VI­DA JUDAICA

RABINO RESGATA A CUL­TU­RA EN­TRE OS DES­CEN­DEN­TES DOS JU­DEUS QUE FO­RAM CONVERTIDO­S À FOR­ÇA

Aventuras na Historia - - ENTREVISTA - POR TAINÁ GOULART

Oca­ris­ma é o car­tão de vi­si­tas do rabino Gil­ber­to Ventura. E sua fa­la, cheia de eu­fo­ria, se en­tu­si­as­ma ain­da mais quan­do re­sol­ve ex­pli­car seu pro­je­to Sinagoga sem Fron­tei­ras. Tra­ta-se de um mo­vi­men­to que resgata as co­mu­ni­da­des bra­si­lei­ras dos Bnei Anus­sim: os des­cen­den­tes dos ju­deus que fo­ram convertido­s à for­ça pe­la In­qui­si­ção – “a mãe do na­zis­mo”, se­gun­do ele. Após 80 anos do iní­cio da Segunda Gu­er­ra Mun­di­al, e di­an­te de an­tis­se­mi­tis­mos que per­du­ram en­tre nós, o rabino Ventura ro­da o Bra­sil com sua mis­são: a de res­ga­tar, mas tam­bém a de pro­mo­ver a cul­tu­ra judaica no mun­do atu­al. “E por que não aco­lher e en­si­nar ou­tras pes­so­as?”, diz.

Vo­cê te­ve al­gum pa­ren­te que pas­sou pe­lo Ho­lo­caus­to?

Sim. Uma tri­sa­vó mi­nha, Hu­dla Pint­chowsky, que foi as­sas­si­na­da em Tre­blin­ka. E uma de su­as so­bri­nhas foi dei­xa­da num con­ven­to pe­los pais, pa­ra ser pro­te­gi­da, e con­se­guiu so­bre­vi­ver. Mi­nha fa­mí­lia ma­ter­na é da Polô­nia e eu cres­ci ou­vin­do es­sas his­tó­ri­as.

Co­mo vo­cê en­xer­ga o an­tis­se­mi­tis­mo e as ide­o­lo­gi­as ex­tre­mis­tas de ho­je? Tra­ba­lho na pers­pec­ti­va de pro­mo­ver o ju­daís­mo e não com­ba­ter o an­tis­se­mi­tis­mo. Cri­ei meu pro­je­to jus­ta­men­te pa­ra mos­trar co­mo o ju­daís­mo

po­de ser uma cul­tu­ra in­clu­si­va e res­pei­to­sa. E co­mo é pos­sí­vel cons­truir um fu­tu­ro me­lhor com a mu­dan­ça das re­la­ções de ago­ra, sem ne­nhum es­te­reó­ti­po.

De que for­ma seu pro­je­to fun­ci­o­na?

Uso as mí­di­as so­ci­ais pa­ra di­vul­gar o ju­daís­mo or­to­do­xo, nos­sas tra­di­ções, fa­zer re­zas, en­si­nar he­brai­co...

Tu­do es­tá lá pa­ra quem qui­ser ver. Além dis­so, eu e mi­nha mu­lher, Jac­que­li­ne, vi­a­ja­mos Bra­sil afo­ra em bus­ca dos Bnei Anus­sim. E já en­con­tra­mos co­mu­ni­da­des do ser­tão nor­des­ti­no que man­ti­nham cos­tu­mes ju­deus e não sa­bi­am. Nos­so pa­pel é ori­en­tar ju­deus e não ju­deus que que­rem co­nhe­cer a cul­tu­ra, po­rém, de um mo­do mais aces­sí­vel e con­tem­po­râ­neo.

“Já en­con­trei co­mu­ni­da­des no ser­tão bra­si­lei­ro que man­ti­nham cos­tu­mes ju­deus e não sa­bi­am”

E es­te no­vo olhar já so­freu (ou so­fre) al­gu­ma re­sis­tên­cia na co­mu­ni­da­de em que vi­ve?

Sim, in­fe­liz­men­te. Mas tam­bém te­nho apoio de mui­tas au­to­ri­da­des do nos­so meio e fo­ra de­le. Cer­ta vez, me de­pa­rei com car­ta­zes de ne­o­na­zis­tas no cen­tro de São Pau­lo e re­sol­vi ti­rar sa­tis­fa­ções dos au­to­res. Um de­les des­co­briu meu telefone e co­me­çou a fa­zer ame­a­ças. Eis que re­ce­bi mui­to apoio e men­sa­gens de paz das co­mu­ni­da­des que fre­quen­to na re­gião, co­mo o Ca­pão Re­don­do. Per­ce­bi tam­bém que meu tra­ba­lho é res­pei­ta­do em di­fe­ren­tes es­fe­ras da so­ci­e­da­de – es­pe­ci­al­men­te por es­tar pre­sen­te nelas, re­a­li­zan­do ações so­ci­ais. Es­se é o ca­mi­nho, pois só se com­ba­tem as tre­vas com a luz.

GIL­BER­TO VENTURA

É RABINO FUN­DA­DOR DO PRO­JE­TO NA­CI­O­NAL “SINAGOGA SEM FRON­TEI­RAS” E PRE­SI­DEN­TE DO MO­VI­MEN­TO “REUNINDO

OS DIS­PER­SOS DE IS­RA­EL” NO BRA­SIL, UMA INI­CI­A­TI­VA COM SE­DE EM IS­RA­EL E NOS ES­TA­DOS UNI­DOS QUE DÁ APOIO ÀS PES­SO­AS QUE BUS­CAM A CUL­TU­RA JUDAICA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.