SUPERE AS BARREIRAS

Aca­be com os mo­ti­vos que te im­pe­dem de pe­gar a bi­ke e sair por aí tan­to quan­to vo­cê gos­ta­ria

Bicycling (Brazil) - - PESSOAS - POR SELENE YEAGER ILUSTRAÇÕES DE FRAN­CIS­CO MAR­TINS

FAL­TA DE TEM­PO. Céu fe­cha­do, com “ca­ra de chu­va”. Can­sa­ço de tan­to tra­ba­lhar. Pre­gui­ça in­su­pe­rá­vel. Ah, são mui­tos os obs­tá­cu­los que nos im­pe­dem de pedalar com a frequên­cia e in­ten­si­da­de que gos­ta­ría­mos.

As barreiras da vi­da mo­der­na exis­tem, mas dá, sim, pa­ra su­pe­rá-las, co­mo ex­pli­ca a nor­te-ame­ri­ca­na Ch­ris­ti John­son, pro­fes­so­ra de ci­ne­si­o­lo­gia es­por­ti­va e psi­có­lo­ga es­por­ti­va da Fa­cul­da­de de Cor­nell, Uni­ver­si­da­de de Iowa (EUA). Ou, pe­lo me­nos, não se ren­der a elas to­tal­men­te – só de vez em qu­an­do.

“Mui­tas pes­so­as vi­vem sob a ti­ra­nia do que cos­tu­mo cha­mar de ex­pec­ta­ti­vas so­ci­o­cul­tu­rais”, diz Ch­ris­ti. “So­ci­e­da­de, fa­mí­lia, ami­gos, to­dos es­pe­ram que a gen­te es­te­ja ocu­pa­do com o tra­ba­lho. Es­pe­ram que nos­sa ca­sa se­ja per­fei­ta. Se tra­ba­lha­mos fo­ra, es­pe­ram que a gen­te quei­ra apro­vei­tar ca­da se­gun­do li­vre com nos­sos fi­lhos, e não pas­sar se­quer du­as ho­ras fa­zen­do al­go por nós mes­mos, co­mo sair pa­ra pedalar.”

E, pa­ra pi­o­rar, as re­des so­ci­ais ge­ral­men­te in­ten­si­fi­cam es­sa sen­sa­ção. “Nós nos sen­ti­mos co­mo se es­ti­vés­se­mos sen­do sem­pre vi­gi­a­dos e jul­ga­dos nas re­des so­ci­ais”, afir­ma ela. “Qu­an­do não cum­pri­mos es­sas ex­pec­ta­ti­vas, sen­ti­mos ver­go­nha e cul­pa. É daí que sur­gem mui­tos des­ses obs­tá­cu­los.”

Ch­ris­ti de­fen­de que é pre­ci­so fo­car no nos­so em­po­de­ra­men­to pes­so­al, pa­ra as­sim lu­tar con­tra es­se ban­do de ex­pec­ta­ti­vas que nos são im­pos­tas. Pa­ra is­so a pro­fes­so­ra re­co­men­da fo­car em três as­pec­tos fun­da­men­tais da nos­sa re­la­ção com a bi­ke: (1) por que pe­da­la­mos; (2) no que vo­cê se sai me­lhor; e (3) com qu­em pe­da­la­mos.

POR QUE PE­DA­LA­MOS: Qu­an­do es­ta­mos in­trin­si­ca­men­te mo­ti­va­dos a fa­zer al­gu­ma coi­sa, ou se­ja, qu­an­do fa­ze­mos por­que re­al­men­te gos­ta­mos, é me­nos pro­vá­vel que a gen­te pro­cu­re mo­ti­vos pa­ra evi­tar es­sa ati­vi­da­de. Pa­ra Ch­ris­ti, de­ve­mos nos per­gun­tar sem­pre o que nos faz gos­tar de pedalar. “O que faz com que pedalar te­nha sen­ti­do e con­ti­nue sen­do atra­ti­vo pa­ra nós?”, ques­ti­o­na. “É a sen­sa­ção de li­ber­da­de? O ven­to ba­ten­do no ros­to? De­ve­mos nos con­cen­trar nos prin­ci­pais mo­ti­vos que nos le­vam a amar pedalar.”

