CA­PA: IR­MÃ DUL­CE EN­TRA PA­RA A HIS­TÓ­RIA DO VA­TI­CA­NO CO­MO A PRI­MEI­RA MU­LHER NAS­CI­DA NO BRA­SIL A SER CANONIZADA

PRI­MEI­RA MU­LHER NAS­CI­DA NO BRA­SIL A SER CANONIZADA, IR­MÃ DUL­CE EN­TRA PA­RA A HIS­TÓ­RIA OFI­CI­AL DO VA­TI­CA­NO

Aventuras na Historia - - SUMÁRIO - POR RAPHA­E­LA DE CAM­POS MEL­LO

Aco­mi­ti­va do pre­si­den­te Eu­ri­co Gas­par Du­tra cum­pria o roteiro pré-de­ter­mi­na­do em di­re­ção à Igre­ja do Bon­fim, na ca­pi­tal bai­a­na. Vi­si­ta de pra­xe ao san­tuá­rio. Pon­to tu­rís­ti­co. Fo­to­gra­fi­as pa­ra os jor­nais. Tu­do den­tro do pre­vis­to. Até uma aglo­me­ra­ção se for­mar, im­pe­din­do a pas­sa­gem da car­re­a­ta. Sur­pre­sa. Uma frei­ra fran­zi­na, acom­pa­nha­da de 300 cri­an­ças, so­li­ci­ta­va ser ou­vi­da pe­lo di­ri­gen­te da Na­ção. Com voz su­a­ve e olhar com­pas­si­vo, ro­gou ao mi­li­tar que fos­se, sim­bo­li­ca­men­te, seu avô. Fo­ra aten­di­da. Sem de­mo­ra, re­cur­sos fe­de­rais apor­ta­vam nas obras as­sis­ten­ci­ais de Ir­mã Dul­ce (1914-1992). A as­ser­ti­vi­da­de, tra­ço de per­so­na­li­da­de pre­do­mi­nan­te na re­li­gi­o­sa nas­ci­da em Sal­va­dor, des­to­a­va de sua apa­rên­cia miú­da, fra­gi­li­za­da pe­los pro­ble­mas res­pi­ra­tó­ri­os, que des­pon­ta­ram na ju­ven­tu­de e se agra­va­ram com o pas­sar dos anos. Não ti­nha cons­tran­gi­men­to al­gum em pe­dir pe­los po­bres e do­en­tes. Com uma mão, ba­tia na por­ta de po­lí­ti­cos, em­pre­sá­ri­os e bem-nas­ci­dos; com a ou­tra, aco­lhia e con­for­ta­va os ne­ces­si­ta­dos.

Cer­ta vez, con­ta o jor­na­lis­ta Jor­ge Gauthi­er, no li­vro-reportagem Ir­mã Dul­ce: Os Mi­la­gres pela Fé (Edi­to­ra Au­to­gra­fia), a frei­ra viu uma de su­as pal­mas ser pre­en­chi­da com o cus­pe

de um co­mer­ci­an­te, que se re­cu­sa­va a con­tri­buir. Sem se aba­lar, o “An­jo Bom da Bahia”, co­mo fi­cou co­nhe­ci­da, es­ten­deu a mão lim­pa, ex­pli­can­do que a gros­se­ria ti­nha si­do a ela en­de­re­ça­da, mas que a ou­tra pal­ma con­ti­nu­a­va li­vre pa­ra re­ce­ber a do­a­ção aos des­va­li­dos.

“Fir­me­za de pro­pó­si­to”. “Vo­ca­ção ina­ba­lá­vel”. “For­ça so­bre-hu­ma­na”. To­das as ex­pres­sões ex­pli­cam a obs­ti­na­ção da re­li­gi­o­sa em auxiliar a hu­ma­ni­da­de. Mes­mo aba­ti­da, ela con­se­guia re­a­li­zar o im­pos­sí­vel. “A vi­da é bre­ve. Por que não apro­vei­ta­mos o tem­po e bus­ca­mos uma vi­da de amor a Deus?”, a en­tão no­vi­ça in­da­gou à ir­mã Dul­ci­nha nu­ma car­ta da­ta­da de 1933.

