EN­TRE BI­KES E MON­TA­NHAS

NOS­SA REDATORA-CHEFE MAL SA­BIA O QUE ES­PE­RA­VA POR ELA AO ACEI­TAR O CON­VI­TE PA­RA SU­BIR DE BI­KE AS TRÊS FA­CES DE UMA MON­TA­NHA ÉPI­CA NOS AL­PES ITALIANOS – NO MES­MO DIA

Bicycling (Brazil) - - ESPECIAL SUBIDAS - POR ERI­KA SAL­LUM

É FÁ­CIL ACEI­TAR de­sa­fi­os qu­an­do se es­tá den­tro de um es­cri­tó­rio, no con­for­to do ou­tro la­do da tela de um ce­lu­lar. A men­sa­gem apa­re­ceu no What­sapp tão rá­pi­do quan­to eu res­pon­di “sim, cla­ro!”. Uma bra­si­lei­ra ra­di­ca­da na Itá­lia cha­ma­da Ce­cí­lia Ro­cha Men­des, ami­ga do meu trei­na­dor e do­na de uma agên­cia de vi­a­gens ci­clís­ti­cas na­que­le país, es­ta­va me cha­man­do pa­ra um de­sa­fio re­cém-cri­a­do, a ser re­a­li­za­do no dia 26 de ju­nho: su­bir de bi­ke uma mon­ta­nha ma­jes­to­sa na Lom­bar­dia por su­as três fa­ces – no mes­mo dia. Mi­nha hu­mil­de car­rei­ra ci­clís­ti­ca já so­ma bons 15 anos, po­rém con­fes­so que ja­mais ha­via pe­da­la­do na ter­ra de Mar­co Pan­ta­ni, es­tre­la má­xi­ma do ci­clis­mo ita­li­a­no, ven­ce­dor de Tour de Fran­ce e Gi­ro d’ita­lia. Por­tan­to a mon­ta­nha Stel­vio, nos Al­pes, me era co­nhe­ci­da, mas nem tan­to as­sim. “Vou, ló­gi­co, com o mai­or pra­zer”, es­cre­vi de vol­ta pa­ra Ce­cí­lia. Em um pa­po rá­pi­do com meu co­a­ch, per­gun­tei se eu te­ria con­di­ções fí­si­cas pa­ra com­ple­tar o tal even­to. “O mais im­por­tan­te é que se­rá épi­co”, re­su­miu Ro­nal­do Mar­ti­nel­li, meu trei­na­dor e um dos mai­o­res es­pe­ci­a­lis­tas em ci­clis­mo de al­ta mon­ta­nha do Bra­sil.

An­tes de re­la­tar a ex­pe­ri­ên­cia, que fi­que cla­ro: nun­ca fui das lon­gas dis­tân­ci­as ou dos fei­tos su­per-hu­ma­nos. Edi­to du­as re­vis­tas –a Bicy­cling ea Go Out­si­de – es­pe­ci­a­li­za­das em atle­tas e co­ra­jo­sos ama­do­res que vi­vem ex­pan­din­do seus li­mi­tes na água, na ter­ra e no mar. A pró­pria re­da­ção da edi­to­ra Rocky Mountain é um ce­lei­ro de des­te­mi­das al­mas out­do­or, co­mo mi­nha ami­ga e chefe An­drea Es­te­vam, que já en­ca­rou pro­vas de cor­ri­da de aven­tu­ra de mais de 600 km e ou­tros chal­len­ges do ti­po. Mas eu, não. Cur­to mes­mo pe­dais de até umas três ho­ras, de pre­fe­rên­cia não mui­to ce­do nos fins de se­ma­na, pa­ra de­pois ir ao ci­ne­ma e, quem sa­be, até dan­çar à noi­te. Fal­ta-me aque­la energia pa­ra que­rer fa­zer es­for­ço du­ran­te mui­to tem­po.

