QUE­RIA AVEN­TU­RA! EN­TÃO TO­MA!

Bicycling (Brazil) - - PESSOAS - TEX­TO E FO­TOS DE BJØRN OLSON

ELES ERAM CA­SA­DOS E CURTIAM FA­ZER CI­CLO­VI­A­GENS TENSAS NAS RE­GIÕES MAIS INÓSPITAS DO ALASCA. ATÉ QUE A AVEN­TU­RA VI­ROU UM PER­REN­GUE SEM FIM

Do la­do de fo­ra do nos­so abri­go, a chu­va caía tor­ren­ci­al­men­te, en­quan­to as on­das açoi­ta­vam as pa­re­des ro­cho­sas do pe­nhas­co. Por ci­ma de to­do aque­le es­tar­da­lha­ço da na­tu­re­za, nos­so estô­ma­go ron­ca­va. Eu ti­nha de­va­nei­os so­bre ovos com ba­con es­pa­lha­dos em um san­duí­che de chu­cru­te e sushi, guar­ne­ci­dos com es­pa­gue­te e waf­fles. Qu­an­do não se po­de ter na­da, se quer tu­do.

Kim, mi­nha na­mo­ra­da, e eu es­tá­va­mos na ter­cei­ra se­ma­na de uma ex­pe­di­ção re­man­do de raft e pe­da­lan­do em fat bi­kes no su­des­te do Alasca (EUA). Pla­ne­ja­mos es­sa vi­a­gem pa­ra du­rar dois ou três me­ses, mas ago­ra che­gá­ra­mos a um be­co sem saí­da ines­pe­ra­do.

Era nos­sa ter­cei­ra noi­te no fim de ju­lho, iso­la­dos em uma praia lon­gín­qua no Gol­fo do Alasca, pre­sos pe­lo cli­ma bru­tal e in­ca­pa­zes de avan­çar ou re­cu­ar e – o pi­or – sem po­der re­a­bas­te­cer nos­sos man­ti­men­tos. Pa­ra ma­tar o tem­po e dis­far­çar a fo­me, Kim e eu des­can­sá­va­mos em nos­so sa­co de dor­mir de ca­sal.

So­nhei que eu es­ta­va fu­gin­do de al­gu­ma coi­sa ater­ro­ri­zan­te, mas, in­de­pen­den­te­men­te de quan­to ten­tas­se, o tro­ço che­ga­va ca­da vez mais per­to. Qu­an­do acor­da­mos, de­ci­di não fo­car mi­nha aten­ção no nos­so des­con­for­to e co­me­cei a ler al­to pa­ra Kim. Tí­nha­mos ape­nas um úni­co li­vro, cha­ma­do sim­ples­men­te Ir­lan­da. As his­tó­ri­as nos trans­por­ta­vam a mi­lha­res de quilô­me­tros de dis­tân­cia das nos­sas pre­o­cu­pa­ções en­char­ca­das.

Mais tar­de, li­ga­mos o rá­dio VHF pa­ra ou­vir a pre­vi­são do tem­po. O ser­vi­ço de me­te­o­ro­lo­gia lo­cal nos de­ra um pou­co de es­pe­ran­ça na noi­te an­te­ri­or, po­rém ago­ra as con­di­ções es­ta­vam ruins co­mo sem­pre – mais um sis­te­ma de bai­xa pres­são che­ga­ra ao sul da cos­ta do Alasca, acom­pa­nha­do de ven­tos de 40 km/h e on­das de três me­tros, além de uma in­ces­san­te chu­va tor­ren­ci­al. Nin­guém vai pa­ra lu­gar ne­nhum. Com­bi­na­mos de, mais uma vez, cor­tar nos­sa ra­ção diá­ria de so­pa de lá­men e aveia agua­da.

EXPEDIÇÕES NO ALASCA são uma par­te in­trín­se­ca da nos­sa vi­da. Mi­nha fas­ci­na­ção pe­la aven­tu­ra co­me­çou ce­do. Cres­ci em uma pe­que­na co­mu­ni­da­de ru­ral do in­te­ri­or do Alasca cha­ma­da Sla­na cer­ca­do de ami­gos da fa­mí­lia que eram es­ca­la­do­res, mon­ta­nhis­tas, ca­noís­tas, es­qui­a­do­res, pi­lo­tos de tre­nó de cães e ma­ri­nhei­ros. Aos 17 anos, co­me­cei a tes­tar mi­nhas téc­ni­cas e for­ça nas áre­as re­mo­tas de mi­nha ter­ra na­tal.

