CA­PA: DE UM LA­DO, FREUD SE RE­VE­LOU UM ARQUÉTIPO MA­CHIS­TA. DO OU­TRO, FOI UM LIBERTADOR DA AL­MA FEMININA...

EM SUA TE­O­RIA SO­BRE A SEXUALIDAD­E FEMININA, O AUSTRÍACO RE­VE­LOU-SE UM ARQUÉTIPO DE MA­CHIS­TA. MAS IN­VEN­TOU A PSICANÁLIS­E PA­RA DAR VOZ ÀS MU­LHE­RES

Aventuras na Historia - - SUMÁRIO - POR ALE­XAN­DRE CARVALHO

“Uma mu­lher in­qui­e­ta vai ao mé­di­co ou às com­pras.” A fra­se ma­chis­ta po­de­ria ser di­ta num gru­po de ami­gos bê­ba­dos, fa­zen­do pi­a­da so­bre as es­po­sas. Mas saiu da bo­ca do pen­sa­dor que mais se de­di­cou a in­ves­ti­gar a men­te hu­ma­na, par­tin­do jus­ta­men­te dos dis­túr­bi­os emo­ci­o­nais das mu­lhe­res. Sig­mund Freud, aliás, te­ria co­mo pre­en­cher um pe­que­no li­vro só com seus di­tos mi­só­gi­nos – co­mo es­te, que sol­tou du­ran­te os de­ba­tes da So­ci­e­da­de Psi­ca­na­lí­ti­ca de Vi­e­na so­bre a “po­si­ção na­tu­ral das mu­lhe­res na so­ci­e­da­de”, em 1906: “Uma mu­lher não po­de ga­nhar o sus­ten­to e cri­ar os fi­lhos ao mes­mo tem­po”. Um ano an­tes, cha­ma­do a atu­ar co­mo pe­ri­to pa­ra uma re­for­ma na lei do di­vór­cio, o austríaco ain­da di­ria: “A igual­da­de en­tre os se­xos é im­pos­sí­vel de­vi­do aos seus di­fe­ren­tes pa­péis no pro­ces­so de reprodução”.

Fos­se ape­nas por es­sas fa­las de­sas­tro­sas, o pai da psicanális­e po­de­ria ter pas­sa­do abai­xo do ra­dar de fe­mi­nis­tas de di­ver­sas épo­cas. Mas o que ge­rou mais re­vol­ta, in­clu­si­ve en­tre psi­ca­na­lis­tas mu­lhe­res que se­guem em gran­de par­te o seu le­ga­do, foi que Freud não era um me­ro tio do pa­vê na vi­ra­da do sé­cu­lo 19 pa­ra o 20. O pen­sa­dor cons­truiu a mais po­de­ro­sa e in­flu­en­te te­o­ria so­bre o fun­ci­o­na­men­to da men­te, des­ta­can­do o pa­pel do in­cons­ci­en­te co­mo fa­tor de­ter­mi­nan­te das nos­sas es­co­lhas, nos­sos com­por­ta­men­tos... da nos­sa per­so­na­li­da­de. E, en­tre as mui­tas te­o­ri­as que ali­men­tam o uni­ver­so da psicanális­e, Freud lan­çou, em 1905, sua obra mais po­lê­mi­ca – que lhe ren­deu fa­ma de pan­se­xu­al, além do ódio de mu­lhe­res ati­vis­tas: Três En­sai­os so­bre a Te­o­ria da Sexualidad­e.