No ins­tan­te em que ris­ca­va o pa­pel, Ma­ria Ri­ta de Sou­za Bri­to Lo­pes Pon­tes, fi­lha de um den­tis­ta e de uma do­na de ca­sa, ir­mã de qua­tro, não ima­gi­na­va que sua de­vo­ção e fu­tu­ra obra ca­ri­do­sa – além de dois re­co­nhe­ci­dos mi­la­gres (leia no boxe da pá­gi­na 38 as ca­rac­te­rís­ti­cas des­sa be­nes­se di­vi­na) – se­ri­am res­pon­sá­veis por cra­var seu no­me no ál­bum dos san­tos ca­tó­li­cos. A ce­rimô­nia de ca­no­ni­za­ção da re­li­gi­o­sa, pre­vis­ta pa­ra acon­te­cer no dia 13 de ou­tu­bro, no Va­ti­ca­no, se­rá pre­si­di­da pe­lo pa­pa Fran­cis­co. E pas­sa­rá a se cha­mar San­ta Dul­ce dos Po­bres, a pri­mei­ra mu­lher nas­ci­da no Bra­sil a re­ce­ber tal hon­ra­ria.

PREDESTINA­DA AO SER­VI­ÇO

A vo­ca­ção re­li­gi­o­sa se mos­trou aos 12 anos, quan­do a me­ni­na vi­si­tou uma fa­ve­la acom­pa­nha­da da tia. Não su­por­tou tes­te­mu­nhar a mi­sé­ria. Ti­nha de fa­zer al­go. De­ci­diu, en­tão, ali­men­tar os po­bres e cui­dar dos en­fer­mos na por­ta de ca­sa. Por is­so, pas­sou a ser cha­ma­da ca­ri­nho­sa­men­te de Ma­ri­i­nha.

Es­ta­va cer­ta de que ves­ti­ria o há­bi­to de frei­ra, mas seu pai quis que se tor­nas­se pro­fes­so­ra. Con­cluiu o cur­so. Ba­teu o pé. E, no dia 9 de fe­ve­rei­ro de 1933, in­gres­sou na Con­gre­ga­ção das Ir­mãs Mis­si­o­ná­ri­as da Ima­cu­la­da Con­cei­ção, lo­ca­li­za­da no in­te­ri­or de Ser­gi­pe. Seis me­ses de­pois, tor­na­va-se ofi­ci­al­men­te frei­ra e as­su­mia a al­cu­nha Ir­mã Dul­ce, em ho­me­na­gem à mãe, fa­le­ci­da quan­do a ga­ro­ta ti­nha 7 anos de ida­de, após dar à luz sua ir­mã Re­gi­na, que veio a mor­rer pou­co de­pois. Um ano mais tar­de, es­ta­va li­be­ra­da pa­ra se­guir sua mis­são hu­ma­ni­tá­ria em outras lo­ca­li­da­des. Por sor­te, foi en­ca­mi­nha­da pa­ra sua ter­ra na­tal, on­de iniciou um du­ra­dou­ro e gi­gan­tes­co tra­ba­lho so­ci­al.

LE­GA­DO HU­MA­NI­TÁ­RIO

Quem con­vi­veu com Ir­mã Dul­ce diz que ela con­ju­ga­va três pa­péis: mãe ca­ri­nho­sa, mas que sa­bia a ho­ra de ser fir­me; ad­mi­nis­tra­do­ra vi­si­o­ná­ria; e re­li­gi­o­sa dis­ci­pli­na­da. Re­za­va dois ter­ços to­dos os di­as – um às 6 da ma­nhã; ou­tro às 3 da tar­de –, além de sem­pre re­cor­rer ao seu san­to qu­e­ri­do, Antô­nio, pa­dro­ei­ro dos po­bres.

