin­guém ima­gi­na­va. Com 9 mil ca­va­lei­ros, 50 mil sol­da­dos de in­fan­ta­ria e 38 ele­fan­tes, Aní­bal su­biu a cos­ta da Es­pa­nha, atravessou o sul da Fran­ça e, já com as neves de ou­to­no, aven­tu­rou-se por um ter­ri­tó­rio que nem mes­mo os na­ti­vos gau­le­ses ha­vi­am ou­sa­do ul­tra­pas­sar: as inex­pug­ná­veis mon­ta­nhas dos Al­pes. O exér­ci­to car­ta­gi­nês de­mo­rou 14 di­as pa­ra cru­zar as ame­dron­ta­do­ras ele­va­ções. Qu­an­do seu min­gua­do exér­ci­to fi­nal­men­te transpôs os Al­pes e al­can­çou o Va­le do Pó, no nor­te da atu­al Itá­lia, Aní­bal não con­ta­va com mais do que 6 mil ca­va­lei­ros e 20 mil sol­da­dos de in­fan­ta­ria. Quase to­dos os ele­fan­tes ha­vi­am pe­re­ci­do por do­en­ça. O úni­co que res­ta­ra era o mai­or de to­dos, um gi­gan­te asiá­ti­co cha­ma­do “Su­rus” (sí­rio), que da­li por di­an­te se­ria uti­li­za­do pe­lo pró­prio Aní­bal co­mo mon­ta­ria.

O exér­ci­to de Ci­pião Africano der­ro­tou as for­ças de Aní­bal, e o Se­na­do car­ta­gi­nês não te­ve alternativ­a: assinou um tra­ta­do de paz

Qu­an­do pa­re­cia que a paz pre­va­le­ce­ria en­tre os ri­vais his­tó­ri­cos, Ro­ma não gos­tou de ver Car­ta­go se re­er­guen­do. E mas­sa­crou a ci­da­de

Atra­ves­sar os Al­pes com quase 60 mil guer­rei­ros e 38 ele­fan­tes. Pa­ra o ge­ne­ral Aní­bal, na­da pa­re­cia im­pos­sí­vel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.