EU AMO ZWIFT, AL­GUM PRO­BLE­MA?

EM UMA DAS MAI­O­RES REVOLUÇÕES NA FOR­MA CO­MO A GEN­TE TREI­NA, AGO­RA É POS­SÍ­VEL VI­A­JAR A UMA ES­TRA­DA EXÓTICA, DAR UM SPRINT DE 60 KM/H AO LA­DO DE UM PRÓ E SU­BIR A PIRAMBA MAIS SINISTRA DO PLA­NE­TA – SEM SAIR DA SA­LA

Bicycling (Brazil) - - PESSOAS - POR TOM VAN­DER­BILT FO­TOS DE CH­RIS­TOPHER LEAMAN

Sen­ti uma pon­ta­da de ver­go­nha. Re­al­men­te, o dia es­ta­va lin­do. Em vez do céu azul e do de­li­ci­o­so ruí­do de bor­ra­cha no as­fal­to, eu era ba­nha­do pe­la luz pá­li­da do meu mo­ni­tor LCD e pe­lo ge­mi­do do meu ro­lo Wahoo Kic­kr. Em vez de con­ver­sar ani­ma­da­men­te com ami­gos ci­clis­tas e dar ti­ros até al­gu­ma pla­ca de trân­si­to, eu es­ta­va co­lhen­do “ri­de ons” (ver­são Zwift de um “li­ke”) e com­pe­tin­do por ca­mi­sas vir­tu­ais.

Mas aqui es­tá a ver­da­de um tan­to sinistra do porquê eu não es­tar pe­da­lan­do lá fo­ra: sim­ples­men­te não ti­nha von­ta­de (no­ta: se vo­cê leu até aqui sem sa­ber o que é o Zwift, tal­vez es­te­ja mal in­for­ma­do. Ok, va­mos te dar uma mão­zi­nha: tra­ta-se do mais re­vo­lu­ci­o­ná­rio si­mu­la­dor on­li­ne de ci­clis­mo, que per­mi­te que vo­cê pe­da­le com pes­so­as do mun­do in­tei­ro sem sair de ca­sa).

É di­fí­cil con­fes­sar is­so aqui pa­ra to­do mun­do, mas há mo­men­tos em que pre­fi­ro o Zwift. Tem ho­ras que che­go a de­se­jar que um ter­rí­vel ven­to nor­des­te so­pre na ci­da­de, pa­ra que eu con­si­ga man­ter um mí­ni­mo de dig­ni­da­de en­quan­to en­tro na mi­nha ca­ver­na. Putz, que pe­na o tem­po, hein? Que chu­va! Vou ter que trei­nar no ro­lo...

As­sim co­mo mui­tos de vo­cês, eu cos­tu­ma­va de­tes­tar trei­nos in­do­or. Ti­nha mui­tas me­mó­ri­as de noi­tes som­bri­as de in­ver­no olhan­do pa­ra a pa­re­de ou pa­ra o tu­bo da mi­nha bi­ke, on­de es­ta­va co­la­do o ro­tei­ro do trei­no. É cla­ro que as tem­po­ra­das no ro­lo me aju­da­ram a aper­fei­ço­ar a flui­dez das pe­da­la­das, mas a sen­sa­ção sem­pre era de es­tar me ar­ras­tan­do por mi­nas de sal (o chão da mi­nha sa­la, in­crus­ta­do de sal do meu su­or, mais pa­re­cia uma mi­na).

Qu­an­do o Zwift che­gou, em 2014, acer­tou em cheio no meu de­se­jo an­ti­go de jo­gar um vi­de­o­ga­me que me fi­zes­se bem. Fui pa­ra a Jar­vis Is­land lo­go no co­me­ço – ver­são be­ta ori­gi­nal da Zwift Is­land, an­tes da Wa­to­pia – e ime­di­a­ta­men­te con­quis­tei de­ze­nas de KOMS (co­ro­as de King of the Moun­tain) gra­ças ao ro­lo des­ca­li­bra­do (ops!), pe­da­lan­do até che­gar ao ní­vel 25 (on­de, com to­dos os zwif­ters hard­co­re, es­tou es­ta­ci­o­na­do, es­pe­ran­do pe­la pró­xi­ma atu­a­li­za­ção). Pe­da­lei tan­to no Zwift que meu su­or cor­ro­eu o mo­vi­men­to cen­tral da mi­nha bi­ke. Em vez de fo­car em nú­me­ros, eu per­se­guia ro­das de ad­ver­sá­ri­os. Mer­gu­lhei nas pro­vas do Zwift, que pa­re­cem de ver­da­de, com lar­ga­das ab­sur­da­men­te rá­pi­das, es­tra­té­gi­as de úl­ti­ma vol­ta, ve­ri­fi­can­do meu pro­gres­so (e al­guns pó­di­os) no web­si­te Zwift Power.

