O MISTERIOSO MUN­DO DOS KEI­RINS, OS SAMURAIS DA BI­KE

Bicycling (Brazil) - - PESSOAS - Por DON CUERDON fo­tos de NARAYAN MAHON

NÃO É NA­DA FÁ­CIL CO­NHE­CER DE PER­TO O UNI­VER­SO ISO­LA­DO E A RO­TI­NA DU­RA DES­SES ATLE­TAS JAPONESES – MES­MO AS­SIM FO­MOS LÁ VER CO­MO VI­VEM AL­GUNS DOS CI­CLIS­TAS MAIS DEDICADOS DO PLA­NE­TA

SHAUN WAL­LA­CE, que ha­via si­do me­da­lha de pra­ta no cam­pe­o­na­to mun­di­al de per­se­gui­ção in­di­vi­du­al, es­tá seis me­tros aci­ma de mim, en­quan­to ace­le­ra­mos em­po­lei­ra­dos so­bre os 35 graus de in­cli­na­ção da pis­ta de um ve­ló­dro­mo en­cra­va­do no to­po de uma mon­ta­nha ja­po­ne­sa. Shaun sol­ta um gri­to hor­ri­pi­lan­te ao ace­le­rar, de­pois des­pen­ca em di­re­ção à mi­nha ro­da di­an­tei­ra, es­ca­pan­do por al­guns cen­tí­me­tros (não sa­be­ria pre­ci­sar por­que, na­que­le mo­men­to, fe­chei os olhos ater­ro­ri­za­do).

Pa­ra pi­o­rar a mi­nha an­gús­tia, o ex-ci­clis­ta pro­fis­si­o­nal ale­mão Mi­cha­el Hu­eb­ner, que ha­via si­do cam­peão mun­di­al de sprint, apa­re­ceu do na­da na mi­nha es­quer­da – com to­dos os seus pou­co mais de 100 kg – e tam­bém des­pen­cou so­bre mim. Meio ba­ti­men­to cardíaco mais tar­de, a len­da nor­te-ame­ri­ca­na de sprint (e me­da­lha de pra­ta olím­pi­ca) Nel­son Vail dis­pa­rou co­mo um fo­gue­te em di­re­ção aos co­le­gas, que es­ca­pa­vam ra­pi­da­men­te.

To­do es­se epi­só­dio du­rou uns pou­cos se­gun­dos. Mas pa­ra mim o tem­po se alon­gou em um es­ta­do de cons­ci­ên­cia es­pe­ci­al­men­te re­ser­va­do àque­las pes­so­as con­ven­ci­das de que es­tão a pon­to de mor­rer. O trio di­nâ­mi­co de ci­clis­tas me dei­xa pa­ra trás, de­pois dis­pa­ra do­ses ex­tras de po­tên­cia nos ata­ques fi­nais até a li­nha de che­ga­da. Não con­si­go sa­ber qu­em ven­ce pois mi­nha vi­são es­tá em­ba­ça­da pe­los flashes lu­mi­no­sos de­cor­ren­tes dos meus ba­ti­men­tos car­día­cos bem aci­ma do li­mi­te. Pos­so sen­tir o gos­to dos meus pul­mões.

Es­ta­mos ape­nas em mais um aque­ci­men­to na Nihon Kei­rin Gek­ko (Es­co­la Ja­po­ne­sa de Kei­rin), com oi­to dos me­lho­res ci­clis­tas de pis­ta do mun­do e um jor­na­lis­ta nor­te-ame­ri­ca­no pas­san­do dos seus li­mi­tes – eu.

Okei­rin é um es­por­te de apos­tas que pa­re­ce uma cor­ri­da de ca­va­los hu­ma­na. O pri­mei­ro even­to da mo­da­li­da­de foi re­a­li­za­do em uma pis­ta de ca­va­los em 1948, aqui no Ja­pão. A mo­da­li­da­de se ex­pan­diu por 47 ve­ló­dro­mos ao re­dor do país e ocu­pa a ter­cei­ra po­si­ção na re­cei­ta bru­ta de apos­tas ja­po­ne­sas, atrás ape­nas das cor­ri­das de ca­va­los e de lan­chas.

