CO­NEC­TA­DO, MAS SEM PER­DER A DI­VER­SÃO JAMAIS

VI­TOR ME­DRA­DO, 40

Bicycling (Brazil) - - PESSOAS -

Vi­tor tem uma re­la­ção em paz com nú­me­ros: afi­nal, ele é per­so­nal trai­ner de ci­clis­mo. Pre­ci­sa li­dar com mé­tri­cas pa­ra en­ten­der o que es­tá acon­te­cen­do com o cor­po dos alu­nos e co­mo fa­zer com que atin­jam seus ob­je­ti­vos. Mas ele sa­be que, qu­an­do al­guém se tor­na de­pen­den­te dos KOMS/QOMS ou li­kes, a motivação es­tá no lu­gar er­ra­do.

“Qu­an­do uso re­cur­sos tec­no­ló­gi­cos co­mo o Strava, o Gar­min e ou­tros, ve­jo to­dos os da­dos co­mo um re­cur­so pro­fis­si­o­nal, in­clu­si­ve no meu pró­prio trei­no”, con­ta. Vi­tor re­gis­tra a mai­or par­te dos trei­nos pa­ra man­ter um diá­rio di­gi­tal, po­rém não re­pos­ta tu­do nas re­des so­ci­ais, mui­to me­nos se dei­xa pres­si­o­nar por es­se ti­po de ex­pec­ta­ti­va. “Sou mui­to tran­qui­lo: sei qu­an­do não dor­mi bem, se ti­ve ex­ces­so de trei­no ou se me ali­men­tei mal e co­mo is­so po­de re­fle­tir um re­sul­ta­do pon­tu­al, e não o to­do.”

O per­so­nal trai­ner tem apren­di­do na prá­ti­ca, com seus alu­nos, que pi­rar de­mais no Strava po­de ser um ti­ro no pé. “A mai­o­ria che­ga di­zen­do: trei­no ca­da vez mais e es­tou ca­da vez pi­or’”, con­ta o trei­na­dor, que pre­ci­sa fa­zer um tra­ba­lho edu­ca­ti­vo pa­ra a pes­soa de­sa­pe­gar do nú­me­ro que me­teu na ca­be­ça co­mo me­ta. Se­não, o ci­clis­ta não con­se­gue acei­tar bem a ideia de que to­do bom pro­gra­ma de trei­na­men­to in­clui di­as de des­can­so, pe­ri­o­di­za­ção e va­ri­a­ções de in­ten­si­da­de.

Se vo­cê se sen­te des­con­for­tá­vel em gra­var gi­ros que po­dem ser con­si­de­ra­dos “fra­cos” pe­las más lín­guas, a so­lu­ção é sim­ples: des­li­gue o Strava. “Mas uma ho­ra é bom su­pe­rar es­sa ver­go­nha tam­bém, né? Um pe­dal re­ge­ne­ra­ti­vo faz par­te de um trei­na­men­to in­te­li­gen­te”, diz Vi­tor. Ele lem­bra que es­sa pres­são to­da po­de ain­da pa­vi­men­tar o ca­mi­nho pa­ra o es­tres­se e o over­trai­ning.

Se vo­cê já en­ten­deu is­so, mas ain­da fi­ca com a ca­be­ça nos apps ou na fo­to que quer fa­zer, lem­bre-se da di­ca de Vi­tor. “A bi­ke é um brin­que­do. Tem di­ver­são o tem­po to­do”, diz o trei­na­dor. Pa­ra dar uma re­fres­ca­da na re­la­ção com a bi­ci­cle­ta, ex­pe­ri­men­te uma mo­da­li­da­de di­fe­ren­te. An­dar em ve­ló­dro­mo, pe­gar uma tri­lha de moun­tain bi­ke, dar um ro­lê de gra­vel... va­le tu­do pa­ra des­can­sar a men­te de tan­ta tec­no­lo­gia. “Re­no­var os ares é sem­pre di­ver­ti­do.”

A BI­KE É UM BRIN­QUE­DO, TEM DI­VER­SÃO O TEM­PO TO­DO. FOQUE NIS­SO EM VEZ DE FI­CAR ATEN­TO DE­MAIS A NÚ­ME­ROS E MEDIÇÕES”, DIZ VI­TOR.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.