Quilombos UR­BA­NOS

NOS AR­RE­DO­RES DAS GRAN­DES CI­DA­DES, ES­CRA­VOS FU­GI­TI­VOS PLANTARAM CO­MU­NI­DA­DES CLANDESTIN­AS QUE SOBREVIVIA­M DO IN­TER­CÂM­BIO COM OS NE­GROS LIBERTOS. OS REDUTOS SE TOR­NA­RAM FO­COS DE RE­SIS­TÊN­CIA NA LUTA ABO­LI­CI­O­NIS­TA

Aventuras na Historia - - BRASIL - POR MÁRCIO SAMPAIO DE CAS­TRO

Era o ano de 1880. Pe­las aca­nha­das ru­as da ci­da­de de São Pau­lo, um ne­gro des­cal­ço e ves­tin­do cal­ça de al­go­dão car­re­ga um pe­da­ço de pau com qua­tro ga­li­nhas amar­ra­das nas ex­tre­mi­da­des. Ao do­brar a esquina, ele se de­pa­ra com uma pa­tru­lha po­li­ci­al. Sua tra­je­tó­ria é, en­tão, brus­ca­men­te in­ter­rom­pi­da. Os ofi­ci­ais que­rem sa­ber a quem o ho­mem per­ten­ce e o que faz por ali. Com du­as ou três res­pos­tas mui­to bem de­co­ra­das, o es­cra­vo dis­far­ça­do se li­vra da pa­tru­lha e se­gue seu ca­mi­nho. Dei­xa a mer­ca­do­ria no Lar­go do Ro­sá­rio com uma qui­tu­tei­ra, tam­bém ne­gra, e ra­pi­da­men­te de­sa­pa­re­ce no meio da mul­ti­dão que tran­si­ta por ali, en­ca­mi­nhan­do-se pa­ra as ban­das do ri­a­cho Sa­ra­cu­ra.

Nas me­tró­po­les emer­gen­tes no fi­nal do sé­cu­lo 19, co­mo São Pau­lo, Rio de Ja­nei­ro e Sal­va­dor, já era qu­a­se im­pos­sí­vel di­fe­ren­ci­ar quem era es­cra­vo, ex-es­cra­vo ou fu­gi­ti­vo. A por­tuá­ria San­tos, por exem­plo, con­ta­va com cer­ca de 10 mil ne­gros fu­gi­ti­vos que con­vi­vi­am com uma po­pu­la­ção ofi­ci­al de 13 mil pes­so­as. A pre­sen­ça de tan­tos fu­jões nas ci­da­des pro­du­ziu o fenô­me­no me­nos co­nhe­ci­do da his­tó­ria da escravidão no Bra­sil: os quilombos ur­ba­nos. O Sa­ra­cu­ra, pa­ra on­de nos­so per­so­na­gem es­ca­pou no iní­cio des­ta re­por­ta­gem, ho­je o bair­ro da Be­la Vis­ta (tam­bém cha­ma­do de Be­xi­ga), era um des­ses re­can­tos em que os es­cra­vos que es­ca­pa­vam da ser­vi­dão se apro­vei­ta­vam da vas­ta ve­ge­ta­ção de Ma­ta Atlân­ti­ca pa­ra mon­tar abri­gos e es­con­de­ri­jos. Ali, es­ta­vam li­vres pa­ra cul­tu­ar seus deu­ses, fa­zer mú­si­ca, pe­que­nas ro­ças e cri­ar ani­mais, que de­pois eram ven­di­dos ou tro­ca­dos nos mer­ca­dos lo­cais. Um ato de re­be­lião que se re­no­va­va to­do san­to dia.

Ao con­trá­rio dos cha­ma­dos quilombos de rom­pi­men­to, co­mo o de Pal­ma­res, que se ca­rac­te­ri­za­vam por se as­sen­ta­rem em lo­cais dis­tan­tes, com o ob­je­ti­vo de evi­tar ca­ça­do­res de re­com­pen­sa e, ao mes­mo tem­po, rom­per com o mo­de­lo de ci­vi­li­za­ção eu­ro­peia, ten­tan­do re­cri­ar o mun­do afri­ca­no, os quilombos ur­ba­nos pa­re­ci­am pe­que­nos po­vo­a­dos. Lo­ca­li­za­dos bem pró­xi­mos das ci­da­des, ti­nham ca­sas de pau a pi­que, cons­truí­das com bar­ro e pe­que­nos