Fin­ca­da nes­se tri­pé, ela fun­dou, em 1936, a União Ope­rá­ria São Fran­cis­co, pri­mei­ro mo­vi­men­to cris­tão ope­rá­rio da Bahia. No ano se­guin­te, a en­ti­da­de se con­ver­teu no Cír­cu­lo Ope­rá­rio do Es­ta­do, cen­tro de cul­tu­ra, re­cre­a­ção e pro­te­ção so­ci­al das fa­mí­li­as da clas­se tra­ba­lha­do­ra. A ma­nu­ten­ção da ini­ci­a­ti­va era pos­sí­vel gra­ças à ar­re­ca­da­ção de três ci­ne­mas cons­truí­dos com do­a­ções: Pla­ta­for­ma, São Ca­e­ta­no e, mais tar­de, o Ro­ma. Em 1939, inau­gu­rou ain­da o Co­lé­gio San­to Antô­nio, es­co­la pú­bli­ca vol­ta­da pa­ra ope­rá­ri­os e seus fi­lhos. Ir­mã Dul­ce não sos­se­ga­va. Saía pe­las ru­as acu­din­do do­en­tes e fa­min­tos. Não es­pe­ra­va que eles che­gas­sem até ela. Ca­da vez mais afli­ta, sem ter on­de abri­gar os mi­se­rá­veis, fez his­tó­ria num ato de ou­sa­dia. Em 1949, ocu­pou o ga­li­nhei­ro ao la­do do Con­ven­to San­to Antô­nio, adap­ta­do pa­ra aco­mo­dar 70 en­fer­mos. Era o co­me­ço de um le­ga­do vi­go­ro­so em prol da saú­de das clas­ses des­fa­vo­re­ci­das.

Sua in­ter­ven­ção cres­ceu e, em 1959, re­ce­beu o es­ta­tu­to de Obras So­ci­ais Ir­mã Dul­ce (OSID). No ano se­guin­te, ela inau­gu­rou o Al­ber­gue San­to Antô­nio, com 150 lei­tos. Atu­al­men­te, a

HÁ 70 ANOS, A FREI­RA OCU­POU O GA­LI­NHEI­RO DO CON­VEN­TO PA­RA

ACO­MO­DAR 70 DO­EN­TES DAS RU­AS

en­ti­da­de fi­lan­tró­pi­ca abri­ga um dos mai­o­res com­ple­xos de saú­de 100% SUS do país, com 21 nú­cle­os e cer­ca de 3,5 mi­lhões de pro­ce­di­men­tos am­bu­la­to­ri­ais re­a­li­za­dos por ano na Bahia.

CRÍ­TI­CAS E HONRARIAS

A de­di­ca­ção ili­mi­ta­da ao tra­ba­lho so­ci­al, con­tu­do, lhe cus­tou ca­ro. Su­as ir­mãs na con­gre­ga­ção en­ten­de­ram que a frei­ra es­ta­va dis­tan­te das ro­ti­nas da clau­su­ra e, por is­so, ela pas­sou, de 1965 a 1975, por um pe­río­do de ex­claus­tra­ção, es­pé­cie de sus­pen­são das ati­vi­da­des re­li­gi­o­sas. No en­tan­to, Ir­mã Dul­ce con­ti­nu­ou usan­do o há­bi­to.

Por ou­tro la­do, em 1988, seu no­me en­trou na dis­pu­ta pe­lo Prê­mio No­bel da Paz, por in­di­ca­ção do en­tão pre­si­den­te Jo­sé Sar­ney. Seus es­for­ços te­ri­am si­do re­co­nhe­ci­dos à al­tu­ra, não ti­ves­se o rus­so Mikhail Gorbachev to­ma­do a fren­te e an­ga­ri­a­do a láu­rea pela con­tri­bui­ção pa­ra o fim da Gu­er­ra Fria. Ou­tra no­bre de­mons­tra­ção de re­co­nhe­ci­men­to foi a vi­si­ta do pa­pa João Pau­lo II ao seu lei­to, cin­co me­ses an­tes da sua mor­te. Era a se­gun­da vez que eles se en­con­tra­vam em ter­ras bra­si­lei­ras. Na pri­mei­ra, em 1980, o Su­mo Pon­tí­fi­ce ti­nha in­cen­ti­va­do a frei­ra a se­guir com su­as obras, mas com uma res­sal­va: que ela cui­das­se me­lhor da sua saú­de.