Nes­se es­tu­do, ba­se­a­do prin­ci­pal­men­te no que ou­via das pa­ci­en­tes que fre­quen­ta­vam seu di­vã em Vi­e­na, Freud apre­sen­tou em de­ta­lhes sua fa­mo­sa te­o­ria do com­ple­xo de Édi­po (se­gun­do a qual me­ni­nos te­ri­am fi­xa­ção se­xu­al pe­la mãe, o que re­fle­ti­ria em seu ama­du­re­ci­men­to). Tam­bém cho­cou pa­pais, ma­mães e avós na mes­ma obra ao su­ge­rir que cri­an­ças têm de­se­jos e brin­ca­dei­ras se­xu­ais. E ain­da apro­vei­tou pa­ra trans­for­mar seus pen­sa­men­tos con­ser­va­do­res a res­pei­to da mu­lher em su­pos­to acha­do

ci­en­tí­fi­co: a fa­mi­ge­ra­da in­ve­ja do pê­nis. Uma te­o­ria que afir­ma, ba­si­ca­men­te, que me­ni­nas são me­ni­nos com “de­fei­to de fá­bri­ca”. E que a au­sên­cia des­se ór­gão de­ter­mi­na­ria pa­ra sem­pre a in­fe­ri­o­ri­da­de feminina em re­la­ção aos ho­mens. Foi aí que es­se vi­ci­a­do em cha­ru­tos – cu­ri­o­sa­men­te um sím­bo­lo fá­li­co – com­prou bri­ga com mu­lhe­res do mun­do to­do. E foi con­tes­ta­do até pe­los pró­pri­os se­gui­do­res.

“Freud acha­va a psi­co­lo­gia das mu­lhe­res mais enig­má­ti­ca que a dos ho­mens”, con­tem­po­ri­zou seu ami­go e bió­gra­fo Er­nest Jo­nes (1879-1958). Mais con­tun­den­te foi o co­men­tá­rio da psi­ca­na­lis­ta ale­mã Ka­ren Hor­ney (1885-1952), fun­da­do­ra da es­co­la ne­o­freu­di­a­na – que al­ter­na con­sen­sos e con­fli­tos com o pai da psicanális­e –, uma das pi­o­nei­ras a com­ba­ter a ideia de que o fe­mi­ni­no nas­ce da cons­ta­ta­ção da fal­ta do ór­gão mas­cu­li­no. “Co­mo em to­das as ci­ên­ci­as, a psi­co­lo­gia das mu­lhe­res tem si­do con­si­de­ra­da até ago­ra ape­nas do pon­to de vis­ta dos ho­mens.” Hor­ney con­tra-ata­cou, su­ge­rin­do em seus es­cri­tos que o ma­cho é que te­ria uma in­ve­ja do úte­ro. “Quan­do al­guém co­me­ça a ana­li­sar os ho­mens, co­mo eu fiz, após uma vas­ta ex­pe­ri­ên­cia de aná­li­se de mu­lhe­res, tem a im­pres­são sur­pre­en­den­te da in­ten­si­da­de des­sa in­ve­ja da gra­vi­dez, do par­to e da ma­ter­ni­da­de.” Até a fi­ló­so­fa Si­mo­ne de Be­au­voir (1908-1986), em seu li­vro O Se­gun­do Se­xo, de­di­cou um ca­pí­tu­lo in­tei­ro da obra pa­ra apon­tar os equí­vo­cos do pon­to de vis­ta psi­ca­na­lí­ti­co a res­pei­to das mu­lhe­res.

Tan­ta re­vol­ta tem por quê. Sig­mund Freud fez ar­ti­cu­la­ções ge­ni­ais pa­ra dar ver­niz ci­en­tí­fi­co a con­cep­ções que, na sua es­sên­cia, re­pre­sen­tam – ain­da que por meio de uma ela­bo­ra­ção ul­tras­so­fis­ti­ca­da – o pi­or do ma­chis­mo de co­mer­ci­al de cer­ve­ja. E no in­ter­va­lo do jo­go de futebol. Che­gou a es­pe­cu­lar por que os ma­ri­dos, es­ses ab­ne­ga­dos vi­gi­as da in­sen­sa­tez feminina, têm de es­pe­rar por ho­ras até que as es­po­sas ter­mi­nem de re­to­car a ma­qui­a­gem di­an­te do es­pe­lho. Cal­ma, já che­ga­mos lá...