Di­to is­so, va­mos aos nú­me­ros do de­sa­fio ita­li­a­no, ba­ti­za­do por seus or­ga­ni­za­do­res de Tri­plo Stel­vio. No to­tal se­ri­am 130 km, na­da mui­to anor­mal pa­ra en­tu­si­as­ma­dos ci­clis­tas de es­tra­da co­mo eu. O pro­ble­ma co­me­ça no que diz res­pei­to à al­ti­me­tria acu­mu­la­da, ou, em ou­tras pa­la­vras, o to­tal pe­da­la­do ver­ti­cal­men­te se se­guís­se­mos uma li­nha re­ta a par­tir do chão: en­tre 4.600 e 4.700 me­tros em um úni­co dia, va­lor de dar ar­re­pi­os até em bi­kers pim­pões que se acham os reis da mon­ta­nha. Mas não pa­ra por aí. Ca­da fa­ce do Stel­vio me­re­ce am­plo res­pei­to. Na pri­mei­ra es­tra­da até o cu­me, que tem iní­cio na ci­da­de de Bor­mio, é pre­ci­so en­ca­rar 21,5 km; de­pois, a par­tir da ci­da­de de Pra­to al­lo Stel­vio, ou­tros 25,4 km; por fim, já em ter­ri­tó­rio suí­ço, são mais 15,4 km, em um per­cur­so que sai da co­mu­na de San­ta Ma­ria Val Müs­tair. Che­ga­ría­mos pe­da­lan­do a to­das es­sas es­tra­das, ou se­ja, su­bi­ría­mos pri­mei­ro o la­do de Bor­mio, des­ce­ría­mos e de­pois su­bi­ría­mos

Pra­to e, em se­gui­da, a mes­ma coi­sa em re­la­ção a San­ta Ma­ria, re­tor­nan­do a Bor­mio no fim de tu­do. Os­so, meu ami­go, os­so... Se eu ti­nha cons­ci­ên­cia des­ses “de­ta­lhes” na ho­ra de acei­tar a pro­pos­ta de Ce­cí­lia? Não. Se­rá que eu mu­da­ria de ideia se sou­bes­se de tu­do is­so com cer­ta an­te­ce­dên­cia? Tal­vez. Po­rém o con­vi­te es­ta­va acei­to e, co­mo con­cla­ma o di­to po­pu­lar, mis­são da­da, mis­são cum­pri­da.

Uma se­ma­na an­tes do even­to, par­ti ru­mo a Bor­mio, uma ci­da­de me­di­e­val ab­sur­da­men­te be­la no nor­te da Itá­lia. Por con­ta do cli­ma ins­tá­vel nas mon­ta­nhas, Ce­cí­lia me ex­pli­ca­ra que ha­ve­ria uma ja­ne­la de tem­po: ca­so a pre­vi­são pa­ra o dia 26 de ju­nho não fos­se boa, o de­sa­fio po­de­ria acon­te­cer até três di­as an­tes. Os san­tos pa­re­cem que cur­ti­ram a ideia do Tri­plo Stel­vio. Céu sem nu­vens, sol bri­lhan­do e um certo frio es­ta­vam pre­vis­tos pa­ra acom­pa­nhar o gru­po de par­ti­ci­pan­tes (25 pes­so­as, a mai­o­ria do Bra­sil, além de jor­na­lis­tas es­tran­gei­ros). Ob­vi­a­men­te que eu – ci­clis­ta de­sa­vi­sa­da, co­mo ex­pli­ca­do no pri­mei­ro pa­rá­gra­fo – não per­gun­tei o que fa­ría­mos até o gran­de dia, ca­so o even­to fos­se mes­mo ro­lar na da­ta pre­vis­ta. Sim­pa­ti­cís­si­ma, próa­ti­va e apai­xo­na­da por ci­clis­mo, Ce­cí­lia pen­sou em um jei­to da agra­dar aos con­vi­da­dos, or­ga­ni­zan­do al­guns pe­dais pa­ra es­se tem­po li­vre. Por on­de pe­da­la­ría­mos? Coi­sa “pou­ca”: até o cu­me do Pas­so Ga­via (25 km, com 1.400 me­tros de al­ti­me­tria), o du­rís­si­mo Mor­ti­ro­lo (12 km; al­ti­me­tria de 1.315 me­tros; leia mais no bo­xe na pág.

75) e o la­go Can­ca­no (10 km e qua­se 800 me­tros de al­ti­me­tria). Só es­ses três trei­nos já se­ri­am su­fi­ci­en­tes pa­ra me ar­ra­sar, po­rém eu ain­da en­ca­ra­ria as três fa­ces da mon­ta­nha mais im­po­nen­te da Lom­bar­dia.