O com­pe­ti­dor da eli­te Koi­chi Na­ka­no trou­xe res­pei­to in­ter­na­ci­o­nal ao kei­rin ja­po­nês ao ven­cer dez cam­pe­o­na­tos mun­di­ais de sprint con­se­cu­ti­va­men­te du­ran­te os anos de 1970 e 1980. Tal­vez gra­ças a ele, uma for­ma de kei­rin (usan­do uma mo­to co­mo pa­cer em vez de um ci­clis­ta) foi in­tro­du­zi­da no Mun­di­al de 1980. No ano se­guin­te, vá­ri­os atle­tas não japoneses fo­ram con­vi­da­dos pa­ra o que aca­bou sen­do cha­ma­do de In­ter­na­ti­o­nal Ex­chan­ge Ra­ce. Era ape­nas uma de­mons­tra­ção, mas foi bem-su­ce­di­da o su­fi­ci­en­te pa­ra se tor­nar um even­to re­gu­lar or­ga­ni­za­do pe­ri­o­di­ca­men­te. O In­ter­na­ti­o­nal Kei­rin de 1990 atraiu qua­se US$ 14 mi­lhões em apos­tas, com o aus­tra­li­a­no Stephen Pa­te ven­cen­do 16 cor­ri­das e em­bol­san­do mais de US$ 100 mil.

Kei­rin é mo­vi­do a gra­na. É por is­so que cor­re­do­res co­mo Nel­son Vails, Mi­cha­el Hu­eb­ner, Shaun Wal­la­ce, en­tre ou­tros, es­tão aqui. Mes­mo que eles fi­quem em úl­ti­mo lu­gar em to­das as com­pe­ti­ções, re­ce­bem cer­ca de US$ 30 mil por dois me­ses de tra­ba­lho. E, co­mo es­ses ca­ras cer­ta­men­te não vão che­gar em úl­ti­mo, en­tão o mais pro­vá­vel é que ga­nhem de US$ 50 mil a US$ 80 mil ca­da um.

A Ja­pan Kei­rin Scho­ol fi­ca no to­po de uma ate­mo­ri­zan­te e ín­gre­me mon­ta­nha nos ar­re­do­res de Shu­zen­ji, ci­da­de que es­tá du­as ho­ras ao sul de Tó­quio de trem-ba­la. Uma es­trei­ta rua zi­gue­za­gueia vá­ri­as ve­zes até che­gar a um por­tão com gua­ri­ta e guar­da. Do ou­tro la­do da cer­ca, há dor­mi­tó­ri­os, sa­las de au­la, uma aca­de­mia, um edi­fí­cio re­ple­to de ro­los pa­ra trei­nos in­ver­nais, dois tor­tu­o­sos cir­cui­tos de as­fal­tos, um la­bo­ra­tó­rio de exa­mes, uma ofi­ci­na de bi­kes e três ve­ló­dro­mos de al­ta qua­li­da­de que po­dem ser usa­dos em to­das as si­tu­a­ções cli­má­ti­cas.

Há apro­xi­ma­da­men­te 90 es­tu­dan­tes ma­tri­cu­la­dos no pro­gra­ma na­ci­o­nal de ca­da vez. A ida­de de­les va­ria de 18 a 23 anos. De­pois de dez me­ses de dou­tri­na­ção e trei­na­men­to, es­ses atle­tas es­ta­rão qua­li­fi­ca­dos pa­ra par­ti­ci­par do cir­cui­to. Os me­lho­res ci­clis­tas po­dem che­gar a ga­nhar US$ 700 mil por ano. Em­bo­ra se­ja pou­co em com­pa­ra­ção aos sa­lá­ri­os dos atle­tas de es­por­tes pro­fis­si­o­nais mais fa­mo­sos, co­mo o fu­te­bol, é uma so­ma al­ta pa­ra o ci­clis­mo – e a mai­o­ria dos atle­tas que se for­mam nes­sa es­co­la po­de com­pe­tir du­ran­te 20 anos ou mais.