No fi­nal da vi­da, bas­tan­te de­bi­li­ta­da por um en­fi­se­ma pul­mo­nar, Ir­mã Dul­ce não se con­for­ma­va em per­ma­ne­cer na ca­ma, lon­ge da­que­les que ca­re­ci­am da sua aju­da e acon­se­lha­men­tos. Não pa­ra­va du­ran­te o dia e, à noi­te, ain­da en­con­tra­va fô­le­go pa­ra ro­dar a ci­da­de nu­ma Kom­bi re­co­lhen­do do­en­tes e le­van­do-os ao hos­pi­tal.

O “An­jo Bom da Bahia” fi­nal­men­te des­can­sou no dia 13 de mar­ço de 1992, aos 77 anos, no Con­ven­to San­to Antô­nio. Seu tú­mu­lo de­fi­ni­ti­vo, a Ca­pe­la das Relíquias, lo­ca­li­za­da no San­tuá­rio de Ir­mã Dul­ce, no bair­ro do Bon­fim, em Sal­va­dor, pa­ra on­de seus res­tos mor­tais fo­ram trans­fe­ri­dos, vi­ve co­ber­to de agradecime­ntos pe­las dádivas al­can­ça­das ao lon­go da sua vi­da.

DOS MÁR­TI­RES AOS SAN­TOS

Ir­mã Dul­ce se jun­ta­rá a ou­tros san­tos com his­tó­ria no Bra­sil, pre­vi­a­men­te re­co­nhe­ci­dos pe­lo Va­ti­ca­no: Ma­dre Pau­li­na, nas­ci­da na Itá­lia (canonizada em 2002), Frei Gal­vão (2007), pa­dre Jo­sé de An­chi­e­ta, nas­ci­do na Es­pa­nha (2014), além dos már­ti­res Ro­que Gon­za­lez, Afon­so Ro­dri­gues e João de Castilho, mor­tos no Rio Gran­de do Sul no sé­cu­lo 17 (1983) e os 30 már­ti­res as­sas­si­na­dos tam­bém no sé­cu­lo 17, mas no Rio Gran­de do Nor­te (2017). A ca­no­ni­za­ção da bai­a­na se­rá uma das mais rápidas da his­tó­ria (27 anos após seu fa­le­ci­men­to), atrás so­men­te da san­ti­fi­ca­ção de Ma­dre Te­re­sa de Cal­cu­tá (que ocor­reu 19 anos após o fa­le­ci­men­to da re­li­gi­o­sa) e do pa­pa João Pau­lo II (no­ve anos após sua mor­te) – pa­ra se ter ideia, Jo­a­na d’arc foi canonizada 489 anos após seu fim trá­gi­co na fo­guei­ra.

O pro­ces­so da frei­ra bra­si­lei­ra se iniciou no ano 2000 e o pri­mei­ro mi­la­gre as­so­ci­a­do à in­ter­ces­são de­la – a cu­ra de uma he­mor­ra­gia gra­vís­si­ma após um par­to se­gui­do de com­pli­ca­ções – foi ates­ta­do pe­lo pa­pa João Pau­lo II em 2003. Seis anos de­pois, o pa­pa Bento 16 lhe con­ce­deu o tí­tu­lo de Ve­ne­rá­vel (con­fi­ra a sequên­cia de honrarias no boxe da pá­gi­na 37) e, em 2011, ela foi be­a­ti­fi­ca­da. O anún­cio da ca­no­ni­za­ção se deu em maio deste ano, após a con­fir­ma­ção de um se­gun­do mi­la­gre. De acor­do com o co­mu­ni­ca­do ofi­ci­al, um ci­da­dão bai­a­no te­ria se curado de uma ce­guei­ra por in­ter­ces­são da re­li­gi­o­sa.