Eu ha­via pas­sa­do me­ses trei­nan­do subidas pa­ra o Tri­plo Stel­vio, amar­gan­do sá­ba­dos so­fri­dos em Cam­pos do Jor­dão (SP) e ou­tras ser­ras, além de mo­nó­to­nos ti­ros se­ma­nais na ci­clo­via do rio Pi­nhei­ros, na ca­pi­tal pau­lis­ta­na. Mas não es­ta­va 100% pre­pa­ra­da pa­ra tan­tos pe­dais italianos com ta­ma­nha al­ti­me­tria, to­dos em um in­ter­va­lo de tem­po de me­nos de uma se­ma­na. Mas não po­dia ne­gar os pas­sei­os, afi­nal, as ex­pe­ri­ên­ci­as tor­nam o ofí­cio jor­na­lís­ti­co mui­to mais ri­co (e tam­bém qu­an­do é que eu te­ria no­va­men­te a opor­tu­ni­da­de de pe­da­lar por aque­las ban­das?!). Im­po­nen­te, o Ga­via se mos­trou uma óti­ma in­tro­du­ção ao ci­clis­mo nos Al­pes: es­tra­di­nha lon­ga, re­ple­ta de pai­sa­gens bu­có­li­cas, em um vai e vem in­ter­mi­ná­vel de cur­vas e al­guns pon­tos cur­tos bem in­cli­na­dos, além de uma fri­a­ca de ra­char na che­ga­da ao to­po. Nes­sa re­gião da Lom­bar­dia, as mon­ta­nhas são car­re­ga­das de his­tó­ria ci­clís­ti­ca, e com o Ga­via não é di­fe­ren­te. O per­cur­so en­trou pa­ra o Gi­ro d’ita­lia em 1960 e nes­tas dé­ca­das viu gi­gan­tes da bi­ke co­mo Jac­ques An­que­til e Ivan Bas­so da­rem tu­do de si nas su­as subidas e des­ci­das.

Já o Mor­ti­ro­lo... bem, es­se aí é pa­ra os for­tes de corpo e de al­ma. Con­si­de­ra­da uma das subidas mais du­ras do ci­clis­mo pro­fis­si­o­nal, a es­trei­ta es­tra­di­nha é ín­gre­me pa­ra de­déu, re­ve­lan­do-se uma via-crú­cis pa­ra se pa­gar to­dos os pe­ca­dos por ter fal­ta­do a trei­nos, per­di­do a ho­ra e tro­ca­do a bi­ke pe­la cer­ve­ji­nha. En­tre­tan­to o so­fri­men­to pa­re­ce que so­me ime­di­a­ta­men­te lá pe­lo sé­ti­mo quilô­me­tro, qu­an­do sur­ge um mo­nu­men­to (de gos­to du­vi­do­so, é ver­da­de) em ho­me­na­gem a Pan­ta­ni – o po­lê­mi­co e ca­ris­má­ti­co ci­clis­ta que usa­va brin­cos de ar­go­la e mor­reu de over­do­se de co­caí­na imor­ta­li­zou o Mor­ti­ro­lo ao dei­xar pa­ra trás seus ri­vais ali du­ran­te uma etapa do Gi­ro de 1994. “Qu­an­do é que va­mos co­me­çar a su­bir de ver­da­de?”, per­gun­tou Pan­ta­ni cer­ta vez a um co­le­ga de equi­pe no fim do Mor­ti­ro­lo, com um sor­ri­si­nho ma­ro­to. A su­bi­da até o la­go de Can­ca­no é cê­ni­ca, com mui­tas cur­vas fe­cha­das e di­rei­to a uma che­ga­da ci­ne­ma­to­grá­fi­ca, na qual o ci­clis­ta é re­ce­bi­do pe­las tor­res Fra­e­le, er­gui­das no sé­cu­lo 14. Ao fim da sé­rie de pe­dais ma­ra­vi­lho­sos, mi­nha al­ma es­ta­va cheia de gra­ti­dão, mi­nha co­lu­na, re­ple­ta de dor, e meu co­ra­ção, inun­da­do de me­do – co­mo en­ca­rar três Stel­vi­os de­pois de tan­to es­for­ço fí­si­co, dio mio?

