MA­RIE BONAPARTE – A SALVADORA

Aventuras na Historia - - CAPA -

Was will das Weib? (“o que quer a mu­lher?”). Foi à sua ami­ga fran­ce­sa que Freud con­fes­sou a pró­pria in­ca­pa­ci­da­de de cap­tar a es­sên­cia do que ele cha­ma­va “o con­ti­nen­te ne­gro”... a mu­lher.

“A gran­de per­gun­ta que nun­ca foi res­pon­di­da e a que eu ain­da não pu­de res­pon­der, ape­sar dos meus trin­ta anos de pes­qui­sa da al­ma feminina, é o que quer a mu­lher.”

So­bri­nha-bis­ne­ta de Na­po­leão, es­po­sa do prín­ci­pe da Gré­cia, Ma­rie Bonaparte (1882-1962) fre­quen­tou o di­vã de Freud, apai­xo­nou-se pe­la psicanális­e e se tor­nou ela mes­ma psi­ca­na­lis­ta – além de ami­ga pró­xi­ma de Sig­mund, ou­vin­te de su­as con­fi­dên­ci­as. Res­pon­sá­vel por di­fun­dir na Fran­ça as te­o­ri­as avan­ça­das do ami­go, Ma­rie te­ve ou­tro pa­pel es­sen­ci­al num mo­men­to his­tó­ri­co im­por­tan­te. Quan­do os na­zis­tas to­ma­ram con­ta da Áus­tria, foi ela, com seus con­ta­tos in­flu­en­tes, quem con­se­guiu que o ju­deu Freud fos­se ti­ra­do do país an­tes de cair nas mãos da Ges­ta­po.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.