Kim foi cri­a­da no tre­cho mais chu­vo­so da cos­ta oes­te dos Es­ta­dos Uni­dos, ca­mi­nhan­do nas mon­ta­nhas, co­lhen­do co­gu­me­los e apren­den­do so­bre a eco­lo­gia das ma­tas úmi­das cos­tei­ras. Aos 20 e pou­cos anos, ela se mu­dou pa­ra Ho­mer, no Alasca, pa­ra tra­ba­lhar com edu­ca­ção am­bi­en­tal no ve­rão e, de­pois de me co­nhe­cer, nun­ca mais foi em­bo­ra. Nos­so ro­man­ce deu cer­to por con­ta do nos­so amor pe­la na­tu­re­za e pe­la aven­tu­ra. No­ve anos de­pois, es­sa pai­xão ain­da es­tá ace­sa.

No fim dos anos 1990, cons­truí uma moun­tain bi­ke com as ro­das mais lar­gas e os pneus mais gor­dos que en­con­trei e pro­cu­rei ro­tei­ros pos­sí­veis no ma­pa.

Qu­an­do nos co­nhe­ce­mos, não ha­via fat bi­kes no mer­ca­do. Aju­dei-a a com­prar um qua­dro, um gar­fo e um par de ro­das. Ca­ni­ba­li­za­mos mi­nhas pe­ças an­ti­gas pa­ra ter­mi­nar de mon­tar a bi­ke. Des­de en­tão, as ci­clo­vi­a­gens têm si­do cons­tan­tes em nos­sas vi­das, um ei­xo ao re­dor do qual tu­do gi­ra. Mais do que cai­a­que oceâ­ni­co ou mon­ta­nhis­mo, lon­gas vi­a­gens de bi­ke são um de­sa­fio úni­co.

Em ge­ral, fo­ca­mos nos­sa ener­gia em gran­des vi­a­gens no in­ver­no e, co­mo bons ha­bi­tan­tes do Alasca, tra­ba­lha­mos no ve­rão. Em 2014, por exem­plo, fo­mos os pri­mei­ros a pedalar de An­cho­ra­ge a Kot­ze­bue, aci­ma do Cír­cu­lo Po­lar Ár­ti­co – uma ex­pe­di­ção in­ver­nal de 1.700 km.

En­tre­tan­to, pa­ra o ano de 2015, pas­sa­mos três me­ses pla­ne­jan­do uma lon­ga ex­pe­di­ção de ve­rão. Pe­da­la­ría­mos da ca­pi­tal do Alasca, Ju­ne­au, até nos­sa

ci­da­de, Ho­mer, um per­cur­so de 1.600 km pra­ti­ca­men­te sem tri­lhas ou es­tra­das.

Nos­sos mei­os de trans­por­te: fat bi­kes le­ves Sal­sa Be­ar­gre­a­se, de fi­bra de car­bo­no, e bo­tes in­flá­veis de águas bran­cas do ti­po pac­kraft da Al­pac­ka De­na­li Lla­ma pa­ra atra­ves­sar as baías, fi­or­des, ri­os e ou­tros tre­chos d’água ao lon­go do ca­mi­nho. Os bo­tes in­di­vi­du­ais de 2,7 kg, em­pa­co­ta­dos, fi­cam do ta­ma­nho de um sa­co de dor­mir.

À me­di­da que a vi­a­gem se apro­xi­ma­va, co­men­tá­va­mos co­mo uma ex­pe­di­ção de ve­rão se­ria mui­to mais sim­ples: po­de­ría­mos pedalar no sol de ca­mi­se­ta, to­mar ba­nhos de rio, sem ris­co de con­ge­la­men­to e sem a obri­ga­ção de der­re­ter ne­ve pa­ra fa­zer água. Ou­tros as­pec­tos, cla­ro, se­ri­am mais di­fí­ceis. Nes­sa vi­a­gem, as­sim co­mo em mui­tas ou­tras que pla­ne­ja­mos, en­vi­a­ría­mos pa­co­tes de co­mi­da às pe­que­nas agên­ci­as de cor­reio ao lon­go do ca­mi­nho pa­ra nos­so re­a­bas­te­ci­men­to. Mas há pou­cas co­mu­ni­da­des na cos­ta do Gol­fo do Alasca en­tre Ju­ne­au e Ho­mer. A car­ga que pre­ci­sa­ría­mos car­re­gar nas bi­kes se­ria ab­sur­da­men­te pe­sa­da a ca­da re­a­bas­te­ci­men­to e no co­me­ço da ex­pe­di­ção.

