COLUNA

Aventuras na Historia - - SUMÁRIO -

CRIS­TI­A­NA BO­A­VEN­TU­RA

Pas­sa­dos mais de um sé­cu­lo de­pois do lan­ça­men­to de Os Ser­tões, im­pe­re­cí­vel e fun­da­men­tal nes­ses úl­ti­mos di­as, a obra vol­tou à pau­ta na mai­or fes­ta li­te­rá­ria bra­si­lei­ra, a Flip: Eu­cli­des da Cunha foi o ho­me­na­ge­a­do deste ano. Fa­lar so­bre Os Ser­tões, en­tre­tan­to, é en­trar em ter­re­no pe­ri­go­so já que a for­tu­na crí­ti­ca do li­vro é uma das mai­o­res do re­per­tó­rio da crí­ti­ca li­te­rá­ria do país. Nes­se sen­ti­do, se­ria pos­sí­vel en­con­trar cam­po aber­to pa­ra in­tro­du­zir um dis­cur­so? Es­co­lhi, en­tão, um pe­que­no re­cor­te pa­ra le­van­tar uma ques­tão.

O nos­so ima­gi­ná­rio na­ci­o­nal so­bre a Gu­er­ra de Ca­nu­dos de­ve-se em mui­to à exis­tên­cia des­sa po­tên­cia li­te­rá­ria. Se­rá que se Eu­cli­des não ti­ves­se se lan­ça­do a es­sa em­prei­ta­da te­ría­mos ho­je co­mo pen­sar o hor­ror que foi a Gu­er­ra de Ca­nu­dos? Dis­so des­do­bram-se outras ques­tões: quem de­tém (ou quem re­tém?) a nar­ra­ti­va ofi­ci­al da His­tó­ria? Co­mo se cons­trói um sen­ti­do pa­ra a His­tó­ria? E co­mo ca­da in­di­ví­duo re­a­ge à bru­ta­li­da­de e ao hor­ror im­pin­gi­do ao pró­prio cor­po?

Na No­ta Pre­li­mi­nar, da­ta­da de 1901, Eu­cli­des da Cunha afir­ma: “Aque­la cam­pa­nha lem­bra um re­flu­xo pa­ra o pas­sa­do. E foi, na sig­ni­fi­ca­ção in­te­gral da pa­la­vra, um cri­me. De­nun­ci­e­mo-lo”. A ideia pres­su­pos­ta em de­nun­ci­ar é a de de­cla­rar al­go, in­cri­mi­nar, dei­xar que se co­nhe­ça, e Eu­cli­des se em­pe­nhou nes­sa cam­pa­nha pessoal pela len­te de quem ex­pe­ri­en­ci­ou par­te do que foi nar­ra­do in lo­co. Mui­tos cor­res­pon­den­tes fo­ram en­vi­a­dos à re­gião, mui­tos vi­e­ses fo­ram vei­cu­la­dos pela im­pren­sa da época. Fa­tos, dis­tor­ções dos fa­tos, uma gu­er­ra de nar­ra­ti­vas es­tam­pa­da na im­pren­sa do ei­xo Rio-são Pau­lo prin­ci­pal­men­te com o fil­tro do go­ver­no que, di­vul­gan­do te­le­gra­mas e car­tas tro­ca­dos com os com­ba­ten­tes, por mui­tas ve­zes no­tí­ci­as fal­sas, in­sis­ten­te­men­te ten­ta­va amal­ga­mar o ima­gi­ná­rio da gu­er­ra. Mas Eu­cli­des ti­nha um pro­pó­si­to: “Fui con­vi­da­do em S. Pau­lo pa­ra es­tu­dar a re­gião de Ca­nu­dos (...) con­si­de­reis que tí­nheis um no­bre pa­pel em tu­do is­so e al­me­jo de­fi­ni-lo bem pe­ran­te o fu­tu­ro. Con­se­gui-lo-ei? Ani­ma-me a in­ten­ção de ser o mais jus­to pos­sí­vel”.

En­tre­tan­to, Eu­cli­des es­bar­ra na fra­gi­li­da­de da lin­gua­gem fren­te ao hor­ror. Is­so se re­ve­la na im­pos­si­bi­li­da­de de des­cre­ver al­gu­mas ima­gens. Ele op­ta por uma nar­ra­ti­va au­sen­te, um não nar­rar, jus­ta­men­te pela ine­nar­ra­bi­li­da­de do hor­ror. A in­ter­pre­ta­ção é cons­truí­da no si­lên­cio do não di­to. Os mo­men­tos finais de Ca­nu­dos nos che­gam por meio de uma nar­ra­ti­va au­sen­te. “Fe­che­mos es­te li­vro. For­re­mo-nos à ta­re­fa de des­cre­ver os seus úl­ti­mos mo­men­tos. Nem po­de­ría­mos fa­zê-lo. Es­ta pá­gi­na, ima­gi­na­mo-la sem­pre pro­fun­da­men­te emo­ci­o­nan­te e trá­gi­ca; mas cer­ra­mo-la va­ci­lan­te e sem bri­lhos.” Em al­guns mo­men­tos da obra, Eu­cli­des va­ci­la so­bre a pró­pria nar­ra­ti­va, in­ter­ro­ga-se se o fu­tu­ro da­rá au­ten­ti­ci­da­de à sua His­tó­ria, ta­ma­nha a de­su­ma­ni­da­de dos acon­te­ci­men­tos: atos tão bár­ba­ros po­de­ri­am ser en­ten­di­dos no li­vro co­mo fic­ção, uma ela­bo­ra­ção li­te­rá­ria, e não uma des­cri­ção da gu­er­ra? Pa­ra nos­sa sor­te o re­gis­tro épi­co nos che­ga co­mo tes­te­mu­nho de um tem­po que não de­ve ser es­que­ci­do, que não de­ve ser apa­ga­do.

Eu­cli­des da Cunha es­bar­ra na fra­gi­li­da­de da lin­gua­gem fren­te ao hor­ror da gu­er­ra e op­ta pe­lo si­lên­cio do não di­to

CRIS­TI­A­NA TI­RA­DEN­TES BO­A­VEN­TU­RA É PSI­CA­NA­LIS­TA COM MES­TRA­DO E DOU­TO­RA­DO

EM LI­TE­RA­TU­RA BRA­SI­LEI­RA PELA UNI­VER­SI­DA­DE DE SÃO PAU­LO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.