Nos­so dia co­me­ça na sa­la de au­la. O ins­tru­tor fa­la em ja­po­nês, que é tra­du­zi­do si­mul­ta­ne­a­men­te pa­ra in­glês, fran­cês, ale­mão e ita­li­a­no. O re­sul­ta­do é uma bal­búr­dia de Tor­re de Ba­bel, mas tu­do bem por­que a au­la não pas­sa de um mon­te de bo­ba­gens pe­dan­tes so­bre a or­ga­ni­za­ção do kei­rin e a gra­na de­sem­bol­sa­da pa­ra me­lho­rar hos­pi­tais, es­co­las e es­tra­das.

Nel­son, ou Nelly, co­mo ele é co­nhe­ci­do, es­tá sen­ta­do ao meu la­do me con­tan­do a his­tó­ria re­al, ao mes­mo tem­po que apon­ta pa­ra sua apos­ti­la pa­ra pa­re­cer que es­ta­mos de­ba­ten­do so­bre as nu­an­ces da dis­tri­bui­ção dos gas­tos nes­se es­por­te.

“Man­dei bem no meu pri­mei­ro ano, mas ti­ve um de­sem­pe­nho hor­rí­vel no ano pas­sa­do, en­tão es­tou aqui ti­po em ca­rá­ter ex­pe­ri­men­tal de tes­te”, diz. “Acho que eles só pe­di­ram pa­ra eu vol­tar por­que per­di o bron­ze no Mun­di­al por uma ro­da de dis­tân­cia e por­que atu­ei com pro­fis­si­o­na­lis­mo no ano pas­sa­do, ape­sar de não ter ido bem. Pre­ci­so me­lho­rar. Cer­ca de 60% da mi­nha ren­da anu­al vem da­qui.”

En­quan­to is­so, o in­glês Shaun Wal­la­ce es­tá acu­mu­lan­do pon­tos na ca­te­go­ria res­pei­to ao gri­far sem pa­rar tre­chos da sua apos­ti­la. Es­te é o pri­mei­ro ano de Shaun nas com­pe­ti­ções de kei­rin, e aos 30 anos de ida­de ele tem po­ten­ci­al pa­ra ga­nhar per­to de US$ 500 mil por ano. E tem tu­do pa­ra ser con­vi­da­do a vir pa­ra cá no­va­men­te.

O bel­ga Mi­chel Va­ar­ten, de 35 anos, é o mais ve­lho dos es­tran­gei­ros. Es­te é seu 11º ano no cir­cui­to, com 56 vi­tó­ri­as ao lon­go da car­rei­ra. Mi­chel de­ve se sen­tir in­ten­sa­men­te en­te­di­a­do, su­por­tan­do a mes­ma au­la to­dos os anos du­ran­te uma dé­ca­da, mas não apa­ren­ta.

Não há con­fli­tos de per­so­na­li­da­de no nos­so se­le­to gru­po in­ter­na­ci­o­nal, o que é bom, con­si­de­ran­do que aque­les que fo­rem apro­va­dos fi­ca­rão iso­la­dos du­ran­te qua­tro di­as de ca­da uma das pró­xi­mas se­te se­ma­nas uma vez que co­me­cem as com­pe­ti­ções. As au­to­ri­da­des do kei­rin acre­di­tam que is­so evi­ta que “ele­men­tos do mal” po­lu­am as men­tes dos com­pe­ti­do­res com pen­sa­men­tos so­bre pos­sí­veis pro­ble­mas nas cor­ri­das (por al­gu­ma ra­zão, os ou­tros três di­as da se­ma­na pa­re­cem não con­tar…).

O ins­tru­tor fi­nal­men­te aca­ba de fa­lar e co­me­ça um ví­deo. Não há es­pa­ço pa­ra frau­des. To­das as pis­tas de kei­rin têm câ­me­ras de ví­deo que gra­vam ca­da cen­tí­me­tro das dis­pu­tas ca­so ha­ja ne­ces­si­da­de de ana­li­sar pos­sí­veis in­fra­ções. Na sa­la de au­la, es­sas fi­tas são va­li­o­sas fer­ra­men­tas de apren­di­za­do. O kei­rin tem re­pu­ta­ção de ser um es­por­te du­ro – com cho­ques de ca­be­ça, co­to­ve­la­das e om­bra­das na bri­ga pe­las me­lho­res po­si­ções atrás do pa­cer.