Nos­sa es­pe­ran­ço­sa ideia de pedalar sem ca­mi­sa nas prai­as en­so­la­ra­das do Alasca so­freu o pri­mei­ro cho­que de re­a­li­da­de na travessia de bal­sa en­tre Ho­mer e Ju­ne­au. Uma chu­va ge­la­da e nu­vens pe­sa­das nos ro­de­a­ram du­ran­te to­da a vi­a­gem na bal­sa. En­quan­to em­bar­cá­va­mos de ano­rak, fo­mos lem­bra­dos que as pes­so­as fre­quen­te­men­te têm hi­po­ter­mia aqui tam­bém nos me­ses de ve­rão.

En­quan­to atra­ves­sá­va­mos o cen­tro da ci­da­de, to­ma­da por tu­ris­tas de qua­tro na­vi­os de cru­zei­ro, per­ce­be­mos os olha­res cu­ri­o­sos em ci­ma de nós. A po­pu­la­ri­da­de das fat bi­kes cres­ceu no cen­tro-sul do Alasca nos úl­ti­mos anos, mas em Ju­ne­au ain­da eram in­co­muns. Fa­zia tem­po que não ou­vía­mos per­gun­tas co­mo: “Ei, qual é a es­pes­su­ra des­ses pneus?” ou “On­de fi­ca o mo­tor?”. Ape­sar da chu­va e da at­mos­fe­ra me­lan­có­li­ca, cru­za­mos de bom hu­mor a pon­te que li­ga a ca­pi­tal à ilha Dou­glas. Após me­ses de pre­pa­ra­ção, fi­nal­men­te es­tá­va­mos a ca­mi­nho. O que a bal­sa le­va­ra três di­as pa­ra per­cor­rer, es­pe­rá­va­mos gas­tar o res­to do ve­rão, no sen­ti­do con­trá­rio. Es­tá­va­mos a ca­mi­nho de ca­sa.

“SE VO­CÊ FOR PEGO des­pre­pa­ra­do por uma tem­pes­ta­de”, re­co­men­da o Ha­ga­ku­re, o ma­nu­al su­pre­mo dos sa­mu­rai, “não de­ve cor­rer pe­la es­tra­da co­mo um to­lo, ou se es­con­der sob os bei­rais dos te­lha­dos. De uma for­ma ou de ou­tra, vai fi­car en­char­ca­do. Acei­te de uma vez e si­ga seu ca­mi­nho. Des­sa for­ma, não fi­ca­rá an­gus­ti­a­do com qual­quer chu­va. Apli­que es­sa li­ção a tu­do na vi­da.” No se­gun­do dia, co­me­çou a pa­re­cer que nos­sa ex­pe­di­ção in­tei­ra pre­ci­sa­ria de men­tes trei­na­das as­sim.

As ex­pe­ri­ên­ci­as e a ino­va­ção sur­gi­das no Alasca le­va­ram à fat bi­ke e ao pac­kraft – afi­nal, es­ta­mos em uma re­gião on­de há pou­cas tri­lhas e es­tra­das. Mas, in­de­pen­den­te­men­te de quão gor­dos se­jam os pneus de uma bi­ci­cle­ta, se o ter­re­no for mui­to ma­cio, com bas­tan­te ma­to e obs­tá­cu­los, a bi­ke pre­ci­sa ser ain­da mais in­te­li­gen­te.

Ami­gos que já ha­vi­am ca­mi­nha­do pe­las ilhas Ad­mi­ralty em anos an­te­ri­o­res dis­se­ram que a tri­lha que pas­sa pe­la re­gião cen­tral se­ria o me­lhor ca­mi­nho.

En­con­tra­mos a tal tri­lha, que lo­go de­sa­pa­re­ceu den­tro de uma flo­res­ta e, de­pois, se trans­for­mou em pân­ta­no. “Nem se atre­va a ti­rar fo­to”, ame­a­çou Kim, ao ten­tar sair de um po­ço de la­ma até a cin­tu­ra em que caí­ra sem que­rer. De­pois de re­cu­pe­ra­da e em so­lo fir­me, ela la­men­tou: “Se eu cair de no­vo em um bu­ra­co, dei­xo vo­cê fa­zer uma fo­to­gra­fia”.

