SE­LE­ÇÃO REVÊ ALEMANHA CO­MO ANTÍTESE AO ‘BRA­SIL DO 7 A 1’

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

oB­ra­sil en­fren­ta a alemanha nes­ta ter­ça-fei­ra, em Ber­lim, com es­pí­ri­to re­la­ti­va­men­te le­ve, ape­sar de to­do o sim­bo­lis­mo do con­fron­to. Pe­la pri­mei­ra vez em jo­gos ofi­ci­ais, a se­le­ção bra­si­lei­ra prin­ci­pal re­en­con­tra os al­go­zes da úl­ti­ma co­pa, que lhe im­pu­se­ram um hu­mi­lhan­te 7 a 1 em ple­no Mi­nei­rão. de lá pa­ra cá, tan­to a se­le­ção quan­to o país pas­sa­ram por mui­tas trans­for­ma­ções. o “7 a 1”, in­clu­si­ve, é mo­ti­vo de pi­a­da en­tre os bra­si­lei­ros. “To­do dia é um 7 a 1 di­fe­ren­te” virou ex­pres­são po­pu­lar pa­ra de­mons­trar in­sa­tis­fa­ção di­an­te de qual­quer coi­sa, se­ja por um ala­ga­men­to cau­sa­do pe­la chu­va, se­ja pe­los es­cân­da­los que do­mi­na­ram o cam­po da po­lí­ti­ca.

De­pois do 7 a 1, o país ex­pe­ri­men­tou eventos trau­má­ti­cos em vá­ri­os as­pec­tos. dil­ma rous­seff re­e­le­geu-se pre­si­den­te, mas, em me­nos de dois anos, aca­bou des­ti­tuí­da por um con­tro­ver­so pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment. Luiz Iná­cio Lu­la da sil­va, seu an­te­ces­sor, foi con­de­na­do re­cen­te­men­te a 12 anos de pri­são pe­los cri­mes de cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro. aé­cio Ne­ves, que re­pre­sen­ta­va os an­sei­os de um “no­vo Bra­sil” pa­ra a ala opo­si­to­ra aos go­ver­nos de Lu­la e dil­ma, tam­bém nau­fra­gou na on­da de atos ilí­ci­tos re­ve­la­dos pe­la ope­ra­ção La­va Ja­to. si­tu­a­ção se­me­lhan­te à do su­ces­sor de dil­ma na pre­si­dên­cia, Mi­chel Te­mer, que, além das sus­pei­tas de cor­rup­ção, tem seu go­ver­no re­jei­ta­do por mais de 2/3 da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra. os ín­di­ces de vi­o­lên­cia dis­pa­ram em um país que con­ta­bi­li­za uma pes­soa as­sas­si­na­da a ca­da 9 mi­nu­tos, em mé­dia, prin­ci­pal­men­te no rio de Ja­nei­ro, que es­tá sob in­ter­ven­ção fe­de­ral des­de fe­ve­rei­ro e ga­nhou o no­ti­ciá­rio in­ter­na­ci­o­nal após o as­sas­si­na­to da ve­re­a­do­ra Ma­ri­el­le Fran­co.

No que se re­fe­re ao fu­tebol, a co­pa do Mun­do dei­xou ci­ca­tri­zes bem mais pro­fun­das que o 7 a 1. atu­al­men­te, 10 dos 12 es­tá­di­os que re­ce­be­ram jo­gos do Mun­di­al em 2014 es­tão são in­ves­ti­ga­dos por su­per­fa­tu­ra­men­to e des­vio de di­nhei­ro em obras. al­guns de­les, co­mo a are­na da amazônia e o Ma­né gar­rin­cha, que cus­tou qua­se 2 bi­lhões de re­ais e de­ve se con­ver­ter em ca­sa de shows pa­ra evi­tar no­vos pre­juí­zos ao go­ver­no do dis­tri­to Fe­de­ral, se tor­na­ram “ele­fan­tes bran­cos”. o Ma­ra­ca­nã, que já foi o mai­or es­tá­dio do mun­do, tem so­fri­do com a fal­ta de di­nhei­ro pa­ra ma­nu­ten­ção e, nos úl­ti­mos dois anos, amar­ga uma mé­dia in­fe­ri­or a 25.000 tor­ce­do­res por jo­go.

