GUERRA BIOLÓGICA: IN­VEN­ÇÃO BRA­SI­LEI­RA

Aventuras na Historia - - COLUNA -

Não há dú­vi­da de que a Guerra do Paraguai (1864/70) e a Guerra Ci­vil Ame­ri­ca­na (1861/65) fo­ram os mais san­gren­tos conflitos tra­va­dos no con­ti­nen­te ame­ri­ca­no. Ar­mas e es­tra­té­gi­as de com­ba­te eram as mes­mas e, em nú­me­ro ab­so­lu­to de mor­tos, fe­ri­dos e de­sa­pa­re­ci­dos, in­cluin­do ci­vis, os conflitos se equi­pa­ram.

Mas o que cau­sa im­pac­to em uma guerra não é o nú­me­ro de mor­tos. Seu hor­ror mai­or, aque­le que supera to­das as ex­pec­ta­ti­vas, re­si­de na sú­bi­ta com­pre­en­são tra­zi­da pe­lo pri­mei­ro es­tam­pi­do de fu­zil ou o pro­e­mi­al fra­gor das bo­cas de fo­go nos cam­pos de ba­ta­lha, a ter­rí­vel cer­te­za de que tan­to o ar­ma­men­to pe­sa­do qu­an­to o in­di­vi­du­al do ini­mi­go fo­ram apri­mo­ra­dos pa­ra pro­vo­car mai­or nú­me­ro de bai­xas nas li­nhas ad­ver­sá­ri­as.

Hór­ri­da epi­fa­nia do avan­ço da tec­no­lo­gia bé­li­ca. Aconteceu qu­an­do o Brasil aban­do­nou a di­plo­ma­cia e de­ci­diu a Ques­tão do Prata na ba­la. Há con­tro­vér­si­as so­bre a que ní­vel des­ceu o gê­ne­ro hu­ma­no na Guerra do Paraguai, mas sa­be­mos que, qu­an­do a en­ge­nho­si­da­de hu­ma­na ador­me­ce fa­ti­ga­da, a mons­tru­o­si­da­de des­per­ta en­rai­ve­ci­da.

Car­tas en­vi­a­das pe­los co­man­dan­tes brasileiro­s ao im­pe­ra­dor Dom Pe­dro II, ho­je na Ar­gen­ti­na, su­ge­rem que os Exér­ci­tos do Brasil e Ar­gen­ti­na ati­ra­vam ca­dá­ve­res de sol­da­dos mor­tos pe­la có­le­ra em ri­os pa­ra con­ta­mi­nar as po­pu­la­ções ri­bei­ri­nhas e em po­ços pa­ra in­fec­tar o su­pri­men­to de água do ini­mi­go, fa­to inau­gu­ral do que co­nhe­ce­mos co­mo guerra bac­te­ri­o­ló­gi­ca.

Tal hi­pó­te­se foi aven­ta­da pe­la pri­mei­ra vez em 1979, no li­vro Ge­no­cí­dio Ame­ri­ca­no – A Guerra do Paraguai, bri­lhan­te­men­te pe­ne­ja­do pe­lo jor­na­lis­ta Jú­lio Jo­sé Chi­a­ve­nat­to e que até ho­je co­le­ci­o­na opo­si­to­res en­tre his­to­ri­a­do­res, es­cri­to­res e militares brasileiro­s, que não gos­tam de as­so­ci­ar sua ima­gem a tais ex­pe­di­en­tes. Em­bo­ra não ha­ja co­mo com­pro­var a ori­gem dos do­cu­men­tos a que Chi­a­ve­nat­to se re­fe­re, não se­ria a pri­mei­ra vez que, na de­fe­sa de seus in­te­res­ses, o bra­si­lei­ro fez uso de jogo bai­xo.

Mui­to an­tes da Guerra do Paraguai, três ca­sos de­mons­tram que o con­ta­to dos ín­di­os com as do­en­ças dos bran­cos foi pro­po­si­tal, com o ob­je­ti­vo de­li­be­ra­do de di­zi­mar tri­bos hos­tis. Em 1816, em Ca­xi­as (MA), cri­a­do­res de ga­do pre­sen­te­a­ram ín­di­os com rou­pas de mo­ra­do­res que ha­vi­am con­traí­do va­río­la. A epi­de­mia mor­tal se alas­trou tão cé­le­re que atin­giu tri­bos a 1,8 mil quilô­me­tro da lo­ca­li­da­de. Au­gus­te de Saint-hi­lai­re, na­tu­ra­lis­ta fran­cês que vi­a­jou pe­lo Brasil en­tre 1816/22, de­nun­ci­ou na Eu­ro­pa as atro­ci­da­des da guerra bac­te­ri­o­ló­gi­ca con­tra os ín­di­os bo­to­cu­dos, no Va­le do Rio Do­ce. E no de­cor­rer da co­lo­ni­za­ção de SC e PR, em 1839, os imi­gran­tes ale­mães es­pa­lha­ram rou­pas con­ta­mi­na­das com va­río­la e sa­ram­po pe­las ma­tas pa­ra aca­bar com os na­ti­vos. As­sim, a guerra biológica ou bac­te­ri­o­ló­gi­ca, co­mo co­nhe­ci­da e re­pu­di­a­da, po­de ter na­ci­o­na­li­da­de ver­de e ama­re­la. As­su­mir a pa­ter­ni­da­de é que são elas. Há um pro­vér­bio por­tu­guês que diz: “Fi­lho feio não tem pai”.

Car­tas a Dom Pe­dro II su­ge­rem que Exér­ci­to ati­ra­va ca­dá­ve­res de sol­da­dos mor­tos

pe­la có­le­ra em ri­os e po­ços

M.R.TERCI É ES­CRI­TOR E ES­TE­VE NA LEGIÃO ES­TRAN­GEI­RA. CRI­OU UMA SÉ­RIE QUE MESCLA FIC­ÇÃO DE TER­ROR

E PER­SO­NA­GENS DA GUERRA DO PARAGUAI (A OBRA TEM DIREITOS ADQUIRIDOS PE­LA EDI­TO­RA PANDORGA)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.