O QUE FA­ZE­MOS BEM: Não é sur­pre­sa ne­nhu­ma o fa­to de nos sen­tir­mos mo­ti­va­dos a nos de­di­car a ati­vi­da­des nas quais nos saí­mos bem. Se for­mos bons em moun­tain bi­ke bem téc­ni­co, mas nem tan­to em pedalar mon­ta­nha aci­ma, de­ve­mos pla­ne­jar mui­tas pe­da­la­das nas quais pos­sa­mos usar nos­sos pon­tos for­tes. Não há pro­ble­ma al­gum em tra­ba­lhar as li­mi­ta­ções, é cla­ro, mas é im­por­tan­te que o pe­dal tam­bém nos dê re­com­pen­sas e sa­tis­fa­ção. Por is­so nun­ca se es­que­ça de pra­ti­car aqui­lo que cur­te e no qual pos­sui ta­len­to.

COM QU­EM PE­DA­LA­MOS: Uma co­mu­ni­da­de que nos dê apoio é fun­da­men­tal pa­ra en­ca­rar mui­tos dos obs­tá­cu­los que nos im­pe­de de fa­zer aqui­lo que ama­mos. Va­mos nos sen­tir me­lhor­res dei­xan­do pa­ra cui­dar do gra­ma­do mais tar­de se es­ti­ver­mos cer­ca­dos por pes­so­as que pen­sam co­mo nós e cu­jas pri­o­ri­da­des são com­pa­tí­veis com as nos­sas. Gru­pos de ci­clis­tas lo­cais po­dem nos aju­dar a achar uma equi­pe. “Es­ta­be­le­cer es­sa ba­se aju­da a nos man­ter­mos fir­mes di­an­te da cren­ça do­mi­nan­te de que há um jei­to cer­to de vi­ver e um jei­to cer­to de em­pre­gar nos­so tem­po”, diz Ch­ris­ti.

A se­guir iden­ti­fi­ca­mos os obs­tá­cu­los mais co­muns en­tre os ci­clis­tas – e co­mo eli­mi­ná-los da sua vi­da.

NÃO TE­NHO TEM­PO

Na ho­ra em que in­ter­na­li­za­mos a ideia de que não há pro­ble­ma al­gum em dar pri­o­ri­da­de às coi­sas que ama­mos fa­zer, fi­ca um pou­co mais fá­cil achar tem­po pa­ra o que re­al­men­te im­por­ta: pedalar! Ou se­ja, dei­xar a lou­ça pa­ra mais tar­de não te tor­na uma pes­soa hor­rí­vel. Ou­tra di­ca va­li­o­sa: qu­an­do es­ta­mos chei­os de coi­sas pa­ra fa­zer e es­tá di­fí­cil ar­ru­mar tem­po pa­ra pedalar, tam­bém é im­por­tan­te não per­der tem­po ten­tan­do fa­zer is­so. Or­ga­ni­zar o equi­pa­men­to de ci­clis­mo é uma óti­ma for­ma de ga­nhar tem­po. Re­ser­ve um mo­men­to no do­min­go pa­ra, por exem­plo, dei­xar rou­pa e ape­tre­chos já pre­pa­ra­dos pa­ra o res­to da se­ma­na; en­cha al­gu­mas gar­ra­fas e co­lo­que-as na ge­la­dei­ra; dei­xe o ca­pa­ce­te, sa­pa­ti­lhas e ócu­los em um lo­cal con­ve­ni­en­te (e vi­sí­vel). Se tu­do es­ti­ver pron­to, é mais pro­vá­vel que vo­cê con­si­ga sair pa­ra pedalar, nem que se­ja só por uma ho­ri­nha.

NÃO PEDALO EM CLI­MA RUIM

De­pen­den­do de on­de vo­cê mo­ra, se for es­pe­rar o dia per­fei­to pa­ra pedalar, não vai trei­nar a mai­or par­te do ano. Os equi­pa­men­tos de ci­clis­mo pa­ra chu­va e frio avan­ça­ram mui­to, e in­ves­tir em um ou dois pro­du­tos de qua­li­da­de, co­mo um cor­ta-ven­to con­for­tá­vel e uma bo­ti­nha im­per­meá­vel pa­ra sa­pa­ti­lhas, po­de te dar uma be­la for­ça na ho­ra em que vo­cê olha o céu e ba­te aque­le de­sâ­ni­mo. Além dis­so, é im­por­tan­te ex­plo­rar as op­ções in­do­or qu­an­do es­tá um tem­po­ral lá fo­ra. Vo­cê po­de com­prar um ro­lo ba­ca­na e trei­nar no Zwift (leia mais so­bre is­so na pág. 62). Es­sas pla­ta­for­mas de ci­clis­mo de re­a­li­da­de vir­tu­al po­dem aju­dar a te man­ter em for­ma de uma ma­nei­ra bem mais di­ver­ti­da.