O even­to his­tó­ri­co pa­ra os bra­si­lei­ros, es­pe­ci­al­men­te pa­ra o po­vo da Bahia, re­pre­sen­ta uma tra­di­ção que atra­ves­sa os mi­lê­ni­os e re­mon­ta aos pri­mór­di­os do cris­ti­a­nis­mo (ve­ja a li­nha do tem­po des­ta ma­té­ria). “Du­ran­te os três pri­mei­ros sé­cu­los, an­te a per­se­gui­ção dos cris­tãos, aque­les que mor­ri­am pa­ra não re­ne­gar Cris­to e a fé, os már­ti­res, eram ve­ne­ra­dos co­mo san­tos. Com o tem­po, se exi­giu uma in­ves­ti­ga­ção pré­via do fa­to do mar­tí­rio, da vi­da e dos mi­la­gres do con­fes­sor, in­ves­ti­ga­ção que se fez ca­da vez

SEU NO­ME EN­TROU NA DIS­PU­TA PE­LO PRÊ­MIO NO­BEL DA PAZ, MAS

PER­DEU PA­RA O RUS­SO GORBACHEV

mais rí­gi­da e ju­rí­di­ca, até se ado­tar, na Ida­de Mé­dia, a for­ma de um ver­da­dei­ro pro­ces­so”, ex­pli­ca o pa­dre Ro­gé­rio Ne­ves, dou­tor em Di­rei­to Canô­ni­co e pro­fes­sor no Cen­tro Uni­ver­si­tá­rio Sa­le­si­a­no de São Pau­lo (UNISAL).

São Jor­ge, por exem­plo, é um ca­so em­ble­má­ti­co do nas­ce­dou­ro da ado­ra­ção cris­tã. O sol­da­do ro­ma­no (275-303) não re­a­li­zou mi­la­gre al­gum. Sua sa­ga é que foi dig­na de cul­to, sen­do um dos no­mes mais ve­ne­ra­dos tan­to na Igre­ja Ca­tó­li­ca Ro­ma­na e na Igre­ja Or­to­do­xa, co­mo tam­bém na tra­di­ção An­gli­ca­na. Além de par­ti­lhar sua ri­que­za com os po­bres, o mi­li­tar de­cla­rou sua con­ver­são ao cris­ti­a­nis­mo di­an­te do im­pe­ra­dor Di­o­cle­ci­a­no, gran­de al­goz dos se­gui­do­res de Cris­to. Mor­reu de­go­la­do.

Um as­pec­to fun­da­men­tal, con­tu­do, se man­tém in­tac­to des­de o prin­cí­pio até os di­as atu­ais: a fa­ma de san­to nas­ce da fé dos fiéis. É o cla­mor po­pu­lar que move as pri­mei­ras en­gre­na­gens e de­fla­gra as sub­se­quen­tes in­ves­ti­ga­ções ecle­siás­ti­cas. Por is­so, há que se ter cau­te­la e ri­gor – olhos afi­a­dos pa­ra de­tec­tar pos­sí­veis en­ga­nos e en­ga­na­do­res; e vi­sões so­bre­na­tu­rais on­de só exis­te a nor­ma­li­da­de co­ti­di­a­na. Co­mo há mui­ta pai­xão en­vol­vi­da, o Va­ti­ca­no pre­ci­sa se cer­ti­fi­car de que a san­ti­da­de de um re­li­gi­o­so é fa­to con­cre­to e ve­ri­fi­cá­vel. “Por is­so, sem­pre ha­ve­rá mui­to mais ca­sos de fa­ma de san­ti­da­de na opi­nião po­pu­lar do que nas de­cla­ra­ções de san­ti­da­de da Igre­ja. Por­que nem tu­do que re­luz é ou­ro”, ob­ser­va o pa­dre e pro­fes­sor, em São Pau­lo.

