MI­TOS E LEN­DAS

UMA NO­VA RE­PRE­SEN­TA­ÇÃO DO DEUS OSÍ­RIS FOI EN­CON­TRA­DA EM TEM­PLO DE KARNAK

Aventuras na Historia - - SUMÁRIO - POR RO­GER MARZOCHI

Deus Osí­ris e sua no­va re­pre­sen­ta­ção

Des­cen­den­te di­re­to de Rá, o deus da cri­a­ção, Osí­ris é o fi­lho mais ve­lho do ca­sal Geb e Nut, e rei­nou so­bre a Ter­ra co­mo o pri­mei­ro fa­raó do Egi­to. Is­so até ser as­sas­si­na­do por seu ir­mão Set, mo­ti­va­do pe­lo ciú­me e pela in­ve­ja. A par­tir daí, Osí­ris vi­rou o deus su­pre­mo do mun­do sub­ter­râ­neo: o juiz do mun­do dos mor­tos. Sua re­pre­sen­ta­ção sem­pre foi as­so­ci­a­da a um ho­mem mu­mi­fi­ca­do de co­roa bran­ca e plu­mas de aves­truz, bra­ços cru­za­dos so­bre o cor­po e, nas mãos, um ca­ja­do e um açoi­te. Di­fi­cil­men­te foi re­pre­sen­ta­do co­mo ani­mal, mas, quan­do is­so ocor­ria, to­ma­va a for­ma de um tou­ro, cro­co­di­lo ou pei­xe.

A re­vo­lu­ção de Ake­nathon (“a gló­ria de Aton”), po­rém, proi­biu o cul­to a Osí­ris e a um pan­teão de ou­tros 2 mil deu­ses do An­ti­go Egi­to – pa­ra que fos­se ve­ne­ra­do ape­nas Aton, o dis­co so­lar. O fa­raó dei­xou Te­bas, a sede do po­de­ro­so Tem­plo de Amon (Karnak), pa­ra cri­ar uma ci­da­de em Amar­na, que se cha­ma­ria Akhe­ta­ton (“ho­ri­zon­te de Aton”). Pela pri­mei­ra vez na His­tó­ria, o Egi­to se via cul­tu­an­do um deus úni­co. Mas a no­vi­da­de só foi até a sua mor­te, em 1336 a.c.

Um es­tu­do re­cen­te (e em an­da­men­to), liderado por pes­qui­sa­do­res ar­gen­ti­nos com egip­tó­lo­gos do Mu­seu Na­ci­o­nal, traz à to­na uma pos­sí­vel no­va re­pre­sen­ta­ção do deus Osí­ris: um sol no­tur­no, en­con­tra­do na tum­ba de Ne­ferho­tep, o es­cri­ba do Tem­plo de Karnak que vi­veu há 3,3 mil anos no An­ti­go Egi­to. “A res­tau­ra­ção do uni­ver­so osi­ri­a­no após Amar­na é o que queremos co­nhe­cer me­lhor”, afir­ma a ar­queó­lo­ga ar­gen­ti­na Vi­o­le­ta Pe­rey­ra, líder do pro­je­to que te­ve iní­cio em 1999. Se­gun­do ela, a no­va re­pre­sen­ta­ção do deus do mun­do sub­ter­râ­neo con­fi­gu­ra uma tran­si­ção en­tre o ti­po de “mo­no­teís­mo” cri­a­do pe­lo fa­raó Ake­nathon pa­ra o re­tor­no dos an­ti­gos deu­ses, após sua mor­te. É que, de acor­do com as ins­cri­ções na tum­ba de Ne­ferho­tep, o es­cri­ba che­gou à ve­lhi­ce no rei­na­do de Ay, vi­zir de Tu­tan­câ­mon que li­de­rou o Egi­to por qua­tro anos após a mor­te do jo­vem fa­raó, até dar lu­gar a Ho­remheb. Ou se­ja: uma re­pre­sen­ta­ção que apa­re­ceu jus­ta­men­te no pe­río­do de tran­si­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.