AR­QUEÓ­LO­GO POP

Aventuras na Historia - - ENTREVISTA - DR. ZAHI HAWASS

Zahi Hawass ganhou fama no Oci­den­te por sua fi­gu­ra bo­na­cho­na sob o cha­péu fe­do­ra, ao es­ti­lo In­di­a­na Jo­nes, em do­cu­men­tá­ri­os do Dis­co­very e do His­tory Chan­nel. Por es­sa épo­ca, era mi­nis­tro das Antiguidad­es do Egi­to, só que per­deu o car­go du­ran­te a Pri­ma­ve­ra Ára­be. Mas não de­sa­ni­mou. Ho­je con­ti­nua na ati­va co­mo ar­queó­lo­go, e tam­bém se tor­nou uma es­pé­cie de em­bai­xa­dor in­for­mal da egip­to­lo­gia. Em sua visita ao Brasil, em de­zem­bro pas­sa­do, a AH con­ver­sou com ele so­bre a sa­tis­fa­ção de ser ar­queó­lo­go e co­mo é a si­tu­a­ção de um na­ti­vo nu­ma pro­fis­são his­to­ri­ca­men­te do­mi­na­da por es­tran­gei­ros.

Qual foi o mo­men­to mais im­por­tan­te da sua car­rei­ra?

A descoberta das tum­bas dos cons­tru­to­res das pi­râ­mi­des, por­que achei is­so nu­ma épo­ca em que to­do mun­do es­ta­va di­zen­do que eram ali­e­ní­ge­nas ou pes­so­as de Atlân­ti­da que as cons­truí­ram. Es­sa re­ve­la­ção veio com um ti­ming per­fei­to pa­ra pro­var que fo­ram os egíp­ci­os que cons­truí­ram su­as pró­pri­as pi­râ­mi­des.

Co­mo a egip­to­lo­gia mu­dou des­de o co­me­ço do seu tra­ba­lho nes­se cam­po?

A úni­ca coi­sa que mu­dou foi o uso de tec­no­lo­gia em ar­que­o­lo­gia, co­mo to­mo­gra­fia ele­tro­mag­né­ti­ca e DNA. Eu usei is­so pa­ra re­ve­lar os se­gre­dos das mú­mi­as.

En­con­trei a de Hatshe­put e a fa­mí­lia de Tu­tan­câ­mon. Tam­bém usa­mos es­ca­ne­a­men­to a la­ser pa­ra gra­var a es­fin­ge, os tem­plos de Lu­xor e a tum­ba de Tu­tan­câ­mon. Com­pu­ta­do­res ain­da são im­por­tan­tes pa­ra gra­var ban­cos de da­dos de ar­te­fa­tos em mu­seus.

Por fim, pro­gra­mas de ma­nu­ten­ção de sí­ti­os ar­que­o­ló­gi­cos fo­ram im­ple­men­ta­dos em di­fe­ren­tes lo­cais do

Egi­to pa­ra pro­te­gê-los.

O que é um “pi­ra­mi­di­o­ta”?

Al­guém que diz coi­sas so­bre as pi­râ­mi­des e os mo­nu­men­tos egíp­ci­os sem qual­quer ti­po de evi­dên­cia. Aque­les que usam de ima­gi­na­ção pa­ra fa­lar que ali­ens cons­truí­ram as pi­râ­mi­des. O Egi­to pas­sou por pro­ble­mas políticos sé­ri­os na úl­ti­ma dé­ca­da. Co­mo es­tá a si­tu­a­ção?

Ago­ra te­mos um óti­mo sis­te­ma. O mai­or pro­ble­ma aconteceu du­ran­te a revolução em 2011. A si­tu­a­ção ho­je es­tá es­tá­vel e sob con­tro­le, com uma pro­te­ção im­por­tan­tís­si­ma pa­ra os sí­ti­os e pu­bli­ca­ções ar­que­o­ló­gi­cas.

“De­fen­do o re­tor­no

[ao Egi­to] de ar­te­fa­tos úni­cos, co­mo Ne­fer­ti­ti e a Pe­dra de Ro­set­ta”

Is­la­mis­tas sa­la­fis­tas cau­sam vandalismo em antiguidad­es co­mo Pal­mi­ra e Tim­buk­tu. Exis­te es­se ti­po de ame­a­ça no Egi­to?

Não. O que es­tá acon­te­cen­do na Sí­ria é ter­ro­ris­mo e não tem na­da a ver com a fé is­lâ­mi­ca.

Vo­cê acre­di­ta que to­das as re­lí­qui­as egíp­ci­as de­vem ser de­vol­vi­das ao Egi­to? Nem tu­do. Mas, se for rou­ba­da, de­ve ser de­vol­vi­da. E de­fen­do o re­tor­no de ar­te­fa­tos úni­cos, co­mo Ne­fer­ti­ti, a Pe­dra de Ro­set­ta e o Zo­día­co, que es­tá em Pa­ris. Es­tou sem­pre atrás dis­so: qual­quer re­lí­quia rou­ba­da ou úni­ca.

AR­QUEÓ­LO­GO E EGIPTÓLOGO, COM PHD PE­LA UNI­VER­SI­DA­DE DA PENSILVÂNI­A (EUA). EM 2011, FOI MI­NIS­TRO DAS ANTIGUIDAD­ES DO EGI­TO, NO GO­VER­NO MUBARAK,

E DI­RI­GIU DI­VER­SAS ES­CA­VA­ÇÕES NO PAÍS. É AU­TOR DE LI­VROS E AR­TI­GOS ACADÊMICOS SO­BRE O TE­MA. AOS 71 ANOS, AIN­DA ATUA CO­MO AR­QUEÓ­LO­GO E

CON­SUL­TOR.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.