O desafio das elei­ções que fa­vo­re­cem candidatos ri­cos

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Al­guns po­lí­ti­cos há me­ses per­cor­rem o Bra­sil de co­mí­cio em co­mí­cio, es­quen­tan­do os mo­to­res pa­ra o dia 16, da­ta do iní­cio da cam­pa­nha às elei­ções gerais já com a con­fir­ma­ção ofi­ci­al de quem se­rão os candidatos aos mui­tos car­gos que es­tão em jo­go, de pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca a de­pu­ta­do es­ta­du­al. É ins­tru­ti­vo ver co­mo vi­a­jam. Jair Bol­so­na­ro, o ra­di­cal de di­rei­ta que li­de­ra as pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to à pre­si­dên­cia, usa aviões co­mer­ci­ais da mes­ma for­ma que a pró­xi­ma da lis­ta, a evan­gé­li­ca Ma­ri­na Sil­va, que além dis­so ten­ta vol­tar no mes­mo dia pa­ra eco­no­mi­zar em ho­téis: se pre­ci­sa per­noi­tar, o faz na ca­sa de al­gum sim­pa­ti­zan­te, no que a re­vis­ta Pi­auí ba­ti­zou de Airbnb da Ma­ri­na. Na­da pa­re­ci­do com o pla­no de João Do­ria, um mi­li­o­ná­rio que faz cam­pa­nha pa­ra go­ver­na­dor de São Pau­lo a bor­do de seu ja­ti­nho pri­va­do ava­li­a­do em 30 mi­lhões de dó­la­res (111 mi­lhões de re­ais), e que fi­nan­cia o cus­to de fai­xas e car­ta­zes com men­sa­gens de “Bem-vin­do João”. E en­tre es­ses ex­tre­mos exis­tem in­con­tá­veis va­ri­a­ções. Das mui­tas lei­tu­ras que po­dem ser fei­tas des­sas elei­ções, ne­nhu­ma é tão evi­den­te co­mo em que no país não afri­ca­no com a mai­or de­si­gual­da­de sa­la­ri­al do mun­do, os bol­sos dos candidatos se tor­na­ram uma ques­tão mais de­ci­si­va do que nun­ca.

Tu­do se de­ve a uma lei re­la­ti­va­men­te no­va cu­jo al­can­ce co­me­ça a ser vis­lum­bra­do ago­ra. Foi apro­va­da em 2015 e proí­be que as em­pre­sas do­em a cam­pa­nhas elei­to­rais. Sem es­sas do­a­ções, que sem­pre fo­ram a prin­ci­pal for­ma de fi­nan­ci­a­men­to elei­to­ral, os candidatos de­vem se li­mi­tar ago­ra ao fun­do de di­nhei­ro pú­bli­co que o Con­gres­so di­vi­de pro­por­ci­o­nal­men­te ao nú­me­ro de de­pu­ta­dos de ca­da par­ti­do. O to­tal é de pou­co mais de 2 bi­lhões de re­ais a ser di­vi­di­do en­tre os 35 par­ti­dos que par­ti­ci­pa­rão das elei­ções. Ou se­ja, na­da. “Os cus­tos re­ais das elei­ções não fo­ram re­du­zi­dos a es­ses li­mi­tes le­gal­men­te im­pos­tos”, diz ao EL PAÍS a juí­za De­ni­se Goulart Sch­lick­mann, au­to­ra do li­vro Fi­nan­ci­a­men­to de Cam­pa­nha e as­ses­so­ra do Tri­bu­nal Elei­to­ral pa­ra es­ses as­sun­tos. Em fe­ve­rei­ro, o Tri­bu­nal Elei­to­ral apro­vou in ex­tre­mis uma pos­sí­vel so­lu- ção: que ca­da can­di­da­to pos­sa pa­gar a cam­pa­nha do seu pró­prio bol­so. De re­pen­te, as elei­ções se tor­na­ram mais fá­ceis aos ri­cos. É me­lhor ter um ja­ti­nho pri­va­do do que o Airbnb da Ma­ri­na.

Is­so po­de afe­tar as que se­rão as elei­ções mais im­por­tan­tes na me­mó­ria re­cen­te do mai­or país la­ti­no-ame­ri­ca­no. Pa­ra o bem e pa­ra o mal, o plei­to mar- ca­rá o fim de uma era e o co­me­ço de ou­tra: é a pri­mei­ra vez que os bra­si­lei­ros vo­tam pa­ra pre­si­den­te após a ex­plo­são do ca­so Pe­tro­bras, que re­ve­lou que pra­ti­ca­men­te to­da a clas­se po­lí­ti­ca se be­ne­fi­ci­a­va de um gi­gan­tes­co es­que­ma de mal­ver­sa­ção de fun­dos pú­bli­cos usan­do a em­pre­sa es­ta­tal. São as pri­mei­ras elei­ções após o trau­má­ti-