É im­pos­sí­vel pre­de­ter­mi­nar a du­ra­ção de um pro­ces­so de ca­no­ni­za­ção, pois uma sé­rie de va­riá­veis são analisadas ca­so a ca­so. De to­da ma­nei­ra, o tra­je­to é lon­go. Atu­al­men­te, es­cla­re­ce Ne­ves, as se­guin­tes eta­pas são con­tem­pla­das: um bis­po lo­cal de­ve pe­dir à San­ta Sé a de­cla­ra­ção de não se opor ao pro­ces­so; de­pois há a cons­ti­tui­ção do tri­bu­nal, com os vá­ri­os in­ter­ven­to­res e a oi­ti­va de tes­te­mu­nha; a pes­qui­sa his­tó­ri­ca en­ca­be­ça­da por uma co­mis­são pró­pria de es­pe­ci­a­lis­tas, a clau­su­ra do pro­ces­so e o en­vio pa­ra a fa­se ro­ma­na, na qual se de­ve con­fir­mar a va­li­da­de de tu­do o que foi fei­to e es­ta­be­le­cer no­vo pro­ce­di­men­to, com no­vos in­ter­ven­to­res.

Em se­gui­da, che­ga-se à ela­bo­ra­ção da cha­ma­da Po­si­tio, re­la­tó­rio de­ta­lha­do, pos­te­ri­or­men­te en­ca­mi­nha­do à Ple­ná­ria da Con­gre­ga­ção pa­ra as Cau­sas dos San­tos. Só en­tão acon­te­ce o re­co­nhe­ci­men­to das vir­tu­des do Ser­vo de Deus ou do mar­tí­rio. Com es­se aval, o Ser­vo de Deus pas­sa a ser cha­ma­do de Ve­ne­rá­vel. Mas, pa­ra que se­ja be­a­ti­fi­ca­do, fi­ca fal­tan­do a cons­ta­ta­ção de um ver­da­dei­ro mi­la­gre (sal­vo pa­ra o mar­tí­rio). “O mi­la­gre é um pro­ces­so à par­te, com uma fa­se di­o­ce­sa­na ou lo­cal e ou­tra ro­ma­na, as­ses­so­ra­da por pro­fis­si­o­nais de vá­ri­as es­pe­ci­a­li­da­des, in­clu­si­ve ateus, pa­ra se chegar à cons­ta­ta­ção de que o fa­to é inex­pli­cá­vel e, além dis­so, tem um ne­xo cau­sal com a ora­ção de al­guém, pe­din­do a in­ter­ces­são da­que­le Ve­ne­rá­vel”, des­ta­ca o pa­dre. Ates­ta­do es­te pri­mei­ro mi­la­gre, es­pe­ra-se, en­tão, por um se­gun­do, ocor­ri­do após a be­a­ti­fi­ca­ção. Se com­pro­va­do, a fi­gu­ra po­de, en­fim, se tor­nar san­ta.

IN­CEN­TI­VA­DOR DA SAN­TI­DA­DE

A “contabilid­ade” canô­ni­ca re­gis­tra o nú­me­ro de be­a­tos e san­tos ofi­ci­al­men­te re­co­nhe­ci­dos em ca­da pon­ti­fi­ca­do. Al­guns fo­ram mo­des­tos, co­mo o de João XXIII (1958-1963), res­pon­sá­vel por cin­co be­a­ti­fi­ca­ções, dez ca­no­ni­za­ções e uma con­fir­ma­ção de cul­to (pro­cla­ma­ção de san­ti­da­de que não pas­sou por pro­ces­so canô­ni­co); ou­tros, me­di­a­nos, co­mo o de Pio XII (1939-1958), com 170 be­a­ti­fi­ca­ções, 33 ca­no­ni­za­ções e ne­nhu­ma con­fir­ma­ção de cul­to.

