TREK MA­DO­NE SLR

Bicycling (Brazil) - - COISAS - POR ERIKA SALLUM

BI­KES AERODINÂMICAS fa­zem um su­ces­so es­pe­ci­al en­tre ci­clis­tas bra­si­lei­ros – so­mos, afi­nal, uma na­ção exu­be­ran­te, que cur­te cha­mar a aten­ção e “ser vis­ta”. Daí a ime­di­a­ta em­pa­tia de mui­tos por aqui com o de­sign mais agres­si­vo des­ses mo­de­los fei­tos pa­ra cor­tar o ven­to e dei­xar o pe­lo­tão de ro­da.

Com a no­va Trek Ma­do­ne SLR, não é di­fe­ren­te. Es­ta­mos di­an­te de uma su­per­má­qui­na que reú­ne o que de me­lhor a Trek já de­sen­vol­veu em tec­no­lo­gia pa­ra en­ca­rar es­tra­das. Sim, é cha­ma­ti­va, ide­al pa­ra aque­les que não se im­por­tam mui­to em “che­gar che­gan­do” no pe­dal com os ami­gos. Mas, na sua no­va ver­são, a Ma­do­ne con­quis­ta até mes­mo os co­ra­ções mais dis­cre­tos – co­mo o meu.

Seu qua­dro, em al­guns pon­tos, se as­se­me­lha ao mo­de­lo an­te­ri­or, po­rém ga­nhou me­lho­ri­as de res­pei­to. Ago­ra, no tu­bo su­pe­ri­or, a Trek ins­ta­lou sua tec­no­lo­gia Isos­pe­ed que, an­tes, era en­con­tra­da no mo­de­lo Do­ma­ne da mar­ca, de­sen­vol­vi­do pa­ra lon­gas pe­da­la­das. Res­pon­sá­vel por dei­xar a Do­ma­ne mais con­for­tá­vel em dis­tân­ci­as am­bi­ci­o­sas, a tec­no­lo­gia foi de­sen­vol­vi­da jun­to com Fa­bi­an Can­cel­la­ra, mi­to suí­ço ven­ce­dor da Pa­ris-rou­baix. Pa­ra en­fren­tar a tre­pi­da­ção dos tre­chos em pa­ra­le­le­pí­pe­do, a Trek e o ex-ci­clis­ta cri­a­ram um sis­te­ma que su­a­vi­za os im­pac­tos do ter­re­no. Ué, mas uma bi­ke ae­ro­di­nâ­mi­ca co­mo a Ma­do­ne ago­ra pos­sui sis­te­ma pa­ra me­lho­rar as vi­bra­ções da es­tra­da e dei­xá-la mais con­for­tá­vel? Não se­ria con­tra­di­tó­rio, vis­to que bi­kes ae­ro pre­ci­sam ser ve­lo­zes? Es­tá aí a gran­de sa­ca­da da Trek.

Ao ins­ta­lar o Isos­pe­ed, a mar­ca cri­ou uma bi­ke ab­sur­da­men­te rá­pi­da e ma­cia. Se an­tes a Ma­do­ne era meio “ca­bri­ta” ao pas­sar em as­fal­tos me­nos uni­for­mes, ago­ra ela se mos­tra uma be­le­zu­ra ca­paz de su­a­vi­zar até es­tra­das me­nos fa­vo­rá­veis.

No dia dos tes­tes, foi amor à pri­mei­ra vis­ta – a Ma­do­ne me ga­nhou em me­nos de dez mi­nu­tos, não sem an­tes me cho­car por sua per­for­man­ce ali­a­da a con­for­to. Eu es­ta­va pron­ta pa­ra pedalar uma bi­ke rá­pi­da, po­rém aris­ca e du­ra. Ah, co­mo eu me en­ga­nei...