Fi­nal­men­te de­sis­ti­mos da tri­lha que não exis­tia, re­tor­na­mos pa­ra a praia on­de tí­nha­mos atra­ca­do e re­ma­mos ao lon­go

da cos­ta. A ca­no­a­gem era pa­ra ser nos­sa me­lhor op­ção pa­ra os 130 km en­tre Ju­ne­au e Gus­ta­vus, en­tra­da pa­ra o Par­que Na­ci­o­nal de Gla­ci­er Bay. Até che­gar­mos às prai­as do li­to­ral do Gol­fo do Alasca, sa­bía­mos que as bi­ci­cle­tas se­ri­am pou­co úteis e po­ten­ci­al­men­te incô­mo­das.

Al­guns di­as de­pois, Kim e eu saí­mos de Gus­ta­vus re­cém-re­a­bas­te­ci­dos. Nos­sas qua­tro cai­xas dos cor­rei­os, ex­plo­din­do de tão chei­as, es­ta­vam à nos­sa es­pe­ra na agên­cia. Ao nos apro­xi­mar­mos da en­tra­da do Gla­ci­er Bay, de­ba­te­mos so­bre co­mo li­dar com a pró­xi­ma eta­pa da nos­sa jor­na­da. Não são per­mi­ti­das bi­kes nas áre­as sel­va­gens do par­que. Sou to­tal­men­te a fa­vor da con­ser­va­ção, mas acho la­men­tá­vel que as bi­ci­cle­tas se­jam fre­quen­te­men­te co­lo­ca­das no mes­mo pa­ta­mar dos veí­cu­los mo­to­ri­za­dos nes­sas áre­as pro­te­gi­das.

Em­bo­ra es­ti­vés­se­mos ape­nas le­van­do as bi­kes nos cai­a­ques no Gla­ci­er Bay, fi­ca­mos pre­o­cu­pa­dos que al­gum guar­da flo­res­tal re­cém-for­ma­do, com co­cei­ra na ca­ne­ta do ta­lão de mul­tas, pu­des­se es­tra­gar nos­sa ex­pe­di­ção. Um ami­go nos­so ha­via si­do mul­ta­do nes­se mes­mo par­que na­ci­o­nal por fa­zer xi­xi no ma­to. Com is­so em men­te, de­ci­di­mos pas­sar pe­la por­ta­ria tar­de da noi­te.

Pla­ne­ja­mos cru­zar a foz de Gla­ci­er Bay na úl­ti­ma ho­ra da cor­ren­te da ma­ré.

As tra­ves­si­as de baías e fi­or­des com for­tes cor­ren­tes de ma­ré exi­gem um ti­ming pre­ci­so, es­pe­ci­al­men­te em pac­krafts, que têm uma ve­lo­ci­da­de má­xi­ma de cas­co de cer­ca de 4 km/h. De acor­do com nos­so pla­no, a cor­ren­te nos em­pur­ra­ria su­a­ve­men­te pa­ra o fi­or­de, di­mi­nui­ria en­quan­to es­ti­vés­se­mos no meio e, de­pois, nos le­va­ria até a bo­ca qu­an­do a ma­ré co­me­ças­se a bai­xar. Mas, qu­an­do fi­nal­men­te che­gou a ho­ra de fa­zer a travessia de 6 km, uma es­pes­sa fai­xa de ne­bli­na des­ceu e ba­teu um ven­to for­te. Atra­sa­mos um dia a travessia.

Ao cru­zar­mos na ma­nhã se­guin­te, fo­mos cer­ca­dos por um ban­do de ba­lei­as-ju­bar­te e, no­va­men­te, nos­so im­pul­so de pres­sa foi in­ter­rom­pi­do. O mo­men­to era mui­to ri­co pa­ra pas­sar­mos cor­ren­do, com ba­lei­as apa­re­cen­do na fren­te, atrás e ao la­do dos bo­tes. Da­va pa­ra sen­tir aque­les mons­tros gen­tis, sua ele­gân­cia len­ta e gra­ci­o­sa, usan­do a aju­da da ma­ré pa­ra fil­trar os ali­men­tos. O ar ao nos­so re­dor se en­chia com o spray da res­pi­ra­ção das ba­lei­as, e ne­le sen­tía­mos o aro­ma do mar e da vi­da aquá­ti­ca.

Dois di­as de­pois, re­ma­mos no­va­men­te com for­ça con­tra a cor­ren­te da ma­ré pa­ra per­cor­rer os úl­ti­mos quilô­me­tros em Tay­lor Bay, nos­sa pa­ra­da fi­nal den­tro das águas pro­te­gi­das. O pla­no era che­gar lo­go à cos­ta, pe­da­lan­do e per­cor­ren­do quilô­me­tros mais fá­ceis.