Hou­ve mu­dan­ças sig­ni­fi­ca­ti­vas tam­bém no co­man­do da con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Fu­tebol (CBF). Me­nos de um ano de­pois da co­pa, em maio de 2015, o en­tão pre­si­den­te Jo­sé Ma­ria Ma­rin era pre­so na suí­ça em ope­ra­ção do FBI que de­sen­ca­de­ou o es­cân­da­lo de cor­rup­ção da Fi­fa. Mar­co Po­lo del Ne­ro, su­ces­sor de Ma­rin, foi ba­ni­do pe­lo co­mi­tê de Éti­ca da en­ti­da­de no fim do ano pas­sa­do. an­tes, ri­car­do Tei­xei­ra, que co­man­dou a CBF por mais de du­as dé­ca­das, já ha­via si­do afas­ta­do do car­go por sus­pei­tas de cor­rup­ção. com três pre­si­den­tes der­ru­ba­dos por es­cân­da­los em se­te anos, a con­fe­de­ra­ção ain­da não con­se­guiu re­ce­ber o fun­do de le­ga­do de 300 mi­lhões de re­ais pro­me­ti­do pe­la Fi­fa pa­ra in­ves­ti­men­tos em ci­da­des que não se­di­a­ram a co­pa do Mun­do. “Fo­ra do cam­po, só te­nho a la­men­tar pe­lo fu­tebol bra­si­lei­ro”, diz o ex-jo­ga­dor Zico, que che­gou a plei­te­ar a pre­si­dên­cia da Fi­fa em 2015, mas des­car­ta a pos­si­bi­li­da­de de ar­ti­cu­lar uma can­di­da­tu­ra à con­fe­de­ra­ção na­ci­o­nal. “Não exis­te de­mo­cra­cia na CBF. os di­ri­gen­tes que lá es­tão que­rem se per­pe­tu­ar no po­der.”

iro­ni­ca­men­te, a se­le­ção bra­si­lei­ra, res­pon­sá­vel por eter­ni­zar a ex­pres­são de fra­cas­so do 7 a 1, ho­je já não se en­cai­xa no ter­mo, pe­lo me­nos den­tro de cam­po. sob a ba­tu­ta de Ti­te, que subs­ti­tuiu dun­ga após uma mal­fa­da­da se­gun­da pas­sa­gem pe­lo co­man­do ca­na­ri­nho, a equi­pe des­lan­chou. Fo­ram 10 vi­tó­ri­as e dois em­pa­tes nas eli­mi­na­tó­ri­as sul-ame­ri­ca­nas, que ga­ran­ti­ram ao Bra­sil o pri­mei­ro lu­gar na com­pe­ti­ção e a va­ga an­te­ci­pa­da na co­pa do Mun­do. co­mo téc­ni­co da

se­le­ção, Ti­te so­freu ape­nas uma der­ro­ta no amis­to­so con­tra a ar­gen­ti­na, em ju­nho de 2017. em ano de co­pa e elei­ções pre­si­den­ci­ais con­tor­na­das por um ce­ná­rio de des­cren­ça po­lí­ti­ca ge­ne­ra­li­za­da, a se­le­ção bra­si­lei­ra tem dei­xa­do o trau­ma do 7 a 1 no pas­sa­do ao se con­so­li­dar co­mo um so­pro de es­pe­ran­ça – ou um pe­da­ço de Bra­sil que dá cer­to – pa­ra os bra­si­lei­ros.

“a im­pu­ni­da­de me ma­chu­ca tan­to quan­to a de­so­nes­ti­da­de de po­lí­ti­cos que co­lo­ca­ram o país nes­sa si­tu­a­ção”, afir­ma Ti­te. “Mas o fo­co do nos­so tra­ba­lho é a co­pa do Mun­do, em bus­car a vi­tó­ria a par­tir do jo­go lim­po. Que­re­mos fa­zer com que os bra­si­lei­ros sin­tam orgulho dos jo­ga­do­res e da se­le­ção.” em­bo­ra te­nha so­fri­do crí­ti­cas por al­gu­mas es­co­lhas em con­vo­ca­ções, co­mo as do za­guei­ro ro­dri­go caio e do ata­can­te Wil­li­an Jo­sé, o trei­na­dor é qua­se uma una­ni­mi­da­de no Bra­sil. da mes­ma for­ma, é pra­ti­ca­men­te unâ­ni­me a im­pres­são de que boa par­te dos mé­ri­tos pe­la re­cu­pe­ra­ção da se­le­ção bra­si­lei­ra per­ten­ce a ele e a sua co­mis­são téc­ni­ca, não aos di­ri­gen­tes da CBF – con­tra os quais o pró­prio Ti­te di­re­ci­o­na­va crí­ti­cas pú­bli­cas an­tes de as­su­mir o car­go.