QU­AN­DO O DESPERTADOR to­cou às 2h da ma­nhã do dia 26 de ju­nho, não era ape­nas so­no o que eu sen­tia. Mi­nhas per­nas es­ta­vam pe­sa­das de tan­tas mon­ta­nhas, e a lom­bar so­fria (co­mo boa de­sa­vi­sa­da, eu me ma­tri­cu­lei em um trei­no fun­ci­o­nal, em São Pau­lo, três se­ma­nas an­tes da vi­a­gem; cla­ro, aca­bei me ma­chu­can­do). Por que acor­dar às 2h da ma­ti­na? Pa­ra ver o nas­cer do sol na pri­mei­ra su­bi­da do Stel­vio – ideia do ex-ci­clis­ta pro­fis­si­o­nal An­drea Gennari, 50, que em 2017 fez as três fa­ces da mon­ta­nha com ami­gos ne­o­ze­lan­de­ses que pro­pu­se­ram a fa­ça­nha. A brin­ca­dei­ra aca­bou vi­ran­do even­to ci­clís­ti­co nes­te ano, ago­ra com a par­ti­ci­pa­ção de Ce­cí­lia e da sua agên­cia, a Italy Bi­ke Tour.

Par­ti­mos to­dos de nos­so hotel, em Bor­mio, às 3h15 de uma ma­dru­ga­da fria. Fa­zia uns 7⁰C, mas con­fes­so que não es­ta­va tão ruim as­sim. Tro­quei até a ja­que­ta por um cor­ta-ven­to sem man­gas e me sen­tia to­da pro­sa com mi­nha lu­va de de­do cur­to e mei­as “fashi­on”. O ner­vo­so do­mi­na­va mi­nhas vei­as, e eu mal via a ho­ra de su­bir na bi­ke. Co­mo vo­cê já sa­be bem a es­ta al­tu­ra do tex­to, sou mes­mo de­sa­vi­sa­da e es­que­ci de le­var luz di­an­tei­ra e tra­sei­ra, en­tão se­gui noi­te aden­tro ten­tan­do rou­bar um pou­co de lan­ter­na dos meus co­le­gas. Os âni­mos es­ta­vam óti­mos e fo­mos na es­cu­ri­dão em di­re­ção ao

Stel­vio, em uma es­tra­da que pra­ti­ca­men­te co­me­ça den­tro de Bor­mio. Não da­va pa­ra ver na­da ao re­dor, o que mais tar­de aca­bou se re­ve­lan­do óti­mo: mal se en­xer­ga­va a in­cli­na­ção e as cur­vas acen­tu­a­das da pri­mei­ra fa­ce. Nos 10 km ini­ci­ais, co­me­ça­mos a pas­sar por tú­neis de pe­dra, ilu­mi­na­dos por lu­zes que se acen­di­am com sen­so­res (coi­sa fi­na es­sa Itá­lia). Sen­ti mi­nha pres­são meio es­tra­nha, co­mo se ti­ves­se to­ma­do mui­to ca­fé. Era o tal ner­vo­so que se fa­zia pre­sen­te. Anos de te­ra­pia freu­di­a­na já me le­va­ram a um certo au­to­co­nhe­ci­men­to: eu es­ta­va me pe­lan­do de me­do do que vi­ria pe­la fren­te. Me­lhor res­pi­rar fun­do e pu­xar pa­po com a mo­ça ao la­do – que, tal­vez com a mes­ma sen­sa­ção, pe­gou o ce­lu­lar e co­lo­cou pa­ra to­car “Ja­nie’s Got a Gun”, do Ae­ros­mith. Eu, que nun­ca gos­tei mui­to des­sa ban­da, me vi can­tan­do al­to “Ja­nie’s got a gu­u­u­u­un”, em uma vã ten­ta­ti­va de es­pan­tar tan­to o ner­vo­sis­mo quan­to o frio, que na­que­la ho­ra cis­ma­va em pi­o­rar.