“IS­TO NÃO FAZ SEN­TI­DO”, ad­mi­ti. Kim e eu es­tá­va­mos de pé em um cam­po de pe­dras de um es­trei­to va­le en­tre o Glaciar Tay­lor e uma mon­ta­nha. No ca­mi­nho à fren­te, ro­chas do ta­ma­nho de ge­la­dei­ras pen­di­am pre­ca­ri­a­men­te aci­ma de nós. Qu­e­ría­mos nos mo­ver ra­pi­da­men­te, mas nos­sa ro­ta não es­ta­va sin­cro­ni­zan­do com o ma­pa.

Es­tá­va­mos ru­man­do das águas pro­te­gi­das de den­tro da baía pa­ra a cos­ta do gol­fo ao lon­go de uma ri­maya – fen­da que se for­ma en­tre a ge­lei­ra e a pa­re­de ro­cho­sa da mon­ta­nha. No co­me­ço con­se­guía­mos con­tor­nar as pe­dras gran­des pe­da­lan­do. No fim, já es­tá­va­mos em um em­pur­ra­bi­ke cas­ca-gros­sa. Já ha­vía­mos ti­ra­do tu­do de­las e so­ca­do as coi­sas em nos­sas mo­chi­las ul­tra­le­ves gi­gan­tes­cas (da mar­ca Moun­tain Lau­rel De­signs ARK de 72 li­tros) e co­me­ça­do a cha­fur­dar.

Ago­ra, de­pois de um es­tu­do cui­da­do­so da pai­sa­gem gla­ci­al que ra­pi­da­men­te se ero­dia e se trans­for­ma­va, en­ten­de­mos que o pri­mei­ro la­go que de­ve­ría­mos ter pas­sa­do ti­nha se­ca­do, e o se­gun­do era o que ha­vía­mos atra­ves­sa­do achan­do que era o pri­mei­ro. As ge­lei­ras ado­ram ti­rar sar­ro de car­tó­gra­fos e aven­tu­rei­ros. De­mos meia-vol­ta e des­ce­mos com cui­da­do a ga­le­ria – es­pe­ran­do que ne­nhu­ma pe­dra gran­de caís­se na nos­sa ca­be­ça – até o lo­cal em que de­ve­ría­mos es­tar de fa­to. Da­li, re­ma­mos até o co­me­ço de um ras­ga-ma­to ab­sur­do.

Pa­ra­mos pa­ra co­mer e nos pre­pa­ra­mos men­tal­men­te pa­ra a bru­ta­li­da­de à fren­te. Is­so me fez lem­brar de uma pi­a­da in­ter­na nos­sa, ba­se­a­da no fil­me cult Mi­nha Vi­da É um De­sas­tre, dos anos 1980 e es­tre­la­do por John Cu­sack. No fil­me, a mãe de Cu­sack faz um min­gau gos­men­to com uvas-pas­sas. En­quan­to ela der­ra­ma a me­le­ca ge­la­ti­no­sa no seu pra­to, diz com voz na­sa­la­da: “Tem pas­sas... vo­cê gos­ta de pas­sas”. Por anos, Kim e eu mo­di­fi­ca­mos es­sa fra­se pa­ra: “Tem aven­tu­ra... vo­cê gos­ta de aven­tu­ra”. Fa­la­mos is­so um ao ou­tro qu­an­do o per­ren­gue atin­ge ní­veis exor­bi­tan­tes e um de nós dá si­nais de que vai su­cum­bir.

Dei­xan­do a praia pa­ra trás, uma pa­re­de de fo­lha­gem ver­de ime­di­a­ta­men­te nos abra­ça, e em pou­cos mi­nu­tos não ve­mos mais o la­go, mui­to me­nos o ca­mi­nho de saí­da da flo­res­ta den­sa adi­an­te.

A li­nha que tra­ça­mos no ma­pa pre­via su­bir e des­cer um pas­so ín­gre­me de mon­ta­nha, que su­pú­nha­mos per­cor­rer em um dia. Qu­an­do nos apro­xi­ma­mos do pas­so, no en­tan­to, co­me­cei a sen­tir ton­tu­ra e en­joo no estô­ma­go. E co­me­çou a cho­ver de no­vo – e bem for­te. Lo­go fui do­mi­na­do pe­la náu­sea e, com tris­te­za, dis­se a Kim que pre­ci­sa­va pa­rar.

Sob o agua­cei­ro e no úni­co ter­re­no se­mi­pla­no que en­con­tra­mos, mon­ta­mos um acam­pa­men­to pa­té­ti­co en­tre as raí­zes das ár­vo­res. Qu­an­do a úl­ti­ma go­ta de chá ba­teu no meu estô­ma­go, ex­pe­li um ja­to de vô­mi­to, es­tra­gan­do um can­to pla­no, pre­ci­o­so.