Não que a mu­dan­ça pa­ra o Zwift se­ja su­a­ve e des­pro­vi­da de sen­ti­men­tos am­bí­guos. Há a sen­sa­ção de se es­tar per­den­do al­gu­ma coi­sa, que vem de­pois de ca­da ses­são in­do­or, qu­an­do pas­so o olho pe­las re­des so­ci­ais e ve­jo to­do mun­do pos­tan­do seus pe­dais ao ar li­vre. Às ve­zes, eu me sin­to cul­pa­do por não es­tar pe­da­lan­do “de ver­da­de” e até me­do de que es­te­ja aban­do­nan­do o ci­clis­mo por não ir pa­ra a es­tra­da.

Se ima­gi­nar­mos uma pi­râ­mi­de dos itens in­crí­veis e épi­cos do ci­clis­mo de es­tra­da, sen­do o ápi­ce al­go co­mo su­bir o Mont Ven­toux em meio a um ven­da­val, com a ca­ra­ma­nho­la va­zia e sen­do ul­tra­pas­sa­do por um misterioso ve­lho­te fran­cês em uma bi­ke de aço com câm­bio no tu­bo in­fe­ri­or, en­tão lá na ba­se, en­tre au­las de spin­ning ba­ru­lhen­tas e ro­lês de bi­ke com­par­ti­lha­da, es­ta­ria o Zwift. Pa­ra um pu­ris­ta, o Zwift se­ria, em uma ana­lo­gia sa­fa­da, co­mi­da in­dus­tri­a­li­za­da ver­sus co­mi­da or­gâ­ni­ca; ver por­no­gra­fia em um qu­ar­to es­cu­ro ver­sus se­xo trans­cen­den­tal em uma praia de­ser­ta.

Mas es­tou co­me­çan­do a me li­vrar des­ses sen­ti­men­tos. Eu gos­to de uma pe­da­la­da épi­ca tan­to quan­to qual­quer ci­clis­ta – qu­an­do te­nho tem­po. Mas vi­ver no Bro­o­klyn, em No­va York, sig­ni­fi­ca que te­nho ba­si­ca­men­te du­as op­ções de pe­da­la­da. A me­lhor é atra­ves­sar Ma­nhat­tan, pas­san­do pe­la pon­te Ge­or­ge Washing­ton, e se­guir rio Hud­son aci­ma. Mas es­sa é uma pe­da­la­da de pe­lo me­nos qua­tro ho­ras, sen­do que du­as de­las são “quilô­me­tros li­xo”, pa­ra che­gar e vol­tar da pe­da­la­da de ver­da­de (opi­nião ti­pi­ca­men­te pre­con­cei­tu­o­sa de um ci­clis­ta – tem gen­te que nun­ca vai en­ten­der co­mo pedalar por uma das ci­da­des mais in­crí­veis do mun­do po­de ser um li­xo). Ti­ran­do is­so, res­ta dar vol­tas no as­fal­to on­du­la­do do oval Pros­pect Park, no Bro­o­klyn, ou cru­zar a ci­da­de pa­ra pedalar no ova­la­do Cen­tral Park. São pe­da­la­das bo­ni­tas, mas que fiz tan­tas ve­zes que nem con­si­go apre­ci­ar mais ca­da de­ta­lhe. Nes­se ca­so, por que não vi­ver no­vas ex­pe­ri­ên­ci­as no Zwift?

Ain­da que não se­ja uma pe­da­la­da “de ver­da­de”, é um es­for­ço de ver­da­de. Ti­ve mais re­sul­ta­dos só­li­dos no Zwift do que em qual­quer trei­no no Pros­pect Park (ex­ce­to uma ou du­as pro­vas), sem as inú­me­ras ame­a­ças que as­som­bram qual­quer ci­clis­ta: uma por­ta aber­ta ou um car­ro te cru­zan­do, bu­ra­cos na pis­ta, pneus fu­ra­dos, des­vi­ar de pe­des­tres de fo­ne de ou­vi­do hip­no­ti­za­dos pe­lo ipho­ne ou – a in­jus­ti­ça su­pre­ma – ser atin­gi­do por ou­tra bi­ke (en­quan­to es­cre­vo, um ami­go me man­dou uma men­sa­gem, con­tan­do que que­brou o bra­ço por­que um tu­ris­ta o der­ru­bou na pon­te Ma­nhat­tan).

