Na­da co­mo o pra­zer de Um pe­dal OFFLINE

Bicycling (Brazil) - - DE CICLISTA PARA CICLISTA - POR ERIKA SALLUM, REDATORA-CHE­FE DA BICYCLING BRA­SIL

RE­CEN­TE­MEN­TE FUI com ami­gos fa­zer a Ser­ra Ve­lha de Cam­pos do Jor­dão (SP). A su­bi­da, de 12,7 km, é um point con­cor­ri­do en­tre ci­clis­tas pau­lis­tas. Ha­via aca­ba­do de che­gar da ex­pe­ri­ên­cia de pedalar na mí­ti­ca mon­ta­nha Stel­vio, na Itá­lia, e es­ta­va to­da “me achan­do”, cheia de ener­gia pa­ra ven­cer mor­ros e al­ti­me­tri­as.

Foi uma das pri­mei­ras ve­zes des­de que ter­mi­nei um tra­ta­men­to de qui­mi­o­te­ra­pia, dois anos atrás, que sen­ti que pe­da­la­va co­mo an­tes. Su­bi a Ser­ra Ve­lha em um rit­mo de­li­ci­o­so, ul­tra­pas­sei al­guns ci­clis­tas, cur­ti ca­da cur­va e an­si­ei – ado­ran­do! – o tre­cho fi­nal, o mais ín­gre­me de to­da a es­ca­la­da. Até che­gar ao cu­me, não pa­rei ou di­mi­nui a ve­lo­ci­da­de pa­ra na­da, nem pa­ra uma fo­to se­quer pa­ra o “Ins­ta”, mui­to me­nos che­quei o Gar­min. Ter­mi­nei a su­bi­da de lín­gua pa­ra fo­ra, mas com o co­ra­ção trans­bor­dan­do de ale­gria por per­ce­ber que meu cor­po, tal­vez, ti­ves­se en­fim se re­cu­pe­ra­do de tan­tos re­mé­di­os e al­te­ra­ções hor­mo­nais.

“Cer­te­za que vo­cê ba­teu seu PR!”, dis­se meu ami­go Edo as­sim que me en­con­trou, re­fe­rin­do-se ao re­cor­de pes­so­al (per­so­nal re­cord) do apli­ca­ti­vo Strava, co­que­lu­che que con­quis­tou até ci­clis­tas me­nos com­pe­ti­ti­vos. Se­gun­do os CEOS do app, o Bra­sil é o ter­cei­ro mai­or pú­bli­co do Strava e um dos que mais cres­cem, a pon­to de seus exe­cu­ti­vos abri­rem um es­cri­tó­rio por aqui.

De­pois do trei­no, al­mo­çan­do com meus ami­gos no pé da ser­ra, dei uma olha­da no Strava. Não só não ha­via ba­ti­do meio PR co­mo es­ta­va mais de um mi­nu­to atrás do meu me­lhor tem­po na­que­la su­bi­da. O que se su­ce­deu foi bi­zar­ro: sur­giu uma pon­ta­da de tris­te­za e o co­ra­ção aper­tou. “Nun­ca mais vou pedalar co­mo an­tes do cân­cer”, dis­se pa­ra o Edo, es­con­den­do meus olhos ma­re­ja­dos. E vol­tei pa­ra São Pau­lo sen­tin­do um mis­to de frus­tra­ção e au­to­pi­e­da­de.

Sé­rio!! Não é ab­sur­do is­so?! Eu, sau­dá­vel, fe­liz, cer­ca­da de na­tu­re­za e pes­so­as que­ri­das, em um dia de sol ma­ra­vi­lho­so, dei­xei que um nú­me­ro ti­ras­se de mim a sa­tis­fa­ção de fa­zer o que amo: pedalar, e em su­bi­da! Co­mo as­sim?! Pi­rei de vez?!

Daí mi­nha ime­di­a­ta identificação ao ler a re­por­ta­gem “Se não ‘Stra­vou’, não pe­da­lou? Ah, pa­ra com is­so!”, que co­me­ça na pág. 44. O tex­to, uma tra­du­ção da Bicycling USA, fa­la co­mo o ad­ven­to da tec­no­lo­gia era ine­vi­tá­vel no ci­clis­mo e co­mo ci­clo­com­pu­ta­do­res, apli­ca­ti­vos e afins nos ofe­re­cem zi­lhões de van­ta­gens. En­tre­tan­to a ma­té­ria mos­tra tam­bém co­mo pra­ti­ca­men­te to­dos nós es­ta­mos co­me­ten­do exa­ge­ros – de che­car o Gar­min an­tes mes­mo de dar um abra­ço no co­le­ga após um pe­dal ma­ra­vi­lho­so a gas­tar ener­gia de­mais com o Sto­ri­es do Ins­ta­gram.

Me­dir a per­for­man­ce e com­par­ti­lhar nos­so amor pe­la bi­ke têm for­ta­le­ci­do la­ços de co­mu­ni­da­de e têm nos in­cen­ti­va­do a pedalar me­lhor – qu­em nun­ca fi­cou em­pol­ga­do pa­ra pe­gar a bi­ke ao ver uma fo­to do ami­go ci­clis­ta to­do fe­li­zão na es­tra­da ou na tri­lha? Po­rém is­so tam­bém cri­ou com­pe­ti­vi­da­de ex­ces­si­va, com­pa­ra­ções des­ne­ces­sá­ri­as e um sen­so es­tra­nho de que to­das as pes­so­as es­tão óti­mas, trei­na­das, re­a­li­za­das – me­nos a gen­te. Não é bem as­sim.

Por es­sas e ou­tras, de­di­ca­mos es­ta edi­ção a aler­tar so­bre as ar­ma­di­lhas tec­no­ló­gi­cas em que aca­ba­mos en­tran­do sem per­ce­ber. Não ape­nas na re­por­ta­gem de ca­pa, mas em vá­ri­os ou­tros tex­tos da re­vis­ta, vo­cê en­con­tra­rá fra­ses co­mo “des­li­gue o Strava de vez em qu­an­do” ou “sin­ta seu cor­po em vez de olhar o Gar­min”.

Cli­chês à par­te, na­da, nem o me­lhor dos apli­ca­ti­vos ou re­des so­ci­ais, subs­ti­tui o pra­zer do ven­to no ros­to, do ba­ru­lhi­nho do ami­go que­ri­do tro­can­do de mar­cha do seu la­do ou do go­le de água re­fres­can­te as­sim que vo­cê pa­ra a bi­ke após um trei­no in­crí­vel. Não po­de­mos dei­xar que na­da nos afas­te da es­sên­cia que nos le­vou a pedalar, em pri­mei­ro lu­gar. Lem­bre-se dis­so qu­an­do ti­rar o ce­lu­lar do bol­so da jer­sey pa­ra fo­to­gra­far o nas­cer do sol du­ran­te um pe­dal – ao me­nos uma vez, guar­de-o de vol­ta e cur­ta “offline” os rai­os se es­con­den­do nas nu­vens ala­ran­ja­das e ilu­mi­nan­do sua bi­ke. A vi­da é aqui, e ago­ra.

Bo­as pe­da­la­das!

Ah lá eu per­den­do a be­le­za do Rio de Ja­nei­ro, com a ca­ra en­fi­a­da no ce­lu­lar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.