O céu cla­re­a­va aos pou­cos, dan­do for­ma a uma en­xur­ra­da de pi­cos ne­va­dos de uma be­le­za meio as­sus­ta­do­ra. Es­tá­va­mos em um am­bi­en­te de na­tu­re­za hos­til. O ba­ru­lho de água que se ou­via ao lon­ge se re­ve­lou, com o rai­ar do dia, ser uma po­ten­te cas­ca­ta de de­ge­lo. “Acho que não es­tou sen­tin­do o de­dos das mãos”, pen­sei, en­quan­to en­to­a­va ou­tro hit do Ae­ros­mith, des­ta vez “Crazy”. A al­ti­tu­de di­fi­cul­ta­va a res­pi­ra­ção, e en­tão lem­brei das pa­la­vras da mi­nha chefe em um áu­dio en­vi­a­do pou­cas ho­ras an­tes pe­lo What­sapp: “Não deixe a men­te ir pa­ra o la­do ne­gro, fo­que em coi­sas bo­as, agra­de­ça por es­tar ven­do tan­ta be­le­za”. Al­gum in­fe­liz de­ci­diu com­par­ti­lhar a tem­pe­ra­tu­ra: fa­zia 4⁰C ne­ga­ti­vos. A mo­ça fã do Ae­ros­mith, mountain bi­ker ve­te­ra­na e de apa­rên­cia for­te da­que­las de pôr me­do nas ad­ver­sá­ri­as em lar­ga­da de pro­va no in­te­ri­or, de re­pen­te en­trou em pâ­ni­co. “Meus pés es­tão con­ge­la­dos, es­tá do­en­do mui­to!”, dis­se ela, com ca­ra de de­ses­pe­ro tí­pi­ca de fil­mes em que as pes­so­as en­tram em rou­ba­das no Eve­rest. Re­sol­vi dis­traí-la con­tan­do so­bre mi­nhas fé­ri­as em 2015, qu­an­do en­fren­tei um ter­re­mo­to no Ne­pal – aqui­lo, sim, foi uma rou­ba­da, não pas­sar mui­to frio aqui no Stel­vio, re­fle­ti eu na­que­le mo­men­to, ten­tan­do con­ven­cer a mim mes­ma. Mas nem mi­nhas des­ven­tu­ras no Ori­en­te fo­ram ca­pa­zes de acal­má-la. A jo­vem se di­ri­giu a uma van, es­ta­ci­o­na­da no meio do na­da, e pe­diu pa­ra en­trar.

Tal­vez te­nha si­do a tem­pe­ra­tu­ra con­ge­lan­te, que cer­ta­men­te tor­nou mi­nha cir­cu­la­ção mais len­ta, mas o fa­to é que fui to­ma­da por uma cal­ma ple­na. Lo­go eu, fa­mo­sa

por fi­car ten­sa em si­tu­a­ções mui­to mais fa­vo­rá­veis que es­sa. Se­gui ru­mo ao cu­me so­zi­nha. O de­dão do meu pé doía tan­to... Pas­sei a pe­da­lar com uma das mãos, co­lo­can­do a ou­tra pa­ra es­quen­tar den­tro da go­la de fle­e­ce que ti­nha no pes­co­ço. Uma for­ça – ins­tin­to de so­bre­vi­vên­cia? – do­mi­nou meu corpo, e co­me­cei a gi­rar o pe­di­ve­la com in­ten­si­da­de e gar­ra. À mi­nha vol­ta, enor­mes mon­ta­nhas ne­va­das me ob­ser­va­vam, re­ba­ten­do uma in­ten­sa luz la­ran­ja do sol nas su­as pri­mei­ras ho­ras de vi­da. Co­me­cei a sen­tir meu olho se en­cher de lá­gri­mas. Ca­ram­ba, que sor­te a mi­nha ter a hon­ra de ad­mi­rar os Al­pes da­li de ci­ma. Quem di­ria que dois anos de­pois de en­fren­tar um cân­cer e me­ses du­rís­si­mos de qui­mi­o­te­ra­pia eu es­ta­ria em uma bi­ke ven­do o to­po do Stel­vio a pou­cas cur­vas de dis­tân­cia. No chão, fra­ses pin­ta­das com di­ze­res co­mo “For­za, Ni­ba­li!”e“al­lez! Al­lez!” me lem­bra­vam de que ali, em con­di­ções mui­to pi­o­res, já pas­sa­ram os mai­o­res mi­tos do ci­clis­mo mun­di­al. Ne­nhum termô­me­tro abai­xo de ze­ro se­ria ca­paz de ti­rar mi­nha ale­gria de ter ti­do uma se­gun­da chan­ce de ver co­mo es­te mun­do é lin­do – ain­da mais qu­an­do se es­tá em ci­ma de uma bi­ci­cle­ta.

