A BI­KE É SUA BBF, DIVIRTA-SE!

Pa­tri­cia Abi­be e An­drea Amo­rim, 38 anos

Bicycling (Brazil) - - PESSOAS -

BBF é a si­gla pa­ra best fri­end fo­re­ver, ex­pres­são que en­cai­xa di­rei­ti­nho com a sen­sa­ção que mui­ta gen­te tem com a bi­ci­cle­ta. In­clu­si­ve, se fos­se uma pes­soa, a bi­ke se­ria en­xe­ri­da, do ti­po que se en­fia na ami­za­de alheia e me­lho­ra o que já era bom. Foi as­sim com a ge­ren­te co­mer­ci­al An­drea Amo­rim e a con­tro­la­do­ra fi­nan­cei­ra Pa­tri­cia Abi­be, am­bas de 38 anos. Ami­gas há mui­to tem­po, as du­as des­co­bri­am pra­ti­ca­men­te jun­tas o amor pe­la bi­ke nos úl­ti­mos três anos.

O Ins­ta­gram das du­as co­me­çou a bom­bar com bi­kes em to­dos os posts. “Vi­rou uma ode ao ci­clis­mo, e nos­sos ami­gos que não pe­da­lam es­ta­vam achan­do mui­to cha­to. Aí re­sol­ve­mos fa­zer uma con­ta se­pa­ra­da só pa­ra is­so”, fa­la. Além do Ins­ta, com a aju­da do ma­ri­do de An­drea, que é pro­du­tor de ví­deo, elas cri­a­ram o si­te Bi­ke Fri­ends Fo­re­ver, no qual a du­pla pos­ta ví­de­os se­ma­nais so­bre trei­nos, pro­vas e afins. Com qua­se 22.000 se­gui­do­res no Ins­ta­gram, elas têm um acor­do: o BBF só exis­te en­quan­to for di­ver­ti­do fa­zê-lo.

“Nos­sa vi­be é cir­cu­lar e dar ri­sa­da, sem cri­se com as re­des so­ci­ais. Tem dia que a gen­te nem es­tá tão a fim de ir a um even­to, por exem­plo”, con­ta An­drea. Pa­ra com­pen­sar, elas se per­mi­tem “fa­lar bes­tei­ra” de vez em qu­an­do ou fa­zer o ví­deo de um pe­dal es­ti­lo pre­se­pa­da, pa­ra so­frer dan­do ri­sa­da.

Uma das es­tra­té­gi­as pa­ra ga­ran­tir es­sa le­ve­za é en­cai­xar os trei­nos de fins de se­ma­na em lo­cais e com ga­le­ras di­fe­ren­tes: elas apro­vei­tam os trei­nos aber­tos de as­ses­so­ri­as es­por­ti­vas ou de clu­bes de ci­clis­mo. “A gen­te faz mui­to pe­dal for fun, e o es­pí­ri­to do ci­clis­mo es­tá nis­so. Que­ro po­der pa­rar num ca­fé no meio do trei­no e fi­car lá 40 mi­nu­tos se der von­ta­de. Vo­cê não po­de abrir mão des­ses ro­lês mais le­ves e gos­to­sos”, diz An­drea.

Mas is­so não pre­ju­di­ca os re­sul­ta­dos? Elas acham que não. “Tem pes­soa que se im­põe um ca­len­dá­rio gi­gan­tes­co de pro­vas. Is­so é exaus­ti­vo pa­ra qu­em pos­sui ou­tras ati­vi­da­des e não vi­ve de ci­clis­mo. É pre­ci­so to­mar cui­da­do pa­ra não vi­rar ob­ses­são”, aler­ta. “Se o BFF vi­rar ‘noia’, pa­ra­mos na ho­ra.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.