tron­cos de ár­vo­res, bam­bus e ci­pós. Os ca­se­bres, plan­ta­dos em cla­rei­ras na ma­ta, eram ro­de­a­dos pe­las cri­a­ções de ca­bras, ga­li­nhas, por­cos e ani­mais de es­ti­ma­ção. Com o tem­po, os qui­lom­bo­las fi­ze­ram pe­que­nas ro­ças de mi­lho e de man­di­o­ca, sem dú­vi­da, um tra­ço da in­fluên­cia in­dí­ge­na. “No mo­de­lo tra­di­ci­o­nal de re­sis­tên­cia à escravidão (o qui­lom­bo de rom­pi­men­to), a ten­dên­cia do­mi­nan­te era a po­lí­ti­ca do es­con­de­ri­jo e do se­gre­do de gu­er­ra. Por is­so, os qui­lom­bo­las es­for­ça­vam-se pa­ra pro­te­ger o seu dia a dia, sua or­ga­ni­za­ção in­ter­na de to­do ti­po de fo­ras­tei­ro”, des­cre­ve o pes­qui­sa­dor do se­tor de His­tó­ria da Fun­da­ção Ca­sa de Rui Bar­bo­sa do Rio de Ja­nei­ro, Edu­ar­do Sil­va. “Já os quilombos ur­ba­nos eram dor­mi­tó­ri­os dos ne­gros fu­gi­ti­vos que ten­ta­vam a so­bre­vi­vên­cia nos mer­ca­dos e nos por­tos das ci­da­des”, com­ple­ta. Os es­con­de­ri­jos ur­ba­nos pro­li­fe­ram com a vin­da da fa­mí­lia

Os quilombos ur­ba­nos eram dor­mi­tó­ri­os de ne­gros

fu­gi­ti­vos que ten­ta­vam so­bre­vi­ver no mercado lo­cal

re­al por­tu­gue­sa pa­ra o Bra­sil, em 1808. O bo­om acon­te­ceu prin­ci­pal­men­te nas ci­da­des por­tuá­ri­as co­mo Rio de Ja­nei­ro, Re­ci­fe, Sal­va­dor e Pe­lo­tas. Por quê? Ora, por­que ago­ra era pre­ci­so mais mão de obra. A eco­no­mia lo­cal ha­via ga­nha­do im­pul­so com a che­ga­da da cor­te, e, com o em­pur­rão fi­nan­cei­ro, cres­cia tam­bém o nú­me­ro de ne­gros “im­por­ta­dos” da Áfri­ca. Bas­ta­va um pas­seio pe­las ru­as do Rio de Ja­nei­ro, por exem­plo, pa­ra per­ce­ber o fre­ne­si. No por­to, os es­cra­vos pe­ram­bu­la­vam de um la­do pa­ra o ou­tro car­re­gan­do sa­cas dos na­vi­os pa­ra o cais. Já no cen­tro da ci­da­de en­con­tra­vam-se os cha­ma­dos es­cra­vos de ga­nho, que tra­ba­lha­vam co­mo mar­ce­nei­ros, sa­pa­tei­ros, pros­ti­tu­tas, qui­tan­dei­ras ou car­re­ga­do­res. No fi­nal do dia, eles le­va­vam o di­nhei­ro ar­re­ca­da­do pa­ra os seus se­nho­res. No meio des­sa mas­sa mis­tu­ra­vam-se os ne­gros libertos e fu­gi­ti­vos das fa­zen­das – ou se­ja, os ha­bi­tan­tes dos quilombos ur­ba­nos. Es­ses agru­pa­men­tos de ne­gros fu­jões ti­ra­ram o so­no dos po­de­ro­sos. Preocupado­s com as con­cen­tra­ções clandestin­as de ne­gros, as au­to­ri­da­des es­pa­lha­vam ca­pi­tães do ma­to (os ca­ça­do­res de es­cra­vos fu­gi­dos), pa­tru­lhas po­li­ci­ais e até o Exér­ci­to pe­los su­búr­bi­os com a mis­são de des­co­brir e des­truir os es­con­de­ri­jos. “As aglo­me­ra­ções fi­ca­vam a qua­tro ou cin­co quilô­me­tros da ci­da­de, en­cra­va­das no al­to dos mor­ros ou nos va­les”, ex­pli­ca o pro­fes­sor Wil­son do Nas­ci­men­to Bar­bo­sa, do De­par­ta­men­to de His­tó­ria da Fa­cul­da­de de Fi­lo­so­fia, Le­tras e Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo – FFLCH/USP.