A IN­VE­JA DO PÊ­NIS

Se­gun­do a te­o­ria de Freud so­bre a sexualidad­e feminina, é na cha­ma­da fa­se fá­li­ca, en­tre os 3 e 5 anos, que as cri­an­ças co­me­çam a di­fe­ren­ci­ar o que é me­ni­no e o que é me­ni­na. Pa­ra sor­te de uns e frustração de ou­tras. Se­ria nes­sa fa­se que as mo­ci­nhas dão aten­ção ao fa­to de que seus ami­gui­nhos, ir­mãos e pri­mos têm pê­nis. Mes­mo que ain­da pe­que­ni­ni­nho, sur­ge aos olhos das cri­an­ças co­mo um ór­gão ar­ro­gan­te e exi­bi­do, que deu de apa­re­cer no mes­mo lu­gar do cor­po on­de elas só têm um imen­so va­zio. (Ou, pa­ra as mais aten­tas, um cli­tó­ris, per­ce­bi­do co­mo um mi­cro­pê­nis que não deu cer­to.) As­sim co­mo as cri­an­ças sen­tem de­se­jo de pos­suir os car­ri­nhos e bo­ne­cas das ou­tras, a me­ni­na tam­bém pas­sa a que­rer aque­le brin­que­do. “Es­sa fal­ta lhe cai co­mo uma in­jus­ti­ça e co­mo mo­ti­vo pa­ra se sen­tir in­fe­ri­or”, ex­pli­ca o austríaco.

Pa­ra sim­pli­fi­car aqui as te­ses psi­ca­na­lí­ti­cas de Freud so­bre as con­sequên­ci­as des­sa in­ve­ja, va­mos ape­nas di­zer que a cons­ta­ta­ção de que é um ser hu­ma­no de se­gun­da ca­te­go­ria vai cri­ar na mu­lher um aba­lo sís­mi­co no amor-pró­prio, que o pen­sa­dor cha­ma de fe­ri­da nar­cí­si­ca – sim, um ma­chu­ca­do no seu ego. Es­se sen­ti­men­to de in­fe­ri­o­ri­da­de se­rá um far­do que a mu­lher po­de­rá su­por­tar atra­vés da vi­da com re­sig­na­ção ou com re­vol­ta. Pa­ra Freud, é co­mo es­co­lher en­tre a vi­da nor­mal e a do­en­ça men­tal.

O es­tig­ma de cas­tra­da fa­rá com que o de­sen­vol­vi­men­to da sexualidad­e feminina pos­sa, se­gun­do Freud, se­guir três des­ti­nos. Pri­mei­ro: a fri­gi­dez ou neu­ro­se pa­ra aque­las que re­pri­mem seus que­re­res den­tro de uma so­ci­e­da­de que só per­mi­te a eles, os ho­mens, a ex­pres­são de

PA­RA FREUD, ME­NI­NAS ERAM ME­NI­NOS COM “DE­FEI­TO DE FÁ­BRI­CA” – O QUE LHE

REN­DEU O ÓDIO DAS FE­MI­NIS­TAS

de­se­jos se­xu­ais e a am­bi­ção de al­tos vo­os no tra­ba­lho. Se­gun­do: o com­ple­xo de mas­cu­li­ni­da­de pa­ra as que não se con­for­mam com sua “cas­tra­ção” e de­ci­dem “ser um me­ni­no”, fa­zen­do de con­ta que têm um pê­nis. Freud co­lo­ca nes­sa ca­te­go­ria tan­to as lés­bi­cas quan­to as mu­lhe­res com “vo­ca­ção fá­li­ca”, as que as­su­mem pa­péis de li­de­ran­ça na so­ci­e­da­de – com pro­fis­sões que se­ri­am pê­nis sim­bó­li­cos. O ter­cei­ro des­ti­no é o que Freud con­si­de­ra o úni­co ca­paz de evo­luir co­mo uma sexualidad­e feminina nor­mal: a vi­da de do­na de ca­sa. Se­ria a acei­ta­ção de uma in­fe­ri­o­ri­da­de que, por ser anatô­mi­ca, não tem co­mo ser su­pe­ra­da. Só ao acei­tar es­se pa­pel su­bal­ter­no, vi­ven­do à som­bra de seu ma­ri­do pro­ve­dor, o se­nhor do seu cas­te­lo, a mu­lher te­ria chan­ce de atin­gir a es­ta­bi­li­da­de psí­qui­ca. Me­lhor ser um bi­belô fe­liz que en­fren­tar as an­gús­ti­as de um pro­ta­go­nis­mo que não se­ria da na­tu­re­za de­las.