Nin­guém até ho­je su­pe­rou a mar­ca do pon­ti­fi­ca­do de João Pau­lo II (1978-2005), pro­mo­tor de 1338 be­a­ti­fi­ca­ções, 482 ca­no­ni­za­ções e du­as con­fir­ma­ções de cul­to. En­tu­si­as­ta des­sa te­má­ti­ca, o po­lo­nês pas­sou ele mes­mo a pre­si­dir as be­a­ti­fi­ca­ções e ca­no­ni­za­ções, sem­pre em Ro­ma. Bento XVI, de­pois de­le, vol­tou à prá­ti­ca de

HO­JE, O HOS­PI­TAL INAU­GU­RA­DO POR IR­MÃ DUL­CE É UM DOS MAI­O­RES COM­PLE­XOS

100% SUS DO PAÍS

re­a­li­zar, em Ro­ma, ape­nas as ca­no­ni­za­ções, dei­xan­do a be­a­ti­fi­ca­ção pa­ra ce­le­bra­ção lo­cal, em ge­ral, pa­ra o pre­fei­to da Con­gre­ga­ção das Cau­sas dos San­tos. “João Pau­lo II in­cre­men­tou gran­de­men­te tal ati­vi­da­de pa­ra evi­den­ci­ar que exis­ti­ram e exis­tem san­tos ape­sar de to­dos os obs­tá­cu­los que a his­tó­ria pos­sa opor a uma vi­da fi­el a Cris­to”, ana­li­sa Ro­gé­rio Ne­ves. Se­gun­do ele, o que po­de pa­re­cer ir­re­al pa­ra mui­tas pes­so­as, uma vi­da mar­ca­da por vir­tu­des e sa­cri­fí­ci­os de ele­va­do va­lor mo­ral e es­pi­ri­tu­al, pa­ra a Igre­ja Ca­tó­li­ca é al­go ao al­can­ce de qual­quer mor­tal. “To­do cris­tão é, des­de o seu Ba­tis­mo, cha­ma­do à san­ti­da­de; em­bo­ra es­ta vo­ca­ção pa­re­ça utó­pi­ca em mui­tos ca­sos, é de crer que Deus não cha­ma cri­a­tu­ra al­gu­ma à me­di­o­cri­da­de e, con­se­quen­te­men­te, tem a gra­ça ne­ces­sá­ria pa­ra le­var a fra­gi­li­da­de de ca­da ser hu­ma­no aos cu­mes da per­fei­ção”, pon­tua o pro­fes­sor no Cen­tro Uni­ver­si­tá­rio Sa­le­si­a­no.

O po­lo­nês en­xer­gou a gra­ça da san­ti­da­de em mui­tos cris­tãos, co­mo ates­tam os nú­me­ros. Al­guns ca­sos são bas­tan­te cu­ri­o­sos, co­mo a ca­no­ni­za­ção, em 10 de ou­tu­bro de 1982, do pa­dre Ma­xi­mi­li­a­no Ma­ria Kol­be. Fran­cis­ca­no nas­ci­do na Polô­nia, que, em 1941, foi pri­si­o­nei­ro no Cam­po de Con­cen­tra­ção de Aus­chwitz e se ofe­re­ceu pa­ra mor­rer no lu­gar de um lei­go, pai de fa­mí­lia, que ti­nha si­do con­de­na­do em re­pre­sá­lia pela fu­ga de ou­tro pri­si­o­nei­ro. “Na época, cha­mou a aten­ção o fa­to de que o pa­pa o ti­ves­se ca­no­ni­za­do co­mo mártir (is­to é, quem mor­re em no­me da fé), quan­do ti­nha mor­ri­do por amor ao pró­xi­mo”, lem­bra.