Dois bons exem­plos que de­mons­tram o pâ­ni­co cau­sa­do pe­los quilombos ur­ba­nos es­tão em cor­res­pon­dên­ci­as ex­pe­di­das por au­to­ri­da­des co­lo­ni­ais. Em 1791, o go­ver­na­dor de São Pau­lo, Ber­nar­do Jo­sé Ma­ria Lo­re­na, or­de­nou ao seu ca­pi­tão-mor que trans­mi­tis­se ins­tru­ções aos “ca­pi­tães de su­as or­de­nan­ças”. Sua exi­gên­cia: es­pa­lhar sol­da­dos com ar­mas de fo­go pa­ra “pren­der ou ma­tar os ne­gros dos quilombos que tan­ta de­sor­dem an­da­vam fa­zen­do na ci­da­de”. Em 1807, o go­ver­na­dor da Bahia, João de Sal­da­nha da Ga­ma Mel­lo e Tor­res Gu­e­des de Bri­to es­cre­veu de Sal­va­dor pa­ra o Con­se­lho Ul­tra­ma­ri­no em Por­tu­gal: “Sen­do mui­to fre­quen­tes as de­ser­ções de es­cra­vos do po­der de seus se­nho­res, en­trei na cu­ri­o­si­da­de de sa­ber que des­ti­no se­gui­am, e sem di­fi­cul­da­de, co­nhe­ci os su­búr­bi­os des­ta ca­pi­tal, on­de são inu­me­rá­veis os ajun­ta­men­tos des­ta qua­li­da­de de gen­te”.

Com tan­to bur­bu­ri­nho, os quilombos ur­ba­nos tor­na­ram-se, ao mes­mo tem­po, mais atra­en­tes e mais pe­ri­go­sos pa­ra os ne­gros que ali se re­fu­gi­a­vam, já que ca­çar ne­gros vi­rou um ne­gó­cio lu­cra­ti­vo pa­ra os ci­da­dãos li­vres. Tan­to que o que mais ren­dia anún­ci­os pa­ra as se­ções de clas­si­fi­ca­dos dos jor­nais eram exa­ta­men­te os valores ofe­re­ci­dos pe­la cap­tu­ra de um fu­gi­ti­vo. “Pa­ra uma pes­soa po­bre, fos­se bran­ca ou mu­la­ta, pren­der um ca­ti­vo fu­jão era uma óti­ma for­ma de ga­nhar uns tro­ca­dos, o que unia a po­pu­la­ção li­vre con­tra o es­cra­vo fu­gi­ti­vo”, con­ta o pes­qui­sa­dor Má­rio Jo­sé Ma­es­tri Fi­lho, da Uni­ver­si­da­de de Pas­so Fun­do, no Rio Gran­de do Sul.

MUN­DO MAR­GI­NAL

Com o fim da escravidão, os quilombos ur­ba­nos não de­sa­pa­re­ce­ram da pai­sa­gem das ci­da­des. Só se trans­for­ma­ram. Se­gun­do a ar­qui­te­ta e ur­ba­nis­ta Ra­quel Rol­nik, os an­ti­gos redutos de re­sis­tên­cia à escravidão vi­ra­ram “ter­ri­tó­ri­os ne­gros”, on­de as tra­di­ções her­da­das dos afri­ca­nos flo­res­ce­ram. Ma­ni­fes­ta­ções co­mo a ca­po­ei­ra, o ba­tu­que, as dan­ças de ro­da e o cul­to aos ori­xás, prá­ti­cas mal­vis­tas pe­la so­ci­e­da­de, en­con­tra­ram nes­ses lo­cais um por­to se­gu­ro. “A or­ga­ni­za­ção es­pa­ci­al do ter­rei­ro, da fa­mí­lia ma­tri­ar­cal, uni­ce­lu­lar, era vis­ta pe­las au­to­ri­da­des co­mo cor­ti­ços que pre­ci­sa­vam ser eli­mi­na­dos. Os es­pa­ços dos quilombos con­ti­nu­a­ram sen­do es­tig­ma­ti­za­dos”, diz.