FI­CO COM ME­DO DO TRÂN­SI­TO

Mo­to­ris­tas de­sa­ten­tos e mal edu­ca­dos, ca­mi­nhões in­con­se­quen­tes nas es­tra­das, trân­si­to pe­ri­go­so da sua ca­sa até o per­cur­so on­de vo­cê trei­na – tu­do is­so são mo­ti­vos le­gí­ti­mos que im­pe­dem mui­ta gen­te de pedalar. Sair de ma­nhã ce­do ou em ho­rá­ri­os não con­ven­ci­o­nais, con­for­me nos­sa agen­da nos per­mi­ta, po­de aju­dar a evi­tar o trân­si­to. Acor­dar de ma­dru­ga­da tem mui­tos la­dos po­si­ti­vos, e es­se é um de­les. Vo­cê tam­bém

po­de pes­qui­sar ba­ses de da­dos em apps co­mo o Strava pa­ra en­con­trar as ro­tas mais po­pu­la­res (e pro­va­vel­men­te me­nos chei­as) na sua re­gião. Ou evi­tar ca­mi­nhos mui­to co­nhe­ci­dos e pro­cu­rar ou­tras ro­tas pe­din­do di­cas aos ami­gos.

SIN­TO-ME MUI­TO CANSADO

Nes­se ca­so, ten­te per­ce­ber o mo­men­to do dia em que vo­cê es­tá com mais ener­gia e op­te por pedalar nes­sa ho­ra. Se não der, use es­tra­té­gi­as que te mo­ti­vem, co­mo uma boa lis­ta de mú­si­cas que te de­em âni­mo na pe­da­la­da. Não se es­que­ça: ener­gia ge­ra ener­gia, e vo­cê cer­ta­men­te se sen­ti­rá me­lhor de­pois de uns 20 mi­nu­tos em ci­ma da bi­ke – e ten­te se lem­brar des­sa sen­sa­ção qu­an­do o des­per­ta­dor to­car e a pre­gui­ça ba­ter for­te.

ES­TOU FO­RA DE FOR­MA

Es­tá se sen­tin­do des­trei­na­do e mui­to aquém dos seus tem­pos na fa­se áu­rea? De­sen­ca­ne do Gar­min! Co­lo­que-o no bol­so e pa­re de olhar sua ve­lo­ci­da­de. E na­da de fi­car se co­lo­can­do pa­ra bai­xo, da­qui a pou­co vo­cê es­tá trei­na­do de no­vo.

“Es­tar sem­pre em mo­do ‘per­for­man­ce’, sem­pre com­pe­tin­do, mes­mo que con­si­go mes­mo, não é tão útil pa­ra te man­ter ins­pi­ra­do nos mo­men­tos em que se sen­tir fo­ra de for­ma”, diz Ch­ris­ti. “Não há pro­ble­ma em pedalar sim­ples­men­te por pedalar!” E a ma­nei­ra de vol­tar a fi­car rá­pi­do é, adi­vi­nhe!, pedalar mais. É mais pro­vá­vel que vo­cê con­si­ga is­so se não es­ti­ver ana­li­san­do da­dos e se sa­bo­tan­do por es­tar em uma fa­se mais len­ta e sem tan­to fô­le­go.

MEU CA­BE­LO ES­TÁ ÓTI­MO HO­JE

Que­rer evi­tar o “ca­be­lo de ca­pa­ce­te” é um mo­ti­vo re­al pa­ra que al­gu­mas pes­so­as não en­cai­xem uma pe­da­la­da no seu dia qu­an­do não têm tem­po pa­ra la­var, se­car ou ar­ru­má-lo de­pois. Há al­gu­mas es­tra­té­gi­as que po­dem fa­zer ma­ra­vi­lhas, de­pen­den­do do es­ti­lo e das me­tas de ca­da um: sham­poo a se­co (um dos nos­sos fa­vo­ri­tos é o Aus­sie Dry Sham­poo). Ou­tra di­ca: tran­ças e co­ques bai­xos fi­cam bem sob o ca­pa­ce­te e os ca­be­los não es­tra­gam qu­an­do sol­tos no­va­men­te. Com al­gu­mas es­tra­té­gi­as, vo­cê vai achar a com­bi­na­ção per­fei­ta en­tre pro­du­to e es­ti­lo que te per­mi­ti­rá pedalar mes­mo na­que­les di­as em que seu ca­be­lo acor­dou ma­ra­vi­lho­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.