“Po­de ter si­do o ba­con mo­fa­do ou aque­le peixe se­co es­qui­si­to que co­me­mos?”, Kim per­gun­tou, meio brin­can­do.

“Ou tal­vez eu se­ja alér­gi­co a ma­ta­gal com bi­ke”, re­tru­quei. Pre­fe­ri­mos su­fo­car a pa­la­vra im­pro­nun­ciá­vel: gi­ar­día­se. Lu­tei

con­tra o de­se­jo de sen­tir au­to­pi­e­da­de. Aven­tu­ra... eu gos­to de aven­tu­ra.

Nos dois di­as se­guin­tes, em­pur­ra­mos nos­sas bi­ci­cle­tas no ma­to. Du­ran­te a mai­or par­te do tem­po sen­ti en­joo, com pre­o­cu­pa­ção em vo­mi­tar de no­vo e des­per­di­çar ca­lo­ri­as pre­ci­o­sas. Em um tre­cho par­ti­cu­lar­men­te ruim, Kim per­deu a ca­be­ça, jogou a bi­ke com to­da for­ça e gri­tou com a flo­res­ta. Fe­liz­men­te, es­tá­va­mos nos apro­xi­man­do do fim da ma­ta.

De­pois de flu­tu­ar pe­lo rio Di­xon e uma bre­ve por­ta­gem (em que car­re­ga­mos o bo­te), fi­nal­men­te che­ga­mos à cos­ta do gol­fo. “Acho que, no fim, foi aler­gia a va­ra-ma­to”, dis­se a Kim.

Meus sin­to­mas es­ta­vam di­mi­nuin­do, e nos­so oti­mis­mo co­me­çou a au­men­tar. Mais al­gu­mas ser­ras e lo­go che­ga­ría­mos ao tre­cho de pe­dal em lon­gas prai­as aber­tas. Po­rém uma no­va tem­pes­ta­de es­ta­va se for­man­do.

Na­que­la noi­te, con­ser­tei um pe­que­no bu­ra­co no bo­te e dis­cu­ti­mos nos­so pla­no pa­ra o dia se­guin­te. De­zes­seis quilô­me­tros em li­nha re­ta era a dis­tân­cia que nos se­pa­ra­va de Icy Ca­pe, o fim do re­mo em águas aber­tas e o co­me­ço da lon­ga e inin­ter­rup­ta praia, pe­la qual tra­ba­lha­mos tan­to. Co­me­ça­mos ce­do, pois es­pe­rá­va­mos ul­tra­pas­sar es­se obs­tá­cu­lo e per­ma­ne­cer à fren­te da tem­pes­ta­de.

Com o co­ra­ção na bo­ca, con­tor­na­mos com os bo­tes o pri­mei­ro ca­bo na tê­nue luz da­que­la ma­nhã nu­bla­da. On­das enor­mes e caó­ti­cas nos sa­cu­di­am pa­ra ci­ma e pa­ra bai­xo, ba­ten­do na pa­re­de qua­se ver­ti­cal de ro­cha à nos­sa di­rei­ta e man­dan­do de vol­ta as ma­ro­las. A tem­pes­ta­de ha­via ca­mi­nha­do mais rá­pi­do do que o pre­vis­to.

“Fi­que per­to de mim”, gri­tei pa­ra Kim. Anos de ex­pe­ri­ên­cia em ma­res gran­des com cai­a­ques – que são en­cai­xa­dos no cor­po, nos per­mi­tin­do ro­lar se em­bor­ca­dos nas on­das – aju­da­ram nos­sa re­ma­da. Mas pac­krafts não são cai­a­ques, e es­se foi o mar mais bra­vo que já en­fren­ta­mos.

Uma vez que pas­sa­mos a con­fu­são das on­das per­to do ca­bo, co­me­ça­mos a sen­tir to­do o pe­so do swell inin­ter­rup­to. Nos­so pla­no de al­can­çar o Icy Ca­pe eva­po­rou.

Pre­ci­sá­va­mos ra­pi­da­men­te de um no­vo pla­no.