Mes­mo com a per­se­gui­ção, os bair­ros que nas­ce­ram so­bre as ruí­nas dos ve­lhos quilombos – Li­ber­da­de, em Sal­va­dor; Gam­boa e Ser­ri­nha, no Rio de Ja­nei­ro, e Be­xi­ga e Bar­ra Fun­da, em São Pau­lo – tor­na­ram-se ber­ços das es­co­las de sam­ba, dos gru­pos de jon­go, dos tem­plos de cul­tos afri­ca­nos e das rodas de ti­ri­ri­ca, no­me an­ti­go da ca­po­ei­ra. Se não che­ga­vam a ser gue­tos ex­clu­si­va­men­te ocu­pa­dos por des­cen­den­tes de es­cra­vos eram pon­tos de en­con­tro pa­ra a ce­le­bra­ção de sua cul­tu­ra. Ao mes­mo tem­po que ser­vi­am de quar­tel-ge­ne­ral da cul­tu­ra afro, as vi­zi­nhan­ças ne­gras ga­nha­vam a ima­gem de redutos mar­gi­nais. Co­mo os des­cen­den­tes dos es­cra­vos ti­nham di­fi­cul­da­de pa­ra con­se­guir em­pre­gos no co­mér­cio e nas in­dús­tri­as, aca­ba­vam en­vol­vi­dos em ati­vi­da­des ilí­ci­tas.

A si­tu­a­ção atin­giu ta­ma­nha pro­por­ção, que, em 1937, o en­tão pre­si­den­te Ge­tú­lio Var­gas bai­xou um de­cre­to que obri­ga­va as in­dús­tri­as a con­tra­tar “bra­si­lei­ros”. “E a ideia de ma­lan­dro, va­ga­bun­do e pros­ti­tu­ta aca­bou se as­so­ci­an­do aos ne­gros e ao sub­mun­do da po­bre­za pa­ra o qual eles fo­ram em­pur­ra­dos”, diz o pro­fes­sor da USP Wil­son Bar­bo­sa.

FLO­RES E HERÓIS

Nos úl­ti­mos anos do re­gi­me de escravidão no Bra­sil, a ca­mé­lia vi­rou o sím­bo­lo que iden­ti­fi­ca­va os sim­pa­ti­zan­tes da cau­sa abo­li­ci­o­nis­ta. Usar a flor na la­pe­la, plan­tá-la no jar­dim ou dá-la de pre­sen­te pa­ra al­guém era con­si­de­ra­do um ato de ati­vis­mo po­lí­ti­co.

A ideia nas­ceu na Con­fe­de­ra­ção Abo­li­ci­o­nis­ta. For­ma­da por políticos, por ho­mens ri­cos (co­mo Jo­a­quim Na­bu­co e João Clapp) e por ne­gros li­vres e in­te­lec­tu­ais (co­mo Jo­sé do Pa­tro­cí­nio e An­dré Re­bou­ças), a en­ti­da­de ti­nha ra­mi­fi­ca­ções país afo­ra. Seu prin­ci­pal fo­co de ação era o Rio de Ja­nei­ro. Pa­ra lu­tar pe­la li­ber­da­de, va­lia tu­do, des­de as tri­bu­nas do par­la­men­to, pas­san­do pe­los jor­nais, com­pra de al­for­ri­as e até o in­cen­ti­vo às fu­gas.

Uma das pá­gi­nas mais in­te­res­san­tes do abo­li­ci­o­nis­mo foi es­cri­ta em São Pau­lo por Luis Ga­ma, tam­bém um sím­bo­lo da abo­li­ção. Fi­lho de uma afri­ca­na com um fi­dal­go por­tu­guês, Ga­ma vi­veu co­mo es­cra­vo até a ado­les­cên­cia, ape­sar de sua mãe ter con­quis­ta­do a li­ber­da­de quan­do ele nas­ceu. Após con­se­guir fu­gir das gar­ras da ser­vi­dão, for­mou-se em di­rei­to. Ba­se­a­do em uma lei de 1831, que proi­bia o con­tra­ban­do de es­cra­vos pa­ra o Bra­sil, Ga­ma per­cor­reu a pro­vín­cia de­fen­den­do ca­ti­vos nos tri­bu­nais. Com eloquên­cia, con­se­guiu li­ber­tar mais de 500 pes­so­as. Fa­le­ceu em 1882, aos 52 anos de ida­de.