A no­va SLR es­tá, sem exa­ge­ros, en­tre os me­lho­res pro­je­tos de bi­ke da atu­a­li­da­de, e é di­fí­cil al­gu­ma de su­as ri­vais aerodinâmicas su­pe­rar su­as qua­li­da­des. Co­mo é se­gu­ra nas cur­vas e des­ci­das! E nas su­bi­das não des­per­di­ça a for­ça da pe­da­la­da em na­da: seu ar­ran­que é im­pres­si­o­nan­te. Le­ve, con­for­tá­vel, rá­pi­da, res­pon­si­va. Que avião!

O Isos­pe­ed da Ma­do­ne con­ta com um elastô­me­ro pa­ra di­mi­nuir o “efei­to re­bo­te” des­se sis­te­ma de amor­te­ci­men­to, e é pos­sí­vel es­co­lher di­fe­ren­tes mo­dos de ajus­te (do mais fle­xí­vel ao mais du­ro). O qua­dro é fei­to em car­bo­no OCLV700, o mais evo­luí­do da mar­ca.

O gui­dão e a me­sa ga­nha­ram ca­ra no­va. No mo­de­lo an­te­ri­or, eles eram in­te­gra­dos, o que li­mi­ta­va ajus­tes e dei­xa­va di­fí­cil a bi­ke ser usa­da por ou­tros ci­clis­tas que não o pri­mei­ro com­pra­dor. Nes­ta no­va ver­são, a Trek de­sen­vol­veu um con­jun­to in­te­gra­do, po­rém for­ma­do por du­as pe­ças, que con­tam com di­fe­ren­tes ta­ma­nhos. O gui­dão, aliás, fi­cou bem con­for­tá­vel de se­gu­rar, fa­ci­li­tan­do a vi­da em pe­dais mais lon­gos.

A SLR che­ga ao mer­ca­do em op­ções com freio a dis­co ou no aro (es­te úl­ti­mo to­tal­men­te in­te­gra­do ao de­sign do qua­dro, o que dá à bi­ke um vi­su­al bem mais lim­po e ele­gan­te). Tu­do is­so em um mo­de­lo pe­so-pe­na: na ver­são a dis­co, a Ma­do­ne SLR (a mais top de li­nha) es­tá com 7,5 kg, en­quan­to o mo­de­lo com freio no aro fi­cou com 7,1 kg.

Tan­ta tec­no­lo­gia tem, cla­ro, um po­rém: no mer­ca­do bra­si­lei­ro, por con­ta de nos­sos pe­sa­dos im­pos­tos e da al­ta do dó­lar, a Trek Ma­do­ne SLR 9, a dis­co e to­da com gru­po Shi­ma­no Du­ra Ace ele­trô­ni­co, sai por R$ 80.000. A SLR 6 a dis­co com Ul­te­gra cus­ta R$ 40.000, e a mes­ma ver­são com freio no aro, R$ 30.000. Há uma ex­ce­len­te car­te­la de co­res pa­ra qu­em qui­ser es­co­lher e per­so­na­li­zar – in­cluin­do al­gu­mas que mu­dam de cor, de­pen­den­do do ân­gu­lo em que se olha.

Isos­pe­edO sis­te­ma, ins­ta­la­do no tu­bo su­pe­ri­or, su­a­vi­za as tre­pi­da­ções do ter­re­no, sem com­pro­me­ter a ve­lo­ci­da­deR$ 80.000 (SLR 9 Disc) pe­so: 7,5 kg trek­bi­kes.com.br

Cock­pit in­te­gra­do com 2 pe­çasMe­sa e gui­dão for­mam um só cor­po, po­rém com­pos­to de du­as par­tes, com di­ver­sas pos­si­bi­li­da­des de fitPin­tu­ra cus­to­mi­za­daHá a pos­si­bi­li­da­de de es­co­lher uma car­te­la de co­res pa­ra o qua­dro, in­cluin­do al­gu­mas que mu­dam de tom de­pen­den­do de on­de se olha

Con­fi­gu­ra­ção top de li­nhaA ver­são SLR 9 po­de vir to­da com Du­ra Ace e freio a dis­co hi­dráu­li­co (sus­pi­ros)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.