“Is­to aqui, por exem­plo – ad­ver­tên­cia gra­ve”, diz o pro­fes­sor, apon­tan­do pa­ra um ci­clis­ta for­çan­do ou­tro con­tra as la­te­rais da pis­ta.

Uma “ad­ver­tên­cia gra­ve” cus­ta­rá ao atle­ta um ter­ço do seu prê­mio em di­nhei­ro na­que­la cor­ri­da, en­quan­to uma “ad­ver­tên­cia sim­ples” cus­ta 1/15 da sua gra­ti­fi­ca­ção. Cau­sar uma que­da ou fa­zer al­gu­ma ou­tra coi­sa que in­ter­fi­ra sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te no re­sul­ta­do oca­si­o­na des­qua­li­fi­ca­ção e per­da do prê­mio. A nu­an­ce tá­ti­ca é cor­rer o ris­co de re­ce­ber uma “ad­ver­tên­cia”, e não uma ofen­sa mais sé­ria pa­ra con­se­guir ven­cer, por­que 14/15 de

um 1º lu­gar ain­da é me­lhor que 100% de uma 3º co­lo­ca­ção. O mo­vi­men­to cer­to po­de sig­ni­fi­car ou­tros US$ 1.000 no pa­ga­men­to de um ci­clis­ta por três di­as de com­pe­ti­ção. A es­tra­té­gia er­ra­da po­de sig­ni­fi­car per­der o do­bro.

Te­mos uma ho­ra pa­ra di­ge­rir o al­mo­ço an­tes de ir­mos pa­ra a pis­ta. Re­tas qua­se pla­nas se unem gra­ci­o­sa­men­te com cur­vas in­cli­na­das co­ber­tas por um re­ves­ti­men­to que lem­bra o tar­tan das pis­tas de cor­ri­da pa­ra to­das as con­di­ções cli­má­ti­cas. Es­se ma­te­ri­al pro­por­ci­o­na tra­ção su­fi­ci­en­te pa­ra que os tre­chos in­cli­na­dos se­jam pe­da­la­dos mes­mo de­bai­xo de chu­va, co­mo no dia em que es­ta­mos aqui.

Em um edi­fí­cio ao la­do da pis­ta aque­ci­do com que­ro­se­ne, nós nos amon­to­a­mos fu­gin­do do frio e da umi­da­de. Pre­ci­so de al­gu­mas vol­tas pa­ra con­fi­ar o su­fi­ci­en­te na su­per­fí­cie pa­ra pedalar. Mas ima­gi­no que se um gi­gan­te co­mo Mi­cha­el Hu­eb­ner não es­cor­re­ga, eu tam­bém não es­cor­re­ga­rei.

Es­tou pe­da­lan­do uma bi­ke em­pres­ta­da de pis­ta Na­gawa ta­ma­nho 57 de aço, com pe­di­ve­la de 165 cm e fir­ma-pés di­mi­nu­tos que aper­tam meus de­dões pa­ra que eu con­si­ga en­fi­ar meus tê­nis ta­ma­nho 42. Não é o me­lhor fit pa­ra uma pes­soa de 1,82 me­tro e 90 kg, mas jor­na­lis­tas não po­dem ser mui­to exi­gen­tes.

De­pois de 15 mi­nu­tos gi­ran­do ao re­dor do ve­ló­dro­mo, dois mo­to­ci­clis­tas se jun­tam a nós. Den­tro de dois mi­nu­tos, to­dos es­tão pe­da­lan­do em pa­ce­li­nes atrás das mo­tos.