UM DIA, NÃO MUI­TO TEM­PO ATRÁS, ENTREI NO STRAVA E NOTEI UM ÚNI­CO CO­MEN­TÁ­RIO POSTADO ABAI­XO DE UMA PE­DA­LA­DA MI­NHA: “ES­TÁ UM LIN­DO DIA LÁ FO­RA. POR QUE VO­CÊ ES­TÁ NO ZWIFT?!”.

Tam­bém te­nho ple­na cons­ci­ên­cia da re­la­ção de ex­po­si­ção ao ris­co e le­são, en­tão al­guns quilô­me­tros in­do­or fa­zem al­gum sen­ti­do. Is­so sem men­ci­o­nar as in­con­ve­ni­ên­ci­as que se acu­mu­lam an­tes de sair de ca­sa: en­con­trar o ca­sa­co cer­to ou as mei­as que com­bi­nam, ve­ri­fi­car a lis­ta de itens pa­ra os bol­sos da ca­mi­sa.

O Zwift ex­pan­de o tem­po: vo­cê pe­da­la qu­an­do qui­ser. As pe­da­la­das per­di­das pa­ra de­ve­res de pa­ter­ni­da­de fo­ram re­cu­pe­ra­das! Eu até con­se­gui re­ce­ber as co­le­gas da mi­nha fi­lha de 8 anos pa­ra brin­car en­quan­to trei­na­va no Zwift, pa­ra di­ver­ti­men­to de to­das di­an­te da­que­le ca­ra su­a­do e es­qui­si­to, em­pur­ran­do um ava­tar bem mais bo­ni­to mor­ro aci­ma. Na ida­de em que es­tá, ela de­se­ja imi­tar os pais – até me fez pren­der sua bi­ke aro 24 no ro­lo (no fim, ela es­ta­va mais in­te­res­sa­da em cri­ar seu ava­tar do que em pedalar).

Mas o jo­go vir­tu­al tam­bém abre no­vos ho­ri­zon­tes. Mon­ta­nhas! O per­cur­so do mun­di­al em Ri­ch­mond, na Vir­gí­nia! Lon­dres sem trân­si­to! Na pri­ma­ve­ra pas­sa­da eu es­ta­va me pre­pa­ran­do pa­ra um pe­dal nos Al­pes ita­li­a­nos. A ideia de ata­car aque­las fa­mo­sas su­bi­das com meu pe­so de in­ver­no era ater­ra­do­ra, e os 4% de in­cli­na­ção do Pros­pect Park não eram de mui­ta aju­da. Mas daí veio a Wa­to­pia Moun­tain, que ti­nha lon­gos tre­chos de “so­frên­cia” em bai­xa ve­lo­ci­da­de e al­guns pe­da­ços ín­gre­mes pe­da­lan­do em pé (me­ses de­pois, su­bin­do o Pas­so del­lo Stel­vio, notei que cer­tas par­tes da as­cen­são eram pa­re­ci­das com a Wa­to­pia). Na pe­da­la­da, eu me sen­ti pre­pa­ra­do men­tal e fi­si­ca­men­te – o que não te­ria si­do pos­sí­vel sem o Zwift.

Eu nun­ca vou con­fun­dir o mun­do do com­pu­ta­dor com a ex­pe­ri­ên­cia de su­bir o Stel­vio. Qu­an­do pedalo no Zwift, per­co aque­les mo­men­tos ma­ra­vi­lho­sos de se­ren­di­pi­da­de, qu­an­do a me­ga­ló­po­le No­va York, com seus 8,5 mi­lhões de ha­bi­tan­tes, se trans­for­ma em um pe­que­no mun­do de ci­clis­tas de­vo­ta­dos e vo­cê cru­za um ami­go ou dá de ca­ra com um atle­ta pro­fis­si­o­nal vi­si­tan­te fa­zen­do seu gi­ro ma­ti­nal. O Zwift não me traz as sen­sa­ções mun­da­nas que eu gos­to no ci­clis­mo: a Co­ca-co­la no pos­to de ga­so­li­na, a tex­tu­ra e acús­ti­ca do cas­ca­lho, des­li­zar su­a­ve­men­te atra­vés dos con­ges­ti­o­na­men­tos mal-hu­mo­ra­dos de No­va York, as brin­ca­dei­ras ao pôr do sol no pon­to de en­con­tro.

