Saú­de men­tal não de­ve ser ta­bu, ava­li­am pes­qui­sa­do­res

Brasil em Folhas - - Primeira Página -

Fa­lar so­bre saú­de men­tal, de­pres­são, an­si­e­da­de e sui­cí­dio exi­gem cui­da­dos, mas não po­dem ser dei­xa­dos de la­do so­bre­tu­do em um ce­ná­rio de cres­ci­men­to dos ca­sos de au­to­le­são em to­do o mun­do. De acor­do com pes­qui­sa­do­res, a di­fi­cul­da­de exis­te por­que há es­tig­mas e pou­ca com­pre­en­são da so­ci­e­da­de dan­do mar­gem, com frequên­cia, a vi­sões que car­re­gam pre­con­cei­to. Mui­tas ve­zes, o ta­bu in­ter­di­ta a cir­cu­la­ção da in­for­ma­ção, o que é im­por­tan­te pa­ra evi­tar no­vas ocor­rên­ci­as de sui­cí­dio.

“Fal­tam re­des hu­ma­nas de apoio, as pes­so­as vi­vem mu­dan­ças na con­fi­gu­ra­ção dos re­la­ci­o­na­men­tos e tu­do is­so po­de cri­ar uma sen­sa­ção de que vo­cê vi­ve aque­le so­fri­men­to so­zi­nho. Por is­so, uma das apos­tas que fa­ze­mos em nos­so aten­di­men­to pre­ven­ti­vo é na ex­pres­são. Até pa­ra que se pos­sa fa­lar tam­bém das coi­sas ruins. Nas re­des so­ci­ais, em ge­ral, as pes­so­as fa­lam das coi­sas ma­ra­vi­lho­sas. E é im­por­tan­te fa­lar mais am­pla­men­te so­bre os sen­ti­men­tos”, diz a psi­có­lo­ga Lau­ra Qua­dros, che­fe do Ser­vi­ço de Psi­co­lo­gia Apli­ca­da da Uni­ver­si­da­de do Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro (Uerj).

Pa­ra Lau­ra, o au­men­to das ocor­rên­ci­as que en­vol­ve di­re­ta­men­te a po­pu­la­ção mais jo­vem co­lo­ca o sui­cí­dio co­mo uma emer­gên­cia mé­di­ca. De acor­do com a Or­ga- ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), es­sa é uma ten­dên­cia em to­do o mun­do. Es­ti­ma­ti­vas do ór­gão apon­tam que, de­pois da violência, o sui­cí­dio é o fa­tor que mais ma­ta jo­vens en­tre 15 e 29 anos. Anu­al­men­te, mais de 800 mil pes­so­as ti­ram a pró­pria vi­da, nú­me­ro que re­pre­sen­ta 1,4% de to­das as mor­tes do mun­do. Em sin­to­nia com a ten­dên­cia in­ter­na­ci­o­nal, o país re­gis­trou, en­tre 2011 e 2016, um au­men­to dos ca­sos no­ti­fi­ca­dos de le­são au­to­pro­vo­ca­da nos se­xos feminino e mas­cu­li­no de 209,5% e 194,7%, res­pec­ti­va­men­te. Além dis­so, um le­van­ta­men­to fei­to pe­la Associação Na­ci­o­nal dos Dirigentes das Ins­ti­tui­ções Fe­de­rais de Ensino Superior (An­di­fes) em to­das as re­giões do Bra­sil mos­trou que 80% dos es­tu­dan­tes da gra­du­a­ção ad­mi­tem ter en­fren­ta­do al­gum pro­ble­ma emo­ci­o­nal, co­mo an­si­e­da­de, desânimo, insô­nia, tris­te­za per­ma­nen­te, sen­sa­ção de de­sa­ten­ção, de­ses­pe­ro, fal­ta de es­pe­ran­ça e sen­ti­men­to de desamparo e so­li­dão.

Es­pe­ci­a­lis­tas ava­li­am que ado­les­cen­tes e jo­vens são mais sus­ce­tí­veis a pro­ble­mas emo­ci­o­nais e trans­tor­nos men­tais, por­que há mui­ta ex­pec­ta­ti­va e in­se­gu­ran­ça em re­la­ção ao fu­tu­ro. Pa­ra Lau­ra Qua­dros, o mun­do atu­al co­bra uma ur­gên­cia pe­lo su­ces­so, e as ten­sões e pres­sões são mais exa­cer­ba­das. “Em um mun­do mais len­to, tal­vez con­se­guís­se­mos en­ten­der que es­pe­rar é um das pos­si­bi­li­da­des. Mas não é o que ocor­re ho­je”, ava­lia.