Eu ti­nha pas­sa­do pou­co tem­po em ve­ló­dro­mos e pe­da­lan­do em bi­kes fi­xas e sem frei­os. Qu­an­do a pa­ce­li­ne pas­sa por bai­xo de mim, des­pen­co pe­lo de­cli­ve da cur­va apa­vo­ra­do com quão rá­pi­do me apro­xi­mo do úl­ti­mo ci­clis­ta. Apli­co um pou­co de con­tra­pres­são so­bre os pe­dais pa­ra fre­ar e es­ca­po da ro­da imi­nen­te por fol­ga­dos três me­tros. Gi­ro des­pre­o­cu­pa­da­men­te pe­lo in­te­ri­or da pis­ta co­mo se ti­ves­se pla­ne­ja­do fa­zer aqui­lo, de­pois ten­to pe­gar a tra­sei­ra da pró­xi­ma pa­ce­li­ne qu­an­do ela pas­sa aci­ma de mim a qua­se 50 km/h. Sem chan­ce.

Fi­nal­men­te con­si­go al­can­çar o gru­po e pedalo vá­ri­as vol­tas, co­men­do a es­tei­ra de água da chu­va que jor­ra da ro­da do úl­ti­mo ci­clis­ta. A ve­lo­ci­da­de au­men­ta aos pou­cos até a mo­to­ci­cle­ta sair da fren­te, en­tão es­ta­mos de vol­ta ao co­me­ço des­te tex­to, qu­an­do as por­tas do in­fer­no se abrem e mi­nha ber­mu­da é su­ga­da até meu in­tes­ti­no. E aqui­lo era só o aque­ci­men­to – ne­nhum con­ta­to, ne­nhum prê­mio. De vol­ta ao in­te­ri­or do edi­fí­cio, con­fe­ri­mos a lis­ta das saí­das das cor­ri­das de trei­no da­que­le dia. Sem sur­pre­sas, meu no­me não apa­re­ce.

O kei­rin ja­po­nês é im­pres­si­o­nan­te­men­te for­mal. Há no­ve com­pe­ti­do­res em uma ba­te­ria. Ca­da um com um nú­me­ro, além da jer­sey e ca­pa de ca­pa­ce­te cor­res­pon­den­tes. Tra­di­ci­o­nal­men­te, os nú­me­ros 1, 2 e 3 são bran­co, pre­to e ver­me­lho, res­pec­ti­va­men­te, re­ser­va­dos pa­ra os fa­vo­ri­tos. Os ou­tros nú­me­ros e com­bi­na­ções de co­res di­zem aos es­pec­ta­do­res qu­em são os no­vos cor­re­do­res e as apos­tas mais ar­ris­ca­das.

Os no­ve ci­clis­tas se reú­nem por or­dem nu­mé­ri­ca fo­ra do edi­fí­cio de aque­ci­men­to.

Eles re­ve­ren­ci­am o ins­tru­tor, so­bem nas su­as bi­kes e ro­dam a exa­ta­men­te du­as bi­ci­cle­tas de dis­tân­cia um do ou­tro. Es­se ri­tu­al é cha­ma­do de “apre­sen­ta­ção”, e seu pro­pó­si­to é per­mi­tir que os apos­ta­do­res ava­li­em su­as es­co­lhas.

Uma fi­lei­ra de su­por­tes pa­ra bi­ke é co­lo­ca­da na pis­ta, e os cor­re­do­res in­se­rem su­as ro­das tra­sei­ras ne­la. En­tão fa­zem re­ve­rên­ci­as uns aos ou­tros, mon­tam nas su­as bi­ci­cle­tas e man­têm os pés apoi­a­dos nos pe­dais. Trin­ta me­tros à fren­te, um úni­co su­por­te de saí­da se­gu­ra o pa­cer, um ci­clis­ta ves­ti­do com uma jer­sey ro­xa sem nú­me­ro e um ca­pa­ce­te com lis­tras la­ran­jas. Qu­an­do o ri­fle ele­trô­ni­co dis­pa­ra, as bi­kes são li­be­ra­das, e o pa­cer to­ma a di­an­tei­ra. Den­tro de uma vol­ta, os cor­re­do­res es­tão na ro­da do pa­cer, dis­pu­tan­do po­si­ções. A cor­ri­da tem

2.000 me­tros de ex­ten­são, ou cin­co vol­tas em uma pis­ta de 400 me­tros. Du­ran­te a me­ta­de da dis­tân­cia, os cor­re­do­res de­vem per­ma­ne­cer atrás do pa­cer. O ob­je­ti­vo é man­ter uma boa po­si­ção até as 2,5 vol­tas ter­mi­na­rem, sem se can­sar de­mais an­tes do sprint.

