Na su­bi­da to­do san­to (qua­se sem­pre) me aju­da

Bicycling (Brazil) - - DE CICLISTA PARA CICLISTA - POR ERI­KA SAL­LUM, REDATORA-CHEFE

NO MO­MEN­TO EM QUE es­cre­vo es­te tex­to, fal­tam 15 di­as pa­ra eu pe­da­lar até o cu­me do ita­li­a­no Stel­vio, uma das mon­ta­nhas mais mí­ti­cas do ci­clis­mo – por su­as três fa­ces, no MES­MO dia. Is­so dá 130 km e 4.600 me­tros de as­cen­são. No mes­mo dia. Co­mo diz meu ami­go Edo, me aju­da­a­a­aa!

Nun­ca fui mui­to li­ga­da a de­sa­fi­os e pro­vas. Cur­to mes­mo é sen­tir o ven­to no ros­to, sem fi­car en­ca­na­da com re­cor­des pes­so­ais ou dis­pu­tas com­pe­ti­ti­vas. Mas a con­vi­te da or­ga­ni­za­ção do de­sa­fio Tri­plo Stel­vio, lá vou eu cur­tir a dor e a de­lí­cia do jor­na­lis­mo gon­zo (fi­cou cu­ri­o­so pa­ra sa­ber co­mo foi? Leia meu re­la­to, que co­me­ça na pág. 71).

En­tre­tan­to as subidas sem­pre fo­ram mi­nha mai­or pai­xão no ci­clis­mo. Não me dou mais tão bem nas es­ca­la­das co­mo an­tes da qui­mi­o­te­ra­pia, po­rém ain­da nu­tro um amor pro­fun­do por subidas sem fim, de pre­fe­rên­cia no es­ti­lo Val­le Ne­va­do, no Chi­le: lon­gas, não mui­to ín­gre­mes, chei­as de cur­vas e des­co­ber­tas ao lon­go do tra­je­to. Não por­que elas são du­ras e aque­le blá-blá-blá to­do de ci­clis­ta que diz que nos­so es­por­te se re­su­me a so­frer e se­ria por is­so que o ama­mos tan­to. Não gos­to de so­frer, gos­to é de ad­mi­rar a pai­sa­gem mu­dan­do com o pas­sar dos quilô­me­tros, es­tu­dar qual mar­cha vai me­lhor com meu es­ta­do de es­pí­ri­to men­tal e fí­si­co em de­ter­mi­na­do tre­cho e de abrir um sor­ri­so lar­go qu­an­do atin­jo o to­po da mon­ta­nha ape­nas com a for­ça das pró­pri­as per­nas.

No Val­le Ne­va­do mes­mo, que es­ca­lei em 2014, hou­ve um bre­ve mo­men­to que ja­mais sai­rá da mi­nha me­mó­ria. Fa­zia um frio de do­er os os­sos, e eu de re­pen­te me vi so­zi­nha su­bin­do es­sa mon­ta­nha mag­ní­fi­ca. O ven­to pa­re­cia que ia ar­ran­car mi­nhas ore­lhas. Pas­sou um ôni­bus de tu­ris­tas, e to­dos me olha­vam da ja­ne­la, com um mis­to de pe­na e ad­mi­ra­ção. Pen­sei na ho­ra co­mi­go mes­ma: “Eu não que­ria es­tar no quen­ti­nho do ôni­bus. Que­ria es­tar aqui mes­mo, em ci­ma da mi­nha bi­ke, sen­tin­do pe­la pri­mei­ra vez o cli­ma ár­duo dos An­des, apren­den­do na mar­ra co­mo é uma al­ta mon­ta­nha de res­pei­to”. E fui se­guin­do, pa­ra um dos di­as mais ma­ra­vi­lho­sos da mi­nha vi­da…

Su­bir bem tem a ver com ge­né­ti­ca, sim – os ma­gre­los se dão me­lhor, é fa­to. Tem a ver, cla­ro, com trei­no – não adi­an­ta en­ca­rar um Mont Ven­toux sem pas­sar uns bons me­ses se de­di­can­do a dar um gás na per­for­man­ce. Mas tam­bém tem a ver com cons­ci­ên­cia cor­po­ral, com con­tro­le da men­te, com au­to­co­nhe­ci­men­to e, es­pe­ci­al­men­te, com hu­mil­da­de, pa­ra per­ce­ber e acei­tar que, mui­tas ve­zes, a mon­ta­nha vai te ven­cer. Pa­ci­ên­cia, c’est la vie.

Se­rá que o Stel­vio vai me mas­sa­crar? Ah, sem dú­vi­da, kkkk. Se­rá que vou odiá-lo? Pro­va­vel­men­te, pe­lo me­nos du­ran­te al­gu­ma das três fa­ces. Se­rá que vou con­ge­lar na des­ci­da? Ô, se vou. Cho­ra­rei? Sim, mas não con­ta­rei a nin­guém (nem a vo­cê, lei­tor ami­go). Mas te­nho cer­te­za de que, aci­ma de tu­do, se­rá épi­co, co­mo só uma be­la su­bi­da con­se­gue ser.

A im­po­nên­cia do Stel­vio, co­nhe­ci­da co­mo a mon­ta­nha “rai­nha dos Al­pes”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.