E a ver­são ma­cho-ju­ru­be­ba de Freud não pa­ra por aí. Ele ain­da es­cre­veu (che­ga­mos lá, en­fim) que a mu­lher de­mo­ra tan­to a se ar­ru­mar pa­ra sair por cau­sa da ben­di­ta in­ve­ja do pê­nis. A vai­da­de, con­su­min­do um bom tem­po à fren­te do es­pe­lho, se­ria uma for­ma de equi­li­brar o jo­go di­an­te do glo­ri­o­so pê­nis do ma­ri­dão. “Elas não po­dem fu­gir à ne­ces­si­da­de de va­lo­ri­zar seus en­can­tos de mo­do mais evi­den­te, co­mo uma tar­dia com­pen­sa­ção por sua in­fe­ri­o­ri­da­de se­xu­al ori­gi­nal”, es­cre­veu. Já no ar­ti­go O Pro­ble­ma Econô­mi­co do Ma­so­quis­mo, Freud dis­se que, en­quan­to o ho­mem tem uma mai­or in­cli­na­ção ao sa­dis­mo, a mu­lher é uma ma­so­quis­ta de nas­cen­ça. “Sa­be­mos ago­ra que o de­se­jo, tão fre­quen­te em fan­ta­si­as, de ser es­pan­ca­do pe­lo pai se si­tua mui­to pró­xi­mo do ou­tro de­se­jo, o de ter uma re­la­ção se­xu­al pas­si­va (feminina) com ele.” Um jei­to bem mais ela­bo­ra­do de re­pe­tir o bor­dão ca­fa­jes­te “mu­lher gos­ta de apa­nhar”.

Es­sa pers­pec­ti­va “fa­lo­cên­tri­ca” a res­pei­to da evo­lu­ção da sexualidad­e feminina não nas­ceu ape­nas das con­clu­sões vin­das da prá­ti­ca clí­ni­ca de Sig­mund Freud com su­as pa­ci­en­tes. Ela te­ve li­ga­ção di­re­ta com a per­so­na­li­da­de e os va­lo­res do au­tor. Na ju­ven­tu­de, o austríaco ha­via si­do um ir­mão tão aten­ci­o­so quan­to au­to­ri­tá­rio em re­la­ção às mu­lhe­res da ca­sa. De­sa­pro­vou que uma ir­mã les­se Ho­no­ré de Bal­zac (de A Co­mé­dia Hu­ma­na e A Mu­lher de Trin­ta Anos) e Ale­xan­dre Du­mas (de Os Três Mos­que­tei­ros e O Con­de de Mon­te Cris­to) por con­si­de­rá-los au­to­res de obras as­sa­nha­das. Quan­do ain­da vi­via com os pais, Freud te­ve pri­vi­lé­gi­os com os qu­ais as me­ni­nas nem po­di­am so­nhar. Pa­ra se ter uma ideia, o pi­a­no da ir­mã foi re­ti­ra­do de ca­sa por­que a mú­si­ca po­dia atra­pa­lhar os es­tu­dos do gê­nio – os pais ti­nham fé de que o jo­vem Sig­mund pu­des­se me­lho­rar a si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra da fa­mí­lia no fu­tu­ro. Mais tar­de, Freud dei­xou cla­ro pa­ra a noi­va, Martha Ber­nays, que qual­quer am­bi­ção pro­fis­si­o­nal que ela pu­des­se ter não de­ve­ria ex­tra­po­lar os li­mi­tes da ge­rên­cia... do­més­ti­ca. “Es­pe­ro que es­te­ja­mos de acor­do que ad­mi­nis­trar uma ca­sa e edu­car os fi­lhos requer da pes­soa tem­po in­te­gral, e pra­ti­ca­men­te eli­mi­na qual­quer pro­fis­são.”