No nos­so ma­pa, pa­re­cia que a praia ao sul da Bous­so­le Bay era a úni­ca op­ção ra­zoá­vel. Ao nos apro­xi­mar­mos da praia, fui com cui­da­do até a ar­re­ben­ta­ção. De­pois de es­tu­dar vá­ri­os con­jun­tos de on­das, for­cei o re­mo, su­bi em uma de­las, sal­tei e pu­xei o bo­te pa­ra a praia. Vi­rei a tem­po de ver Kim sen­do en­go­li­da por uma on­da. Em um flash, ela es­ta­va fo­ra da água e cor­ren­do com seu equi­pa­men­to até mim. En­so­pa­da e com os olhos ar­re­ga­la­dos, ela dis­se: “Bas­ta!”. Ha­vía­mos che­ga­do ao nos­so li­mi­te – e ao do equi­pa­men­to tam­bém.

Pe­ga­das de ur­sos-mar­rons co­bri­am a praia (que per­ce­be­mos que se­ria nos­sa no­va ca­sa até o mar se acal­mar). Fi­ze­mos uma ava­li­a­ção da re­don­de­za – ro­de­a­da de be­las mon­ta­nhas co­ber­tas de flo­res­ta, mas açoi­ta­das pe­las tem­pes­ta­des e co­ber­tas de ne­bli­na, que se er­guia nos dois la­dos do imen­so va­le are­no­so. En­con­tra­mos um lu­gar al­to, mon­ta­mos abri­go e, com mui­ta di­fi­cul­da­de, acen­de­mos uma fo­guei­ra com a ma­dei­ra úmi­da que en­con­tra­mos na praia. O fo­go ser­viu a al­guns pro­pó­si­tos: fa­zer uma re­fei­ção quen­te, aque­cer e se­car nos­sos cor­pos en­char­ca­dos e en­vi­ar um si­nal de aler­ta de fu­ma­ça pa­ra os ur­sos do va­le.

TRÊS DI­AS DE­POIS ain­da es­tá­va­mos pre­sos no nos­so abri­go e co­me­ça­mos a de­ba­ter as op­ções. Vol­tar pe­lo ca­mi­nho que vi­e­mos pa­re­cia im­pen­sá­vel. Além dis­so, a praia em que pre­ci­sá­va­mos atra­car pa­ra vol­tar es­ta­va ago­ra sen­do mar­te­la­da por on­das de três me­tros, bem co­mo to­das as prai­as à fren­te. Tu­do que po­día­mos fa­zer era con­ti­nu­ar a re­du­zir nos­sa ra­ção de co­mi­da e es­pe­rar a tem­pes­ta­de ir em­bo­ra lo­go.

Qu­an­do as nu­vens se es­pa­lha­ram um pou­co, con­se­gui­mos ver o Icy Ca­pe, a ape­nas 13 km, sen­do chi­co­te­a­do por on­das fe­ro­zes. Es­tá­va­mos pre­sos.

À me­di­da que os di­as chu­vo­sos se se­gui­am, nos­sas re­fei­ções fi­ca­vam ca­da vez mais agua­das e me­no­res. Kim re­sol­veu pes­car en­tre as pe­dras pa­ra ten­tar com­ple­men­tar nos­sos min­gua­dos es­to­ques. Em uma pe­que­na cai­xa es­tan­que, tí­nha­mos uma quan­ti­da­de ín­fi­ma de equi­pa­men­tos de pes­ca. Amar­rei a pon­ta de uma li­nha de pes­ca em um os­so da per­na de um ani­mal. Na ou­tra pon­ta, pren­di uma is­ca e um par de chum­bi­nhos.

Dei­ta­da de bru­ços so­bre uma pe­dra on­de ba­ti­am as on­das, Kim mer­gu­lhou a is­ca bri­lhan­te no mar. Nos dois di­as se­guin­tes, seus es­for­ços fo­ram re­com­pen­sa­dos com al­guns peixes es­pi­nhen­tos, mas mes­mo as­sim nos­sas rou­pas es­ta­vam ca­da vez mais lar­gas, e o ros­to de Kim co­me­çou a pa­re­cer cansado e ma­gro.

De­pois de cin­co di­as, fi­ze­mos um ba­lan­ço do que res­ta­va de co­mi­da – dois di­as de ra­ção, fal­tan­do 160 km até nos­so pró­xi­mo pon­to de re­a­bas­te­ci­men­to, e ne­nhu­ma es­pe­ran­ça de a tem­pes­ta­de che­gar ao fim. Já era ho­ra, con­cor­da­mos. Com dor no co­ra­ção, man­da­mos uma men­sa­gem atra­vés do nos­so te­le­fo­ne sa­te­li­tal: “En­vie um avião pa­ra es­tas co­or­de­na­das, por fa­vor!”.