As ações ju­rí­di­cas de Ga­ma abri­ram es­pa­ço pa­ra ati­tu­des mui­to mais ra­di­cais. O tam­bém ad­vo­ga­do An­to­nio Ben­to e seu gru­po, o “Cai­fa­zes”, por exem­plo, per­cor­ri­am as fa­zen­das pau­lis­tas li­ber­tan­do e le­van­do ne­gros pa­ra os quilombos ur­ba­nos.

Em 1886, os mo­vi­men­tos abo­li­ci­o­nis­tas pro­mo­ve­ram e apoi­a­ram fu­gas em mas­sa de vá­ri­as fa­zen­das na re­gião.

Era o iní­cio do fim da escravidão.

No meio de tan­tos de­la­to­res, os ne­gros fu­gi­ti­vos po­di­am con­tar es­pe­ci­al­men­te com a aju­da dos es­cra­vos de ga­nho e dos afri­ca­nos que já ti­nham con­quis­ta­do a li­ber­da­de. Eles da­vam um jei­ti­nho de ca­mu­flar os com­pa­nhei­ros. A es­tra­té­gia era bas­tan­te sim­ples: mis­tu­ra­vam-se uns aos ou­tros nos mer­ca­dos pa­ra que o tra­ba­lho de re­pres­são fi­cas­se di­fí­cil. Na ba­gun­ça, tor­na­va-se qu­a­se im­pos­sí­vel sa­ber quem era quem. Al­guns co­mer­ci­an­tes tam­bém co­la­bo­ra­vam com os fu­jões. Pa­ra eles, era van­ta­jo­so man­ter os fu­gi­ti­vos por per­to. Em tro­ca do si­lên­cio, ex­plo­ra­vam a mão de obra, além de com­prar pro­du­tos ba­ra­tos e de boa qua­li­da­de pro­du­zi­dos nos quilombos.

A LUTA PE­LA LI­BER­DA­DE

En­quan­to as aglo­me­ra­ções de ne­gros to­ma­vam con­ta dos su­búr­bi­os das ci­da­des, a abo­li­ção da es­cra­va­tu­ra pas­sa­va a fa­zer par­te das rodas de con­ver­sas dos in­te­lec­tu­ais, dos políticos, de in­te­gran­tes da clas­se mé­dia ur­ba­na e até da eli­te econô­mi­ca, que, ti­mi­da­men­te, co­me­ça­va a cri­ar es­tra­té­gi­as pa­ra pres­si­o­nar pe­lo fim do re­gi­me ser­vil. A pri­mei­ra vi­tó­ria dos de­fen­so­res da li­ber­da­de dos ne­gros foi uma no­va le­gis­la­ção que en­trou em vi­gor em se­tem­bro de 1850, gra­ças à pres­são da co­roa bri­tâ­ni­ca. Por mo­ti­vos econô­mi­cos, os in­gle­ses vi­nham per­se­guin­do e di­fi­cul­tan­do a vi­da dos tra­fi­can­tes de es­cra­vos des­de o iní­cio do sé­cu­lo.

A no­va lei, de­no­mi­na­da “Eu­sé­bio de Qu­ei­roz”, pre­via pe­nas pa­ra o trá­fi­co ne­grei­ro que iam da apre­en­são dos na­vi­os e su­as “car­gas” até a pri­são de to­das as pes­so­as que fos­sem fla­gra­das par­ti­ci­pan­do des­se ti­po de ne­gó­cio. Um gol­pe dra­má­ti­co pa­ra os fa­zen­dei­ros e de­mais es­cra­vo­cra­tas. Por ou­tro la­do, a Gu­er­ra do Pa­ra­guai (1865-1870), on­de mi­lha­res de com­ba­ten­tes ne­gros lu­ta­ram pe­lo Bra­sil, fez com que mui­tos mi­li­ta­res se tor­nas­sem tam­bém sim­pá­ti­cos à cau­sa. O re­sul­ta­do dis­so tu­do é que as ações abo­li­ci­o­nis­tas en­con­tra­vam ca­da vez me­nos re­sis­tên­cia e re­pres­são. Es­ta­vam cri­a­das as con­di­ções pa­ra que sur­gis­se um no­vo ti­po de qui­lom­bo ur­ba­no, o qui­lom­bo abo­li­ci­o­nis­ta.