Es­tá aí o per­fil exa­to de al­guém com ten­dên­cia a achar que qual­quer mu­lher é um ser in­fe­ri­or a qual­quer ho­mem. Mas a com­ple­xi­da­de da fi­gu­ra de Freud de­sa­fia as ten­ta­ti­vas de des­cre­vê-lo de ma­nei­ra sim­plis­ta – ele foi um gê­nio pa­ra­do­xal em di­ver­sos as­pec­tos.

Foi um in­ves­ti­ga­dor da sexualidad­e que re­sol­veu se abs­ter de se­xo quan­do de­ci­diu não ter mais fi­lhos. Um te­ra­peu­ta que foi en­tu­si­as­ta do con­su­mo de co­caí­na. Um aman­te da tra­di­ção que de­fen­deu a ho­mos­se­xu­a­li­da­de co­mo uma ca­rac­te­rís­ti­ca hu­ma­na nor­mal. Con­ser­va­dor e pro­gres­sis­ta.

O PEN­SA­DOR ADMIRAVA MU­LHE­RES LIBERTÁRIA­S, IN­DE­PEN­DEN­TES. MAS PROIBIU SUA MU­LHER DE TRA­BA­LHAR

Sua re­la­ção com as mu­lhe­res não po­de­ria ser me­nos con­fli­tan­te. Além de Freud ter se cer­ca­do de mu­lhe­res que o mar­ca­ram e de quem foi gran­de ad­mi­ra­dor (ve­ja nos bo­xes des­ta ma­té­ria), sua vi­são do fe­mi­ni­no a par­tir do mas­cu­li­no, tão ar­cai­ca quan­to o mi­to da cos­te­la de Adão, con­fli­ta com o mar­co his­tó­ri­co mais im­por­tan­te de to­da es­sa aven­tu­ra do co­nhe­ci­men­to: Sig­mund Freud cons­truiu a psicanális­e a par­tir de sua pre­o­cu­pa­ção em dar voz a mu­lhe­res re­pri­mi­das, cu­jas per­so­na­li­da­des es­ta­vam apri­si­o­na­das den­tro de uma so­ci­e­da­de e uma épo­ca que as im­pe­di­am de se ex­pres­sar. Nes­se sen­ti­do, ele foi o in­ver­so de um mi­só­gi­no: foi um libertador da al­ma feminina.

AS HIS­TÉ­RI­CAS

Pros­ti­tu­tas, mu­lhe­res adúl­te­ras e jo­vens “li­ber­ti­nas”. Es­se era o pú­bli­co pre­do­mi­nan­te na Sal­pê­triè­re, em Pa­ris, an­tes que es­sa pri­são, cons­truí­da no sé­cu­lo 17, se trans­for­mas­se num imen­so hos­pi­tal, já no sé­cu­lo 19. Cu­ri­o­sa­men­te, se­ri­am tam­bém mu­lhe­res fo­ra do pa­drão que vol­ta­ri­am a dar no­to­ri­e­da­de ao lu­gar. E is­so acon­te­ceu a par­tir dos anos 1870, quan­do o neu­ro­lo­gis­ta Je­an-martin Char­cot co­me­çou a se­pa­rar epi­lép­ti­cas e es­qui­zo­frê­ni­cas de ou­tras mu­lhe­res que so­fri­am de um de­ter­mi­na­do mal co­le­ti­vo, que pa­re­cia ter se trans­for­ma­do em epi­de­mia na épo­ca: a his­te­ria. Em­bo­ra tam­bém aco­me­tes­se ho­mens, o dis­túr­bio pa­re­cia afe­tar so­bre­tu­do as mu­lhe­res – tan­to que o ter­mo vem do gre­go hys­te­ra, que sig­ni­fi­ca úte­ro. Sem qual­quer fon­te em pro­ble­ma fí­si­co, mu­lhe­res co­me­ça­vam a apre­sen­tar pa­ra­li­si­as em par­tes do cor­po, su­fo­ca­men­tos, ce­guei­ras, pro­ble­mas res­pi­ra­tó­ri­os, ver­ti­gens, des­mai­os, alu­ci­na­ções, fo­bi­as sú­bi­tas. Al­guns des­ses sin­to­mas se­ri­am des­cri­tos pe­la pri­mei­ra vez por Char­cot, que se de­di­cou a es­tu­dar es­sas mu­lhe­res e fa­zia exi­bi­ções a alu­nos e ou­tros mé­di­cos nas qu­ais con­se­guia a re­gres­são mo­men­tâ­nea dos qua­dros com o au­xí­lio de hip­no­se. Um des­ses alu­nos, cer­ta­men­te um dos mais in­te­res­sa­dos, foi Sig­mund Freud.