No co­me­ço des­te ano, ti­ve a opor­tu­ni­da­de de pedalar com al­guns fun­ci­o­ná­ri­os do Zwift, de São Fran­cis­co até San­ta Bar­ba­ra. De vez em qu­an­do, saía uma pi­a­da so­bre nerds do mun­do vir­tu­al ao ar li­vre, mas mi­nha im­pres­são, en­quan­to ras­gá­va­mos as des­ci­das e du­ran­te os ata­ques aos mor­ros dos vi­nhe­dos, era que to­dos eles eram tão dedicados ao ci­clis­mo quan­to qual­quer um (in­clu­si­ve, eu so­brei em vá­ri­as su­bi­das). Em uma pa­ra­da de des­can­so em San Luis Obis­po, um ci­clis­ta viu a van Zwift la­ran­ja e se apro­xi­mou de nós. Ele ex­pli­cou que era ex-fun­ci­o­ná­rio da Ap­ple e ani­ma­da­men­te deu mil idei­as pa­ra dei­xar o Zwift ain­da mais in­te­ra­ti­vo. Era uma ima­gem ri­ca­men­te irô­ni­ca: um ban­do de ci­clis­tas sen­ta­dos em um gra­ma­do ver­de sob o céu azul, con­ver­san­do a res­pei­to de co­mo me­lho­rar o ci­clis­mo in­do­or.

As di­fe­ren­ças es­tão di­mi­nuin­do. Os ro­los já es­tão co­me­çan­do a re­pli­car com mais fi­de­li­da­de as con­di­ções do mun­do re­al (por exem­plo, o Kic­kr Climb, da Wahoo, so­be e des­ce a fren­te da bi­ke pa­ra si­mu­lar uma in­cli­na­ção). Com a Zwift Aca­demy, equi­pes pro­fis­si­o­nais es­tão co­lo­can­do olhei­ros nos pro­gra­mas de trei­no vir­tu­al. O Zwift ad­qui­riu sua pró­pria cul­tu­ra – tem seus pró­pri­os blogs, pod­casts e ter­mi­no­lo­gia in­ter­na (co­mo “flyers”, que usam do­ping ele­trô­ni­co e pas­sam a ve­lo­ci­da­des im­pos­sí­veis). Há até um ví­deo no You­tu­be, “As Bes­tei­ras que Zwif­ters Di­zem”. As pes­so­as se en­con­tram com ami­gos do Zwift em gru­pos e clu­bes de pe­dal e man­dam ku­dos no Strava pa­ra os co­le­gas.

O Zwift nun­ca subs­ti­tui­rá o ci­clis­mo “re­al” (pe­lo me­nos eu es­pe­ro que is­so não acon­te­ça). Mas traz bas­tan­te do es­pí­ri­to e da me­câ­ni­ca e al­guns bô­nus prin­ci­pais. Vo­cê en­con­tra com­pa­nhei­ros de pe­dal ou até pro­vas, a qua­se qual­quer ho­ra do dia. Oca­si­o­nal­men­te, vo­cê po­de trei­nar com pro­fis­si­o­nais. E vo­cê é pou­pa­do das pi­o­res ma­ze­las do pe­dal ao ar li­vre, co­mo maus mo­to­ris­tas, mau tem­po e maus per­cur­sos. O jo­go me aju­dou a man­ter o pre­pa­ro fí­si­co – os pe­dais ao ar li­vre, qu­an­do acon­te­cem, são mais agra­dá­veis. O Zwift pa­re­ce mais do que sim­ples­men­te o me­lhor trei­no in­do­or, ele es­tá se tor­nan­do um mun­do de imer­são e uma ati­vi­da­de em si, al­can­çan­do os úl­ti­mos pal­ma­res da era di­gi­tal. Vo­cê ain­da vai me dar ra­zão.

EU GOS­TO DE UMA PE­DA­LA­DA ÉPI­CA TAN­TO QUAN­TO QUAL­QUER CI­CLIS­TA – QU­AN­DO TE­NHO TEM­PO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.