COLUNA

Aventuras na Historia - - SUMÁRIO -

M.R.TERCI

No ano de 1547, par­tia de Lis­boa pa­ra sua pri­mei­ra vi­a­gem ao Bra­sil, o ale­mão e ar­ca­bu­zei­ro Hans Sta­den, na­tu­ral da Pro­vín­cia de Hes­se. A es­sa al­tu­ra, Sta­den era ape­nas mais um ou­tro jo­vem da re­gião pro­cu­ran­do mei­os de ga­nhar seu sus­ten­to e com de­se­jo de vi­ver gran­des aven­tu­ras. Ora, quem nun­ca? Na­que­le tem­po, con­tu­do, dei­xar a Eu­ro­pa e atra­ves­sar o Oce­a­no Atlân­ti­co representa­va um enor­me de­sa­fio. Os ma­pas ain­da mos­tra­vam o oce­a­no po­vo­a­do por cri­a­tu­ras mí­ti­cas, co­los­sais. E mui­tos na­ve­ga­do­res ain­da ima­gi­na­vam que, em um pon­to qual­quer do per­cur­so, a ter­ra des­pen­ca­ria pela bor­da de um abis­mo. De mo­do que não se tra­ta­va ape­nas de uma vi­a­gem, era o tes­te má­xi­mo de co­ra­gem em uma época em que os ho­mens eram me­di­dos pe­las lé­guas ma­rí­ti­mas que per­cor­ri­am. Mas se es­se era o so­nho do jo­vem ale­mão Hans Sta­den, ele lo­go se­ria aten­di­do, nu­ma me­di­da que ho­mem al­gum po­de­ria ter pre­vis­to.

Por du­as ve­zes, Hans Sta­den apor­tou nas cos­tas do re­cém-des­co­ber­to Bra­sil. Na se­gun­da, o jo­vem aven­tu­rei­ro vi­ria a des­co­brir o re­al sig­ni­fi­ca­do da ex­pres­são “pu­lar da pa­ne­la e cair no fo­go”. Após um nau­frá­gio, Sta­den na­dou até a praia, ru­mou pa­ra São Vi­cen­te e foi con­tra­ta­do pe­los co­lo­nos por­tu­gue­ses co­mo ar­ti­lhei­ro pa­ra de­fen­der o For­te de São Filipe da Ber­ti­o­ga. Nes­se mis­ter, ele foi cap­tu­ra­do pe­los ín­di­os tu­pi­nam­bás e man­ti­do ca­ti­vo por cer­ca de no­ve me­ses, sob a cons­tan­te ame­a­ça de ser mor­to, co­zi­do e de­vo­ra­do, co­mo ele pró­prio viu acon­te­cer com ou­tros pri­si­o­nei­ros.

Pou­pa­do, por so­bres­ta­rem dú­vi­das qu­an­to à sua na­ci­o­na­li­da­de – os tu­pi­nam­bás não ti­nham de­sa­ven­ças com os fran­ce­ses, de quem os ale­mães eram sim­pa­ti­zan­tes –, o jo­vem che­gou a lu­tar ao la­do dos tu­pi­nam­bás con­tra os tu­pi­ni­quins, ali­a­dos dos por­tu­gue­ses. Pou­co tem­po de­pois, o jo­vem vi­ria a ser en­tre­gue a um cor­sá­rio fran­cês. De vol­ta à Eu­ro­pa, em 1557, Sta­den com­pi­la­ria a nar­ra­ti­va de sua cap­tu­ra, com xi­lo­gra­vu­ras que re­tra­ta­vam ca­ni­ba­lis­mo, pa­je­lan­ças e ou­tros há­bi­tos da tri­bo tu­pi­nam­bá.

O gran­de triun­fo de Hans Sta­den não foi ape­nas so­bre­vi­ver. O jo­vem aven­tu­rei­ro es­ta­va pre­des­ti­na­do a se tor­nar o pri­mei­ro dos vi­a­jan­tes cro­nis­tas e seu re­la­to, fru­to de par­to ex­tre­ma­men­te pessoal, é o mais acu­ra­do pa­no­ra­ma so­bre a pai­sa­gem, na­tu­re­za e há­bi­tos dos na­ti­vos bra­si­lei­ros, so­bre­tu­do, a mais per­fei­ta des­cri­ção do ban­que­te an­tro­po­fá­gi­co pra­ti­ca­do pe­los po­vos Tu­pi.

En­can­ta­do e te­me­ro­so pela pró­pria vi­da, Sta­den co­nhe­ceu re­no­ma­dos gu­er­rei­ros, he­róis que vi­ri­am a uni­fi­car as tri­bos na lu­ta con­tra o co­lo­ni­za­dor por­tu­guês e re­gis­trou a co­ra­gem apai­xo­na­da com que os ín­di­os se lan­ça­vam às ba­ta­lhas, ad­mi­ran­do-se, ve­zes sem con­ta, com a in­ti­mi­da­de da­que­le po­vo com a na­tu­re­za. Ne­nhum eu­ro­peu ha­via até en­tão pi­sa­do nos território­s que per­cor­reu, ne­nhum ou­tro ho­mem bran­co so­bre­vi­veu pa­ra des­cre­ver os ri­tu­ais cu­li­ná­ri­os e cos­tu­mes exó­ti­cos que tes­te­mu­nha­ra no seio da tri­bo. Seu re­la­to, so­bre um eu­ro­peu aza­ra­do, con­quan­to en­ge­nho­so, en­ca­lha­do en­tre sel­va­gens canibais, ra­pi­da­men­te, se tor­nou uma sen­sa­ção em to­da a Eu­ro­pa, best-sel­ler, por assim di­zer, 162 anos an­tes de o in­glês Da­ni­el De­foe es­cre­ver Ro­bin­son Cru­soé.

Re­la­to des­cre­ve com per­fei­ção a pai­sa­gem, os há­bi­tos na­ti­vos e o ban­que­te an­tro­po­fá­gi­co pra­ti­ca­do pe­los po­vos Tu­pi

M.R. TERCI É ES­CRI­TOR, FI­NA­LIS­TA NO PRÊ­MIO CU­BO DE OU­RO, AU­TOR DE IM­PE­RI­AIS DE GRAN ABUELO (2018), OBRA AM­BI­EN­TA­DA NO PÓS-GU­ER­RA DO PA­RA­GUAI, E BAIR­RO DA CRIP­TA (2019), NA BEL­LE ÉPO­QUE BRA­SI­LEI­RA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.