Che­guei ao pri­mei­ro PC do Tri­plo Stel­vio, on­de um gru­po de com­ba­ten­tes ci­clis­tas ti­nha o sem­blan­te de sol­da­dos italianos de­pois de uma ne­vas­ca na Pri­mei­ra Guer­ra, de tão con­ge­la­dos e der­ru­ba­dos. Tro­ca­mos de roupas, dei­xa­das pre­vi­a­men­te em sa­co­las com a or­ga­ni­za­ção do even­to na noi­te an­te­ri­or, co­me­mos pão com bre­sa­o­la (pro­du­to tí­pi­co de Bor­mio) e re­tor­na­mos pa­ra a fri­a­ca de las­car lá fo­ra. Ago­ra te­ría­mos de en­ca­rar mais de 25 km de des­ci­da “bra­ba” até Pra­to. Apro­vei­to a dei­xa pa­ra ou­tra re­ve­la­ção: nun­ca fui das des­ci­das, pe­lo con­trá­rio. Sem­pre ti­ve me­do de sol­tar o freio, e na mais ater­ra­do­ra des­ci­da da mi­nha vi­da não foi di­fe­ren­te. Do to­po do Stel­vio até Pra­to, são 48 cur­vas (nu­me­ra­das com pla­qui­nhas sá­di­cas) no tre­cho mais ín­gre­me, tão fe­cha­das que não dá pa­ra ver as inú­me­ras mo­tos Har­ley-da­vid­son que, co­mo os ci­clis­tas, amam os Al­pes. Es­sa pi­ram­ba é tão lon­ga, mas tão lon­ga que, em de­ter­mi­na­do mo­men­to, ti­ve a cer­te­za de que ha­via me per­di­do. “Ai, que tris­te pas­sar tan­to tem­po me pre­pa­ran­do pa­ra es­te de­sa­fio e de­pois ter que li­gar pa­ra a re­da­ção dizendo que não o com­ple­tei, pois pe­guei um ca­mi­nho er­ra­do”, pen­sei. Che­guei a pa­rar um ve­lhi­nho pa­ra per­gun­tar se Pra­to es­ta­va per­to. Pe­la ca­ra do sim­pá­ti­co se­nhor, ain­da fal­ta­vam mui­tos quilô­me­tros. Pas­sei por tú­neis e cru­zei ci­da­de­zi­nhas al­pi­nas que pa­re­ci­am sair de em­ba­la­gem de cho­co­la­te suí­ço com su­as ca­si­nhas de te­lha­do cur­vo e pi­cos com ne­ve ao re­dor. Ca­dê Pra­to, ma­don­na mia? A sim­ples ideia de que eu te­ria de su­bir tu­do aqui­lo que es­ta­va des­cen­do me da­va mais en­joo que a meia dú­zia de géis de car­boi­dra­to sa­bor sal­ted ca­ra­mel que eu car­re­ga­va no bol­so da ja­que­ta. A SE­GUN­DA FA­CE a ser ven­ci­da no Tri­plo Stel­vio se mos­trou a mais cru­el, po­rém tam­bém a mais lin­da. Si­nos de va­cas bem nu­tri­das de pri­mei­ro mun­do em­ba­la­vam meus pen­sa­men­tos. Um ou ou­tro ci­clis­ta lo­cal sur­gia de vez em qu­an­do. Ah, que igre­ji­nha mais lin­da encravada na ro­cha. Olha lá um agri­cul­tor ga­to bem loi­ro e ta­tu­a­do. Jesus ama­do, que cur­va ín­gre­me es­ta aqui, e eu não che­guei nem na me­ta­de dos 25,4 km de vol­ta ao cu­me. De re­pen­te res­sur­gi­ram as pla­qui­nhas nu­me­ran­do os ca­ra­cóis das cur­vas no tre­cho fi­nal. Eu, já can­sa­da, te­ria de en­fren­tar 48 in­fer­nos em for­ma de es­tra­da si­nu­o­sa, só que ago­ra ri­ban­cei­ra aci­ma. Na cur­va de nú­me­ro 42, lem­brei da mi­nha ida­de atu­al. Na 41ª, re­cor­dei mi­nha for­ça de von­ta­de pa­ra me re­cu­pe­rar da qui­mi­o­te­ra­pia. Na 40ª, vol­tou à me­mó­ria a ce­na de eu can­tan­do pa­ra­béns no meu ani­ver­sá­rio, já sem ca­be­lo ne­nhum por con­ta do tra­ta­men­to do cân­cer. Per­ce­bi ali que ha­via um jo­go men­tal po­de­ro­so pa­ra me le­var até o to­po do Stel­vio no­va­men­te. Cur­va a cur­va, re­pas­sei mo­men­tos fe­li­zes (e ou­tros tra­gicô­mi­cos) da mi­nha vi­da. “Nos­sa, se al­guém apro­vei­tou os 27 anos, fui eu”, con­clui ao re­vi­ver mi­nha fa­se ra­ve de fes­tas ao ar li­vre. “Co­mo eu era bo­ba aos 19, cre­do!” Dei gar­ga­lha­das so­zi­nha lem­bran­do de na­mo­ros equi­vo­ca­dos, dos meus pri­mei­ros anos co­mo re­pór­ter e de vi­a­gens in­crí­veis pe­lo mun­do.