Os es­pe­ci­a­lis­tas iden­ti­fi­cam três ti­pos de ci­clis­tas kei­rin, ou de es­ti­los de pe­da­la­da. O pri­mei­ro, e o mais re­ve­ren­ci­a­do, é o sen­ko, um ci­clis­ta for­te o su­fi­ci­en­te pa­ra li­de­rar to­da a úl­ti­ma vol­ta e ven­cer. O se­gun­do é o ma­ku­ri, que se mo­vi­men­ta po­de­ro­sa­men­te du­ran­te as úl­ti­mas cur­vas pa­ra ven­cer.

E o ter­cei­ro é o oi­ko­mi, que sur­pre­en­de com um im­pul­so rá­pi­do na úl­ti­ma re­ta, ul­tra­pas­san­do o lí­der ape­nas na li­nha de che­ga­da. As tá­ti­cas do kei­rin são tão su­tis quan­to um jar­dim de pe­dras ja­po­nês pa­ra olhos inex­pe­ri­en­tes, mas são emo­ção ga­ran­ti­da pa­ra os es­pec­ta­do­res mais as­sí­du­os.

Qu­an­do o si­no to­cou, Mi­cha­el Hu­eb­ner se mo­ve pa­ra a fren­te do gru­po. Apa­re­cen­do na úl­ti­ma cur­va, ele dis­pa­ra pe­lo la­do di­rei­to e con­quis­ta a vi­tó­ria ao es­ti­lo ma­ku­ri. Um ví­deo re­pro­du­zin­do ca­da uma das cor­ri­das é ana­li­sa­do pe­los ins­tru­to­res.

Qu­em po­de­ria di­zer aos me­lho­res ci­clis­tas de pis­ta do mun­do co­mo pedalar me­lhor no kei­rin? Kat­su­a­ki Mat­su­mo­to, o mai­or ven­ce­dor de pro­vas de kei­rin da his­tó­ria – com mais de 1.300 vi­tó­ri­as, ou cer­ca de 500 a mais que Koi­chi Na­ka­no até ago­ra. Mat­su­mo­to-san é o Eddy Merckx do kei­rin.

“Hub­ner-san!”, gri­ta o di­mi­nu­to trei­na­dor. Por meio de um in­tér­pre­te, ele re­pre­en­de o ale­mão por ter per­mi­ti­do um mo­men­to em que ou­tros com­pe­ti­do­res po­de­ri­am ga­nhar. É aqui que o kei­rin se cho­ca com o ci­clis­mo competitivo. Ven­cer não é su­fi­ci­en­te pa­ra agra­dar a Mat­su­mo­to-san. Vo­cê tem que mos­trar su­as me­lho­res ha­bi­li­da­des.

Nos­sa tem­po­ra­da de apren­di­za­do aca­ba com três ti­pos de pro­vas, in­cluin­do um exa­me es­cri­to, uma en­tre­vis­ta e um tes­te de ve­lo­ci­da­de. O pri­mei­ro é tão me­ti­do quan­to as au­las: qual é o no­me da or­ga­ni­za­ção que con­tro­la to­das as com­pe­ti­ções de kei­rin? A en­tre­vis­ta é uma ver­são ver­bal da pro­va es­cri­ta. Até aqui, es­tou pas­san­do com dis­tin­ção. Mas o tes­te de ve­lo­ci­da­de é ou­tra his­tó­ria. Pri­mei­ro 1 km com saí­da pa­ra­da – ape­li­da­do de kil­ler­me­ter (ou quilô­me­tro ma­ta­dor). O tem­po má­xi­mo pa­ra fa­zê-lo é de 1min20. Shaun é elo­gi­a­do com 1min06. Nin­guém fa­lha. O pró­xi­mo tes­te são 200 me­tros com lar­ga­da lan­ça­da. O tem­po pa­ra se qua­li­fi­car é de 13,3 se­gun­dos. Mi­cha­el cra­va 11 se­gun­dos. Nin­guém demora mais de 12 se­gun­dos.

