O DE­SE­JO E O RE­AL

Aventuras na Historia - - COLUNA -

Em ou­tu­bro de 1966, Eli­sa Mo­rei­ra Sal­les, en­tão com 37 anos, vi­si­ta­va a China com um gru­po de ri­ca­ços, in­dus­tri­ais e ban­quei­ros. A es­po­sa do do­no do Uni­ban­co fez fil­mes ama­do­res da vi­a­gem, re­gis­tran­do os sor­ri­sos dos ami­gos na Gran­de Mu­ra­lha, mas tam­bém um li­ris­mo que não ima­gi­na­va en­con­trar. Em ple­no al­vo­re­cer da Re­vo­lu­ção Cul­tu­ral Chi­ne­sa, quan­do a Gu­ar­da Ver­me­lha per­pe­tra­va as mai­o­res vi­o­lên­ci­as con­tra in­te­lec­tu­ais e su­pos­tos opo­si­to­res de Mao Tsé-tung, Eli­sa pres­tou aten­ção ao que ha­via de be­le­za na­que­le país e na­que­le mo­men­to. Viu po­e­sia nas mãos de cri­an­ças dan­çan­do o ba­lé re­vo­lu­ci­o­ná­rio. E se im­pres­si­o­nou com a de­vo­ção do po­vo ao lí­der chi­nês – um mis­ti­cis­mo que ela as­so­ci­ou à se­ma­na da Paixão de Cris­to. Se­gun­do João Mo­rei­ra Sal­les, seu fi­lho, que des­co­briu es­ses re­gis­tros 40 anos de­pois, a vi­a­gem foi um pe­río­do em que sua mãe lhe pa­re­ceu ple­na­men­te fe­liz. Um co­men­tá­rio que ga­nha ou­tra di­men­são por uma tra­gé­dia que ele não ex­põe em No In­ten­so Ago­ra: Eli­sa co­me­te­ria sui­cí­dio aos 59 anos.

Es­sas ce­nas na China, de um co­lo­ri­do vi­vo, são o pon­to de par­ti­da pa­ra ou­tras fil­ma­gens ca­sei­ras e ou­tras reflexões, tam­bém as­so­ci­a­das à segunda me­ta­de dos anos 1960. Boa par­te do documentár­io tra­ta

de maio de 1968, quan­do es­tu­dan­tes fran­ce­ses qui­se­ram mu­dar o mun­do, lu­tan­do con­tra a au­to­ri­da­de nas fá­bri­cas e uni­ver­si­da­des. A eu­fo­ria da­que­les jo­vens, que acha­vam que ser re­a­lis­ta era pe­dir o im­pos­sí­vel, é as­so­ci­a­da à da mãe do re­a­li­za­dor. Am­bos vi­am a his­tó­ria acon­te­cer di­an­te dos olhos – co­mo es­pec­ta­do­res sim­pá­ti­cos ou agen­tes da re­vo­lu­ção. “Era tão bom es­tar vi­vo e alerta na­que­le pe­río­do que nin­guém que­ria dor­mir”, co­men­ta João Mo­rei­ra Sal­les, cu­ja voz em off é um guia sen­ti­men­tal das tran­si­ções do fil­me.

No tre­cho fi­nal do documentár­io, en­tre­tan­to, res­ta a de­si­lu­são. Uma mar­cha de fran­ce­ses con­ser­va­do­res, es­ti­mu­la­da por um dis­cur­so do pre­si­den­te, re­a­fir­ma a tra­di­ção que a ju­ven­tu­de de­sa­fi­a­va. No mes­mo ano, em Pra­ga, tan­ques so­vié­ti­cos es­ma­gam qual­quer am­bi­ção de­mo­crá­ti­ca na Tche­cos­lo­vá­quia. Uma op­ção de mon­ta­gem que se abre a uma lei­tu­ra freu­di­a­na: a mãe e os jo­vens em ple­no go­zo de uma fe­li­ci­da­de ir­ra­ci­o­nal, de de­sor­dem, se­gui­da pe­la re­pres­são do pai (Char­les de Gaul­le, res­tau­ran­do a dis­ci­pli­na na Fran­ça). Um aco­mo­da­men­to ao sta­tus quo que trans­for­ma a ex­ci­ta­ção no de­sa­len­to de uma so­ci­e­da­de que é flor car­ní­vo­ra – co­mo anun­ci­a­va o slo­gan de uma Paris que nun­ca foi tão jo­vem.

ALE­XAN­DRE CAR­VA­LHO É JOR­NA­LIS­TA E CRI­OU, EM 2005, A RE­VIS­TA DE CI­NE­MA PAISÀ. É AU­TOR DOS LI­VROS

IN­VE­JA – CO­MO ELA MU­DOU A HIS­TÓ­RIA DO MUN­DO (2015) E FREUD – PA­RA EN­TEN­DER DE UMA VEZ (2017)

No In­ten­so Ago­ra Bra­sil, 2017 Di­re­ção: João Mo­rei­ra Sal­les

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.