Es­sa for­ma de or­ga­ni­za­ção dos es­cra­vos apre­sen­ta­va di­fe­ren­ças mar­can­tes dos quilombos de rom­pi­men­to, lo­ca­li­za­dos no in­te­ri­or do país. Eram co­man­da­dos por líderes que mos­tra­vam a ca­ra e bran­di­am a ban­dei­ra da abo­li­ção sem me­do. “Os líderes eram ci­da­dãos li­vres, com do­cu­men­ta­ção ci­vil em dia e mui­to bem ar­ti­cu­la­dos po­li­ti­ca­men­te. Não se tra­ta­va mais dos gu­er­rei­ros do mo­de­lo an­te­ri­or. Ago­ra a li­de­ran­ça re­pre­sen­ta­va uma es­pé­cie de pon­te en­tre a co­mu­ni­da­de de fu­gi­ti­vos e a so­ci­e­da­de”, diz o his­to­ri­a­dor Edu­ar­do Sil­va. In­te­gran­tes do mo­vi­men­to pe­la li­ber­da­de dos ne­gros, co­mo An­dré Re­bou­ças e An­to­nio Ben­to, por exem­plo, in­cen­ti­va­vam a for­ma­ção dos quilombos abo­li­ci­o­nis­tas. E en­ti­da­des co­mo a Con­fe­de­ra­ção Abo­li­ci­o­nis­ta, lo­ca­li­za­da no Rio de Ja­nei­ro, e os Cai­fa­zes, da ci­da­de de São Pau­lo, pro­mo­vi­am e apoi­a­vam as fu­gas em mas­sa das fa­zen­das. De­pois de vi­a­jar de trem, amon­to­a­dos em char­re­tes ou mes­mo

A Lei Áu­rea ofi­ci­a­li­zou a li­ber­da­de que já es­ta­va con­quis­ta­da, a du­ras pe­nas, pe­lo mo­vi­men­to abo­li­ci­o­nis­ta

a pé, os ne­gros de­sem­bar­ca­vam nos prin­ci­pais quilombos abo­li­ci­o­nis­tas: Pe­tró­po­lis, na Ser­ra Flu­mi­nen­se; Le­blon, no Rio de Ja­nei­ro; Cu­pim, em Re­ci­fe, e Ja­ba­qua­ra, em San­tos. Es­te úl­ti­mo che­gou a ter cer­ca de 10 mil es­cra­vos.

Nos anos que se se­gui­ram, mui­tos quilombos abo­li­ci­o­nis­tas pi­po­ca­ram país afo­ra. E a pre­sen­ça cres­cen­te des­ses qui­lom­bo­las nas pai­sa­gens ur­ba­nas so­ma­da à in­ten­si­fi­ca­ção dos mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção, à fa­ci­li­da­de ca­da vez mai­or pa­ra os des­lo­ca­men­tos dos ne­gros e à di­mi­nui­ção das per­se­gui­ções re­sul­ta­ram no fim, de fa­to, da escravidão no Bra­sil. Quan­do, em 13 de maio de 1888, a prin­ce­sa Isa­bel as­si­nou a fa­mo­sa Lei Áu­rea, a li­ber­da­de já fa­zia par­te da vi­da da po­pu­la­ção ne­gra. A lei ape­nas ofi­ci­a­li­zou uma re­a­li­da­de con­quis­ta­da a du­ras pe­nas. O Bra­sil foi o úl­ti­mo país do Oci­den­te a aca­bar com o re­gi­me de tra­ba­lho ser­vil.

Qui­tan­dei­ras em rua do Rio de Ja­nei­ro, 1875

Lar­go São Ben­to e Es­ta­ção da Luz, em São Pau­lo, nos me­a­dos do séc. 19 Rio de Ja­nei­ro, 1880

Ho­mens con­ver­san­do em ban­co de pra­ça de São Pau­lo

Ven­de­do­ra de fru­tas no Rio de Ja­nei­ro Es­cra­vo de ga­nho tra­ba­lhan­do co­mo bar­bei­ro em 1865 Ca­sal de ex-es­cra­vos de mãos da­das em fren­te ao seu bar­ra­co, em Por­to Ale­gre, 1900

An­dré Re­bou­ças

Luis Ga­ma

Jo­sé do Pa­tro­cí­nio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.