O su­des­te do Alasca é uma re­gião ti­pi­ca­men­te úmi­da, mas de­pois fi­ca­mos sa­ben­do que o ve­rão de 2015 foi um dos mais chu­vo­sos já re­gis­tra­dos. Na co­mu­ni­da­de de Sit­ka hou­ve um trá­gi­co des­li­za­men­to no mês de agos­to, re­sul­tan­do em mor­tes, de­vi­do às chu­vas per­sis­ten­tes e pe­sa­das. Nos­sa ex­pe­di­ção era am­bi­ci­o­sa e não exi­gia pou­ca sor­te.

In­fe­liz­men­te, aque­la não foi uma épo­ca de sor­te. Qu­an­do nos le­van­ta­mos da praia, já no avião mo­no­mo­tor com trem de pou­so, sen­ti um tre­men­do re­mor­so. Lu­ta­mos bra­va­men­te pa­ra che­gar ao ter­re­no se­mi­a­ber­to ade­qua­do pa­ra as nos­sas bi­ci­cle­tas, mas nos­so aces­so foi ne­ga­do. Eu me per­gun­ta­va se es­tá­va­mos sen­do bun­das­mo­les. Es­ta­ría­mos de­sis­tin­do fá­cil de­mais? Apren­der os li­mi­tes dos equi­pa­men­tos em cons­tan­te evo­lu­ção ao mes­mo tem­po em que ex­tra­po­la­mos nos­sos pró­pri­os li­mi­tes pes­so­ais em no­vos am­bi­en­tes é emo­ci­o­nan­te, po­rém mui­tas ve­zes fi­ca di­fí­cil sa­ber on­de es­tá o li­mi­te re­al. Eu sa­bia que ha­vía­mos en­con­tra­do o nos­so.

A ba­se do nos­so tá­xi aé­reo era Ya­ku­tat, que tam­bém era o nos­so pró­xi­mo ob­je­ti­vo. O pi­lo­to vo­ou abai­xo das nu­vens, se­guin­do o que se­ria nos­sa ro­ta até a ci­da­de­zi­nha. Qu­an­do olhei pa­ra o li­to­ral re­ple­to de on­das e os ri­a­chos chei­os com a chu­va, vi­mos que ain­da res­ta­vam de­sa­fi­os her­cú­le­os. To­dos os ri­a­chos es­ta­vam em fa­se de inun­da­ção ex­tre­ma, mui­tos tal­vez in­trans­po­ní­veis, e re­mar no mar pa­ra evi­tá-los es­ta­va fo­ra de ques­tão por con­ta das imen­sas on­das. Fi­nal­men­te nos de­mos con­ta de que não te­ría­mos chan­ce em hi­pó­te­se al­gu­ma.

De­pois de pa­gar a sal­ga­da con­ta do voo char­ter, Kim e eu en­tra­mos no ho­tel do ae­ro­por­to de Ya­ku­tat e pe­di­mos um ca­fé da ma­nhã com tu­do ex­tra. Uma ho­ra de­pois, por vol­ta do meio-dia, o cardápio mu­dou, en­tão pe­di­mos o al­mo­ço. Fridt­jof Nan­sen, ex­plo­ra­dor e ci­en­tis­ta do sé­cu­lo 19 que pas­sou três anos ten­tan­do e não con­se­guin­do che­gar ao Po­lo Nor­te, dis­se uma vez: “Vo­cê não con­se­guiu? Con­ti­nue! Vo­cê con­se­guiu? Con­ti­nue!”.

De bar­ri­ga cheia e uma cer­ve­ja na mão, Kim e eu co­me­ça­mos a dis­cu­tir o que qu­e­ría­mos ten­tar em se­gui­da.

Em mar­ço do ano se­guin­te, Kim e Bjørn per­cor­re­ram 725 km de No­me até Ki­va­li­na, na re­gião no­ro­es­te do Ár­ti­co, no Alasca. Em ju­nho e ju­lho de 2017, fi­ze­ram uma ex­pe­di­ção de 690 km em pac­kraft e fat bi­ke de Point Ho­pe a Ut­quig­vik, tam­bém no Alasca. Eles fo­ram os pri­mei­ros que ten­ta­ram e com­ple­ta­ram as du­as ro­tas.

KIM MA­TA QUILÔ­ME­TROS TRANQUILOS EM TAY­LOR BAY, EM UM RARODIA DE SOL

VEN­CEN­DO NA MARRA UM TRE­CHO DE PE­DRAS SOL­TAS NO GLACIAR TAY­LOR, EM WES­TERN MOAT

AN­DAN­DO RU­MO A GULF COAST (ACI­MA); TÁ­XI AÉ­REO COSTEIRO DE YAKUTA (ABAI­XO)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.