De re­pen­te, no chão uma al­ma ca­ri­do­sa pin­tou “3 km to go!”. A che­ga­da ain­da pa­re­cia dis­tan­te, no en­tan­to 3 km já não as­sus­ta­vam mais. Sen­ti um can­sa­ço ba­ter for­te, po­rém

se­gui adi­an­te. Mi­nha lom­bar re­sol­veu dar o ar da gra­ça, com for­ça to­tal. To­mei meu an­ti­in­fla­ma­tó­rio, de­vi­da­men­te apro­va­do pe­la mi­nha que­ri­da mé­di­ca – e o sor­ri­so afe­tu­o­so da dra. Fer­nan­da me re­con­for­tou. Im­pres­si­o­nan­te co­mo é mes­mo a men­te que nos guia.

De vol­ta ao PC do de­sa­fio, sou­be que al­guns par­ti­ci­pan­tes ha­vi­am de­sis­ti­do. Du­as subidas exi­gen­tes se re­ve­la­ram o su­fi­ci­en­te pa­ra eles. Mas eu que­ria ter­mi­nar a to­do cus­to – e po­der con­tar a ex­pe­ri­ên­cia aqui nes­tas pá­gi­nas. Ro­si, es­po­sa do meu trei­na­dor e ela mes­ma uma for­te ci­clis­ta, ha­via de­sen­ca­na­do de con­ti­nu­ar. “Va­mos co­mi­go, so­mos pou­cas as mu­lhe­res aqui nes­te even­to”, pe­di (além de nós, ape­nas Ma­ri­e­la, ou­tra bra­si­lei­ra, con­ti­nu­a­va a pe­da­lar). Ao per­ce­ber que ela não iria, tro­quei de rou­pa e fui de no­vo pe­gar mi­nha bi­ke. Da ja­ne­la, ou­vi um gri­to. “Eri­ka, eu vou!”. Era Ro­si, que mu­da­ra de ideia! Meu co­ra­ção se en­cheu de ale­gria e co­me­cei a achar que, tal­vez, eu con­se­guis­se mes­mo com­ple­tar as três fa­ces des­sa mon­ta­nha!

A ter­cei­ra des­ci­da cru­za pa­ra a Suí­ça. O ce­ná­rio mu­da, fi­ca mais ru­ral. A es­tra­da é mais es­trei­ta e des­ce, des­ce, des­ce, em um fes­ti­val de cur­vas sem fim – que eu te­ria, ób­vio, que su­bir da­li a pou­co. A co­mu­na de San­ta Ma­ria Val Müs­tair tem ares de ci­da­de­zi­nha de Le­go de tão bo­ni­ti­nha. As pla­cas e si­nais são es­cri­tos no di­a­le­to lo­cal. Aqui em­bai­xo, o dia es­ta­va quen­te, já na ca­sa de uns 24⁰C. Mas éra­mos ago­ra ci­clis­tas es­cal­da­dos e sa­bía­mos que lá em ci­ma a coi­sa mu­da de fi­gu­ra. En­fi­ei um cor­ta-ven­to no bol­so, a go­la de fle­e­ce foi en­tu­cha­da na par­te de trás da ca­mi­sa e le­vei até uma gros­sa lu­va de de­do lon­go. A su­bi­da te­ria 15,4 km até a fron­tei­ra com a Itá­lia – mas, até o PC fi­nal, se­ri­am 17 km to­tais e qua­se 1.400 de al­ti­me­tria. Fui até que bem nos pri­mei­ros quilô­me­tros, pe­da­lan­do um ti­qui­nho na fren­te de Ro­si e do guia Clau­dio To­non, bra­si­lei­ro con­vi­da­do de Ce­cí­lia pa­ra aju­dar os ou­tros ci­clis­tas. Mas a lom­bar e a exaus­tão le­va­ram mi­nha men­te pa­ra o tal lu­gar ne­gro.