co im­pe­a­ch­ment de Dil­ma Rous­seff em agos­to de 2016 e que de­ve­ri­am co­lo­car fim à pa­ra­li­sia po­lí­ti­ca pro­vo­ca­da pe­lo im­po­pu­lar go­ver­no que a subs­ti­tuiu, o de Mi­chel Te­mer. E após a pri­são por cor­rup­ção do ex­pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, eter­no can­di­da­to ou ca­bo elei­to­ral pre­fe­ri­do com so­bras em to­das as pes­qui­sas, as elei­ções de ou­tu­bro de­ve­ri­am ser a gran­de opor­tu­ni­da­de em anos de re­no­va­ção da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra e dei­xar o país nas mãos de pes­so­as se não mais jo­vens, pe­lo me­nos alhei­as à ve­lha eli­te po­lí­ti­ca.

Na re­a­li­da­de, en­tre­tan­to, é a gran­de opor­tu­ni­da­de dos ri­cos e co­nhe­ci­dos. No Le­gis­la­ti­vo os no­ve prin­ci­pais par­ti­dos, con­sul­ta­dos pe­lo EL PAÍS, ad­mi­tem que se cen­tra­rão nos mais ve­te­ra­nos do Con­gres­so, por­que por já se­rem co­nhe­ci­dos não pre­ci­sam gas­tar tan­to em co­mu­ni­ca­ção. No Exe­cu­ti­vo, o par­ti­do no Go­ver­no, o Mo­vi­men­to De­mo­crá­ti­co Bra­si­lei­ro, con­fi­ou seu fu­tu­ro a Hen­ri­que Mei­rel­les, o ex-mi­nis­tro da Fa­zen­da, em boa par­te por­que tem uma for­tu­na pes­so­al (217 mi­lhões de re­ais) que po­de in­ves­tir em sua cam­pa­nha. No fi­nal das con­tas, nas elei­ções mu­ni­ci­pais de 2016, quan­do a lei já es­ta­va em vi­gor, da cam­pa­nha mais ba­ra­ta em dé­ca­das aos co­fres pú­bli­cos saí­ram 23 mi­li­o­ná­ri­os elei­tos nas 92 mai­o­res ci­da­des do país.

Di­an­te des­ses em­pe­ci­lhos, cer­tos no­vos po­lí­ti­cos es­tão tes­tan­do ca­mi­nhos al­ter­na­ti­vos pa­ra en­trar no im­pe­ne­trá­vel es­ta­blish­ment po­lí­ti­co. Ail­ton Cu­nha, de 28 anos e de uma ci­da­de do in­te­ri­or de Mi­nas Gerais, tra­ba­lha­va em pro­gra­mas pa­ra a ju­ven­tu­de em di­fe­ren­tes em­pre­gos até que, pou­co a pou­co, ten­tou en­trar na po­lí­ti­ca. O que des­co­briu: “Os po­lí­ti­cos atu­ais cri­a­ram um mo­de­lo pa­ra se afer­rar ao po­der que di­fi­cul­ta a en­tra­da de ros­tos no­vos”, lamenta. Mas en­con­trou am­pa­ro na Re­no­va­br, uma or­ga­ni­za­ção que reu­niu mi­lhões de re­ais em crowd­fun­ding e os di­vi­de en­tre 134 bra­si­lei­ros que, co­mo ele, que­rem se can­di­da­tar ao Con­gres­so.

Nos úl­ti­mos me­ses sur­gi­ram mais de uma dú­zia de or­ga­ni­za­ções se­me­lhan­tes pa­ra aju­dar os in­de­pen­den­tes. “A so­ci­e­da­de quer re­to­mar a po­lí­ti­ca”, diz Edu­ar­do Mu­fa­rej, fun­da­dor da Re­no­va­br. “Não acho que te­re­mos uma gran­de opor­tu­ni­da­de de que se­jam elei­tos, mas o re­sul­ta­do se­rá só o pri­mei­ro pas­so, um pon­to de in­fle­xão. Mas é im­por­tan­te. Te­mos pes­so­as for­ma­das em Har­vard e Ya­le, al­go que nun­ca foi vis­to na fe­cha­da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra”. Cu­nha tam­bém acha que a re­no­va­ção vi­rá mais em 2022 do que em 2018, mas não de­sis­te. “Sem­pre di­go que quan­do ve­mos al­gu­ma coi­sa que não vai bem te­mos a obri­ga­ção de agir”, afir­ma. “E es­ta­mos em um mo­men­to em que era im­pos­sí­vel ver a si­tu­a­ção des­se país e fi­car de bra­ços cru­za­dos”.

Hen­ri­que Mei­rel­les par­ti­ci­pa do de­ba­te “Diá­lo­go da In­dús­tria com Candidatos à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca

SER­GIO LI­MA/CNI

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.