Em 31 de ju­lho de 2002, João Pau­lo II ca­no­ni­zou o ín­dio me­xi­ca­no Ju­an Di­e­go Cu­auh­tla­to­at­zin (1474-1548), vi­den­te de Nos­sa Se­nho­ra de Gu­a­da­lu­pe, pa­dro­ei­ra da Amé­ri­ca La­ti­na. Ele tam­bém hon­rou os ita­li­a­nos Lui­gi (1880-1951) e Ma­ria Bel­tra­me Qu­at­troc­chi (1884-1965), pri­mei­ro ca­sal be­a­ti­fi­ca­do na his­tó­ria da Igre­ja, em 21 de ou­tu­bro de 2001, por sua his­tó­ria con­jun­ta de ca­ri­da­de e ali­nha­men­to ao Evan­ge­lho. Acon­te­ci­men­to iné­di­to no Va­ti­ca­no. Cha­ma tam­bém a aten­ção o fa­to de que os qua­tro fi­lhos des­se ma­trimô­nio, ao cres­ce­rem, sen­ti­ram o cha­ma­do de Deus à vi­da re­li­gi­o­sa: Fi­lip­po (don Tar­ci­sio) é pa­dre di­o­ce­sa­no; Ste­fa­nia (ir­mã Ma­ria Ce­ci­lia) é frei­ra be­ne­di­ti­na; Ce­sa­re (pa­dre Pa­o­li­no) é mon­ge tra­pis­ta, e En­ri­chet­ta, a ca­çu­la do quar­te­to, é lei­ga con­sa­gra­da.

O pró­prio Pon­tí­fi­ce pas­sou pa­ra o ou­tro la­do da tri­bu­na. Em 2011, João Pau­lo II foi be­a­ti­fi­ca­do por seu su­ces­sor, o pa­pa Bento XVI (quan­do fi­cou com­pro­va­do que a frei­ra fran­ce­sa Ma­rie Si­mon-pi­er­re foi cu­ra­da da do­en­ça de Par­kin­son por in­ter­ces­são do po­lo­nês). Três anos mais tar­de, o se­gun­do mi­la­gre foi atri­buí­do a ele (a cu­ra de um aneu­ris­ma ce­re­bral) e, en­tão, João Pau­lo II foi de­cla­ra­do San­to pe­lo pa­pa Fran­cis­co.

AN­DAR COM FÉ

Em ple­no sé­cu­lo 21, o re­co­nhe­ci­men­to da san­ti­da­de se­gue co­mo uma prá­ti­ca cer­ca­da de fer­vor de um la­do e de apu­ro téc­ni­co do ou­tro. Co­mo evi­den­ci­am as pro­cis­sões e ro­ma­ri­as que con­gre­gam mul­ti­dões de pes­so­as, a fé é um fenô­me­no atem­po­ral. Em ca­da mo­ra­da ca­tó­li­ca, ain­da há es­pa­ço pa­ra um ou mais san­tos. “Pa­re­ce ser da na­tu­re­za do ser hu­ma­no a bus­ca por mo­de­los que se­jam ca­pa­zes de man­ter vi­va a cer­te­za de que os ide­ais são pos­sí­veis”, opi­na Ne­ves. É por is­so que o Có­di­go de Di­rei­to Canô­ni­co é cla­ro em re­la­ção ao pa­pel dos san­tos na vi­da dos fiéis. Eles são in­ter­ces­so­res das sú­pli­cas e tam­bém ser­vem de exem­plo pa­ra uma vi­da edi­fi­can­te.

Mas as vir­tu­des de uma Ir­mã Dul­ce, por exem­plo, não es­ta­ri­am mui­to além das nos­sas ca­pa­ci­da­des hu­ma­nas? O pa­dre está seguro de que não de­ve­mos nos ape­que­nar com es­se ti­po de com­pa­ra­ção. “Se­ria um ab­sur­do e uma in­jus­ti­ça pro­por a san­ti­da­de co­mo me­ta pa­ra as pes­so­as se fos­se im­pos­sí­vel. A ca­no­ni­za­ção é o re­co­nhe­ci­men­to de que ela não é es­tra­nha ao ser hu­ma­no, an­tes, é sua vo­ca­ção pri­mei­ra”.

“A CA­NO­NI­ZA­ÇÃO É O RE­CO­NHE­CI­MEN­TO DE QUE A SAN­TI­DA­DE É A PRI­MEI­RA VO­CA­ÇÃO

DO SER HU­MA­NO”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.