Fal­tan­do pou­co pa­ra che­gar à me­ta­de da su­bi­da, de­sa­bei. Co­me­cei a cho­rar igual cri­an­ça, pe­da­lan­do bem de­va­gar. Eu não ti­nha mais for­ças. Eu que­ria tan­to com­ple­tar es­se de­sa­fio. Eu não aguen­ta­va mais a dor for­mi­gan­do mi­nha co­lu­na. Eu não trei­nei di­rei­to, eu sou uma pés­si­ma ci­clis­ta, eu não sei en­ca­rar si­tu­a­ções di­fí­ceis, eu sou um fi­as­co... Ao per­ce­ber mi­nhas lá­gri­mas, Ro­si olhou pa­ra mim e dis­se: “Vo­cê já en­fren­tou tan­ta coi­sa nes­ta vi­da, mi­nha ami­ga. Is­to aqui não é na­da pa­ra vo­cê. Va­mos em fren­te, va­mos ter­mi­nar”. Sua voz tre­meu, emo­ci­o­na­da. Foi com Ro­si que, em 2005, fiz o Ex­tra Dis­tan­ce, uma pro­va de 800 km, em quar­te­to. Foi com ela que, aos 28 anos, cho­rei e ri na­que­la com­pe­ti­ção ma­lu­ca que cru­zou o Es­ta­do de São Pau­lo e du­rou 24 ho­ras. Ela ti­nha me vis­to ca­re­ca da quí­mio, me viu to­da in­cha­da de cor­ti­coi­de ten­tan­do vol­tar a pe­da­lar lo­go de­pois. E ela ti­nha ra­zão: aqui­lo ali não era na­da pa­ra mim. Eu su­pe­rei tan­ta coi­sa ruim, eu ti­nha, sim, for­ças pa­ra con­ti­nu­ar. To­non se jun­tou a nós, qua­se cho­ran­do tam­bém. Pe­gou o ce­lu­lar e co­lo­cou uma mú­si­ca que, se­gun­do ele, era perfeita pa­ra aque­le mo­men­to. A voz da can­to­ra Pink co­me­çou a eco­ar nas mon­ta­nhas dos Al­pes: “The­re’s a ro­ad that ta­kes me ho­me/ ta­ke me fast or ta­ke me slow” (Tem uma es­tra­da que me le­va pa­ra ca­sa/ Le­ve-me rá­pi­do ou le­ve-me de­va­gar”. Co­mo diz a can­to­ra na mú­si­ca, “I ho­nes­tly ne­ver ima­gi­ned I’d get this far” (Eu ho­nes­ta­men­te nun­ca ima­gi­nei que che­ga­ria tão lon­ge). Nun­ca ima­gi­nei que um dia eu es­ta­ria ali, pe­da­lan­do com dor, mas sen­tin­do o ven­to frio do Stel­vio, ven­do de per­to co­mo são ama­re­las as flo­res que nas­cem na­que­las en­cos­tas, ven­cen­do ca­da cur­va com a for­ça das mi­nhas pró­pri­as per­nas, con­quis­tan­do ca­da me­tro de su­bi­da, uma pe­da­la­da de­pois da ou­tra.

Ao che­gar no fim do Tri­plo Stel­vio, nós três nos de­mos um lon­go abra­ço e cho­ra­mos. Até pen­sei em vol­tar pa­ra o hotel no car­ro, pois o frio da tar­de era de do­er os os­sos a 2.758 me­tros de al­ti­tu­de. Mas não ha­via lu­gar na van. Bo­ra­lá ves­tir rou­pa quen­te tu­do de no­vo e des­cer os 21,5 km da pri­mei­ra su­bi­da – ago­ra de dia, ad­mi­ran­do a be­le­za das ca­cho­ei­ras de de­ge­lo, das cons­tru­ções mi­li­ta­res usa­das na Pri­mei­ra e na Se­gun­da Guer­ra na di­vi­sa his­tó­ri­ca de dois paí­ses eu­ro­peus. Mor­ri de me­do, no­va­men­te, na des­ci­da. Ba­ti os den­tes de frio. Sen­ti a dor nas mãos de tan­to fre­ar por qua­se 40 mi­nu­tos mor­ro abai­xo até Bor­mio. “Obri­ga­da, vi­da”, mur­mu­rei pa­ra mim mes­ma. E se­gui em fren­te, até o hotel, trans­bor­dan­do de fe­li­ci­da­de.

An­drea Gennari, ex-ci­clis­ta que te­ve a ideia de cri­ar o de­sa­fio Tri­plo Stel­vio

Eri­ka Sal­lum em um dos tú­neis da pri­mei­ra su­bi­da, sain­do de Bor­mio

Uma das 48 cur­vas da su­bi­da de Pra­to, com mais de 25 km

A au­to­ra com as mãos con­ge­lan­do de frio. O dia ama­nhe­cia e o termô­me­tro mar­ca­va -4oc

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.