Ti­te con­se­guiu mon­tar uma ilha de ex­ce­lên­cia den­tro do ecos­sis­te­ma da car­to­la­gem cor­roí­do por ne­go­ci­a­tas e pa­ga­men­tos de pro­pi­na. en­tre seus prin­ci­pais fei­tos se des­ta­cam a ado­ção de um sis­te­ma tá­ti­co que pri­vi­le­gia as fun­ções exe­cu­ta­das pe­los jo­ga­do­res em seus clu­bes, a fi­lo­so­fia de tra­ba­lho apoi­a­da em um mo­der­no de­par­ta­men­to de aná­li­se de de­sem­pe­nho e o sen­so de equi­pe in­te­gra­do à se­le­ção, so­bre­tu­do por di­mi­nuir a de­pen­dên­cia de Ney­mar. as­sim co­mo na se­mi­fi­nal da co­pa do Mun­do, o cra­que se re­cu­pe­ra de uma le­são no pé di­rei­to e não en­fren­ta a alemanha nes­ta ter­ça-fei­ra. Mais uma opor­tu­ni­da­de pa­ra o téc­ni­co tes­tar jo­ga­do­res e sa­nar as úl­ti­mas dúvi­das an­tes da con­vo­ca­ção fi­nal pa­ra a co­pa.

Tan­to Ti­te quan­to os jo­ga­do­res se es­for­çam pa­ra re­cha­çar qual­quer cli­ma de re­van­che no re­en­con­tro com os ale­mães. To­dos sa­bem que de­vol­ver uma der­ro­ta em amis­to­so ja­mais ate­nu­a­rá o ve­xa­me de ter si­do eli­mi­na­do em ca­sa com a mai­or go­le­a­da da his­tó­ria em uma se­mi­fi­nal de co­pa do Mun­do. um sen­ti­men­to pa­re­ci­do com o de 2016, qu­an­do o Bra­sil sa­grou-se cam­peão olím­pi­co pe­la pri­mei­ra vez ao ba­ter o ti­me sub-23 ale­mão nos pê­nal­tis. o triun­fo his­tó­ri­co es­te­ve lon­ge de ser tra­ta­do co­mo uma vin­gan­ça, mas ser­viu pa­ra dar con­fi­an­ça a jo­vens jo­ga­do­res que ga­nha­ram es­pa­ço com Ti­te, co­mo o za­guei­ro Mar­qui­nhos e o ata­can­te ga­bri­el Je­sus – os dois úni­cos ti­tu­la­res re­ma­nes­cen­tes da fi­nal olím­pi­ca que en­fren­tam a alemanha no­va­men­te.

dos 25 con­vo­ca­dos por Ti­te pa­ra o amis­to­so, so­men­te qu­a­tro es­ti­ve­ram em cam­po no 7 a 1: Fer­nan­di­nho, Mar­ce­lo, Pau­li­nho e Wil­li­an. da­ni­el alves e Thi­a­go sil­va tam­bém fa­zi­am par­te do gru­po co­man­da­do por Luiz Felipe sco­la­ri, mas não atu­a­ram na tar­de fa­tí­di­ca do Mi­nei­rão. Pe­lo la­do ger­mâ­ni­co, o téc­ni­co Jo­a­chim Löw já adi­an­tou que fa­rá vá­ri­os tes­tes na equi­pe, pou­pan­do ti­tu­la­res co­mo Ter ste­gen, ozil e Tho­mas Mül­ler. ain­da as­sim, o dis­cur­so de res­pei­to à se­le­ção bra­si­lei­ra se man­tém. “o Bra­sil mu­dou com­ple­ta­men­te. Hou­ve mui­ta evo­lu­ção nos úl­ti­mos anos. É um ti­me que se de­fen­de com to­dos os jo­ga­do­res e tem um dos me­lho­res ata­ques do mun­do”, dis­se Löw às vés­pe­ras do du­e­lo. uma no­va der­ro­ta pa­ra a alemanha di­fi­cil­men­te aba­la­rá a con­fi­an­ça de Ti­te, mui­to me­nos seu pres­tí­gio, na jor­na­da pe­lo res­ga­te de cre­di­bi­li­da­de da se­le­ção bra­si­lei­ra. Já uma vi­tó­ria, ain­da que tão con­vin­cen­te co­mo o 3 a 0 so­bre a rús­sia na úl­ti­ma se­ma­na, não vai apa­gar a eter­na som­bra do 7 a 1, tam­pou­co da­rá aos bra­si­lei­ros uma do­se de oti­mis­mo em meio às cri­ses vi­vi­das pe­lo país. Po­de ser­vir ape­nas pa­ra con­fir­mar que a se­le­ção, sim, es­tá no ru­mo cer­to.

Se­le­ção Bra­si­lei­ra trei­na no Es­tá­dio Olím­pi­co de Ber­lim pa­ra o jo­go amis­to­so con­tra a Alemanha ama­nhã

Lucas Fi­guei­re­do/cbf

Lucas Fi­guei­re­do/cbf

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.