Cui­da­dos - Há um con­sen­so en­tre psi­có­lo­gos e psi­qui­a­tras so­bre a im­por­tân­cia de que as abor­da­gens de pre­ven­ção te­nham co­mo ob­je­ti­vo o es­tí­mu­lo a um am­bi­en­te fa­vo­rá­vel pa­ra que o jo­vem pos­sa fa­lar so­bre seus so­fri­men­tos com pes­so­as pró­xi­mas e com pro­fis­si­o­nais ca­pa­ci­ta­dos. É o que tem fei­to a Uerj com a cri­a­ção de di­ver­sos ca­nais pa­ra re­ce­ber de­man­das, sen­do o prin­ci­pal de­les o Nú­cleo de Aten­di­men­to ao Es­tu­dan­te. O Ser­vi­ço de Psi­co­lo­gia Apli­ca­da, co­or­de­na­do por Lau­ra, tam­bém é par­te das me­di­das.

“Não é uma uni­da­de de saú­de as­sis­ten­ci­al. A mis­são prin­ci­pal é for­mar es­tu­dan­tes na prá­ti­ca de psi­co­lo­gia. Mas abri­mos os es­pa­ços pa­ra aten­di­men­to. E es­sa pro­cu­ra tem au­men­ta­do bas­tan­te, tan­to pe­la co­mu­ni­da­de in­ter­na co­mo pe­la co­mu­ni­da­de ex­ter­na”, ex­pli­ca.

No mês pas­sa­do, foi aber­to um pe­río­do pa­ra tri­a­gem, mo­men­to em que o Ser­vi­ço de Psi­co­lo­gia Apli­ca­da es­cu­ta no­vas pes­so­as com o in­tui­to de ab­sor­ver em seu aten­di­men­to. Em ape­nas du­as se­ma­nas, cer­ca 200 pes­so­as se apre­sen­ta­ram, re­la­tan­do al­gum ti­po de so­fri­men­to. O vo­lu­me da de­man­da im­pres­si­o­nou e o pe­río­do de tri­a­gem pre­ci­sou ser en­cer­ra­do. Atu­al­men­te, apro­xi­ma­da­men­te 300 pa­ci­en­tes já são aten­di­das pe­lo ser­vi­ço. O cres­ci­men­to da pro­cu­ra, se­gun­do a psi­có­lo­ga, tam­bém re­fle­te a cri­se econô­mi­ca da saú­de pú­bli­ca do Rio de Ja­nei­ro. “Es­se é um ano mui­to crí­ti­co. Te­mos a ten­dên­cia mun­di­al e hou­ve fe­cha­men­to de vá­ri­os am­bu­la­tó­ri­os na cidade, es­tu­fan­do nos­sos re­gis­tros. E nós não te­mos es­tru­tu­ra pa­ra ab­sor­ver to­da a de­man­da. Ten­ta­mos atu­ar den­tro das nos­sas pos­si­bi­li­da­des. In­clu­si­ve em sin­to­nia com a tra­di­ção da Uerj, ins­ti­tui­ção que foi pi­o­nei­ra em po­lí­ti­cas de ações afir­ma­ti­vas no país, que vem sem­pre jun­to de es­tra­té­gi­as de aco­lhi­men­to ao es­tu­dan­te”.

As me­di­das ado­ta­das pe­la uni­ver­si­da­de vi­sa­ram dar res­pos­ta aos ca­sos que vi­nham ocor­ren­do, in­cluin­do ten­ta­ti­vas de sui­cí­dio que não se con­cre­ti­za­ram.

A Uerj não é uma ex­ce­ção. Nos úl­ti­mos anos, di­fe­ren­tes ins­ti­tui­ções pú­bli­cas de ensino es­pa­lha­das pe­lo país pre­ci­sa­ram li­dar com ocor­rên­ci­as de sui­cí­dio den­tro de seus es­pa­ços. Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia (UNB), Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Mi­nas Ge­rais (UFMG) e Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP) re­gis­tra­ram ca­sos. As ins­ti­tui­ções não cos­tu­mam di­vul­gar le­van­ta­men­tos es­pe­cí­fi­cos so­bre os ca­sos, mas vêm se fir­man­do co­mo lu­gar de re­fe­rên­cia em es­tu­dos e em acom­pa­nha­men­to.

MAR­CE­LO CA­MAR­GO/AGÊN­CIA BRA­SIL/AGÊN­CIA BRA­SIL

So­ci­e­da­de com­pre­en­de pou­co dan­do mar­gem a vi­sões pre­con­cei­tu­o­sas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.