Bri­ga­dei­ro: de on­de vem o do­ce po­pu­lar?

O SU­CES­SO DE UM MI­LI­TAR DA AERONÁUTIC­A COM AS MU­LHE­RES DEU ORI­GEM AO DO­CE MAIS PO­PU­LAR DO PAÍS

Aventuras na Historia - - SUMÁRIO - POR ALE­XAN­DRE CARVALHO

Vo­te no bri­ga­dei­ro, que é bo­ni­to e sol­tei­ro.” Re­al­men­te, a fa­ma do avi­a­dor e po­lí­ti­co Edu­ar­do Go­mes (1896-1981) era de ga­lã. Mas sua po­pu­la­ri­da­de vi­nha tam­bém de ser bom de bri­ga. Par­ti­ci­pou de re­be­liões te­nen­tis­tas, co­mo a Re­vol­ta do For­te de Co­pa­ca­ba­na (1922) e a Re­vol­ta Pau­lis­ta (1924), che­gan­do a ser pre­so quan­do es­ta­va em vi­as de se jun­tar à len­dá­ria Co­lu­na Pres­tes. Par­ti­ci­pa­ria até, 40 anos de­pois, das ações que vi­e­ram a de­por João Gou­lart. Mas o pe­di­do de vo­to aci­ma é de 1945, épo­ca em que, pro­mo­vi­do a bri­ga­dei­ro com a cri­a­ção do Ministério da Aeronáutic­a, Go­mes en­tu­si­as­mou-se com a pró­pria no­to­ri­e­da­de e se can­di­da­tou à pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. Na épo­ca, su­as apoi­a­do­ras de­ci­di­ram or­ga­ni­zar fes­tas pa­ra an­ga­ri­ar fun­dos pa­ra a cam­pa­nha pre­si­den­ci­al. E foi en­tão que sur­giu a ideia de cri­ar um do­ce no­vo pa­ra es­ses even­tos, uma gu­lo­sei­ma que se tor­nas­se uma mar­ca da as­cen­são do mi­li­tar ao car­go mais im­por­tan­te do Bra­sil. Os tem­pos eram de pós-gu­er­ra, e o país pas­sa­va por es­cas­sez

de al­guns pro­du­tos es­sen­ci­ais. Pa­ra do­ces, lei­te fres­co fa­zia fal­ta. En­tão veio a ideia de usar um subs­ti­tu­to ex­tre­ma­men­te po­pu­lar no pe­río­do: o lei­te con­den­sa­do, uma in­ven­ção pa­ra es­te­ri­li­zar a pré-re­fri­ge­ra­ção do lei­te. A Nes­tlé ha­via pas­sa­do a co­mer­ci­a­li­zar o pro­du­to no Bra­sil jus­ta­men­te na­que­la dé­ca­da de 1940, as­sim co­mo ou­tra de­lí­cia que lo­go vi­rou um hit en­tre as so­bre­me­sas lo­cais: o cho­co­la­te em pó. Foi He­loí­sa Na­bu­co de Oliveira, pro­ve­ni­en­te de uma tra­di­ci­o­nal fa­mí­lia ca­ri­o­ca, que apoi­a­va Edu­ar­do Go­mes, quem jun­tou os in­gre­di­en­tes, mais man­tei­ga e açú­car, e en­cheu os even­tos da cam­pa­nha do avi­a­dor (ho­je pa­tro­no da For­ça Aé­rea Bra­si­lei­ra) com o qui­tu­te, co­nhe­ci­do na épo­ca co­mo o “do­ce do bri­ga­dei­ro”. A de­lí­cia lo­go te­ve o no­me en­cur­ta­do e se tor­nou pre­sen­ça obri­ga­tó­ria em qual­quer Pa­ra­béns a Vo­cê, con­quis­tan­do de vez o Bra­sil. Um su­ces­so que não se es­ten­deu ao bri­ga­dei­ro-ho­mem: Go­mes per­deu a elei­ção pa­ra Eu­ri­co Gas­par Du­tra, mi­nis­tro da Gu­er­ra de Ge­tú­lio Var­gas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.