Em­bo­ra as apre­sen­ta­ções de Char­cot ti­ves­sem um for­te com­po­nen­te te­a­tral, com os efei­tos “má­gi­cos” da hip­no­se, o neu­ro­lo­gis­ta con­se­guiu com­pro­var que a mis­te­ri­o­sa his­te­ria não era fin­gi­men­to das aco­me­ti­das. Nem con­sequên­cia de uma le­são fí­si­ca – ou não te­ria re­gres­são com o hip­no­tis­mo. Era, sim, uma ques­tão da psi­que, al­go psi­cos­so­má­ti­co, efei­to de al­gum dis­túr­bio emo­ci­o­nal so­bre o qual nem mes­mo as pa­ci­en­tes ti­nham cons­ci­ên­cia.

Qu­ais eram es­sas ques­tões não pa­re­cia um pro­ble­ma pa­ra Char­cot, que se con­ten­ta­va em es­tu­dar os sin­to­mas his­té­ri­cos e pro­var que a do­en­ça es­ta­va no cam­po da neu­ro­lo­gia – não era pos­ses­são de­mo­nía­ca nem fres­cu­ra, co­mo mui­tos pen­sa­vam à épo­ca. Mas Freud ti­nha am­bi­ções mai­o­res. Ele que­ria ir até o fim: de­se­ja­va cu­rar es­sas mu­lhe­res.

A com­pli­ca­ção vi­nha jus­ta­men­te da im­pos­si­bi­li­da­de de li­dar com a mo­lés­tia na es­fe­ra do cons­ci­en­te. Is­so até que o ca­so de uma his­té­ri­ca em es­pe­ci­al, pa­ci­en­te de um ami­go de Freud, trou­xes­se pis­tas so­bre co­mo aces­sar es­ses sen­ti­men­tos ocul­tos que ti­nham acar­re­ta­do trans­tor­nos fí­si­cos. O no­me da jo­vem era Bertha Pap­pe­nheim. Mas a his­tó­ria da psicanális­e a co­nhe­ceu co­mo An­na O.

An­na foi o pseudô­ni­mo que Freud e o ami­go Jo­sef Breu­er, mé­di­co de Bertha, de­ram à mu­lher quan­do des­cre­ve­ram seus dis­túr­bi­os e sua cu­ra no li­vro que es­cre­ve­ram jun­tos, Es­tu­dos so­bre a His­te­ria, de 1895 – uma obra em que re­la­tam ca­sos clí­ni­cos de mu­lhe­res his­té­ri­cas. Cri­a­da no am­bi­en­te re­pres­sor de uma fa­mí­lia da bur­gue­sia ju­dai­ca de Vi­e­na, ela co­me­çou a apre­sen­tar

A PSICANÁLIS­E NAS­CEU DA VON­TA­DE DE ES­TU­DAR MU­LHE­RES RE­PRI­MI­DAS –

E LIBERTÁ-LAS DA NEU­RO­SE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.