Es­tou qua­se dan­do a vol­ta qu­an­do Mat­su­mo­to-san ges­ti­cu­la pa­ra mim do ou­tro la­do da pis­ta. Saio e ele co­lo­ca mi­nha bi­ke no por­ta-ma­las do car­ro, de­pois di­ri­ge por uma rua es­trei­ta e es­ta­ci­o­na. A es­tra­da as­fal­ta­da pos­sui 120 me­tros pla­nos, de­pois se in­cli­na abrup­ta­men­te em um de­cli­ve de 35 graus que du­ra 80 me­tros e aca­ba em um fi­nal pla­no e sem saí­da. Mat­su­mo­to-san ti­ra mi­nha bi­ci­cle­ta do por­ta-ma­las, me dá meu ca­pa­ce­te, me diz que ci­clis­tas japoneses fa­zi­am aqui­lo dez ve­zes em du­as ho­ras e aca­ba com um: “Ten­te vo­cê”.

Qu­an­do uma len­da do ci­clis­mo ofe­re­ce uma li­ção es­pe­ci­al­men­te pa­ra vo­cê, não há es­pa­ço pa­ra per­gun­tas. Vo­cê sim­ples­men­te acei­ta. Dei al­gu­mas vol­tas pa­ra sol­tar as per­nas, de­pois ace­le­rei na re­ta. Meus pul­mões co­me­ça­ram a quei­mar de­pois de 100 me­tros, mas, an­tes de que eu pu­des­se ajus­tar a ve­lo­ci­da­de, a pa­re­de se er­gueu so­bre mim. Vin­te me­tros de pé e en­ca­ro a op­ção de gi­rar mi­nha re­la­ção 53x19 com es­ses pe­que­nos pe­di­ve­las de 165 cm ou cair em um des­li­ze na­da de­li­ca­do até a ba­se da su­bi­da. Aper­to os pe­dais.

Vo­cê po­de pen­sar que há al­gum ti­po de ilu­mi­na­ção nos dez me­tros fi­nais des­sa sel­va­ge­ria. Mas se há, não o sen­ti. Qua­se en­gu­lo mi­nha lín­gua ten­tan­do re­cu­pe­rar o fô­le­go no to­po. Ve­jo Mat­su­mo­to-san ges­ti­cu­lan­do pa­ra eu vol­tar pe­da­lan­do. Da­qui, a su­bi­da pa­re­ce a vis­ta de uma ja­ne­la do ter­cei­ro an­dar. Con­tor­no a rua sem saí­da, pen­san­do no que se­ria de mim. Qu­an­do fi­nal­men­te me lan­ço pa­re­dão abai­xo, sei que es­tou co­me­ten­do um gra­ve er­ro. Pres­si­o­nar os pe­dais pa­ra trás não os fre­a­ria. A bi­ke não tem freio.

A ilu­mi­na­ção é re­ve­la­da du­ran­te a des­ci­da. Não te­nho ou­tra op­ção além de re­la­xar. E man­ter o gui­dão re­to. Fi­car cal­mo ou vi­rar um giz de ce­ra hu­ma­no de tan­to pa­vor. Os 80 me­tros são uma eter­ni­da­de.

Lá em­bai­xo, des­ço da mi­nha bi­ke e ten­to dis­far­çar o tre­mor das mi­nhas per­nas. “Mui­to bom”, diz Mat­su­mo­to-san. Não vou ser apro­va­do pe­la es­co­la de kei­rin. Mas es­sa li­ção per­ma­ne­ce­rá sem­pre co­mi­go.

Ce­nas dos ár­du­os trei­na­men­tos dos ca­de­tes da Es­co­la Ja­po­ne­sa de Kei­rin, em Izu, no Ja­pão

Com­pe­ti­do­res de kei­rin se ali­nham no ve­ló­dro­mo, pa­ra a lar­ga­da da pro­va pro­fis­si­o­nal Ito Hot Springs

No kei­rin, os ci­clis­tas mais rá­pi­dos e com chan­ce de vi­tó­ria usam ca­pa­ce­tes bran­co (nú­me­ro 1), pre­to (2) e ver­me­lho (3)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.